Josef Stalin

Vamos explicar quem foi Josef Stalin e como chegou ao poder da União Soviética. Além disso, o seu regime totalitário e o seu papel na Segunda Guerra Mundial e no início da Guerra Fria.

Stalin estabeleceu um regime totalitário na URSS depois do seu ascenso no poder, em 1924.

Quem foi Josef Stalin?

Josef Stalin foi um dirigente comunista que liderou o Partido Comunista da União Soviética entre 1922 e 1952 e governou a União Soviética desde a morte de Lenin em 1924 até sua própria morte em 1953. Embora tenha governado inicialmente com outros líderes bolcheviques, logo concentrou o poder e instaurou um regime totalitário baseado no culto à personalidade e à perseguição política.

Stalin promoveu o “socialismo em um só país” contra as ideias da “revolução permanente” de Leon Trotsky, que teve que se exilar em 1929. Seu programa de planos quinquenais impulsionou a industrialização mediante o planejamento estatal da economia e a coletivização forçada da produção agrícola. Este processo provocou a morte de milhões de camponeses, especialmente na Ucrânia, devido à fome e à repressão estatal.

A violência política do regime de Stalin atingiu o seu pico durante a Grande Purga de funcionários comunistas entre 1936 e 1938. Em 1941, devido à invasão alemã da União Soviética no contexto da Segunda Guerra Mundial (1939–1945), Stalin aliou-se com as potências ocidentais e liderou o esforço militar soviético contra as potências do Eixo.

Após a vitória aliada na Segunda Guerra Mundial, Stalin conseguiu impor o domínio soviético sobre os países da Europa Central e Oriental, governados por “democracias populares” lideradas pelos partidos comunistas locais. Neste contexto, liderou o bloco comunista no início da Guerra Fria contra o bloco capitalista ocidental liderado pelos Estados Unidos. Morreu em Moscou, em 5 de março de 1953.

Os primeiros anos de Stalin

Josef Stalin nasceu com o nome de Josef Vissarionovich Dzhugashvili na cidade de Gori, na atual Geórgia (na época parte do Império Russo), em 18 de dezembro de 1878 (6 de dezembro do calendário juliano que se utilizava naqueles anos na região).

Era filho de um pobre sapateiro, que sofria de alcoolismo e batia nele, e de uma empregada doméstica e costureira muito religiosa, que queria que Josef se tornasse sacerdote. Ele aprendeu russo e entrou na escola paroquial de Gori em 1888.

Formou-se em 1894 e entrou no Seminário Teológico de Tbilisi, uma escola secundária da Igreja Ortodoxa russa. Durante seus anos no seminário começou a ler em segredo a obra de Karl Marx e a relacionar-se com grupos revolucionários.

Em 1898 entrou para o Partido Operário Social-Democrata da Rússia e em 1899 abandonou ou foi expulso do seminário. Conseguiu um emprego como funcionário do observatório de Tbilisi, participou em greves e manifestações e foi várias vezes preso.

Os casamentos e os filhos de Stalin

Stalin se casou pela primeira vez com Ekaterina Svanidze em 1906, com quem teve um filho, chamado Yakov. Yekaterina morreu em 1907 e Stalin se casou pela segunda vez com Nadezhda Alliluyeva em 1919, que se suicidou em 1932. Tiveram dois filhos: Vasili, nascido em 1921, e Svetlana, nascida em 1926.

Stalin também teve dois filhos ilegítimos com Lídia Pereprygina, uma jovem de uma aldeia na Sibéria. O primeiro nasceu em 1914, mas faleceu pouco tempo depois. O segundo nasceu em 1917 e recebeu o nome de Alexander. Foi adotado pelo posterior marido de Pereprygina e recebeu o sobrenome Davydov.

O ascenso de Stalin na facção bolchevique

Stalin começou a concentrar poder quando o estado de saúde de Lenin se agravou, em 1922.

Em 1903, o Partido Operário Social-Democrata da Rússia se dividiu em duas facções (mencheviques e bolcheviques), e Stalin se uniu aos bolcheviques de Lenin. Participou em roubos de bancos ou “ex-apropriações” para conseguir fundos para os bolcheviques e, em 1912, Lenin o nomeou integrante do Comitê Central da facção bolchevique por “cooptação” (ou seja, sem a eleição do congresso do partido).

Nesta época, começou a usar o pseudônimo Stalin (do russo stal, que significa “aço”). Em janeiro de 1913, publicou em Viena o ensaio O marxismo e a questão nacional, no qual expôs suas ideias sobre a relação entre o marxismo e o nacionalismo. Em fevereiro, foi preso em São Petersburgo e entre julho de 1913 e março de 1917 viveu em um exílio forçado na Sibéria.

Quando se produziu a Revolução Russa de março de 1917, que derrubou o czar Nicolau II, Stalin abandonou a Sibéria e chegou a Petrogrado (antiga São Petersburgo), onde se tornou editor do jornal bolchevique Pravda. Durante os anos de coexistência do governo provisório e soviet de Petrogrado, Stalin aceitou a ideia de Lenin de que os bolcheviques deveriam tomar o poder pela força.

Participou da Revolução de Outubro (em novembro de 1917) que instalou no governo os bolcheviques, liderados por Lenin. Desde então, desempenhou funções político-militares durante a Guerra Civil Russa (1918–1921) e ocupou cargos ministeriais no governo.

Em 1922, foi nomeado secretário-geral do Comitê Central do Partido Comunista da Rússia (criado em 1918), que mais tarde mudou seu nome para Partido Comunista da União Soviética.

Com Lenin doente, Stalin começou a concentrar cada vez mais poder, enquanto isso, em dezembro de 1922, criou-se a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), mediante a assinatura de um tratado entre Rússia, Ucrânia, Transcaucásia e Bielorrússia. Todas as repúblicas soviéticas, que chegaram a ser quinze no total, ficaram sob a autoridade do secretário-geral do Partido Comunista da União Soviética, que neste momento era Stalin.

A morte de Lenin e a ditadura de Stalin

Após a morte de Lenin em janeiro de 1924, Stalin se tornou o principal líder da União Soviética. Inicialmente, tratou de marginalizar o seu rival León Trotsky e formou um triunvirato com os dirigentes Grigori Zinoviev e Lev Kamenev. Em seguida, aliou-se com Nikolai Bukharin e confrontou Zinoviev e Kamenev, que o destituiu de seus cargos.

Em 1929, expulsou Trotsky da União Soviética e, além disso, destituiu Bukharin. Tanto Bukharin, como Zinoviev e Kamenev foram executados anos depois, durante a Grande Purga, realizada por Stalin entre 1936 e 1938. Trotsky foi assassinado quando estava exilado no México, em 1940.

Desde 1925, o Partido Comunista adotou a política de “socialismo em um só país” defendida por Stalin, que apresentava a necessidade de reforçar o comunismo na União Soviética através da centralização econômica e da industrialização com o objetivo de competir com as potências capitalistas ocidentais.

Esta política era contrária à “revolução permanente”, defendida por Trotsky, que considerava necessário promover a revolução nos países industrializados da Europa para evitar o isolamento da União Soviética.

O planejamento econômico e o totalitarismo de Stalin

Antiguos aliados de Stalin, como Alekséi Rykov, Grigori Zinoviev y Nikolai Bujarin, foram vítimas da Grande Purga.

Em 1928, Stalin abandonou a NEP (Nova Política Econômica), um sistema econômico misto implementado por Lenin em 1921, que combinava o controle estatal de algumas áreas da economia com o investimento privado e a economia de mercado. Stalin passou a um sistema de planejamento estatal, baseado na coletivização forçada (ex-apropriação de terras e criação de fazendas coletivas sob o controle estatal) e na indústria pesada administrada pelo Estado (carvão, petróleo, ferro, aço, maquinaria, etc.).

Este sistema foi organizado em planos quinquenais (com metas de cinco anos) e favoreceu a rápida industrialização da União Soviética, que logo se tornou uma potência mundial.

No entanto, a coletivização forçada provocou a morte de milhões de camponeses, especialmente na Ucrânia, tanto devido à fome como à política repressiva contra aqueles que se opuseram, que incluiu execuções, deportações e internamento em campos de trabalhos forçados.

O caráter totalitário do regime de Stalin se manifestou também em medidas políticas como a perseguição da dissidência (através da NKVD ou da polícia secreta), a administração de um sistema de campos de concentração e de trabalhos forçados (chamado Gulag) e o culto à personalidade do líder.

Entre 1936 e 1938 foi realizada a Grande Purga, que consistiu no julgamento e deportação ou execução de cerca de um milhão de pessoas com cargos importantes do governo, do partido e do Exército Vermelho, que foram acusados de “traição” ou considerados “inimigos do povo”. A eliminação de qualquer possível oposição política e a vigilância permanente através da polícia secreta reforçaram a concentração do poder na pessoa de Stalin.

A política externa de Stalin antes da Segunda Guerra Mundial

Depois de implementar a sua ditadura, Stalin praticou uma política internacional de mudança. Desde 1928, impulsionou uma política denominada “classe contra classe”, que afirmava que os interesses dos operários eram opostos aos da burguesia e, portanto, rejeitava qualquer aliança com setores externos ao comunismo. Isto provocou um conflito frontal com a social-democracia europeia e facilitou a ascensão de Adolf Hitler ao poder na Alemanha.

Diante do crescimento do fascismo europeu na década de 1930, Stalin trabalhou com uma nova política externa. Conseguiu o ingresso da União Soviética na Liga das Nações em 1934 e apoiou a estratégia das frentes populares, concretizada no VII Congresso Internacional Comunista, em 1935. Esta estratégia promovia a aliança dos comunistas com outros setores de esquerda para fazer frente ao fascismo.

Tratava-se agora de se aproximar das democracias ocidentais para tentar travar o expansionismo nazista. Maksim Litvínov, ministro dos Negócios Estrangeiros da União Soviética entre 1930 e 1939, foi o melhor representante desta nova direção política que teve o seu maior exemplo nas frentes populares formadas na França e na Espanha.

Stalin na Segunda Guerra Mundial

Em Potsdam, Stalin negociou com os outros líderes aliados na organização do mundo do pós-guerra.

Diante do expansionismo nazista antes da Segunda Guerra Mundial, o Reino Unido e a França impulsionaram a política de apaziguamento, que consistia em aceitar algumas reivindicações territoriais de Hitler para evitar um confronto direto. O exemplo mais claro foi o Pacto de Munique, que aceitou a anexação alemã dos territórios Sudetos da Tchecoslováquia em 1938.

Estes fatos precipitaram uma mudança radical na política soviética frente ao nazismo: a busca de um compromisso com Hitler. A destituição de Litvínov e sua substituição por Viacheslav Molotov no Ministério dos Negócios Estrangeiros em maio de 1939, marcaram o novo rumo que levou ao Pacto de Não Agressão Germano-Soviético, em agosto de 1939.

A consequência imediata deste pacto foi a invasão alemã da Polônia em setembro de 1939, que iniciou a Segunda Guerra Mundial (1939–1945), e a divisão da Polônia e o resto da Europa Oriental entre Hitler e Stalin.

No entanto, em 22 de junho de 1941, a Alemanha nazista invadiu a União Soviética e Stalin teve que se unir aos Aliados e se concentrar nos esforços de guerra soviéticos contra as potências do Eixo.

Participou das conferências dos “Três Grandes” (junto com o presidente dos Estados Unidos e o primeiro-ministro do Reino Unido) em Teerã (1943), Yalta (1945) e, pouco depois de vencer a Alemanha nazista, Potsdam (1945). Nestas conferências, Stalin negociou com os governantes das potências ocidentais diversos aspectos da ordem do pós-guerra, incluindo a divisão da Alemanha.

A Guerra Fria e a morte de Stalin

O corpo de Stalin foi embalsamado e o funeral foi celebrado em 9 de março de 1953.

O caráter decisivo da participação da União Soviética e dos Estados Unidos no triunfo aliado na Segunda Guerra Mundial determinou que ambos os países se tornassem as duas principais potências mundiais no pós-guerra.

Logo eclodiu a Guerra Fria entre as duas potências, uma competição pela hegemonia mundial que gerou na Europa uma divisão em dois blocos: o bloco oriental ou comunista, sob o controle da União Soviética, e o bloco ocidental ou capitalista, sob a hegemonia dos Estados Unidos.

Stalin promoveu o controle sobre a Europa Central e Oriental através da formação das “democracias populares”, regimes socialistas dominados pelos partidos comunistas de cada país, que respondiam diretamente às ordens de Moscou.

O cisma iugoslavo de 1948, que implicou a ruptura com a União Soviética do regime comunista do marechal Tito na Iugoslávia, motivou Stalin a iniciar uma campanha de purga nas “democracias populares” que ainda estavam sob seu controle. Isto provocou a perseguição e a execução de muitos dirigentes comunistas acusados de “titoísmo” e facilitou o reforço do controle estalinista.

Nos últimos anos, Stalin apoiou a Coreia do Norte contra a Coreia do Sul e os Estados Unidos na Guerra da Coreia (1950–1953) e continuou a repressão interna, incluindo uma campanha de denúncia contra médicos de origem judaica, acusados de uma suposta conspiração que, após a morte de Stalin, revelou-se que era falsa.

Stalin morreu em 5 de março de 1953, com 74 anos. O seu sucessor, Nikita Khrushchev, emitiu uma anistia para os presos políticos do estalinismo e promoveu uma política de desestalinização, baseada em uma crítica ao culto da personalidade e aos aspectos repressivos do regime de Stalin.

Continue com:

Referências

  • Britannica, Encyclopaedia (2023). Stalinism. Encyclopedia Britannica. https://www.britannica.com/ 
  • Fitzpatrick, S. (2005). La revolución rusa. Siglo XXI.
  • Hingley, R. F. (2023). Joseph Stalin. Encyclopedia Britannica. https://www.britannica.com/ 
  • Saborido, J. (2009). Historia de la Unión Soviética. Emecé.
  • Service, R. (2018). Stalin. Una biografía. Siglo XXI.

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

GAYUBAS, Augusto. Josef Stalin. Enciclopédia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/josef-stalin/. Acesso em: 7 junho, 2024.

Sobre o autor

Autor: Augusto Gayubas

Doutor em História (Universidad de Buenos Aires)

Traduzido por: Cristina Zambra

Licenciada em Letras: Português e Literaturas da Língua Portuguesa (UNIJUÍ)

Data da última edição: 18 março, 2024
Data de publicação: 4 dezembro, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)