Queda da União Soviética

Vamos explicar como foi a queda da União Soviética. Além disso, suas causas e as etapas do processo que levou ao seu fim.

A dissolução da URSS em dezembro de 1991 marcou o final da Guerra Fria.

Como foi a queda da União Soviética?

A queda da União Soviética (URSS) foi o processo pelo qual deixou de existir a União Soviética (oficialmente chamada União das Repúblicas Socialistas Soviéticas), que tinha sido criada pelo governo bolchevique em 1922.

A União Soviética integrava quinze repúblicas governadas pelo secretário-geral do Partido Comunista da União Soviética (PCUS). Entre 1990 e 1991, as repúblicas soviéticas proclamaram a sua independência e, na sua maioria, aderiram à Comunidade de Estados Independentes (CEI), criada por um acordo entre a Rússia, a Ucrânia e a Bielorrússia.

O processo que determinou a queda da União Soviética começou com as reformas de Mikhail Gorbachev, secretário-geral do PCUS, desde 1985. A Perestroika (reestruturação econômica) aprofundou as dificuldades financeiras que a União Soviética atravessava, e a Glasnost (transparência) abriu o caminho às expressões democráticas e aos movimentos nacionalistas.

A crítica à burocracia comunista e as reivindicações de maior liberdade (política e econômica) agravaram-se devido a acontecimentos como o acidente na central nuclear de Chernobil (Ucrânia) em 1986, a prolongada invasão soviética do Afeganistão (que terminou com a retirada das tropas em 1989) e a queda dos regimes comunistas do bloco oriental da Europa em 1989.

As primeiras eleições multipartidárias em 1990 favoreceram em geral os partidos nacionalistas. Na Rússia, ganhou importância a facção democrática e liberal de Boris Iéltsin, que liderou um protesto popular contra uma tentativa de golpe de Estado de marxistas ortodoxos em agosto de 1991.

Na sequência destes fatos, o PCUS foi proibido. Gorbachev renunciou ao cargo de presidente da URSS em 25 de dezembro e, em 31 de dezembro de 1991, a União Soviética deixou oficialmente de existir. Isso pôs fim à Guerra Fria.

Os antecessores de Mikhail Gorbachev

Yuri Andropov (1983-1984)

Yuri Andropov (1914-1984) foi secretário-geral do Partido Comunista da União Soviética (PCUS) e líder da União Soviética desde a morte de Leonid Brejnev, em novembro de 1982, até a sua própria morte, quinze meses mais tarde.

Entrou para o PCUS em 1939 e foi subindo na hierarquia da burocracia soviética. Como embaixador na Hungria (julho de 1954 a março de 1957), desempenhou um papel fundamental na invasão soviética do país em 1956. Após regressar a Moscou, continuou a sua carreira e foi nomeado diretor do KGB (Comitê de Segurança do Estado), a polícia secreta soviética, que desempenhou entre 1967 e 1982. Andropov adotou uma linha dura baseada na repressão de qualquer tipo de dissidência política.

Foi eleito secretário-geral do PCUS em 12 de novembro de 1982, dois dias depois da morte de Brejnev, mas mal pode governar por seus problemas de saúde. Desapareceu dos atos públicos em agosto de 1983 e foi substituído após a sua morte, ocorrida em 9 de fevereiro de 1984, por Konstantin Chernenko.

Konstantin Chernenko (1984-1985)

Konstantin Chernenko (1911-1985) foi o líder da União Soviética entre fevereiro de 1984 e sua morte em 10 de março de 1985. Incorporou-se ao PCUS em 1931 e ascendeu aos cargos da burocracia soviética até se tornar chefe de gabinete de Brejnev, quando este assumiu a liderança em 1964.

Sua estreita relação com Brejnev e suas posições conservadoras fizeram com que para muitos fosse o mais provável sucessor após sua morte. No entanto, não foi capaz de unir as diferentes facções do partido quando Brejnev morreu em 1982 e Yuri Andropov foi escolhido para o cargo de secretário-geral do PCUS.

A morte rápida de Andropov levou Chernenko ao poder em fevereiro de 1984, com 72 anos de idade. Tal como o seu antecessor, Chernenko começou rapidamente a mostrar sinais de deterioração da sua saúde. Suas doenças fizeram com que muitas vezes não pudesse cumprir seus compromissos oficiais. Após a sua morte em março de 1985, uma figura política mais jovem chegou ao Kremlin: Mikhail Gorbachev.

A Perestroikae a Glasnost

As reformas de Mikhail Gorbachev precipitaram a queda da União Soviética.

O processo que levou à queda da União Soviética começou com as reformas implementadas por Mikhail Gorbachev a partir de 1985. Quando Gorbachev assumiu o cargo de secretário-geral do Partido Comunista da União Soviética (PCUS) em 1985, a União Soviética encontrava-se em grandes dificuldades econômicas e políticas. Para lidar com esta situação, o líder soviético tomou uma série de medidas de política interna e externa:

  • Uma reforma econômica conhecida como Perestroika (reestruturação), que envolvia a liberalização de alguns aspectos da economia.
  • Uma reforma política conhecida como Glasnost (transparência), que consistia em democratizar a política e os meios de comunicação.
  • Um desanuviamento das relações com os Estados Unidos e uma redução do gasto militar (o que implicou o abandono da Doutrina Brejnev, que permitia intervir militarmente nos estados satélites da União Soviética na Europa Central e Oriental).

A Perestroikaexacerbou os problemas econômicos enquanto a Glasnost permitiu que a informação circulasse e a população se expressasse com maior liberdade. Isso provocou manifestações de descontentamento com a burocracia soviética.

A crise política da União Soviética e o descontentamento com as suas autoridades aprofundaram-se devido ao acidente em uma central nuclear de Chernobil (Ucrânia) em 1986, que foi tratada com secretismo pelas autoridades soviéticas, e na sequência dos milhares de mortos provocados pela invasão soviética do Afeganistão, que tinha começado em 1979 e apenas em 1988, conduziu ao compromisso de Gorbachev de retirar as tropas (a retirada soviética terminou em fevereiro de 1989).

As revoluções de 1989 na Europa Central e Oriental

O abandono da Doutrina Brejnev por parte de Gorbachev em 1988 favoreceu a rápida queda dos regimes comunistas da Europa Central e Oriental, que já não podiam recorrer à força militar dos países do Pacto de Varsóvia (e especialmente da União Soviética) para se sustentar.

As revoluções de 1989 provocaram o estabelecimento de democracias multipartidárias e de economias de mercado na Europa Central e Oriental e provocaram a queda do Muro de Berlim (1989) e a subsequente reunificação da Alemanha (1990). Esta situação determinou o fim do bloco soviético e contribuiu para acelerar o processo de desagregação que estava tendo na própria União Soviética.

Os movimentos nacionalistas e a independência das repúblicas soviéticas

Em meio a uma profunda crise econômica e com uma população que, graças à Glasnost, manifestava cada vez mais seu descontentamento com o regime soviético, o nacionalismo veio a atuar como fator de desagregação do Estado soviético (herdeiro do Império Czarista).

As Repúblicas Bálticas (Estônia, Letônia e Lituânia) foram anexadas à União Soviética através do Pacto de não agressão germano-soviético assinado por Viacheslav Molotov e Joachim von Ribbentrop em 1939. Durante o outono europeu de 1989, eles deixaram bem claro a sua intenção de romper os laços com a União Soviética. Paralelamente, o nacionalismo começou a se expressar nas repúblicas caucasianas, incitado pelo confronto entre armênios e azeris em Nagorno-Karabakh em 1988.

Quando, em fevereiro de 1990, Gorbachev renunciou ao monopólio político do PCUS e convocou eleições legislativas parcialmente pluralistas (nas quais podiam participar candidatos não comunistas) nas quinze repúblicas que constituíam a União Soviética, na Lituânia, na Letônia, na Estônia e na Moldávia ganharam as forças políticas independentistas.

A Lituânia declarou imediatamente a sua independência em 11 de março de 1990, o que abriu um precedente para as outras repúblicas que constituíam a União Soviética, que seguiram o seu exemplo nos meses seguintes.

A ascensão de Boris Iéltsin

Boris Iéltsin abandonou o PCUS e liderou protestos contra o golpe de Estado de 1991.

As reivindicações dos pequenos países bálticos não foram o fator que levou à desintegração final da União Soviética. O movimento que causou a queda definitiva da URSS veio da Rússia.

Em maio de 1990, Boris Iéltsin, que fora expulso do PCUS em 1987 por criticar a lentidão das reformas de Gorbachev, foi eleito presidente do Parlamento russo. A partir dessa posição de poder, Iéltsin apoiou a busca de autonomia das repúblicas soviéticas e impulsionou outras medidas que precipitaram o fim da União Soviética.

Em julho de 1990, o XXVIII Congresso do PCUS foi marcado pelo confronto entre as facções que defendiam o centrismo de Gorbachev, as que propunham um retorno ao marxismo ortodoxo e as que apostavam em uma mudança radical para a democracia e a economia de mercado.

Iéltsin, que representava a facção da mudança radical, decidiu abandonar o PCUS. Em dezembro de 1990, o ministro dos Assuntos Exteriores, Eduard Shevardnadze, renunciou em protesto contra o que via como um golpe de Estado iminente dos marxistas ortodoxos que devolveria o país à época de Brejnev.

O golpe de Estado fracassado contra Gorbachev

Encurralado entre, por um lado, as forças comunistas conservadoras que procuravam voltar atrás no processo de reformas e, por outro, as forças reformistas e nacionalistas, Gorbachev tentou negociar um novo Tratado da União que reconstruísse a União Soviética sobre novas bases de maior liberdade nacional.

No entanto, os comunistas ortodoxos tentaram impor uma solução de força e, em 19 de agosto de 1991, Gorbachev foi sequestrado em sua residência de verão no mar Negro. Deste modo, um grupo de comunistas da linha dura assumiu a liderança de um golpe de Estado militar. Mas a falta de unidade no exército e as ações de protesto popular em Moscou fizeram fracassar o golpe.

Boris Iéltsin, que havia sido eleito presidente da Rússia em junho (enquanto Gorbachev ainda era secretário-geral do PCUS e presidente da União Soviética), liderou os protestos contra o golpe na capital do país, aumentando seu poder político.

O golpe militar frustrado foi o sinal de alarme que precipitou a saída da União Soviética de todas as repúblicas que a integravam. Entretanto, Gorbachev renunciou como secretário-geral do PCUS em 24 de agosto (mas continuou a exercer as funções de presidente da União Soviética) e o PCUS, o partido político que dirigiu e aglutinou a União Soviética ao longo da sua história, foi suspenso e, em novembro de 1991, proibido.

O fim da União Soviética (URSS)

A Rússia, a Bielorrússia e a Ucrânia formaram uma confederação à qual aderiram outras ex-repúblicas soviéticas.

No dia 1° de dezembro de 1991, 90,3% dos ucranianos votaram a favor da independência. Em 8 de dezembro, em uma solução improvisada, os líderes da Rússia (Boris Iéltsin), da Ucrânia (Leonid Kravchuk) e da Bielorrússia (Stanislav Sushkevich) encontraram-se perto de Brest (antiga Brest-Litovsk) e acordaram na chamada Declaração de Belovezhskaya Pusha (também conhecida pelo nome de Tratado de Belavezha): as três repúblicas eslavas abandonavam a União Soviética e formavam uma confederação denominada Comunidade de Estados Independentes (CEI).

Em 21 de dezembro, em um encontro realizado em Alma-Ata (atual Almaty, no Cazaquistão), oito das doze repúblicas restantes da União Soviética seguiram o exemplo da Rússia, da Ucrânia e da Bielorrússia. A CEI ficou assim conformada. Por sua parte, a Estônia, a Letônia, a Lituânia e a Geórgia, embora constituídas como Estados independentes, não aceitaram aderir à confederação (mesmo que a Geórgia tenha aderido em 1993).

Abandonado por quase todos, Gorbachev renunciou como presidente da União Soviética em 25 de dezembro de 1991. A bandeira vermelha soviética foi hasteada no Kremlin de Moscou e substituída pela bandeira russa. A Rússia estava substituindo a URSS na cena internacional: as embaixadas, o lugar permanente no Conselho de Segurança da ONU e o controle do armamento nuclear soviético. No entanto, o mundo bipolar da Guerra Fria tinha acabado. A União Soviética deixou oficialmente de existir em 31 de dezembro de 1991.

Referências

  • Britannica, Encyclopaedia (2022). collapse of the Soviet Union. Encyclopedia Britannica. https://www.britannica.com/
  • Ray, M. (2018). Why Did the Soviet Union Collapse?. Encyclopedia Britannica. https://www.britannica.com/ 
  • Saborido, J. (2009). Historia de la Unión Soviética. Emecé.
  • “Acuerdos para establecer la Comunidad de Estados Independientes”. European Commission for democracy through law. Minsk, 1991 (traducción propia). Disponible em: https://www.venice.coe.int/

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

GAYUBAS, Augusto. Queda da União Soviética. Enciclopedia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/queda-da-uniao-sovietica/. Acesso em: 28 novembro, 2023.

Sobre o autor

Autor: Augusto Gayubas

Doutor em História (Universidad de Buenos Aires)

Traduzido por: Cristina Zambra

Licenciada em Letras: Português e Literaturas da Língua Portuguesa (UNIJUÍ)

Data da última edição: 21 novembro, 2023
Data de publicação: 16 outubro, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)