Perestroika e glasnost

Vamos explicar o que foi a perestroika e a glasnost nas políticas reformistas de Mikhail Gorbachev. Além disso, sua relação com a queda da URSS.

Como líder da União Soviética, Gorbachev promoveu uma série de reformas para tentar melhorar a economia.

O que foi a perestroika e a glasnost?

São conhecidos como perestroika e glasnost os princípios fundamentais da política reformista de Mikhail Gorbachev na União Soviética (URSS) no final da década de 1980. A palavra “perestroika” significa “reestruturação” em russo e visava gerar uma mudança estrutural na organização política do governo com o objetivo de melhorar a economia soviética. A palavra russa“glasnost”significa “abertura” e estava ligada à ideia de abandonar a censura política com o objetivo de democratizar a sociedade russa.

Estas iniciativas reformistas de Gorbatchev foram implementadas entre 1985 e 1991 e enquadram-se na profunda crise que a União Soviética e todo o Bloco Comunista Oriental estavam atravessando. A intenção original de Gorbachev não era alterar radicalmente a estrutura da URSS e nem abandonar o comunismo, mas introduzir reformas que acelerassem a economia e combatessem a corrupção.

No entanto, com o desenrolar dos acontecimentos, a natureza destas políticas radicalizou-se. Em 1987, Gorbachev estava introduzindo elementos de uma economia de mercado e, por volta de 1989, realizaram-se as primeiras eleições de múltiplos candidatos na URSS.

Para muitos especialistas, a implementação da perestroika e da glasnost acelerou a crise e levou ao fim da Guerra Fria, com a saída dos países europeus do Bloco Comunista, a reunificação da Alemanha e, finalmente, a dissolução da União Soviética em 1991.

Contexto histórico da perestroika e da glasnost

Quando Mikhail Gorbatchev assumiu o governo da União Soviética em 1985, a economia estagnou, os níveis de produção industrial eram muito limitados, havia pouca circulação de bens de consumo e as condições de vida da população eram muito baixas.

Gorbachev afirmou que os líderes anteriores da União Soviética tinham sacrificado o bem-estar dos cidadãos soviéticos por causa de sua competição com as potências ocidentais do Bloco Capitalista no âmbito da Guerra Fria. Nas últimas décadas, o desenvolvimento industrial tinha se concentrado na produção de recursos bélicos e militares, em vez de investir em bens de consumo para a população civil.

Neste contexto, Gorbatchev acreditava que era necessário reduzir os gastos econômicos voltados para a defesa militar e para isso era preciso melhorar as relações com as potências ocidentais. Por outro lado, o investimento econômico deveria se concentrar na produção de bens que melhorassem a qualidade de vida dos cidadãos.

Perestroika

A perestroika incorporou, ao longo dos anos do governo de Gorbatchev, diversas medidas orientadas para a reestruturação econômica e política da União Soviética.

As reformas econômicas da perestroika

Durante os primeiros anos, a reforma econômica da perestroika foi promovida com a ideia de “aceleração”. Foram unificados diferentes ministérios e secretarias de economia com o objetivo de melhorar a produção de certos itens fundamentais para a qualidade de vida da sociedade soviética, como por exemplo, a produção de maquinaria agrícola e de construção de casas. Assim, procurou-se melhorar a qualidade dos bens.

Por volta de 1987, a ênfase da reforma econômica foi colocada na consolidação de um “socialismo de mercado”. Legalizou-se a existência de pequenas empresas privadas e a formação de cooperativas de trabalhadores para oferecer serviços e desenvolver bens manufaturados. Em seguida, o investimento de capitais estrangeiros em conjunto com empresas soviéticas foi autorizado para promover a produção industrial de bens de consumo.

As reformas políticas da perestroika

No início de seu governo, Gorbatchev procurou fazer algumas modificações simples na organização política. Não pretendia romper de maneira absoluta com o sistema soviético, mas gerar uma versão reformada do comunismo, em busca de um socialismo mais democrático.

Em 1987, convocou eleições com múltiplas candidaturas para as posições de secretariado do Partido Comunista da União Soviética (PCUS, o partido que governava a URSS desde sua criação na década de 1920). Até então, as candidaturas eram escolhidas em segredo pelo Politburo do PCUS.

Além disso, começou a promover a democratização na eleição de pessoas para cargos políticos em diferentes níveis de governo. Em 1988, criou um novo corpo legislativo que incorporava candidatos eleitos em eleições populares, candidatos nomeados pelo PCUS e pessoas com cargos eleitas por outras instituições públicas importantes.

As primeiras eleições demonstraram a importância desta mudança e os candidatos que promoviam as reformas mais radicais do sistema soviético obtiveram lugares na nova legislatura. Em 1990, criou o cargo de Presidente da União Soviética eleito pelo Congresso e, desta forma, tirou o peso do PCUS na tomada de decisões.

A política internacional da perestroika

Um dos aspectos mais importantes da perestroika foi a mudança na política internacional da União Soviética. Gorbachev afirmou que para melhorar a economia soviética era fundamental recompor as relações políticas com as potências ocidentais, para poder diminuir as despesas com a defesa militar e reinvestir o capital na produção de bens para melhorar a qualidade de vida da população.

Neste contexto, houve três situações de carácter internacional em que a política externa de Gorbachev fez uma mudança fundamental.

  • Em relação aos países comunistas do Bloco Oriental, Gorbatchev promoveu o princípio da não interferência. Prometeu que a União Soviética não iria intervir na política interna dos países socialistas e apoiou as facções reformistas dos partidos comunistas durante todo o seu governo.
  • Em relação ao seu poderio militar, Gorbachev anunciou a redução unilateral do exército soviético e declarou a liberdade de cada país comunista de escolher o seu próprio caminho em relação ao desarmamento militar. Além disso, propôs que todos os mísseis de médio alcance fossem eliminados na Europa e que, até o ano 2000, todas as armas nucleares fossem desmanteladas.
  • Em relação à concorrência com os Estados Unidos pela influência no futuro político da cena internacional, Gorbatchev demonstrou a sua política de não intervenção em três questões fundamentais: negociou o fim da Guerra do Afeganistão e a retirada das tropas soviéticas em 1989, aceitou a reunificação da Alemanha e a sua adesão à OTAN e apoiou os Estados Unidos e o Kuwait na Guerra do Golfo de 1990 e 1991.

Glasnost

As reformas enquadradas dentro da glasnost foram orientadas para a liberalização da vida política e intelectual dos cidadãos soviéticos. Gorbatchev acreditava que a maior liberdade de pensamento e expressão levaria a população a ver a necessidade de reformas e apoiar o governo contra a oposição mais conservadora dentro do PCUS.

Em 1986, o governo de Gorbatchev libertou a censura e incentivou os meios de comunicação a abordar os temas que tinham sido tabu na União Soviética. Tornou-se possível falar sobre os problemas da população soviética, como a delinquência, a prostituição, o meio ambiente (nesse mesmo ano tinha acontecido a desgraça de Chernobil) e a pobreza. Voltaram a circular livros, filmes e peças de teatro que até então tinham sido proibidas.

Isto permitiu à sociedade soviética refletir sobre o seu passado e o seu presente, e discutir sobre questões fundamentais do sistema soviético, como os privilégios dos membros do PCUS. Por sua vez, gerou uma nova mentalidade e criticou a visão tradicional stalinista do mundo bipolar, em que o Ocidente era visto como uma força hostil contra a pacífica União Soviética. Os meios de comunicação social começaram a mostrar outra imagem da vida nos Estados Unidos e no Ocidente que revelava a melhor qualidade de vida dos seus habitantes e o melhor funcionamento das suas instituições democráticas.

A liberdade de expressão e a transparência da informação promovidas pela glasnost atingiram também as forças armadas. Pela primeira vez, os cidadãos puderam conhecer os gastos econômicos, a quantidade de tropas e os recursos destinados à indústria militar. Gorbatchev esperava que, com estas revelações, a opinião pública legitimasse a sua política de desarmamento e a necessidade de reorientar o investimento econômico para a produção de bens de consumo.

Por outro lado, a população soviética também pode refletir sobre a sua própria natureza e estabelecer uma nova mentalidade em relação a suas prioridades, seus valores e suas lealdades. A maior liberdade de expressão e de atividade política reviveu os movimentos nacionalistas das diferentes populações que estavam sob o domínio da União Soviética.

Consequências da perestroika e da glasnost

À medida que as reformas da perestroika e da glasnost se tornaram mais radicais, começaram a gerar a oposição da facção mais conservadora do PCUS, dos oficiais de alto escalão do KGB (a agência de inteligência) e do exército soviético. Estes políticos viam as reformas restringirem cada vez mais o seu poder e acreditavam que a União Soviética estava enfraquecendo face às críticas e ao levantamento dos movimentos nacionalistas.

Em 1989 e 1990, começou a haver cada vez mais manifestações anticomunistas na população. Ao mesmo tempo, as facções conservadoras começaram a se organizar e a violência começou a aparecer nas ruas. Os membros do PCUS exigiram o uso da força para reprimir as manifestações e Gorbatchev recusou.

Isto levou a que, em 1991, os conservadores tentassem realizar um golpe de Estado para expulsar Gorbatchev do governo. No entanto, o golpe foi um fracasso e o presidente conseguiu se manter no poder, mas viu a sua autoridade profundamente deslegitimada.

Em dezembro de 1991, os Presidentes da Rússia, da Ucrânia e da Bielorrússia (três das repúblicas que constituíam a União Soviética) dissolveram a URSS e criaram uma comunhão de Estados independentes.

A perestroika e a glasnost guiaram a tentativa de trazer uma mudança revolucionária na União Soviética através de uma evolução de reformas controladas por superiores. No entanto, os seus efeitos foram muito além e levaram à dissolução da União Soviética.

A perestroika nas palavras de Gorbatchev

Para explicar a sua política reformista, Gorbatchev apresentou a noção de perestroika como um princípio fundamental para melhorar a vida dos cidadãos soviéticos. No seu livro A Perestroika e a Nova Mentalidade, publicado em 1988, Gorbachev procurou definir, explicar e defender a necessidade de reformar o sistema político e econômico soviético.

A Perestroika e a Nova Mentalidade, de Mikhail Gorbatchev

1988

Escrevi este livro com o desejo de me dirigir aos povos; aos da URSS, dos Estados Unidos e de qualquer país (...)

Escrevi este livro com fé no bom senso desses cidadãos. Estou certo de que eles, assim como nós e isto é o principal, estão preocupados com o destino do nosso planeta. (...)

Perestroika não é um tratado científico e nem um panfleto de propaganda, embora as opiniões, conclusões e abordagens analíticas que o leitor encontrará no livro se baseiem, certamente, em premissas teóricas e valores bem definidos. Consiste, antes disso, em uma coletânea de pensamentos e reflexões acerca da perestroika, dos problemas que temos diante de nós, da amplitude das mudanças necessárias e da complexidade, responsabilidade e singularidade da nossa época (...) Grande parte desta obra se ocupa do novo pensamento político e da filosofia de nossa política exterior. (...)

Atualmente, a perestroika está no centro da vida intelectual da nossa sociedade, o que é lógico porque influencia o futuro deste país (...) Também os de mais países socialistas demonstram um natural e pronunciado interesse na reestruturação soviética. Eles também estão atravessando um difícil, mas extremamente importante período de procura na sua evolução, concebendo e experimentando novas formas de acelerar o desenvolvimento econômico e social. O sucesso dessas tentativas depende muito da nossa interação, das nossas preocupações e empresas conjuntas (...)

Não há dúvida de que a União Soviética está vivendo um período crucial. O Partido Comunista fez uma análise crítica da situação em meados da década de 1980 e formulou a política da perestroika ou reestruturação, uma política destinada a acelerar o desenvolvimento econômico e social do país e a renovar todas as esferas da vida. O povo soviético compreende e aceita esta política: a perestroika vivificou o conjunto da sociedade (...).

Nos Estados Unidos, como em todo o Ocidente, existem diferentes interpretações da perestroika. Por exemplo, foi dito que se trata de uma medida imposta pela situação desastrosa da economia soviética e que implica um desencanto do socialismo e uma crise dos seus ideais e dos seus últimos objetivos. Nada mais longe da verdade do que estes tipos de interpretações, sejam quais forem os motivos de quem as mantém.

É claro que a perestroika foi consideravelmente estimulada pela nossa insatisfação com a forma como as coisas têm corrido no nosso país nos últimos tempos. Mas, o mais importante dos elementos que a inspiraram foi a compreensão de que não se estava sendo utilizado plenamente o potencial do socialismo. Agora, no septuagésimo aniversário da nossa Revolução, nos damos conta disso, com muita clareza (...)

Gostaria de alertar desde o início que a perestroika se revelou mais difícil do que inicialmente imaginávamos. Tivemos de alterar muitas das nossas avaliações. No entanto, a cada passo, sentimo-nos mais convencidos de que estamos no caminho certo e fazemos as coisas bem.

Há quem afirme que foram os ambiciosos objetivos fixados pela perestroika no nosso país que motivaram as propostas de paz que apresentamos recentemente nas instâncias internacionais. Tal interpretação é demasiado simples. É um fato bem conhecido que a União Soviética trabalha há muito tempo pela paz e pela cooperação, e apresentou muitas propostas que, se tivessem sido aceites, teriam normalizado a situação internacional (...)

A nossa nova forma de pensar, no entanto, vai ainda mais longe. O mundo está vivendo uma atmosfera não só de perigo nuclear, mas também de grandes problemas sociais sem resolver, de novas tensões provocadas pela revolução científico-tecnológica e a agudização dos problemas globais. (...). O acúmulo de armamentos, especialmente os nucleares, torna cada vez mais provável que deflagre uma guerra mundial por acidente, seja por uma falha técnica ou por causa psíquica. Nesse caso, seriam vítimas todos os seres vivos da Terra (...)

Em apenas uma palavra, nós, na liderança soviética, chegamos à conclusão de que não nos cansaremos de repeti-la, que é indispensável um novo pensamento político. (...)

Qual é o alcance do novo pensamento político? Na realidade, este abrange toda a problemática principal da nossa época (...)

A política tem que se basear em realidades. E a verdade mais impressionante do mundo de hoje é a concentração de um enorme arsenal militar, incluindo o nuclear, das mãos dos Estados Unidos e da União Soviética. Isto impõe aos nossos países uma especial responsabilidade perante todo o mundo. Impulsionados por esta consciência, esforçamo-nos sinceramente por sanear as relações soviético-americanas, e desejamos alcançar, ainda que seja o mínimo de compreensão mútua indispensável para resolver os assuntos dos quais dependem os destinos do mundo.

Dizemos sinceramente que são inaceitáveis as aspirações hegemônicas e as pretensões globalistas (...).

Não temos nenhuma má intenção para com o povo norte-americano. Queremos e estamos dispostos a colaborar em todos os âmbitos. Mas, a colaboração deve se basear na igualdade, na compreensão e no progresso mútuos.

Por vezes, não só nos desilude, como também nos leva a sérias meditações o fato de o nosso país ser visto nos Estados Unidos como um agressor, como “o império do mal” (...).

O tempo corre e podemos perdê-lo. Temos que agir. A situação não permite esperar o momento ideal: o diálogo amplo e construtivo é necessário hoje (...).

Estamos longe de pensar que só o nosso enfoque é verdadeiro. Não temos receitas universais, mas, estamos dispostos a buscar, franca e honestamente, com os Estados Unidos e os outros países, as respostas a todas as perguntas, mesmo as mais difíceis.

Mikhail Gorbatchev

Continue com:

Referências

  • Britannica, The Editors of Encyclopaedia (2023). "Perestroika". Encyclopedia Britannica
    https://www.britannica.com/  
  • Tato, M. I., Bubello, J. P., Castello, A. M. y Campos, E. (2011). Historia de la segunda mitad del siglo XX. Estrada.
  • Van Dijk, R., Gray, W. G., Savranskaya, S., Suri, J., & Zhai, Q. (Eds.). (2013). “Perestroika”, “Gorbachov” y “Glasnost”. Encyclopedia of the Cold War. Routledge.

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

GAYUBAS, Augusto. Perestroika e glasnost. Enciclopedia Humanidades, 2024. Disponível em: https://humanidades.com/br/perestroika-e-glasnost/. Acesso em: 20 abril, 2024.

Sobre o autor

Autor: Augusto Gayubas

Doutor em História (Universidad de Buenos Aires)

Traduzido por: Cristina Zambra

Licenciada em Letras: Português e Literaturas da Língua Portuguesa (UNIJUÍ)

Data da última edição: 31 março, 2024
Data de publicação: 1 março, 2024

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)