A Nova Guerra Fria (1975–1985)

Vamos explicar o que foi a Nova Guerra Fria e quais foram os principais acontecimentos que caracterizaram este período.

Como presidente dos Estados Unidos, Ronald Reagan promoveu uma política de confronto contra a URSS.

O que foi a Nova Guerra Fria?

É conhecida como a “Nova Guerra Fria” um período das relações entre o Bloco Oriental comunista e o Bloco Ocidental capitalista que decorreu entre 1975 e 1985. Durante a Guerra Fria, os laços entre a União Soviética e os Estados Unidos (as potências que lideravam cada bloco) atravessaram diferentes fases.

Na década de 1960, viveu-se uma época de relaxamento das tensões entre o Oriente e o Ocidente, conhecida como a “Era da Distensão” (ou Détente) (1962–1975). No entanto, em meados da década de 1970, as relações entre as potências pioraram e, em pouco tempo, conduziram a uma nova crise internacional.

O ano de 1975 é geralmente considerado o início da “Nova Guerra Fria”. No entanto, vários fatores levaram ao reinício das tensões: a Segunda Guerra Árabe-Israelita de 1973, a crise econômica internacional pelo preço do petróleo, o escândalo Watergate em 1974 e a derrota norte-americana no Vietnã em 1975 criaram uma dinâmica favorável a uma nova expansão da influência soviética.

Entre 1979 e 1985, as relações entre os Estados Unidos e a URSS atingiram a sua máxima tensão. Entre os principais fatores que causaram isso estão a intervenção militar soviética no Afeganistão em 1979 e a política internacional de Ronald Reagan, presidente dos Estados Unidos desde 1981. No entanto, em 1985, Mikhail Gorbachev assumiu a liderança da URSS e realizou uma série de reformas políticas que acalmaram as tensões entre os dois blocos.

As causas que levaram ao aumento das tensões

Durante a década de 1970, houve várias situações que forçaram as relações entre os Estados Unidos e a União Soviética:

  • No Sudeste Asiático, o Vietnã do Norte venceu os Estados Unidos na Guerra do Vietnã e o país ficou unificado sob um governo comunista em 1975. Com a retirada dos exércitos norte-americanos da zona, as forças comunistas do Camboja (conhecidas como os “Khmers Vermelhos”) conseguiram se impor sobre o governo e estabeleceram um sistema comunista no país.
  • Na América Central, a Revolução Sandinista da Nicarágua derrubou o governo pró-americano do clã Somoza em 1979. Em vez disso, estabeleceu-se um regime revolucionário apoiado pela URSS e por Cuba. Durante décadas, esta foi uma área sob a influência americana.
  • Na África, Congo (1970), Etiópia (1974), Moçambique, Benim e Angola (1975) instalaram regimes comunistas através de revoluções que derrubaram governos anteriores pró-ocidentais ou coloniais.

O estabelecimento de governos comunistas levou à perda de influência dos Estados Unidos naquelas regiões. Em contrapartida, os novos regimes eram favoráveis à URSS. No entanto, em nenhuma das regiões estes países formaram blocos homogêneos e os problemas locais prevaleceram sobre a polaridade Oriente-Ocidente. Por exemplo, no Sudeste Asiático, as antigas rivalidades levaram à guerra entre o Vietnã e o Camboja (1977–1991) e o Vietnã e a China (1979).

O momento decisivo: a invasão soviética do Afeganistão em 1979

Entre 1979 e 1986, a URSS interveio no Afeganistão para manter a sua influência no país.

Durante o século XIX, o Afeganistão tinha sido terreno de disputa para o imperialismo russo e inglês. Na década de 1970, este país voltou a ser um território essencial nas relações internacionais.

A partir da queda do rei Zahir Shah em 1973, abriu-se um período de instabilidade política interna em que disputaram o poder diversas facções comunistas, por sua vez confrontadas com guerrilhas islâmicas.

A URSS decidiu intervir para manter o país na esfera de influência soviética. Em 1978, a URSS apoiou um golpe de Estado em 1978 que derrubou o governo republicano e, quando a oposição se uniu contra o novo governo pró-soviético, decidiu intervir de forma militar. Em 24 de dezembro de 1979, as tropas soviéticas entraram no país e iniciaram a Guerra do Afeganistão.

A anexação do Afeganistão levava a influência soviética além do território tradicional do Pacto de Varsóvia. Em resposta, os Estados Unidos e seus aliados organizaram uma contraofensiva. A ONU e os Países Não Alinhados condenaram a invasão. Os Estados Unidos decidiram ajudar as guerrilhas islâmicas que enfrentavam as tropas soviéticas, e implementaram uma série de medidas destinadas a deter o expansionismo soviético.

A resposta americana ao desafio soviético

O presidente Ronald Reagan teve uma política internacional agressiva contra a URSS.

Nos Estados Unidos, os diferentes acontecimentos internacionais foram interpretados como um avanço expansionista da União Soviética. Neste sentido, Jimmy Carter e Ronald Reagan (os dois presidentes americanos que governaram o país nas décadas de 1970 e 1980) tiveram uma atitude cada vez mais agressiva com a URSS.

Durante o governo de Carter, prevaleceu a postura de distensão e relaxamento das tensões. No entanto, quando a URSS invadiu o Afeganistão em 1979, suspendeu a política de convivência e optou por uma postura mais agressiva. No ano seguinte, Ronald Reagan ganhou as eleições americanas com uma campanha de combate total contra o comunismo e o avanço da URSS.

A presidência de Jimmy Carter

Jimmy Carter (que foi presidente dos Estados Unidos entre 1976 e 1980) levou o país a uma nova política internacional influenciada por questões morais e humanitárias. Esse impulso lembrava o ex-presidente Wilson, também membro do Partido Democrata. Durante o seu mandato, o elemento central da nova política externa americana foi a defesa dos direitos humanos.

No início, Carter teve grandes sucessos. Após árduas negociações, conseguiu que o Senado aprovasse em 1977 o acordo para devolver a soberania ao Panamá e retirar as tropas norte-americanas do Canal do Panamá. Isto significava uma grande mudança na tradicional política norte-americana para a América Latina.

Em 1978, deu-se o seu maior êxito diplomático: a assinatura dos Acordos de Camp David por Menachem Begin, primeiro-ministro de Israel, e Anuar el Sadat, presidente do Egito. Em 1979, restabeleceu as relações diplomáticas entre os Estados Unidos e a República Popular da China e assinou os Acordos SALT II com a URSS que limitavam a produção de armas nucleares e mísseis.

Estes acordos de desarmamento foram, no entanto, severamente criticados pela opinião mais conservadora americana, que permitia à URSS se situar em uma posição de vantagem. Entre estes críticos, destacava-se um dos principais líderes da direita republicana, Ronald Reagan.

Todos os sucessos da política internacional de Carter foram ofuscados pelo triunfo da revolução islâmica no Irã em janeiro de 1979. O acesso de Khomeini e dos clérigos xiitas ao poder em Teerã marcou o aparecimento do islamismo.

Por sua vez, a invasão soviética do Afeganistão precipitou uma nova fase na política internacional e na Guerra Fria.

A reação de Carter foi imediata:

  • Congelou o debate no Senado dos Acordos SALT II, que se iam assinar com a URSS e estabeleciam um limite à produção de armamentos nucleares e mísseis.
  • Anunciou uma drástica redução na venda de grãos e de produtos de alta tecnologia à URSS.
  • Anunciou a “Doutrina Carter”: o compromisso norte-americano de usar a força se for necessário para acessar os recursos petrolíferos do Golfo Pérsico.

Quando Carter terminou seu mandato, e nas eleições foi derrotado pelo republicano Ronald Reagan, as relações soviético-americanas se encontravam deterioradas.

A presidência de Ronald Reagan

Ronald Reagan foi presidente dos Estados Unidos entre 1980 e 1988. Sua posição perante a URSS e as novas tensões foi definida por uma frase que pronunciou em um discurso no qual qualificou a URSS como “o império do mal”. Reagan defendia que era preciso combater a URSS e ganhar a Guerra Fria.

Com este propósito, Reagan lançou um programa de rearmamento baseado no objetivo de usar a força militar para derrubar qualquer regime pró-comunista, especialmente aqueles que surgissem em países do Terceiro Mundo que até então estavam sob a influência norte-americana.

Esta doutrina foi aplicada principalmente em três países:

  • Granada. Em 1983, tropas dos Estados Unidos e outros aliados ocidentais invadiram Granada e derrubaram o governo de Hudson Austin, que contava com o apoio de Cuba e da URSS.
  • Afeganistão. Durante o governo de Reagan, os Estados Unidos aumentaram a assistência militar em armas e recursos às guerrilhas islâmicas que lutavam contra o governo comunista durante a Guerra do Afeganistão (1978–1992).
  • Nicarágua. Os Estados Unidos assistiram à formação da guerrilha conhecida como “os Contras” que combateu o governo republicano da Revolução Sandinista.

Os novos conflitos

Os Estados Unidos e a URSS apoiaram a guerra de Saddam Hussein contra o Irã, entre 1980 e 1988.

Em um contexto caracterizado por uma crise econômica internacional aguda, a "crise do petróleo" iniciada em 1973, e pelo início da crise final do sistema soviético, o Terceiro Mundo foi cenário do surgimento de novos conflitos.

O Oriente Médio e os movimentos islâmicos

Nos países muçulmanos do Oriente Médio surgiu um novo movimento político, conhecido como islamismo, que era antioocidental e antissoviético.

Em 1979, as guerrilhas islâmicas iniciaram a luta contra a invasão soviética do Afeganistão.

Por outro lado, nesse mesmo ano triunfou a Primeira Revolução Islâmica no Irã. O aiatolá Khomeini, autoridade suprema do clero xiita, estabeleceu uma ditadura baseada nos princípios mais rigorosos do Islã. No plano internacional, o Irã islâmico enfrentou simultaneamente as duas superpotências: "O Grande Satã" norte-americano e a URSS comunista e ateia.

No ano seguinte, desencadeou-se a guerra entre o Irã e o Iraque. A guerra foi consequência de conflitos territoriais e ideológicos. O líder iraquiano Saddam Hussein temia que o poder da revolução islâmica no Irã encorajasse a revolta da população xiita do seu país. Aproveitou o isolamento internacional do Irã (enfrentado tanto com a URSS como com os Estados Unidos) para reclamar o controle sobre uma zona petroleira nas margens do rio Shatt al-Arab e iniciar um ataque.

Entre 1980 e 1988, o Irã e o Iraque se enfrentaram em uma longa guerra. O Iraque obteve o apoio da Arábia Saudita, do Kuwait e de outros Estados árabes, além do apoio dos Estados Unidos e da URSS. Em contrapartida, o Irã só foi assistido pela Síria e pela Líbia.

Os conflitos entre países comunistas na Indochina

O abandono norte-americano da península Indochina trouxe um duplo triunfo comunista em abril de 1975. No Vietnã, foi estabelecido um regime aliado da URSS e no Camboja as forças comunistas (conhecidas como os Khmers Vermelhos) estabeleceram uma ditadura alinhada com as autoridades chinesas.

O conflito sino-soviético se concretizou na península Indochina. A crescente tensão entre os dois países culminou com a invasão do Camboja por tropas vietnamitas com apoio soviético, em 1978. Posteriores confrontos fronteiriços entre a China e o Vietnã constituíram a última fase do confronto entre as duas grandes potências comunistas pela hegemonia na Indochina.

O recuo soviético

Durante alguns anos, o panorama internacional tinha mostrado de forma enganosa um avanço das posições soviéticas. A realidade era muito menos esperançosa para a URSS. A estagnação econômica e o imobilismo político levaram o país a uma situação em que era impossível manter uma política externa expansionista.

Diversos fatores fizeram com que os dirigentes soviéticos estivessem conscientes da necessidade de empreender profundas reformas e buscar a distensão internacional:

  • As duras posições de Reagan foram o elemento fundamental que levou a liderança soviética a reconsiderar a escalada no confronto com os Estados Unidos. A Iniciativa de Defesa Estratégica tornou evidente a superioridade tecnológica e econômica dos Estados Unidos sobre a URSS.
  • A partir de 1980, as divergências internas no bloco soviético enfraqueceram a sua posição estratégica. As manifestações populares contra os regimes comunistas se multiplicaram em quase todos os países do Bloco do Leste. A URSS tinha cada vez mais dificuldade em manter o controle sobre os diferentes Estados sob a sua influência.

A situação era ainda mais complicada na própria URSS:

  • A economia tinha graves problemas estruturais. Dependia das importações de grãos norte-americanos para alimentar a sua população e estava muito atrasada em relação à economia ocidental em diversos aspectos tecnológicos. A estagnação econômica e a deterioração do nível de vida da população soviética mostravam a impossibilidade de aceitar o desafio militar norte-americano.
  • A esta crise social e econômica, juntou-se uma grave crise política. A morte de Brejnev aos 76 anos em 1982, pôs em evidência o problema da liderança no sistema político soviético. O poder estava nas mãos de uma gerontocracia. Brejnev foi sucedido por Yuri Andropov, de 68 anos, que morreu dois anos depois, em 1984. Já Andropov foi substituído por Chernenko, que morreu no ano seguinte, em 1985.

Em 11 de março de 1985, Mikhail Gorbachev foi eleito secretário-geral do Partido Comunista da União Soviética e assumiu o governo da URSS. Para Gorbachev, a profundidade da crise econômica e social da URSS tornava impossível manter a ideia de paridade entre as duas superpotências.

Considerava que para tirar o país da crise era necessário reduzir os gastos militares e os recursos empregados na manutenção do “império soviético”. Nesse sentido, começou a tomar medidas para melhorar as relações com os Estados Unidos e as potências ocidentais.

Por esta razão, considera-se que o período da “Nova Guerra Fria” terminou quando Gorbachev assumiu o governo da URSS. Nos anos seguintes, Gorbachev assinou diversos acordos com os Estados Unidos para reduzir armas nucleares e convencionais, e foi reduzindo a ajuda militar e econômica que oferecia a seus aliados por todo o mundo.

O recuo soviético no mundo não impediu, no entanto, o agravamento da crise interna na URSS. Após as revoluções de 1989, que puseram fim aos regimes comunistas das “democracias populares”, o fracasso de um golpe de Estado organizado pelo setor mais duro do PCUS provocou a desintegração da própria União Soviética em 1991. Com a queda da União Soviética, a Guerra Fria acabou.

Referencias

  • Hobsbawn, E. J. (1998). La Guerra Fría. Historia del siglo XX. Crítica.
  • McMahon, R. (2009). La guerra fría. Una breve introducción. Alianza.
  • Tucker, S. C., & Roberts, P. M. (2007). The Encyclopedia of the Cold War: A Political, Social, and Military History, 5 Volume Set. ABC-CLIO.
  • Van Dijk, R., Gray, W. G., Savranskaya, S., Suri, J., & Zhai, Q. (Eds.). (2013). “Reagan Doctrine”. Encyclopedia of the Cold War. Routledge.

Continue com:

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

KISS, Teresa. A Nova Guerra Fria (1975–1985). Enciclopedia Humanidades, 2024. Disponível em: https://humanidades.com/br/a-nova-guerra-fria-1975-1985/. Acesso em: 20 fevereiro, 2024.

Sobre o autor

Autor: Teresa Kiss

Professora de História do ensino médio e superior.

Traduzido por: Cristina Zambra

Licenciada em Letras: Português e Literaturas da Língua Portuguesa (UNIJUÍ)

Data da última edição: 19 fevereiro, 2024
Data de publicação: 28 janeiro, 2024

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)