Guerra do Vietnã (1955-1975)

Vamos explicar o que foi a Guerra do Vietnã e quais foram suas etapas. Além disso, suas causas, consequências e figuras destacadas.

Em 1965, os Estados Unidos passaram do apoio ao Vietnã do Sul para a intervenção massiva na guerra.

O que foi a Guerra do Vietnã?

A Guerra do Vietnã foi um conflito na península da Indochina entre 1955 e 1975. Confrontou os governos do Vietnã do Sul e dos Estados Unidos contra o governo do Vietnã do Norte e as guerrilhas comunistas que atuavam no Vietnã do Sul (conhecidas como Vietcongues). A guerra estendeu-se também ao Laos e ao Camboja.

Os conflitos começaram pouco depois da divisão do Vietnã em um norte comunista e em um sul pró-ocidental a partir dos Acordos de Genebra de 1954. Os governos da República Popular da China e da União Soviética (URSS) apoiaram o regime comunista do Vietnã do Norte, liderado por Ho Chi Minh, enquanto o governo dos Estados Unidos apoiou o Vietnã do Sul antes de se envolver diretamente no conflito.

A guerra entre os dois estados vietnamitas começou em 1955. No início da década de sessenta, os Estados Unidos enviaram soldados como conselheiros militares para o Vietnã do Sul, mas o incidente no golfo de Tonkin (um confronto entre navios norte-vietnamitas e americanos) em agosto de 1964 decidiu a intervenção direta e massiva dos Estados Unidos na guerra. O objetivo do governo americano era evitar a propagação do comunismo no sudeste asiático.

A Guerra do Vietnã foi uma das guerras mais longas da história dos Estados Unidos e representou para este país o fracasso mais sério da Guerra Fria. Em 1973, as tropas americanas foram retiradas do Vietnã e, em 1975, o Vietnã do Norte conseguiu conquistar Saigon, o que levou à reunificação do Vietnã sob um regime comunista com o nome de República Socialista do Vietnã.

Perguntas frequentes

O que foi a Guerra do Vietnã?

A Guerra do Vietnã foi um conflito militar entre o Vietnã do Sul e os Estados Unidos, por um lado, e o Vietnã do Norte e o Vietcongue (a guerrilha comunista do Vietnã do Sul), por outro. Começou em 1955 e terminou em 1975. A União Soviética e a China apoiaram o Vietnã do Norte, enquanto os Estados Unidos passaram a apoiar o Vietnã do Sul para a intervenção massiva na guerra desde o incidente do golfo de Tonkin, em 1964.

Qual foi a causa da Guerra do Vietnã?

Depois da Guerra da Indochina (1946-1954), o Vietnã foi dividido em dois Estados: o Vietnã do Norte, com um governo comunista que se aliou com a União Soviética e a China, e o Vietnã do Sul, com um governo pró-ocidental que se aliou com os Estados Unidos. O governo do Vietnã do Norte queria unificar o país sob um só regime comunista, por isso impulsionou ações militares contra o Vietnã do Sul e apoiou o Vietcongue, a guerrilha comunista que atuava no Vietnã do Sul. Por sua vez, os Estados Unidos buscavam evitar a propagação do comunismo no sudeste asiático e decidiram apoiar o governo do Vietnã do Sul, primeiro com recursos e assessores militares e depois com a intervenção direta e massiva de tropas norte-americanas.

Quem ganhou a Guerra do Vietnã?

A guerra do Vietnã terminou com a vitória das forças comunistas do Vietnã do Norte e do Vietcongue. A longa duração da guerra e o descontentamento nos Estados Unidos por uma guerra cada vez mais impopular levaram à assinatura do acordo de paz de Paris em 1973, pelo qual as forças armadas americanas concordaram em retirar-se do Vietnã. Embora tenha sido igualmente acordado um cessar-fogo entre o Vietnã do Norte e o Vietnã do Sul, as hostilidades recomeçaram até à conquista norte-vietnamita de Saigon em 1975, que conduziu à reunificação do Vietnã sob o regime comunista em 1976. Os Estados Unidos não atingiram seu objetivo de evitar a consolidação de um governo comunista neste país.

Quantas pessoas morreram na Guerra do Vietnã?

Estima-se que na Guerra do Vietnã morreram cerca de dois milhões de civis vietnamitas, mais de um milhão de combatentes do Vietnã do Norte e do Vietcongue, 250 mil soldados do Vietnã do Sul e 58 mil soldados americanos.

O começo da Guerra do Vietnã

Entre 1946 e 1954 travou-se a guerra da Indochina que enfrentou o exército francês, controlando o território colonial conhecido como Indochina francesa, com um grupo guerrilheiro nacionalista e comunista chamado Viêt Minh e liderado por Ho Chi Minh.

O resultado foi uma vitória do Viêt Minh e a assinatura dos Acordos de Genebra em 1954 que decidiram a independência dos três países da Indochina francesa: Laos, Camboja e Vietnã.

Além disso, foi estabelecida a divisão do Vietnã em dois Estados separados pelo paralelo 17:

  • Vietnã do Norte, com capital em Hanói e liderado pelo líder comunista Ho Chi Minh no cargo de presidente da República Democrática do Vietnã.
  • Vietnã do Sul, com capital em Saigon e inicialmente sob a autoridade do imperador Bao Dai e do primeiro-ministro Ngo Dinh Diem. Em 1955, o imperador foi deposto e Ngo Dinh Diem proclamou-se presidente da República do Vietnã.

O Acordo de Genebra previa a realização de um referendo em 1956 para decidir a reunificação ou separação definitiva do país. No entanto, este referendo nunca foi realizado.

Os conflitos entre os dois Estados começaram com a consolidação do governo anticomunista de Ngo Dinh Diem no sul, apoiado pelos Estados Unidos. O governo americano de Dwight D. Eisenhower procurava evitar uma expansão do comunismo na Ásia no contexto da Guerra Fria.

Enquanto o regime do Vietnã do Sul impulsionava a perseguição e prisão de militantes comunistas, a Frente Nacional de Libertação do Vietnã, mais conhecida como Vietcongue, conduzia uma guerra de guerrilhas contra o governo do Vietnã do Sul.

Enquanto o regime do Vietnã do Sul impulsionava a perseguição e prisão de militantes comunistas, a Frente Nacional de Libertação do Vietnã, mais conhecida como Vietcongue, conduzia uma guerra de guerrilhas contra o governo do Vietnã do Sul.

Por sua vez, o governo do Vietnã do Norte buscava unificar o país sob um só regime comunista e patrocinava o Vietcongue. Em 1959, construiu um sistema de estradas, conhecido como Rota Ho Chi Minh, para abastecer os combatentes comunistas do sul.

A intervenção dos Estados Unidos na Guerra do Vietnã

O início do envolvimento dos Estados Unidos no Vietnã remonta ao início da década de 1950, quando o governo dos Estados Unidos apoiou as tentativas da França de manter a sua presença colonial na Indochina contra as forças comunistas do Viêt Minh. A derrota francesa e os Acordos de Genebra de 1954, que consagraram a divisão do Vietnã em duas partes, levaram o governo americano a dar o seu apoio ao regime anticomunista de Ngo Dinh Diem no Vietnã do Sul.

A partir de 1961, o novo presidente dos Estados Unidos, John Fitzgerald Kennedy, aumentou a ajuda econômica e militar ao Vietnã do Sul. No entanto, a corrupção do governo de Ngo Dinh Diem tornou seu regime cada vez mais impopular e muitos vietnamitas do sul que não eram comunistas aderiram às fileiras do Vietcongue, a frente comunista que lutava contra o governo. Além disso, o governo iniciou uma campanha de repressão ao budismo que provocou importantes protestos dos monges budistas.

Finalmente, Ngo Dinh Diem foi deposto e morto por um golpe militar em 1963. O presidente Lyndon B. Johnson, que sucedeu a Kennedy em novembro de 1963, considerou prioritário vencer o comunismo na Ásia e aumentou o pessoal militar norte-americano enviado ao Vietnã.

Em 1964, a situação parecia desesperada para o Vietnã do Sul, enquanto a União Soviética e a República Popular da China enviavam armamento e pessoal técnico para o Vietnã do Norte.

Em 2 de agosto de 1964, ocorreu o incidente no golfo de Tonkin, no qual o Vietnã do Norte foi acusado de lançar torpedos ao destruidor americano USS Maddox, o que permitiu ao presidente Johnson solicitar ao Congresso a autorização de uma intervenção aberta e massiva no Vietnã. Passou de 11 mil soldados americanos em 1962 para quase 500 mil em 1967.

Da ofensiva do Tet à vietnamização

Nos Estados Unidos, a oposição à Guerra do Vietnã provocou multitudinárias manifestações.

Os bombardeamentos massivos, o uso de agentes químicos e outras características da Guerra do Vietnã foram transmitidos pelos meios de comunicação e tornaram muito impopular a política externa dos Estados Unidos no Terceiro Mundo, no bloco comunista e em partes significativas da opinião pública ocidental.

Dentro dos Estados Unidos, a oposição à guerra se espalhou entre a juventude e se associou com movimentos contra o sistema, como o movimento hippie.

Em 1968, o Vietnã do Norte e o Vietcongue lançaram a ofensiva do Tet, que envolveu um ataque surpresa contra vários alvos do Vietnã do Sul. Enquanto as tropas sul-vietnamitas e norte-americanas conseguiram resistir aos ataques comunistas, a morte de mais de 4 mil soldados americanos aumentou o descontentamento com a guerra nos Estados Unidos. A partir de então, o presidente Johnson decidiu o progressivo desligamento norte-americano do conflito e a busca de uma solução negociada.

Em 1969 assumiu a presidência dos Estados Unidos Richard Nixon, que promoveu a vietnamização, ou seja, uma política de equipamento e treinamento das tropas do Vietnã do Sul para que permanecessem gradualmente como as únicas forças de combate na região. Enquanto isso, começou a retirar tropas americanas do Vietnã, embora em 1970 tenha ordenado a invasão do Camboja junto com tropas sul-vietnamitas.

Este fato provocou grandes protestos contra a guerra nos Estados Unidos, que se somaram à indignação pelo massacre de My Lai, cometido por tropas americanas contra civis vietnamitas em março de 1968, mas conhecido pelo público apenas no final de 1969. A invasão do Laos em 1971 e os bombardeamentos sobre o Vietnã do Norte em 1972 aumentaram o descontentamento. Por outro lado, o líder norte-vietnamita Ho Chi Minh morreu em setembro de 1969 e foi sucedido na presidência do Vietnã do Norte por Ton Duc Thang.

O fim da Guerra do Vietnã

Após uma complexa fase de negociações e confrontos militares, no dia 27 de janeiro de 1973 foi assinado em Paris um acordo de paz entre o governo do Vietnã do Norte, os comunistas do Vietnã do Sul (autoproclamados República do Vietnã do Sul), o governo do Vietnã do Sul e dos Estados Unidos.

Oficialmente denominado “Acordo sobre o fim da guerra e o restabelecimento da paz no Vietnã”, aconteceu um cessar-fogo entre o Vietnã do Norte e o Vietnã do Sul, a retirada das tropas e bases dos Estados Unidos no prazo de 60 dias e o acordo de que a reunificação do Vietnã se realizaria por meios pacíficos.

As últimas unidades militares americanas abandonaram o Vietnã em 29 de março de 1973, mas a ajuda financeira ao Vietnã do Sul continuou. No entanto, a luta entre os dois Vietnãs recomeçou. Em agosto de 1973, o Congresso dos Estados Unidos proibiu qualquer retomada da intervenção norte-americana no Vietnã. Quando Gerald Ford assumiu a presidência em 1974, a ajuda financeira também foi reduzida.

A retirada das tropas norte-americanas e a redução da ajuda econômica fizeram com que o regime do Vietnã do Sul caísse quase imediatamente. A ofensiva final comunista teve lugar na primavera de 1975. No dia 17 de abril, a capital do Camboja, Phnom Penh, caiu nas mãos dos Khmers Vermelhos, um grupo comunista que contava com a ajuda do Vietnã do Norte e combatia o governo militar de Lon Nol (aliado dos Estados Unidos).

Em seguida, o tenente-general Nguyen Van Thieu, presidente do Vietnã do Sul, renunciou em 21 de abril de 1975 e fugiu para Taiwan. Finalmente, em 30 de abril de 1975 as tropas comunistas tomaram Saigon e o governo do Vietnã do Sul se rendeu. A guerra tinha terminado.

Consequências da Guerra do Vietnã

Após a vitória comunista na Guerra do Vietnã, os poucos americanos que permaneciam no Vietnã do Sul fugiram do país. Inicialmente, os vencedores instalaram um governo militar no sul que teve o nome de República do Vietnã do Sul. Em 2 de julho de 1976, foi proclamada a unificação do norte e do sul com o nome de República Socialista do Vietnã. A capital permaneceu em Hanói e Saigon foi renomeada Cidade Ho Chi Minh.

Os vietnamitas sofreram durante o conflito a morte de um a dois milhões de civis. Além disso, estima-se que morreram mais de um milhão de combatentes do Vietnã do Norte e do Vietcongue, e cerca de 250 mil soldados do Vietnã do Sul.

Para os Estados Unidos, a derrota no Vietnã representou um enorme custo: 58 mil mortos, 300 mil feridos, centenas de milhares de soldados com muita dependência às drogas e com sérios problemas de adaptação à vida civil após o retorno ao seu país. A chamada “síndrome do Vietnã” constituiu, a curto prazo, uma grande rejeição por parte da opinião pública americana da intervenção militar externa dos Estados Unidos.

Personagens destacados durante a Guerra do Vietnã

Ho Chi Minh (1890–1969)

Ho Chi Minh estabeleceu relações com a URSS e com a República Popular da China.

Ho Chi Minh foi o principal dirigente nacionalista e comunista vietnamita. Viajou para a Europa em 1911 e permaneceu na França entre 1917 e 1923, época em que se uniu ao Partido Comunista Francês. Viajou a Moscou em 1923, um ano antes da morte de Lenin, que havia liderado a revolução bolchevique em 1917. Depois viajou à China.

Foi associado aos círculos nacionalistas que lutavam contra a dominação colonial francesa na Indochina e manteve relações estreitas com os dirigentes soviéticos. Exilado em Hong Kong, fundou em 1930 o Partido Comunista da Indochina. A sua criação coincidiu com uma insurreição no Vietnã que foi violentamente reprimida pelas autoridades francesas.

Em 1935 participou do VII Congresso da Komintern (Internacional Comunista) em Moscou. Em 1938 foi para a China, onde se reuniu com Mao Zedong, e após a derrota francesa na Alemanha em 1940, no contexto da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), decidiu aproveitar a situação de fraqueza da França. Voltou clandestinamente ao Vietnã e fundou em 1941 a Liga pela Independência do Vietnã, mais conhecida como Viêt Minh.

Durante a Segunda Guerra Mundial, a Indochina foi ocupada pelo Japão. Quando as forças japonesas foram derrotadas, Ho Chi Minh declarou a independência do Vietnã em 2 de setembro de 1945 em Hanói. O presidente do governo provisório da França, Charles de Gaulle, não aceitou a perda da colônia e enviou um exército em outubro desse mesmo ano que rapidamente recuperou o sul do Vietnã.

Em 1946 eclodiu a Guerra da Indochina (1946–1954) entre a França e o Viêt Minh. A derrota francesa em Dien Bien Phu levou à assinatura dos Acordos de Genebra em 1954, pelos quais a França abandonou a Indochina e o Vietnã foi dividido em duas partes. Ho Chi Minh fortaleceu sua aliança com a União Soviética e com a China.

Em 1955 começou um conflito entre o Vietnã do Norte e o Vietnã do Sul que se intensificou em 1959. A guerrilha comunista que atuava no Vietnã do Sul, o Vietcongue, iniciou as hostilidades contra o governo pró-ocidental. Ho Chi Minh sustentava que a sobrevivência do regime comunista do norte dependia de sua expansão para o sul, por isso defendia a unificação do Vietnã. Esta situação provocou uma nova guerra e, desta vez, os Estados Unidos envolveram-se direta e massivamente.

Ho Chi Minh morreu de parada cardíaca em 2 de setembro de 1969, antes de poder participar nas negociações que conduziram ao acordo de paz de janeiro de 1973 e à retirada americana que permitiu a unificação do Vietnã sob um único regime comunista.

Robert McNamara (1916-2009)

Robert McNamara foi um empresário que atuou como secretário de Defesa dos Estados Unidos entre 1961 e 1968, época em que promoveu o rearmamento norte-americano e o envolvimento de seu país na Guerra do Vietnã.

Estudou na Universidade de Berkeley e foi professor na Universidade de Harvard. Seu sucesso empresarial o levou a ser em 1960 o primeiro presidente da empresa Ford que não pertencia à família fundadora.

Um mês depois, renunciou a Ford para se juntar ao governo de John Fitzgerald Kennedy como secretário de Defesa. Incentivou um plano de reformas baseado na reestruturação do orçamento de defesa e no corte de gastos nos programas de armamento que considerava obsoletos.

Promoveu uma mudança de orientação na política estratégica: propunha passar das “represálias massivas” (da era Dwight D. Eisenhower-John Foster Dulles) à “resposta flexível” que caracterizou a presidência de Kennedy.

Inicialmente, apoiou o aumento da intervenção militar norte-americana na Guerra do Vietnã. No entanto, em 1965 começou a duvidar da possibilidade de obter um bom resultado em pouco tempo.

Ordenou a suspensão das campanhas de bombardeamento sobre o Vietnã do Norte e tentou encontrar uma saída negociada para o conflito. Sua postura o fez perder influência na administração do presidente Lyndon B. Johnson e terminou abandonando seu posto em fevereiro de 1968.

Dedicou os 13 anos seguintes à presidência do Banco Mundial. Em 1995 publicou suas memórias, In Retrospect: The Tragedy and Lessons of Vietnam, nas quais descreveu o clima político anticomunista da época da Guerra do Vietnã e os erros de cálculo das forças armadas dos Estados Unidos que as levaram à derrota. McNamara morreu em 6 de julho de 2009, aos 93 anos.

Henry Kissinger (1923–atualidade)

Henry Kissinger nasceu no seio de uma família judia alemã que fugiu para os Estados Unidos em 1938. Foi naturalizado americano em 1943 e professor na Universidade de Harvard, onde dirigiu um seminário sobre relações internacionais de 1952 a 1969.

Desenvolveu uma teoria pragmática das relações diplomáticas, contrária a baseá-las em abordagens ideológicas e disposta a legitimar o uso da força quando estivessem em jogo os interesses nacionais americanos.

Embora não rejeitasse a guerra como meio de ação internacional, Kissinger era partidário de resolver os conflitos através de meios diplomáticos, uma atitude que foi conhecida como “política de pequenos passos”

O presidente Richard Nixon o incorporou à sua administração em 1969 no cargo de conselheiro de Segurança Nacional. Desde esse posto dirigiu a política externa do governo norte-americano até 1975, e além disso foi secretário de Estado entre 1973 e 1977.

Preocupado sobretudo com a consolidação das relações diplomáticas com a União Soviética, no âmbito de uma política de distensão, também encorajou a aproximação à República Popular da China com a sua visita a esse país em 1971, antes da que Nixon realizou no ano seguinte. Kissinger considerou esta distensão com o governo comunista chinês como um meio indireto para melhorar as relações com o governo da União Soviética.

Kissinger era partidário da desvinculação norte-americana da Guerra do Vietnã, por isso liderou as negociações que levaram ao acordo de paz de Paris em janeiro de 1973. Isto lhe valeu, junto com o representante norte-vietnamita Led Duc Tho, o Prêmio Nobel da Paz (embora o vietnamita o tenha rejeitado).

As habilidades diplomáticas de Kissinger permitiram-lhe reforçar a influência americana no Oriente Médio após a Guerra de Yom Kippur de 1973, quando sua “política de pequenos passos” promoveu a aproximação entre os governos do Egito e de Israel.

Continuou a desempenhar as funções de secretário de Estado durante a presidência de Gerald Ford (1974–1977) e manteve posteriormente um certo grau de influência na administração norte-americana, especialmente durante a presidência de Ronald Reagan (1981–1989). Também escreveu muitos livros, atividade que continua realizando na atualidade.

Referências

  • Acuerdo de París, 27 de enero de 1973, en: Judge, E. H. & Langdon, J. W. (eds.) (2018). The Cold War Through Documents. A Global History. Third Edition. Rowman & Littlefield.
  • Britannica, Encyclopaedia (2023). Henry Kissinger. Encyclopedia Britannica. https://www.britannica.com/ 
  • Britannica, Encyclopaedia (2023). Robert S. McNamara. Encyclopedia Britannica. https://www.britannica.com/ 
  • Hastings, M. (2019). La guerra de Vietnam. Una tragedia épica 1945-1975. Crítica.
  • Lacouture, J. (2023). Ho Chi Minh. Encyclopedia Britannica. https://www.britannica.com/ 
  • Spector, R. H. (2023). Vietnam War. Encyclopedia Britannica. https://www.britannica.com/

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

GAYUBAS, Augusto. Guerra do Vietnã (1955-1975). Enciclopédia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/guerra-do-vietna-1955-1975/. Acesso em: 24 maio, 2024.

Sobre o autor

Autor: Augusto Gayubas

Doutor em História (Universidad de Buenos Aires)

Traduzido por: Cristina Zambra

Licenciada em Letras: Português e Literaturas da Língua Portuguesa (UNIJUÍ)

Data da última edição: 19 fevereiro, 2024
Data de publicação: 11 novembro, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)