Guerra Fria: as grandes tensões (1948–1955)

Vamos explicar o que foi a Guerra Fria, quais foram os países envolvidos no conflito e quais foram os principais acontecimentos do período.

Durante a Guerra Fria, dois grandes blocos foram formados, liderados pelos Estados Unidos e pela União Soviética.

O que foi a Guerra Fria?

Após a Segunda Guerra Mundial, os conflitos pós-guerra e a competição entre os Estados Unidos (EUA) e a União Soviética (URSS) provocaram uma crescente tensão internacional em todo o mundo. Apesar de a URSS e os Estados Unidos terem evitado o enfrentamento direto, o confronto entre o comunismo e o capitalismo se traduziu em conflitos bélicos em outros territórios.

O continente europeu, que mal havia começado a se recuperar das consequências da guerra e, em especial, a Alemanha, a grande perdedora da Segunda Guerra Mundial, foi o cenário do nascimento da Guerra Fria.

Os países ocupados pelo exército soviético depois da Segunda Guerra Mundial (Polônia, Tchecoslováquia, Hungria, Romênia e Bulgária) tornaram-se aos poucos o que as autoridades comunistas chamavam de “democracias populares”. No início, eram governos eleitos e, consequentemente, chamados de democracias. Entretanto, com o tempo, passaram a ser ditaduras que aplicavam o modelo comunista soviético.

Paralelamente, os Estados Unidos consolidaram sua influência nos países da Europa Ocidental, por meio da formação da OTAN e do financiamento econômico de governos liberais.

Por outro lado, as tensões rapidamente se espalharam pela Ásia; a derrota do imperialismo japonês havia deixado uma situação de enorme instabilidade. A China e a Coreia foram os principais palcos de conflito.

PONTOS IMPORTANTES

  • A Guerra Fria foi um conflito político, ideológico, econômico, social e militar.
  • Foi deflagrada após a Segunda Guerra Mundial, como consequência do crescente poder e influência política dos Estados Unidos e da União Soviética.
  • Houve o enfrentamento de dois blocos: um liderado pelos Estados Unidos (bloco capitalista, organizado em torno da OTAN) e outro liderado pela União Soviética (bloco comunista, organizado em torno do Pacto de Varsóvia).

Berlim e a partição da Alemanha

Berlim, a antiga capital da Alemanha, estava situada no coração da zona de ocupação soviética e fora dividida em quatro setores atribuídos a cada uma das quatro potências vitoriosas: Os Estados Unidos, a Grã-Bretanha, a França e a URSS. Berlim se tornou rapidamente o ponto crucial da Guerra Fria.

Considerava-se irremediável a partição da Alemanha. Os Estados Unidos, a Grã-Bretanha e a França decidiram iniciar um processo constituinte em suas zonas de ocupação. A primeira etapa foi a criação de uma nova moeda em suas zonas de ocupação: o marco alemão (deutsche mark).

A resposta soviética foi imediata: o bloqueio de Berlim. O exército soviético cortou toda a comunicação terrestre entre as zonas de ocupação ocidentais e Berlim Ocidental. Stalin estava confiante de que a área de Berlim Ocidental não sobreviveria ao bloqueio.

Entretanto, as potências ocidentais perceberam a importância de manter um enclave sob seu controle, bem no meio do território soviético. Para isso, organizaram uma ponte aérea para abastecer a população sitiada.

A crise de Berlim acelerou a partição da Alemanha. As três zonas ocidentais foram formadas na República Federal da Alemanha em 8 de maio de 1949. Sua constituição estabelecia um sistema democrático liberal diretamente influenciado pelas potências ocidentais.

A URSS reagiu em outubro com o estabelecimento, em sua zona de ocupação, da República Democrática Alemã, um estado criado segundo o modelo das “democracias populares”.

A partição da Alemanha materializava no coração da Europa a divisão bipolar do mundo.

A Revolução Comunista Chinesa (1949)

Após a guerra civil, o governo revolucionário de Mao instalou um regime comunista na China.

Depois de dois anos de guerra civil, no dia 1º de outubro de 1949, as tropas comunistas de Mao Tsé-Tung entraram vitoriosamente em Pequim (Běijīng), proclamando a República Popular da China. As tropas nacionalistas de Chiang Kai-shek fugiram para a ilha de Taiwan, onde estabeleceram um regime ditatorial pró-ocidental protegido pelos Estados Unidos.

Em 1950, Mao viajou a Moscou, onde assinou vários acordos com a URSS. Entre eles, uma aliança militar de trinta anos “contra o Japão ou qualquer agressor unido ao Japão”. A passagem do país mais populoso do mundo para o âmbito comunista traumatizou o mundo ocidental, especialmente a opinião norte-americana.

A Guerra da Coreia (1950–1953)

Entre 1950 e 1953, a Coreia do Norte (apoiada pela URSS) e a Coreia do Sul (apoiada pelos Estados Unidos) entraram em conflito.

A primeira vítima da Guerra Fria foi o povo coreano. Pela primeira vez, o enfrentamento entre o bloco ocidental e o bloco comunista ganhou a forma de um conflito armado em grande escala.

A Guerra da Coreia resultou da divisão desse território (anteriormente protegido pelo Japão) em duas zonas de ocupação, após a derrota japonesa em 1945. A Coreia do Norte era dominada por uma ditadura comunista pró-soviética, sob a mão de ferro de Kim il Sung, e a Coreia do Sul por uma ditadura de direita pró-americana, sob a direção de Syngman Rhee. Quando as potências de ocupação se retiraram em 1948–1949, encontravam-se frente a frente dois Estados antagônicos.

O conflito começou com a agressão norte-coreana em junho de 1950. A Coreia do Norte recebeu assistência militar soviética e foi apoiada por unidades do exército comunista chinês. Um exército expedicionário norte-americano deslocou-se para o lado sul-coreano, com a ajuda de outros países ocidentais.

Após uma guerra sangrenta, a situação terminou em um impasse tático. Em julho de 1953, foi assinado o armistício em Panmunjom, onde uma nova linha de demarcação contornando o paralelo 38º N foi acordada (era uma fronteira semelhante à anterior).

A Guerra da Coreia mostrou claramente a dimensão global da Guerra Fria. A partir de então, a Ásia se tornou um dos seus principais cenários.

A divisão do mundo

A partição da Alemanha e a Guerra da Coreia revelaram ao mundo uma nova realidade: a divisão em dois grandes blocos liderados pelos Estados Unidos e pela URSS. A partir daí, cada bloco defendeu a sua zona de influência contra o avanço do bloco oposto. Washington e Moscou usaram mecanismos diferentes para atingir esses objetivos:

  • Bloco capitalista-ocidental. Liderado pelos Estados Unidos, fortaleceu o desenvolvimento capitalista nos países que ficaram sob sua influência, especialmente na Europa Ocidental e na América. As relações internacionais do bloco foram consolidadas com a formação da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte) em 1949 e, posteriormente, através dos tratados ANZUS (1951), SEATO (1955) e CENTO (1955).
  • Bloco comunista-ocidental. Liderado pela URSS, consolidou a implementação do comunismo nos países que estavam sob a órbita soviética. Os governos comunistas estavam ligados por meio do Kominform (Escritório Internacional dos Partidos Comunistas e dos Operários) em 1947, do COMECON (Conselho de Assistência Econômica Mútua) em 1949 e do Pacto de Varsóvia em 1955.

Continue com:

Referências

  • Hobsbawn, E. J. (1998). La Guerra Fría. En Historia del siglo XX. Crítica.
  • McMahon, R. (2009). La guerra fría. Una breve introducción. Alianza.
  • Tucker, S. C., & Roberts, P. M. (2007). The Encyclopedia of the Cold War: A Political, Social, and Military History, 5 Volume Set. ABC-CLIO.

Como citar?

Citar a fonte original da qual extraímos as informações serve para dar crédito aos respectivos autores e evitar cometer plágio. Além disso, permite que os leitores acessem as fontes originais que foram utilizadas em um texto para verificar ou ampliar as informações, caso necessitem.

Para citar de forma adequada, recomendamos o uso das normas ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), que é uma entidade privada, sem fins lucrativos, usada pelas principais instituições acadêmicas e de pesquisa no Brasil para padronizar as produções técnicas.

KISS, Teresa. Guerra Fria: as grandes tensões (1948–1955). Enciclopédia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/guerra-fria-as-grandes-tensoes-1948-1955/. Acesso em: 17 julho, 2024.

Sobre o autor

Autor: Teresa Kiss

Professora de História do ensino médio e superior.

Traduzido por: Márcia Killmann

Licenciatura em letras (UNISINOS), Doutorado em Letras (Universidad Nacional del Sur)

Data da última edição: 31 março, 2024
Data de publicação: 27 dezembro, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)