Mao Tsé-Tung

Vamos explicar quem foi Mao Tsé-Tung e como ele se tornou o principal líder comunista da China. Além disso, quais foram as características de seu governo.

Mao Tsé-Tung estabeleceu o regime comunista na China e governou entre 1954 e 1976.

Quem foi Mao Tsé-Tung?

Mao Tsé-Tung foi um político revolucionário comunista chinês que governou a República Popular da China de 1954 até à sua morte, em 1976. Liderou o Partido Comunista Chinês (PCCh) durante a Revolução Chinesa (1949) e estabeleceu um regime comunista que, embora com profundas modificações, se mantém vigente até hoje.

Mao é reconhecido por sua luta e pela sua liderança durante a Revolução Chinesa e a Guerra Civil. Liderou a “Grande Marcha” (1934–1935), acontecimento que permitiu a fuga das tropas comunistas durante a Guerra Civil contra as forças nacionalistas, além disso, estabeleceu como regime uma ditadura democrática popular quando triunfou a revolução.

Seu governo na China foi marcado pela implementação de reformas que transformaram o país. Estabeleceu as bases do comunismo, e para isso, realizou uma série de medidas conhecidas como o “Grande Salto para Frente” que buscavam a industrialização para a produção de bens, a reorganização da propriedade da terra e o investimento em grandes obras de infraestrutura para os serviços públicos, com o objetivo de melhorar a qualidade de vida da população.

No entanto, a reestruturação econômica teve consequências negativas e o seu plano econômico foi frustrado por problemas na industrialização, nas más colheitas e no desenraizamento gerado pela deslocalização forçada de populações inteiras.

Por outro lado, decretou a “reeducação” da população, que implicou a reprodução de um novo modelo social. Por sua vez, o seu governo foi marcado pela repressão contínua das dissidências e pela censura dos meios de comunicação social para manter o controle.

Realizou diversas purgas políticas que eliminaram a oposição e permitiram ao Partido obter um controle total do aparelho e da administração estatal. Estima-se que, durante o seu governo, mais de 23 milhões de pessoas morreram de fome, perseguição política e de pobreza.

A vida pessoal de Mao Tsé-Tung

Mao Tsé-Tung nasceu em 26 de dezembro de 1986 em Shaoshan, uma aldeia rural na província de Hunan, na China. Sua família pertencia ao campo médio e Mao era o mais velho de quatro irmãos. Seus pais possuíam propriedades e meios para trabalhar a terra, mas toda a família devia trabalhar e Mao teve que integrar sua educação primária e secundária com o trabalho na fazenda familiar.

Em 1911, serviu no exército de Hunan durante a Revolução de Xinhai, que levou à queda da dinastia Qing e à proclamação da República da China. Depois, continuou os estudos em Changsha, onde conheceu Yang Changj, que se tornou seu mentor.

Alguns anos mais tarde, mudou-se para Pequim, onde conseguiu um emprego como bibliotecário assistente na Universidade. Ali entrou em contato pela primeira vez com as ideias de esquerda, tanto anarquistas como comunistas. Participou em diferentes grupos de leitura e estudo de pensamento social.

Em 1919, mudou-se para Changsha, onde fundou uma sociedade de estudos com outros colaboradores, e depois para Xangai, uma das maiores cidades do país. Ali, conheceu diferentes ativistas políticos. Em 1920, casou-se com Yang Kaihui (filha de seu mentor Yang Changj), que seria executada pelas forças do Kuomintang em 1930, durante a Guerra Civil Chinesa. Depois, casou-se em outras duas ocasiões com He Zizhen (1930–1937) e depois com Jiang Qing (1939–1976).

Em julho de 1921, participou da fundação do Partido Comunista Chinês (PCCh), organizada por Chen Duxiu e Li Dizhao (que era seu chefe na biblioteca da Universidade de Pequim).

A vida política de Mao Tsé-Tung

Militância e crescimento no PCCh

Embora Mao tenha participado da fundação do Partido Comunista Chinês (PCCh) em 1921, não ocupou um lugar central nas dinâmicas do partido até meados da década de 1930.

Durante os primeiros anos, a liderança do PCCh esteve ligada à influência do Partido Comunista da União Soviética que governava a Rússia e o resto das repúblicas constitutivas desde o final da Guerra Civil Russa. Por sua vez, a militância de Mao foi marcada pelo desenrolar dos acontecimentos políticos na China.

Entre 1922 e 1926, trabalhou para a Frente Unida, uma aliança política entre o PPCh e o Kuonmitang (o Partido Nacionalista Chinês, principal agente da Revolução de 1911 que derrubou a dinastia Qing e fundou a China moderna).

A Revolução Chinesa

Entre 1927 e 1937, juntamente a outros dirigentes do PPCh, liderou a reação comunista contra os avanços do Kuomintang durante a primeira etapa da Guerra Civil Chinesa. Durante esses anos, Mao liderou greves e manifestações armadas em Xangai, Nanchang, Cantão e outras cidades importantes.

Diante da contínua repressão, Mao buscou refúgio na região montanhosa de Hunan e de Jiangxi, onde organizou a resistência comunista como uma guerra de guerrilhas. De lá, Mao liderou a revolução de base camponesa, organizou o exército comunista e fundou um governo revolucionário na região de Hunan. Não obstante, é derrotado por Chiang Kai-Shek.

Mao ordenou a retirada das tropas comunistas, no que se chamou a "Grande Marcha", que envolveu uma fuga durante mais de um ano e o percurso de 12 500 quilômetros pela região montanhosa, até a província de Shanxi. Durante este duro período, Mao se consolidou como dirigente fundamental do PCCh.

Após uma trégua com o Kuomintang para enfrentar os invasores japoneses (1937–1945), Mao liderou o exército comunista à vitória na Guerra Civil contra os nacionalistas de Chiang Kai-Shek. A Revolução Comunista triunfou contra as forças nacionalistas e, em 1° de outubro de 1949, foi proclamada a República Popular da China. Neste contexto, Mao foi nomeado presidente do Conselho de Ministros e, em 1954, conseguiu ser presidente da República.

Governo da República Popular da China

Ao assumir o governo, Mao liderou a reestruturação política e econômica da China. Em relação ao sistema político, estabeleceu um regime que se chamou “ditadura democrática popular”. Através deste regime, o PCCh consolidou o controle de todos os aspectos de governo.

Todos os outros partidos foram proibidos e a participação política foi monopolizada pelo PCCh. Para efetivar seu controle, realizou uma limpeza política dentro e fora do Partido, a fim de eliminar a oposição e as dissidências. Também estabeleceu a censura da imprensa e realizou programas de “reeducação” da população, com o objetivo de proporcionar um novo modelo de sociedade.

O novo governo estabeleceu o planejamento central como um sistema econômico e liderou uma série de reformas para reestruturar a economia nacional. Em 1958, lançou o programa econômico conhecido como o “Grande Salto para Frente”. O plano implicava uma série de investimentos em infraestrutura em obras de comunicação, transporte, higiene e saúde, com o objetivo de melhorar a qualidade de vida da população.

Por outro lado, nacionalizou alguns ramos da indústria e realizou uma série de investimentos fundamentais para fomentar a industrialização do país e gerar uma economia de produção de bens. Além disso, realizou diferentes iniciativas rurais para melhorar as condições de vida dos camponeses pobres e aumentar o rendimento da produção agrária.

No entanto, o programa econômico acabou por ter efeitos negativos. Muitos camponeses foram enviados para trabalhar como operários na indústria do aço, o que implicou a recolocação e o desenraizamento de populações inteiras.

Houve sérios problemas com as colheitas e a produção agrícola, o que levou a uma escassez de alimentos, e a população teve que passar por graves situações de fome. Perante esta situação, multiplicaram-se as greves e as manifestações, e o governo maoísta respondeu com uma dura repressão.

Esta situação fez com que o poder de Mao se debilitasse dentro do PCCh e outros dirigentes começassem a questionar a sua liderança. Em resposta, no ano de 1966, Mao realizou uma iniciativa chamada “Revolução Cultural”, que envolveu uma segunda purga dentro das fileiras do partido e na burocracia do governo para tentar restabelecer seu controle. Mao chamou seus militantes fiéis e o Exército Vermelho para limpar aqueles elementos que consideravam serem uma disrupção e, portanto, um perigo para seu governo.

As consequências do programa econômico maoísta e das políticas repressivas foram muito duras para a população chinesa. Estima-se que cerca de 23 milhões de pessoas morreram durante o governo maoísta devido à fome, à repressão durante as manifestações e às purgas do exército durante a “Revolução Cultural”.

A política internacional durante o governo de Mao

A partir de 1960, as relações sino-soviéticas foram rompidas.

Com respeito às relações internacionais, a República Popular da China alinhou-se com a URSS no início da Guerra Fria, com a assinatura da aliança sino-soviética em 14 de fevereiro de 1950. Apoiou as forças comunistas na Coreia e no Vietnã. À morte de Stalin (líder da União Soviética), Mao apoiou Khrushchev diante do problema da Revolução Húngara (1956).

No entanto, Mao distanciou-se das políticas soviéticas implementadas por Khrushchev e as relações sino-soviéticas tornaram-se mais tensas. Criticou a desestalinização e a iniciativa de aproximação com os Estados Unidos (chamada “coexistência pacífica”). Finalmente, entre 1960 e 1962, após o crescimento das tensões, a ruptura das relações chinês-soviéticas tornou-se oficial.

Neste contexto, Mao iniciou uma política de luta aberta contra o imperialismo norte-americano. No entanto, no final de seu governo (especialmente com o recrudescimento das relações entre a União Soviética e os Estados Unidos) modificou esta política e, em troca, propôs uma aproximação à potência norte-americana.

Em 1972, o presidente Richard Nixon visitou a China e esta aproximação permitiu-lhe converter o país em um membro permanente do Conselho de Segurança da ONU.

Últimos anos de Mao Tsé-Tung

Embora a “Revolução Cultural” de Mao tivesse o objetivo de restabelecer o seu controle dentro do Partido e da burocracia estatal comunista, desde o início da década de 1970, o poder de Mao foi cada vez mais enfraquecido.

Seu estado de saúde começou a deteriorar-se e diferentes dirigentes do PCCh começaram a competir pelo poder dentro do Partido. Em 9 de setembro de 1976 Mao Tsé-Tung morreu após um terceiro infarto. Seu corpo foi embalsamado e exposto no Grande Salão do Povo, onde recebeu a visita de mais de um milhão de pessoas.

Continue com: Democracias Populares na Guerra Fria

Referências

  • Fusi, J. P. (2020). Mao Zedong. En Ideas y poder: 30 biografías del siglo XX. Turner.
  • Schram, Stuart Reynolds (2022). "Mao Zedong". Encyclopedia Britannica.
    https://www.britannica.com/ 
  • Van Dijk, R., Gray, W. G., Savranskaya, S., Suri, J., & Zhai, Q. (Eds.). (2013). “Mao Zedong”. Encyclopedia of the Cold War. Routledge.

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

KISS, Teresa. Mao Tsé-Tung. Enciclopédia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/mao-tse-tung/. Acesso em: 25 maio, 2024.

Sobre o autor

Autor: Teresa Kiss

Professora de História do ensino médio e superior.

Traduzido por: Cristina Zambra

Licenciada em Letras: Português e Literaturas da Língua Portuguesa (UNIJUÍ)

Data da última edição: 24 fevereiro, 2024
Data de publicação: 15 novembro, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)