Charles de Gaulle

Vamos explicar quem foi Charles de Gaulle e qual foi seu papel durante a Segunda Guerra Mundial. Além disso, seus anos como presidente da Quinta República Francesa.

Charles de Gaulle liderou a França Livre e foi presidente da República Francesa.

Quem foi Charles de Gaulle?

Charles de Gaulle foi um oficial militar e político francês que liderou a França Livre do exílio quando as tropas alemãs invadiram o país em 1940. Os nazistas dividiram o território em uma zona ocupada pelo exército alemão e outra administrada pelo regime colaboracionista de Vichy. Quando os Aliados libertaram a França em 1944, de Gaulle viajou para Paris e presidiu o governo provisório da República Francesa até 1946.

Logo depois, de Gaulle se aposentou da política até que a crise causada pelo curso da Guerra da Argélia o levou a retornar ao cargo público em 1958. Nomeado presidente do Conselho de Ministros, ele estabeleceu uma nova constituição que fundou a Quinta República e, em 1959, foi eleito presidente.

Governou a República Francesa por dez anos com a intenção de posicionar a França como uma potência e evitar que ela fosse subordinada aos Estados Unidos no contexto da Guerra Fria. No entanto, no final de seu mandato, sua figura foi enfraquecida pela crise econômica e pelas críticas às suas políticas conservadoras.Em abril de 1969, quase um ano após o levante de estudantes e trabalhadores conhecido como Maio Francês, renunciou.

A vida pessoal de Charles de Gaulle

Charles de Gaulle nasceu em Lille, uma cidade no norte da França, em 22 de novembro de 1890. Era o segundo filho de uma família católica com valores tradicionais. Seu pai, Henri de Gaulle, era funcionário público e professor de literatura, e sua mãe, Jeanne Maillot, vinha de uma família de empresários do setor têxtil.

Em 1908, Charles entrou para a escola militar de Saint-Cyr, uma das mais importantes da França, e em 1913, com a patente de subtenente, entrou para um regimento de infantaria comandado pelo então coronel. Durante a Primeira Guerra Mundial, lutou na Batalha de Verdun e passou quase três anos como prisioneiro.

Em 1921, Charles se casou com Yvonne Vendroux, com quem teve três filhos: Philippe de Gaulle, Élisabeth de Gaulle e Anne de Gaulle. No período entreguerras, subiu na hierarquia, passando de capitão a major e depois a coronel. Em 1940, foi promovido a general de brigada. Ao longo de sua vida, também escreveu livros sobre assuntos militares (alguns para Pétain) e suas memórias.

A vida política de Charles de Gaulle

A Segunda Guerra Mundial e a França Livre

No dia 18 de junho de 1940, de Gaulle fez um apelo radiofônico para resistir aos alemães.

Na década de 1930, Charles de Gaulle recomendou a formação de um exército profissional no qual as divisões de tanques blindados exerceriam um importante papel. O sucesso da Blitzkrieg (Guerra-Relâmpago) alemã em 1939 e 1940 provou a sabedoria de sua abordagem.

Em maio de 1940, enquanto a invasão alemã da França progredia com sucesso, de Gaulle liderou alguns ataques contra o exército alemão e foi temporariamente promovido a general de brigada. Em 6 de junho de 1940, foi nomeado subsecretário de Defesa e Guerra, mas dez dias depois, quando um novo gabinete foi formado por Philippe Pétain, que era a favor da assinatura de um armistício com a Alemanha, de Gaulle deixou a França e foi para Londres.

No dia 18 de junho de 1940, de Gaulle fez um famoso discurso radiofônico na BBC britânica, no qual conclamou os franceses a resistir à invasão alemã. Em 28 de junho, o primeiro-ministro britânico Winston Churchill o reconheceu como líder do movimento da França Livre.

Sem um mandato legal, de Gaulle lutou incansavelmente para que a França fosse reconhecida pelas forças aliadas como um país cobeligerante. Em 1943, mudou-se para a Argélia, que era território francês, enquanto a França continental ainda era administrada pelas forças de ocupação alemãs e pelo regime de Vichy, liderado por Pétain.

Apesar da relutância do presidente dos Estados Unidos, Franklin D. Roosevelt, os Aliados finalmente reconheceram, em outubro de 1944, o governo provisório da República Francesa que de Gaulle criou e presidiu após o desembarque na Normandia em junho de 1944. De Gaulle havia se estabelecido em Paris em setembro de 1944, logo após a libertação da capital francesa pelos Aliados.

Embora a França não tenha sido convidada para as conferências de Yalta e Potsdam em 1945, a determinação de de Gaulle garantiu que a França fosse reconhecida como a potência vitoriosa após a rendição alemã em maio de 1945. Como resultado, a França recebeu o status de membro permanente do Conselho de Segurança da ONU e o direito a uma zona de ocupação na Alemanha.

Os anos do pós-guerra e a crise de 1958

De Gaulle foi presidente do governo provisório da República Francesa de 1944 a 1946 e fundou o partido Coalizão do Povo Francês (Rassemblement du Peuple Français – RPF) em 1947. Sua política externa foi marcada, a partir de então, por um forte nacionalismo baseado na ideia de independência nacional e na manutenção do status da França como uma grande potência.

Essa abordagem fez com que ele e seu partido se manifestassem contra a divisão do mundo em dois blocos, a divisão da Alemanha e a criação de uma Comunidade Europeia de Defesa (CED), que fracassou precisamente por causa do voto negativo dos representantes gaullistas na Assembleia Nacional Francesa em 1954.

A União do Povo Francês se dissolveu em 1955 e De Gaulle se afastou da política por um tempo, mas retornou em 1958 como um “salvador” da difícil situação criada pela Guerra da Argélia (1954–1962), que quase levou a França à guerra civil. De Gaulle era favorável à manutenção da Argélia Francesa e foi nomeado Presidente do Conselho de Ministros e ministro da Defesa em junho de 1958. Promoveu uma nova Constituição, aprovada em outubro de 1958, que deu origem à Quinta República Francesa. Em dezembro, foi eleito Presidente da República, cargo que assumiu em janeiro de 1959.

A Presidência da Quinta República Francesa

De Gaulle tentou evitar que a França se tornasse subordinada aos Estados Unidos durante a Guerra Fria.

Como presidente da Quinta República Francesa, de Gaulle voltou atrás em suas promessas anteriores em relação à Guerra da Argélia: negociou com a Frente de Libertação Nacional (FLN) e aceitou a independência da Argélia em 1962.

Além disso, adotou uma política independente dos Estados Unidos no Terceiro Mundo. Um exemplo disso foi seu discurso em Phnom Penh, no Camboja, em 1966, criticando o papel dos Estados Unidos no Vietnã.

Na Europa, também tentou seguir uma política independente, marcada por um forte nacionalismo. Alguns exemplos da política externa gaullista são:

  • Sua dupla recusa à adesão do Reino Unido à Comunidade Econômica Europeia (em 1963 e 1967), pois ele via o governo de Londres como um mero instrumento dos Estados Unidos.
  • Sua viagem à União Soviética (URSS), em 1966.
  • A saída da França da estrutura militar integrada da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte), a grande aliança de defesa dos países ocidentais, em 1966 (embora não tenha deixado a aliança propriamente dita).

Maio francês e a renúncia de De Gaulle

A insurreição de 1968 manchou a imagem de Charles de Gaulle, que renunciou no ano seguinte.

A concepção gaullista da França como uma grande potência foi desafiada pela crise política e econômica que levou aos eventos de maio de 1968. A revolta dos trabalhadores e estudantes, conhecida como “Maio Francês”, mostrou que a França não tinha coesão interna nem recursos econômicos para desempenhar um papel de liderança no cenário internacional.

De Gaulle convocou eleições legislativas antecipadas em junho de 1968, que foram vencidas pela União dos Democratas pela República, pró-Gaullista. Mas a imagem de Charles de Gaulle havia se tornado impopular e seu referendo para introduzir reformas foi rejeitado, então ele decidiu renunciar em 28 de abril de 1969. Retirou-se para Colombey les Deux Églises e morreu de insuficiência cardíaca em 9 de novembro de 1970.

Discurso de Charles de Gaulle (18 de junho de 1940)

No dia 18 de junho de 1940, o General Charles de Gaulle fez um famoso discurso radiofônico em  Londres, transmitido pela BBC, a estação de rádio do governo britânico, no qual ele conclamou os franceses a continuar a resistência contra os alemães que haviam invadido o país.

A mensagem desse discurso foi contrária à política do governo do marechal Pétain na França, que havia pedido um armistício à Alemanha nazista. O armistício foi finalmente assinado em 22 de junho de 1940, enquanto De Gaulle se tornava o líder do movimento da França Livre no exílio.

Continue com:

Referências

  • Britannica, Encyclopaedia (2023). Free French. Encyclopedia Britannica. https://www.britannica.com/ 
  • De Gaulle, C. (2005). Memorias de guerra. La Esfera de los Libros.
  • Gildea, R. (2017). Combatientes en la sombra. Una nueva perspectiva histórica sobre la Resistencia francesa. Taurus.
  • Llamamiento del general Charles de Gaulle, 18 de junio de 1940, en: Portal oficial del Gobierno de Francia. https://www.gouvernement.fr/
  • Pickles, D. M. (2022). Charles de Gaulle. Encyclopedia Britannica. https://www.britannica.com/

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

GAYUBAS, Augusto. Charles de Gaulle. Enciclopedia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/charles-de-gaulle/. Acesso em: 27 fevereiro, 2024.

Sobre o autor

Autor: Augusto Gayubas

Doutor em História (Universidad de Buenos Aires)

Traduzido por: Márcia Killmann

Licenciatura em letras (UNISINOS), Doutorado em Letras (Universidad Nacional del Sur)

Data da última edição: 29 dezembro, 2023
Data de publicação: 6 dezembro, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)