Saddam Hussein

Vamos explicar quem foi Saddam Hussein e como chegou a governar o Iraque (1979–2003). Além disso, por que se opôs aos Estados Unidos.

Saddam Hussein governou o Iraque e lutou contra a intervenção das potências estrangeiras.

Quem foi Saddam Hussein?

Saddam Hussein foi um político nacionalista árabe iraquiano que exerceu funções como presidente, primeiro-ministro e chefe das forças armadas do Iraque entre 1979 e 2003. Militou no Partido Socialista Árabe Baath e participou no golpe de Estado de 1968 que devolveu o poder ao Partido no Iraque.

Durante o seu governo, apoiou a ideologia baathista de defesa da autonomia árabe face às potências estrangeiras e manteve um regime unipartidário. Aboliu a oposição partidária, fomentou o culto popular à sua personalidade e aprofundou o desenvolvimento industrial e armamentista do país.

Envolveu-se em vários conflitos internacionais. Entre eles, a Guerra do Irã-Iraque (1980–1988), durante a qual realizou uma operação que resultou no massacre da população curda da região norte. Estes atos foram condenados como genocídio por diferentes organismos internacionais.

Também ocupou o Kuwait e desencadeou a Guerra do Golfo (1990–1991) em que se confrontou pela primeira vez com os Estados Unidos. Em 2003, os Estados Unidos invadiram o Iraque e derrubaram o seu governo.

Finalmente, Hussein foi julgado e condenado à morte pelos massacres da população curda e pela perseguição aos xiitas durante o seu governo. A sentença foi executada e Saddam Hussein morreu em 30 de dezembro de 2006. As imagens da sua morte foram reproduzidas em diferentes meios de comunicação ocidentais.

A vida privada de Saddam Hussein

Saddam Hussein nasceu em Al-Awja, no Iraque, em 28 de abril de 1937, em uma família camponesa sem terras de uma região muito pobre. Durante sua infância, seu pai desapareceu (existem diferentes versões sobre seu paradeiro) e sua mãe atravessou anos de depressão, por isso Saddam foi criado por seu tio materno Khairallah Talfah que era um militante anticolonialista e o educou dentro do nacionalismo árabe.

Quando tinha nove anos, voltou a viver com a mãe quando o tio foi preso por ter participado de um golpe anticolonial. Sua mãe tinha casado com o irmão de seu pai (um costume comum na cultura local).

Deste matrimônio, nasceram os três meio-irmãos de Hussein, que no futuro seriam companheiros de militância política e pessoas com cargos de seu governo. Embora tenha começado a escola fundamental, Hussein teve que abandoná-la em diferentes ocasiões para pastorear os rebanhos e ajudar na pobre economia familiar.

Tentou entrar na Academia Militar em duas ocasiões, mas não foi aprovado nas provas. Em 1955, mudou-se com a sua família para Bagdá e continuou seus estudos do ensino médio (que acabaria no Egito, depois que deveria se exilar pela sua atividade política).

Em 1963, casou-se com sua prima Sajida Talfah, com quem teve cinco filhos. Dois deles fizeram parte de seu governo, e foram mortos durante a invasão norte-americana ao Iraque, em 2003.

Vida política de Saddam Hussein

Ascensão política no Partido Socialista Árabe Baath

A ideologia bahatista defende o socialismo e o nacionalismo árabe, e sustenta que para conseguir o renascimento da cultura árabe é necessário unificar os diferentes países de origem árabe em um grande Estado. Saddam Hussein se juntou ao Partido socialista árabe Baath (PBAS) em 1957.

No ano seguinte, um grupo de militares liderados por Abdul Karim Qasim deu um golpe de Estado no Iraque, derrubou o rei Faisal II e assassinou-o com os seus principais ministros. Qasim estabeleceu uma ditadura militar nacionalista, com apoio soviético e de orientação antiocidental.

O seu novo governo integrou membros do Baath, por isso o Partido Baath começou a crescer no poder. Quando Qasim se opôs à unificação do Iraque, a Síria e o Egito em um grande Estado (que se chamaria República Árabe Unida), os baathistas ficaram contra ele.

Neste contexto, o Partido Baath foi legalmente proibido e os seus membros perseguidos. Os baathistas organizaram a guerrilha contra o governo e em 1959, Saddam Hussein liderou um atentado contra Qasim. Ao falhar, Hussein se exilou na Síria e depois no Egito, onde passou alguns anos dedicado a terminar seus estudos do ensino médio, iniciar seus estudos em advocacia e militar no partido baathista local.

Em 1963, o PBAS do Iraque realizou um golpe de Estado contra o governo de Qasim, que se chamou de a “Revolução do Ramadão”, e assumiu o governo do país. Hussein voltou para o Iraque.

No entanto, meses mais tarde, outro golpe de Estado tirou os baathistas do poder e os seus principais membros foram presos, entre eles Hussein, que teve de passar anos na prisão até conseguir escapar. Nos anos seguintes, Hussein tornou-se um dos principais líderes do partido desde a clandestinidade.

Em 1968, o Partido Baath realizou outro golpe de Estado. Desta vez triunfou e estabeleceu como governante de fato Ahmad Hasan al-Bakr. Desde então, Hussein foi trabalhando em diferentes espaços do novo governo até que, em 1972, ocupou-se da nacionalização da indústria iraquiana.

O sucesso desta tarefa, levou-o a se tornar um dos homens mais importantes do partido. Ele também se encarregou da negociação com a URSS que levou à assinatura do Tratado de Amizade e Cooperação, pelo qual a URSS se tornou o principal fornecedor de armas do Iraque. Nos últimos anos, conseguiu também a proibição do resto dos partidos políticos. Finalmente, em 1979, al-Bakr delegou o seu poder a Hussein e este tornou-se oficialmente o presidente do Iraque.

Governo do Iraque (1979–2003)

Quando Hussein aceitou ser presidente do Iraque, procurou consolidar seu poder através da eliminação da oposição política. Realizou uma purga dentro do partido e a perseguição dos militantes comunistas. Por outro lado, também procurou eliminar a minoria xiita do país, por isso muitos deles foram deportados para o Irã ou assassinados.

Ao longo de seu governo, Hussein reorientou a política internacional do Iraque em diversas ocasiões. Nos primeiros anos, procurou o apoio de potências ocidentais para limitar a influência da URSS e o comunismo dentro do Iraque. Entre 1980 e 1988, iniciou uma guerra contra o Irã pelo controle da região de Shatt al-Arab. No âmbito desta guerra, foi realizado o genocídio curdo.

Em 1990, em resposta a um conflito pela produção e os preços do petróleo, Hussein ordenou a invasão e ocupação do Kuwait. Estes acontecimentos desencadearam a Guerra do Golfo (1990–1991), em que uma coligação internacional liderada pelos Estados Unidos obrigou os exércitos iraquianos a se retirarem do Kuwait e recuperar a independência do emirado. Na retirada das tropas, Hussein ordenou a queima de mais de 700 poços de petróleo.

Embora Hussein tenha sido derrotado, as tropas ocidentais não avançaram sobre o território iraquiano e manteve o seu poder no país. Durante a guerra, a mídia internacional demonizou a sua figura. Por sua vez, Hussein recuperou sua imagem para obter maior apoio popular dentro do mundo árabe. Para isso, reorganizou alguns elementos da ideologia baathista original. Por exemplo, deixou de lado o laicismo fundamental e começou a conectar a cultura árabe à religião islâmica. Desta forma, procurou novos aliados no movimento islâmico.

Nos anos seguintes, o Iraque começou a ficar cada vez mais isolado internacionalmente. Os serviços secretos do Kuwait acusaram Hussein de organizar um ataque contra o governo dos Estados Unidos. Em 1993, o presidente dos Estados Unidos ordenou o lançamento de mísseis a Bagdá e em 1998, juntamente com o governo do Reino Unido, iniciou a “Operação Raposa do Deserto”, que implicou outra série de bombardeios.

As relações entre as potências ocidentais e o Iraque pioraram ainda mais após os atentados às Torres Gêmeas realizados pela Al-Qaeda, em 2001. O governo norte-americano acusou o Iraque de possuir armas de destruição em massa (o que violava o convênio internacional de 1991).

Em 2003, uma coalizão liderada pelos Estados Unidos (e apoiada pelo Reino Unido, Polônia e Austrália) invadiu o Iraque e interveio no governo de Hussein, que teve que escapar e se esconder. Alguns meses mais tarde, as tropas americanas encontraram e detiveram ele.

Em 2005, teve início o julgamento de Saddam Hussein, acusado pelo massacre dos xiitas, em 1984, e dos curdos, em 1988. Foi condenado à morte por enforcamento e executado em 30 de dezembro de 2006.

Continue com:

Referências

  • Britannica, The Editors of Encyclopaedia (2023). "Saddam Hussein". Encyclopedia Britannica. https://www.britannica.com/
  • Karsh, E., & Rautsi, I. (2002). Saddam Hussein: A political biography. Grove Press.
  • Kerr, A., & Wright, E. (Eds.). (2015). "Saddam Hussein". A dictionary of world history. OUP Oxford.
  • Shields, C. J. (2005). Saddam Hussein. Infobase Publishing. 

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

KISS, Teresa. Saddam Hussein. Enciclopédia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/saddam-hussein/. Acesso em: 8 junho, 2024.

Sobre o autor

Autor: Teresa Kiss

Professora de História do ensino médio e superior.

Traduzido por: Cristina Zambra

Licenciada em Letras: Português e Literaturas da Língua Portuguesa (UNIJUÍ)

Data da última edição: 30 janeiro, 2024
Data de publicação: 30 novembro, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)