Fascismo

Vamos explicar o que é o fascismo e como se originou. Além disso, quais são as suas principais características e como agia diante da oposição.

fascismo nazi
Um dos casos mais emblemáticos de fascismo foi a Alemanha nazista de Adolf Hitler.

O que é o fascismo?

O fascismo foi um movimento político que surgiu na Europa na década de 1920 e governou diversos países até 1945. Opunha-se aos movimentos liberais que promoviam a democracia e aos movimentos de trabalhadores que surgiram com base no modelo do marxismo e do anarquismo.

Como movimento político, nasceu na Itália, ligado à figura de Benito Mussolini, e assumiu o poder em Roma em 1922. O rápido triunfo de Mussolini levou ao uso generalizado do termo fascismo para se referir aos movimentos totalitários de extrema direita que surgiram no período entre guerras na Europa.

O exemplo mais relevante foi a versão alemã liderada por Adolf Hitler, o nacional-socialismo ou nazismo. Na Espanha, o falangismo e, até certo ponto, a ditadura de Francisco Franco tinham características típicas do fascismo.

Por extensão, e às vezes de forma inadequada, a palavra fascismo é usada para se referir a todos os tipos de movimentos autoritários de extrema direita que surgiram no mundo posteriormente.

Origens do fascismo

Na Itália, o fascismo surgiu com os grupos paramilitares chamados de “Camisas Negras”.

O fascismo nasceu em sociedades afetadas pela Primeira Guerra Mundial (1914–1918), devido a vários fatores:

  • A existência de milhões de ex-combatentes com uma ideologia autoritária, antidemocrática e hipernacionalista.
  • Uma grave crise econômica.
  • O descontentamento nacionalista em alguns países europeus, como Itália e Alemanha.
  • O medo das classes média e alta do triunfo de uma revolução comunista, como havia acontecido na Rússia em 1917.

O surgimento do fascismo na Itália

Na Itália, o fascismo teve suas origens com um poeta italiano chamado Gabriele D'Annunzio, que foi soldado durante a Primeira Guerra Mundial e defendia ideias nacionalistas.

No final da Primeira Guerra Mundial, os países aliados vencedores (Estados Unidos, Grã-Bretanha, França e Itália) dividiram os territórios conquistados.

Os italianos se sentiram prejudicados na divisão, pois não haviam recebido os territórios que reivindicavam. Nesse contexto, D'Annunzio tomou a cidade de Fiume (atual Croácia) à força, com um exército de 2 mil soldados.

Em 1920, D'Annunzio, com o sindicalista Alceste d'Ambris, escreveu uma constituição chamada “Carta de Carnaro” e estabeleceu um regime especial em Fiume, no qual atribuiu poderes especiais a si mesmo, ignorando a democracia. Criou um grupo de militares de camisa preta encarregados de reprimir e torturar qualquer pessoa que criticasse ou se opusesse ao regime.

Ao mesmo tempo, outro militar italiano chamado Benito Mussolini estava ganhando cada vez mais poder. Mussolini aproveitou-se da agitação social devido à crise econômica e aos poucos benefícios que a Itália havia obtido após a guerra. Ele se opôs aos movimentos socialistas e comunistas italianos e atacou seus militantes com um exército paramilitar, também conhecido como Camisas Negras. Depois de chegar ao poder, Mussolini se inspirou em muitas das ideias e medidas adotadas por D'Annunzio em Fiume.

O surgimento do fascismo na Alemanha

O regime fascista de Hitler perseguiu judeus, ciganos e homossexuais.

Em 1933, o oficial militar austro-húngaro Adolf Hitler tomou o poder na Alemanha, adotando uma visão fascista com forte presença de racismo contra todos aqueles que não pertenciam à raça ariana, considerada superior.

O regime fascista de Hitler perseguiu judeus, ciganos, homossexuais e doentes mentais, além de oponentes políticos militantes. Criou o nazismo, ou o Partido Nacional Socialista, sob o slogan Ein Volk, Ein Reich, Ein Führer, que em alemão significa: “um Povo, um Império, um Líder”.

O surgimento do fascismo na Espanha

Em 1936, o líder militar Francisco Franco liderou um golpe de Estado na Espanha. Como o golpe não foi bem-sucedido na capital, eclodiu a Guerra Civil Espanhola, que colocou os republicanos contra os rebeldes ou revolucionários.

Em 1939, os rebeldes saíram vitoriosos ao contar com uma forte unidade militar e instalaram uma ditadura, que durou até 1975. Seu governo tinha várias características que compartilhava com os regimes de Mussolini e Hitler.

Características do fascismo

Fascismo
O culto ao líder foi um elemento fundamental da ideologia fascista.

Algumas características comuns do fascismo são:

  • Totalitarismo. O partido oficial era o único partido permitido, e os indivíduos tinham de se subordinar ao Estado. O uso da força e a figura do grande líder eram fundamentais para o controle da sociedade.
  • Antiliberalismo. O liberalismo era visto como uma ideologia fraca, que ia contra os ideais de disciplina e obediência.
  • Antimarxismo. O fascismo acreditava que a sociedade deveria ser uma nação homogênea e acreditava que as ideias marxistas de “luta de classes” prejudicavam sua unidade. As organizações socialistas, comunistas e anarquistas eram perseguidas.
  • Autoritarismo e militarismo. A sociedade era vista como uma organização militar, na qual a disciplina e a ordem eram fundamentais. A polícia e as forças militares eram responsáveis por manter a obediência da sociedade por meio da violência.
  • Nacionalismo exacerbado. O conceito de nação era fundamental para os regimes fascistas. A expansão territorial para ampliar o estado nacional era um dos principais objetivos.
  • Liderança carismática. A figura do líder (duce na Itália, führer na Alemanha, caudillo na Espanha) detinha poder absoluto sobre o partido, o Estado e a sociedade. O carisma do líder era disseminado por meio de um sistema de propaganda que alimentava o culto à personalidade.
  • Uso da propaganda. O controle dos meios de comunicação foi fundamental para proibir a liberdade de expressão e disseminar a ideologia por meio de um grande aparato de propaganda política.
  • Uso do terror. Os oponentes do regime totalitário eram ameaçados, feitos prisioneiros ou mortos.
  • Racismo. O fascismo discriminava as pessoas com base em sua origem étnica ou racial. Na Alemanha, a superioridade da raça ariana sobre o restante da população era defendida e ocorreu o assassinato sistemático de judeus e ciganos.

O fascismo italiano

Benito Mussolini foi o líder do fascismo italiano que tomou o poder em 1922.

Em um contexto de crise política, econômica e social, havia um grande descontentamento entre a população italiana. Entre 1918 e 1920, milhares de greves de trabalhadores eclodiram no país devido ao desemprego, aos baixos salários e ao fechamento de fábricas. Por outro lado, o setor mais pobre do campesinato se rebelou contra seus patrões e tomou propriedades rurais nos arredores de Roma.

Enquanto isso, o governo democrático liberal não oferecia nenhuma resposta eficaz ou rápida. Em 1919, Benito Mussolini fundou os fasci italiani di combattimento (“grupos de combate armados”), um movimento de grupos paramilitares armados para combater os partidos de esquerda. Sua postura atraiu grande parte da população italiana e conquistou o apoio de empresários, proprietários de terras, classe média, exército e Igreja Católica, que temiam a explosão de uma revolução comunista.

Com o apoio político e econômico desses setores, em 1921 ele criou o Partido Nacional Fascista. No ano seguinte, liderou um golpe de Estado, conhecido como a “Marcha sobre Roma”. O governo democrático liberal renunciou e o rei Victor Emmanuel III entregou o governo a Mussolini.

A partir de 1924, Mussolini aprofundou as políticas fascistas para instalar um regime totalitário: aboliu os partidos políticos e os sindicatos, suprimiu as liberdades de expressão política (como as greves) e se autoproclamou Duce (que significa “guia” ou “líder”). Assumiu as funções de chefe de governo, primeiro-ministro e secretário de Estado. A partir de então, a propaganda sistemática levou à exaltação do Duce como o líder carismático da Itália fascista.

Em termos sociais, ele reformou o sistema educacional para controlar as ideias e os valores ensinados nas escolas. Os professores eram obrigados a usar camisas pretas (como os Fasci) e jurar fidelidade ao regime.

Em termos políticos, Mussolini interveio na organização do poder. Ele dissolveu a Câmara dos Deputados e a substituiu, em 1939, pela Câmara dos Fasci e das Corporações. Os diversos cargos de poder eram ocupados por militantes fascistas nomeados pelo Duce. O papado e a alta hierarquia da Igreja Católica apoiaram o regime fascista e ajudaram na construção do regime totalitário.

Em termos econômicos, o governo de Mussolini procurou intervir nas relações entre trabalhadores e empresários com o intuito de controlar a atividade sindical. Os proprietários e os trabalhadores foram agrupados em corporações que estavam sob estrita supervisão do Estado. No âmbito rural, promoveu o aumento da produção agrícola e, no urbano, concentrou-se na industrialização concentrada, orientada para o desenvolvimento de armamentos bélicos.

Nesse contexto, em meados da década de 1930, Mussolini iniciou sua política externa expansionista e reivindicou territórios em diferentes partes da África. Em 1935, ele invadiu a Abissínia (atual Etiópia) e, em 1936, firmou uma aliança militar com a Alemanha.

O nacional-socialismo alemão

A ascensão do nazismo foi apoiada por diferentes setores da população alemã.

Após a Primeira Guerra Mundial, uma crise econômica, política e social sem precedentes irrompeu na Alemanha. A República de Weimar (governo democrático liberal) não foi capaz de lidar com as demandas contínuas de diferentes setores da sociedade e, à medida que a crise se aprofundava, ficava cada vez mais enfraquecida. Nesse contexto, tanto os partidos de ultraesquerda quanto os de ultradireita se tornaram populares.

Adolf Hitler liderou o Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães a partir de 1921. Era um partido nacionalista, antissemita e crítico das consequências da assinatura do Tratado de Versalhes na Alemanha. Em 1923, durante uma curta estadia na prisão, Hitler escreveu Mein Kampf (que significa Minha Luta), livro que resumiu sua ideologia.

A crise de 1929 e suas repercussões brutais na Alemanha permitiram que Hitler conquistasse o apoio dos grandes capitais alemães e de amplos setores da população. Nas eleições de 1933, o partido nazista obteve 45% dos votos, e Hitler foi nomeado chanceler. Em 1934, ele obteve os votos necessários no Parlamento para obter plenos poderes e o poder de criar leis. Diante da morte do presidente Hindenburg, Hitler concentrou todo o poder em suas mãos (as funções de presidente e chanceler) e se autoproclamou Führer do Terceiro Reich da Alemanha.

A partir de então, Hitler impôs um regime totalitário: proibiu partidos, eliminou as liberdades políticas e civis e organizou a perseguição violenta e sistemática de seus oponentes por meio dos grupos paramilitares do partido (SA e SS) e da polícia secreta (Gestapo).

Os nazistas buscavam homogeneizar a sociedade alemã impondo sua ideologia em todos os aspectos da vida e em todos os setores sociais. Para isso, foi implementada uma propaganda em massa que promovia o racismo, o antissemitismo, o anticomunismo e o nacionalismo. Além disso, o culto ao líder foi desenvolvido por meio de educação, desfiles e grandes eventos, nos quais eram exibidas fotos de Hitler, suásticas e bandeiras nazistas.

O racismo era um aspecto fundamental da ideologia e das políticas nazistas. A discriminação racial tornou-se oficial com a ascensão do regime nazista e se aprofundou nos anos seguintes. No início, a discriminação era racial e propagandística. Depois, com as leis de Nuremberg assinadas em 1935, estabeleceu-se a base legal para o desenvolvimento da segregação espacial e cívica. Foram criados guetos de bairro e a liberdade de movimento de pessoas de origem ou prática judaica foi restringida. A discriminação racial também atingiu os ciganos e outras minorias étnicas da população alemã.

Com o desenrolar da Segunda Guerra Mundial, a população dos guetos foi transferida para campos de concentração e obrigada a realizar trabalhos forçados em condições de vida atrozes. Isso envolveu a criação de um sistema sofisticado para a exploração dos prisioneiros. Perto do fim da guerra, o governo nazista decretou a “solução final do problema judeu”, que envolvia o assassinato sistemático de prisioneiros judeus por meio de câmaras de gás e fome. O genocídio do povo judeu é conhecido na atualidade como Holocausto e envolveu o assassinato de mais de 6 milhões de pessoas.

Assim como o fascismo italiano, o nazismo implementou o controle estatal da economia, controlou as relações entre trabalhadores e proprietários, investiu na indústria pesada voltada para o rearmamento e embarcou em uma política territorial expansionista que desencadeou a Segunda Guerra Mundial.

Continue com:

Referências

  • Griffin, R. (2019). Fascismo. Alianza Editorial.
  • Hobsbawn, E. J. (1998). Historia del siglo XX. Crítica.
  • Tato, M. I., Bubello, J. P., Castello, A. M. y Campos, E. (2011). Historia de la segunda mitad del siglo XX. Estrada.

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

KISS, Teresa. Fascismo. Enciclopedia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/fascismo/. Acesso em: 15 abril, 2024.

Sobre o autor

Autor: Teresa Kiss

Professora de História do ensino médio e superior.

Traduzido por: Márcia Killmann

Licenciatura em letras (UNISINOS), Doutorado em Letras (Universidad Nacional del Sur)

Data da última edição: 17 novembro, 2023
Data de publicação: 1 outubro, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)