Guerra Civil Espanhola

Vamos explicar o que foi a Guerra Civil Espanhola e quais foram suas causas e consequências. Além disso, suas características e o papel da Igreja.

guerra civil española
A Guerra Civil Espanhola colocou os conservadores nacionalistas contra os republicanos.

O que foi a Guerra Civil Espanhola?

A Guerra Civil Espanhola foi uma guerra que ocorreu na Espanha entre 17 de julho de 1936 e 1º de abril de 1939. Colocou o governo legitimamente constituído da Segunda República Espanhola contra várias facções do exército espanhol insurgente.

A Guerra Civil Espanhola foi um episódio complexo na história da Espanha. Muitos historiadores a definem como uma luta de classes armada, atravessada por diferentes dimensões ideológicas: ditadura vs. república, fascismo vs. comunismo e nacionalismo religioso vs. socialismo secular.

Os insurgentes militares eram liderados pelo general Francisco Franco, que, após vencer a batalha, tornou-se o senhor da guerra e ditador da Espanha até sua morte em 1975. Sob seu governo ditatorial, houve a repressão e a eliminação do socialismo, do comunismo e do anarquismo espanhóis.

Ocorrida como um prelúdio da Segunda Guerra Mundial, a Guerra Civil Espanhola representou um dos eventos bélicos mais trágicos da história europeia na primeira metade do século XX. Cerca de 500 mil vidas foram perdidas e o país foi submetido a um regime feroz e conservador que durou 36 anos.

Antecedentes da Guerra Civil Espanhola

Guerra Civil Española
O Comitê Revolucionário que venceu as eleições de 1931 proclamou a Segunda República Espanhola.

Desde o início do século XX, com o triunfo da Revolução Russa em 1917, um grande medo do comunismo se espalhou entre as classes altas europeias. Na Espanha, o rei Afonso XIII e o exército começaram a intervir ativamente na política, com o objetivo de neutralizar o surgimento ou a ação de grupos comunistas.

Em 1923, o general Miguel Primo de Rivera realizou um golpe de Estado e instalou um governo de fato. Em seguida, fundou o Partido da União Patriótica para legitimar seu regime e procurou formar corporações políticas para substituir os partidos políticos tradicionais.

Diante do governo ditatorial de Primo de Rivera, formou-se uma oposição heterogênea envolvendo diferentes setores da sociedade: elites intelectuais, grupos de trabalhadores, partidários republicanos, estudantes universitários e militantes de esquerda. Devido à pressão desses grupos, o rei e o exército retiraram seu apoio ao governo e Primo de Rivera convocou eleições em 1931.

Segunda República Espanhola

O Comitê Revolucionário, constituído por socialistas e republicanos, venceu as eleições e proclamou a chamada Segunda República Espanhola. A partir do governo, sancionou uma nova constituição e promoveu reformas estruturais na política, na economia e na sociedade espanholas. Entre as reformas mais importantes estavam a separação da Igreja e do Estado, a expropriação de terras dos grandes proprietários e sua distribuição entre os camponeses pobres e a intervenção do Estado na defesa dos direitos dos trabalhadores contra os empresários burgueses.

Consequentemente, os vários grupos afetados por essas medidas se uniram em uma grande oposição. Entre eles estavam a Igreja, os partidários da monarquia, os grupos conservadores, os proprietários de terras aristocráticas e o exército.

O fim da Segunda República

As eleições de 1936 foram vencidas por uma coalizão composta por partidos comunistas, socialistas e republicanos de esquerda, denominada Frente Popular. Em resposta, os grupos militares apoiados pela oposição tentaram um golpe de Estado, que foi desmantelado pelo novo governo.

Entretanto, em julho, o general Francisco Franco deflagrou uma segunda revolta, com o apoio da Igreja, das classes altas e dos grupos monarquistas. Sua campanha proclamou a defesa da propriedade privada, da nação, da família e da religião.

A insurreição franquista obteve apoio suficiente, mas não teve sucesso imediato. A partir de então, iniciou-se uma guerra civil entre as forças republicanas e as forças nacionalistas.

Grupos adversários

Guerra civil española
O lado rebelde estava organizado em torno do alto comando militar.

Na Guerra Civil Espanhola, duas facções entraram em conflito:

  • As forças republicanas. Compostas pelos setores partidários do governo constitucional, liderados pela Frente Popular. Eram formados pelos partidos republicanos, junto ao Partido Socialista Operário Espanhol, anarquistas, sindicalistas e comunistas. Eles foram apoiados pelo campesinato, pelo proletariado e pelos movimentos autônomos basco e catalão.
  • As forças nacionalistas rebeldes. Representavam os grupos monarquistas, os proprietários de terras, os conservadores, a Igreja e a classe média alta. Organizaram-se em torno do alto-comando militar, que compunha a Junta de Defesa Nacional e era presidida pelo generalíssimo Francisco Franco, que foi nomeado chefe de Estado da Espanha insurgente. Essa facção era formada por movimentos políticos conservadores, como a Falange Espanhola, a Confederação Espanhola de Direitos Autônomos (CEDA), entre outros, e contou com o apoio da Igreja Católica e das elites empresariais.

Situação internacional

Em 1937, aviões alemães bombardearam a cidade de Guernica em apoio aos nacionalistas.

Ainda que houvesse um clima de medo do comunismo em toda a Europa, as potências adotaram posições diferentes em relação ao conflito espanhol. Em 1936, a França, a Inglaterra, a Alemanha e a Itália se uniram ao Comitê de Não-Intervenção e decidiram não se envolver na Guerra Civil Espanhola.

Essa posição de neutralidade foi promovida pela França e pela Inglaterra. Contudo, meses depois, a Alemanha e a Itália romperam o pacto e se envolveram no conflito.

Os rebeldes nacionalistas receberam apoio direto dos governos totalitários da Itália e da Alemanha. Benito Mussolini e Adolf Hitler pretendiam derrubar todos os governos de esquerda e enviaram ajuda militar. A intervenção aumentou e, em 1937, a força aérea alemã bombardeou a cidade de Guernica.

O governo republicano não foi ajudado pelas democracias europeias: a França e a Inglaterra permaneceram neutras. Entretanto, receberam apoio da URSS e do México, que ajudaram o grupo de forma política, diplomática e com recursos militares.

Formou-se também uma coalizão internacional de partidos comunistas europeus conhecida como Brigadas Internacionais. Essas brigadas eram formadas por civis de diferentes países, dispostos a pegar em armas para combater o fascismo e defender a república.

Desenvolvimento da Guerra Civil Espanhola

Entre 1936 e 1939, o país foi dividido sob o controle de dois lados opostos.

O levante militar que deu início à Guerra Civil Espanhola foi liderado pelo general Francisco Franco em Melilha, em 17 de julho de 1936. A insurreição se espalhou, mas não conseguiu se impor em todo o país.

Triunfos da revolta

A insurreição militar começou em Melilha e rapidamente se espalhou por todo o protetorado marroquino. Em 18 e 19 de julho, o golpe se espalhou para a península e para os arquipélagos. No entanto, o governo de Casares Quiroga demorou a reagir aos acontecimentos.

O golpe triunfou em:

  • Galiza, Castela e Leão, Navarra.
  • Pamplona (oeste da Andaluzia) sob o comando do general Mola.
  • Sevilha e ilhas Baleares (exceto Minorca), sob o comando de Queipo de Llano.
  • Ilhas Canárias, de onde Franco, depois de garantir a vitória do golpe no arquipélago, dirigiu-se ao Marrocos para assumir o comando do exército africano.
  • Oviedo, com o general Aranda.
  • Granada, onde García Lorca foi assassinado.
  • Zaragoza, com o general Cabanellas.

Fracassos da rebelião

O golpe fracassou nas Astúrias, na Cantábria e em parte do País Basco, onde o PNV finalmente colaborou com a República, na Catalunha, no Levante, em Madri, em Castela-Mancha, em Múrcia e no leste da Andaluzia.

Os fracassos mais graves ocorreram em Madri, onde o novo presidente Giral deu armas às milícias de trabalhadores, e em Barcelona, onde uma colaboração incomum dos trabalhadores da CNT com a Guarda Civil e a Guarda de Assalto abortou a insurreição.

Em geral, com exceção de Navarra e Castela e Leão, o levante teve pouco apoio popular e contou com as forças militares insurrecionais. Fatores como as dúvidas ou a determinação dos rebeldes e das autoridades encarregadas de reprimir o golpe, a capacidade de mobilização dos trabalhadores e o papel da Guarda Civil foram essenciais para entender o resultado do golpe em cada parte do país.

A divisão do país em duas zonas: o início da Guerra Civil

O fracasso parcial do golpe levou à divisão do território em duas zonas ao início da guerra:

  • A zona nacionalista. A zona nacionalista contava com as reservas de cereais e gado de Castela e da Galícia, e com as minas de carvão de Leão e Riotinto, em Huelva. Acima de tudo, tinha um exército muito melhor preparado, com divisões completas em Castela, Galiza e Andaluzia e, principalmente, o Exército da África, a Legião e os Regulares.
  • A zona republicana. Na zona republicana estavam incluídas as regiões industriais, que contavam com o trigo de La Mancha e com os produtos dos pomares do Levante. Também pôde utilizar as reservas de ouro do Banco da Espanha. Contudo, as unidades do exército ficaram praticamente desmanteladas. A maioria dos oficiais se insurgiu e o próprio governo dissolveu muitas unidades cuja lealdade era duvidosa. A Marinha (sem muitos de seus oficiais) e a Força Aérea permaneceram nas mãos do governo republicano.

A derrota republicana

A Guerra Civil Espanhola terminou em 1939, quando os rebeldes tomaram Madri.

A superioridade militar dos rebeldes se fez sentir gradualmente sobre as fileiras republicanas, que estavam divididas entre facções políticas e desprovidas de experiência de guerra. Em 1936, os nacionalistas avançaram sobre Madri e a dominaram sob cerco, sem conseguir conquistar a zona universitária.

Durante o verão do ano seguinte, subjugaram as províncias bascas e, em seguida, as Astúrias. Após capturar Teruel e obter acesso ao Mediterrâneo em 1938, os franquistas conseguiram dividir a República em duas. Dessa forma, as tropas inimigas ficaram isoladas umas das outras.

Iniciou-se uma guerra inclemente, que provocou fome, miséria e milhares de mortes. No final daquele ano, avançaram sobre a Catalunha, forçando as tropas republicanas a se exilarem na França.

No início de 1939, as forças republicanas se dispersaram: os que puderam se exilaram e os demais iniciaram o processo de rendição. Os franquistas entraram em Madri no final de março e, no dia 1º de abril, a guerra havia terminado.

A Junta de Defesa Nacional

Junta de Defensa Nacional - Guerra Civil Española
A Junta tentava tornar ilegais o partido Frente Popular e os sindicatos.

Após derrubar o governo republicano em algumas partes do país, o lado rebelde decidiu organizar suas forças em uma Junta de Defesa Nacional. O objetivo era tornar ilegais o partido Frente Popular e os sindicatos. Além disso, proibiu qualquer forma de manifestação política de trabalhadores ou sindicalistas.

No final de 1936, após conquistar Toledo, a Junta nomeou Francisco Franco como generalíssimo do exército rebelde e chefe do governo do Estado. Em 1939, com o triunfo sobre os republicanos, toda a Espanha ficou sob o domínio da Junta de Defesa Nacional. Desde então, até 1975, o general Francisco Franco governou a Espanha por meio de um governo ditatorial.

A posição da Igreja Católica

Após a guerra, o papa Pio XII parabenizou Franco pela sua “vitória católica”.

Durante a Guerra Civil Espanhola, a Igreja Católica apoiou as forças rebeldes nacionalistas que levaram Francisco Franco ao poder.

Durante a Segunda República, o governo republicano havia estabelecido a separação entre Igreja e Estado e, consequentemente, atentou contra o poder da hierarquia eclesiástica. Além disso, dentro da facção republicana, grupos anarquistas e comunistas denunciaram o poder da Igreja e sua opressão ao povo. Por sua vez, a alta hierarquia religiosa foi afetada pelas reformas estabelecidas na constituição laica da nova república.

Dentro desse contexto, as instituições católicas apoiaram desde o princípio a formação da oposição ao governo republicano e se declararam a favor do levante franquista. Esse é o caso do bispo Plá y Deniel, que publicou sua visão na qual identificou a guerra civil como uma “cruzada” contra o “mal” (que era o governo republicano), empreendida pelo “bem” (que eram as forças golpistas).

Durante a guerra, padres e membros da Igreja foram perseguidos e assassinados nos territórios controlados pelo lado republicano.

Com o triunfo de Franco na Guerra Civil, a instituição católica recuperou seu poder institucional e iniciou uma forte política de cristianização da sociedade espanhola.

Consequências da Guerra Civil Espanhola

As principais consequências do conflito foram:

  • A instauração do franquismo, uma ditadura militar, nacionalista e católica sob o comando de Franco, que perseguiu e torturou seus oponentes durante décadas.
  • A perda de milhares de vidas, incluindo baixas militares, e execuções sumárias na retaguarda de ambos os lados. Entre as mortes mais famosas do lado fascista figuram as de artistas e intelectuais, como Federico García Lorca.
  • O exílio de milhares de espanhóis que fugiram do conflito ou da ditadura que veio a seguir.
  • A destruição e a devastação da Espanha, que os impediu de participar da Segunda Guerra Mundial e, portanto, de retribuir os favores aos seus aliados nazistas e fascistas.

O franquismo

Guerra Civil Española
No final da Guerra Civil, foi imposta a ditadura militar do general Francisco Franco.

No final da Guerra Civil Espanhola, o governo da Junta de Defesa Nacional controlou todo o território do país e a ditadura do General Francisco Franco foi imposta. O governo ditatorial durou até a morte do caudilho em 1975, por quase quarenta anos.

Durante o governo de Franco, foram impostos princípios conservadores, liberais e católicos, com certas características do fascismo alemão e italiano: controle social e político por meio do terror, da propaganda e da eliminação da oposição.

Presença na cultura

guerra civil española guernica cultura
Uma reprodução da obra de Picasso encontra-se no vilarejo bombardeado.

Inúmeras obras literárias, cinematográficas e artísticas retrataram o horror da Guerra Civil Espanhola. Entre elas, podemos destacar:

  • Os quadros Guernica, de Pablo Picasso, A Fonte de Mercúrio, de Alexander Calder, e Catalão Camponês em Revolta (ou O Ceifador), de Joan Miró.
  • Os filmes Las bicicletas son para el verano (em português: As bicicletas são para o verão) (1984), de Jaime Chávarri; ¡Ay, Carmela! (1990), de Carlos Saura, A Língua das mariposas (1999), de José Luis Cuerda, e A Espinha do Diabo (2001), de Guillermo del Toro.
  • As obras literárias Por Quem os Sinos Dobram, de Ernest Hemingway, Soldados de Salamina, de Javier Cercas, e O Muro, de Jean Paul Sartre.

Referências

  • Martorell, M. y Juliá, S. (2012). La República Española. En Manual de historia política y social de España (1808-2011). UNED Editorial.
  • Tusell, J. (2012). Historia de España en el siglo XX (II). La crisis de los años treinta: República y guerra civil. Taurus.
  • Valdeon, J., Pérez, J., Santos., J. (2003). Rebelión militar, revolución social y guerra civil. En Historia de España. Espasa Calpe Mexicana.

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

KISS, Teresa. Guerra Civil Espanhola. Enciclopedia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/guerra-civil-espanhola/. Acesso em: 22 abril, 2024.

Sobre o autor

Autor: Teresa Kiss

Professora de História do ensino médio e superior.

Traduzido por: Márcia Killmann

Licenciatura em letras (UNISINOS), Doutorado em Letras (Universidad Nacional del Sur)

Data da última edição: 31 dezembro, 2023
Data de publicação: 6 outubro, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)