Federico García Lorca

Vamos explicar quem foi Federico García Lorca, quais foram suas contribuições para a literatura espanhola e latino-americana e qual foi seu destino trágico.

Federico García Lorca
Federico García Lorca foi o poeta espanhol mais popular do século XX.

Quem foi Federico García Lorca?

Federico García Lorca foi um poeta, dramaturgo e músico espanhol, considerado uma das figuras mais proeminentes e importantes da cultura espanhola do século XX. Em seus apenas 19 anos de carreira literária, compôs algumas das mais célebres poesias e peças de teatro da literatura espanhola contemporânea, que contribuíram para revitalizar a tradição literária em seu idioma.

García Lorca também foi um membro proeminente da chamada "Geração de 27", um movimento literário de vanguarda que incluía autores como Pedro Salinas (1891–1951), Luis Cernuda (1902–1963), Dámaso Alonso (1898–1990) e Rafael Alberti (1902–1999), entre outros. Era um grupo heterogêneo de autores que defendiam uma literatura intelectual, distante do sentimentalismo, e que assumiu artisticamente o lugar da famosa “Geração de 98”.

A figura de García Lorca está associada à luta entre os setores liberal e conservador da sociedade, uma trágica oposição que levou a Espanha a uma sangrenta guerra civil entre 1936 e 1939.

Aos 38 anos de idade, García Lorca foi preso por tropas conservadoras durante a guerra civil e acusado de espionagem e imoralidade. Foi fuzilado sem direito a julgamento e seu corpo foi enterrado em uma vala comum, cujo paradeiro ainda é desconhecido. Seu desaparecimento é um caso emblemático dos horrores vividos na Espanha naquela época.

Nascimento e juventude de Federico García Lorca

Federico del Sagrado Corazón de Jesús García Lorca nasceu em 5 de junho de 1898 em Fuente Vaqueros, na província espanhola de Granada, Andaluzia. Foi o primeiro dos quatro filhos do proprietário de terras Federico García Rodríguez e sua segunda esposa, Vicenta Lorca Romero.

Sua família era rica e, quando criança, Federico teve tutores e instrutores de piano e, aos dez anos de idade, foi matriculado em uma escola particular de ensino médio na cidade de Granada. Lá ele recebeu uma educação laica, complementar à educação católica da escola pública espanhola. Na mesma cidade, iniciou seus estudos universitários em 1914, mas, em vez de direito, filosofia e literatura, sua verdadeira paixão naquela época parecia ser a música, pois tocava piano com habilidade.

Entretanto, seus estudos universitários despertaram nele novos interesses. Começou a frequentar uma reunião chamada “El Rinconcillo”, no famoso Gran Café Granada (hoje Café Alameda), onde se reunia com outros estudantes para debater. E, na companhia do professor e escritor de Granada Martín Domínguez Berrueta (1869–1920), viajou por inúmeras paisagens espanholas, como Córdoba, Leão, Burgos, Castela, entre outras.

Federico García Lorca
Impressões e Paisagens foi o primeiro livro publicado por García Lorca.

Essas viagens causaram tamanha impressão no jovem García Lorca que ele tentou fazer um relato delas em seu primeiro livro, Impresiones e paisajes, uma pequena antologia em prosa publicada em 1918, sobre assuntos políticos e estéticos de seu interesse. Entretanto, sua verdadeira formação intelectual ocorreu no ano seguinte, na capital espanhola, quando ingressou na famosa Residência de Estudantes em Madri.

Vida em Madri e a Geração de 27

No início do século XX, a Residência de Estudantes em Madri era um ponto de encontro para intelectuais locais e internacionais, bem como para jovens talentos espanhóis. Entre 1919 e 1926, García Lorca conheceu alguns dos maiores artistas e escritores espanhóis da época, como Luis Buñuel (1900–1983), Rafael Alberti (1902–1999), Jorge Guillén (1893–1984), Juan Ramón Jiménez (1881–1958), Pedro Salinas (1891–1951) e Salvador Dalí (1904–1989), entre outros. Estabeleceu amizades frutíferas e significativas com muitos deles.

Imerso nesse ambiente intelectual, García Lorca compôs suas primeiras obras de poesia, música e teatro. Entre 1919 e 1921 publicou Livro de poemas, a peça O Sortilégio da Mariposa e compôs suas primeiras suítes, poemas curtos e de vanguarda nos quais dialogava com a tradição folclórica, com o haicai japonês e com certas tendências poéticas da moda.

Esses primeiros trabalhos nunca satisfizeram García Lorca. De fato, O Sortilégio da Mariposa estreou em 1920 e foi alvo de muitas críticas e ridicularizações, de modo que a produção foi encerrada após apenas quatro apresentações. Ainda assim, a maturidade de seu talento já era evidente em sua maneira de combinar a tradição local com as tendências de vanguarda.

Em 1922, García Lorca colaborou com o compositor andaluz Manuel de Falla (1876–1946) em um festival de Cante Jondo em Granada e, a partir dessa experiência, compôs Poema del Cante Jondo. Também se interessou pelo teatro popular de fantoches e escreveu a peça Los Títeres de la Cachiporra.

No entanto, as principais produções desse período de sua vida foram em colaboração com seu amigo Salvador Dalí. Entre 1925 e 1928, Dalí e García Lorca trabalharam juntos intensamente. Esse foi um relacionamento muito importante para García Lorca, no qual ele confrontou seus sentimentos de amor homossexual pela primeira vez. Por outro lado, seu amigo o ajudou a fazer experiências mais abertas e ousadas com palavras e pinturas, muitas vezes próximas do surrealismo.

Federico García Lorca
García Lorca e Salvador Dalí desenvolveram uma amizade frutífera e apaixonada.

García Lorca escreveu então alguns poemas mais “objetivos”, distantes da tendência sentimental, como os de Canciones (1924) ou Ode a Salvador Dalí, publicado em 1926 na Revista de Occidente. Essa tendência poética “objetivista” o levou, assim como outros colegas, a revalorizar a poesia desapaixonada de Don Luis de Góngora (1561–1627), a quem prestaram homenagem pública em Sevilha por ocasião do tricentenário de sua morte, em 1927. Foi assim que nasceu o nome “Geração de 27”.

Um cigano em Nova York

Contudo, García Lorca não abandonou seu interesse pelo teatro e pela tradição andaluza. Entre 1924 e 1928, compôs as peças A sapateira prodigiosa, Amores de Dom Perlimplim e Belisa em seu jardim e, sob a influência de Dalí, exibiu uma primeira seleção de seus desenhos, dos quais tinha centenas de esboços guardados.

Nesse mesmo ano, foi publicado seu famoso Romancero Gitano, uma obra que marcou sua maturidade como poeta. Trata-se de um compêndio lírico de 18 baladas inspiradas no canto tradicional espanhol, cuja primeira edição se esgotou no primeiro ano de venda e catapultou García Lorca para o cenário literário nacional.

O sucesso de Romancero Gitano, porém, trouxe consigo uma das crises mais profundas da vida de García Lorca. Sua fama era tanta que muitos classificaram o autor como um costumbrista ou o consideravam um cigano, ou ainda, defensor dos ciganos, que eram muito mal vistos na sociedade da época. Além disso, seus antigos amigos Dalí e Buñuel criticaram duramente a obra, e ele rompeu seu relacionamento sentimental com o escultor Emilio Aladrén. Tudo isso levou García Lorca à depressão, além da ditadura de Miguel Primo de Rivera (1870–1930) que proibiu a estreia de sua peça Amores de Dom Perlimplim e Belisa em seu jardim em 1929.

A ditadura de Primo de Rivera foi um regime militar que assumiu o poder político na Espanha em 13 de setembro de 1923. Após um golpe de Estado liderado pelo Capitão Geral da Catalunha, Miguel Primo de Rivera y Orbaneja, o país foi governado por uma junta militar nacionalista que proibiu o uso de outros idiomas além do espanhol, o uso de bandeiras bascas ou catalãs, censurou a imprensa, suspendeu as garantias constitucionais e as eleições políticas. O regime de fato durou até a renúncia de Primo de Rivera em 1930.

Foi então que García Lorca aceitou o convite de um amigo para viajar para a cidade de Nova York em junho de 1929. Ele ficou lá até março do ano seguinte e escreveu sua famosa coletânea de poemas Um Poeta em Nova York, que só foi publicada quatro anos após sua morte.

Um Poeta em Nova York representou um afastamento dos temas habituais da obra de García Lorca: uma coletânea de poemas em verso livre, repleta de imagens alucinatórias e retratos da decadência urbana e da desigualdade social. A coletânea de poemas dialoga com as obras de Walt Whitman (1819–1892), Charles Baudelaire (1821–1867) e T. S. Elliot (1888–1965), entre outros poetas não hispânicos.

Federico García Lorca
Durante sua viagem aos Estados Unidos e a Cuba, García Lorca escreveu alguns de seus versos mais famosos.

A estada de García Lorca em Nova York foi seguida por uma breve passagem por Havana, onde ele escreveu El Público, uma obra em que explora abertamente o amor homossexual. Finalmente, em 1930, o poeta retornou a Madri.

La Barraca e a Guerra Civil

Em abril de 1931, a Segunda República Espanhola, de orientação socialista, foi fundada para substituir a monarquia de Alfonso XIII. Nesse contexto, novas oportunidades culturais foram criadas pelo Ministério da Educação. Entre elas, a criação de “La Barraca”, um grupo de teatro universitário dirigido por García Lorca e Eduardo Ugarte (1901–1955), escritor e diretor de teatro.

A partir de 1932, La Barraca se dedicou a apresentar as grandes peças da Era de Ouro do teatro espanhol: obras de Tirso de Molina (1579–1648), Pedro Calderón de la Barca (1600–1681), Lope de Vega (1562–1635) e Miguel de Cervantes (1547–1616). Tratava-se de uma comitiva itinerante, cujo objetivo era levar o teatro clássico espanhol aos cantos mais remotos do país.

Federico García Lorca
La Barraca era um grupo de teatro itinerante que apresentava peças da Era de Ouro da Espanha.

Foram anos muito produtivos para García Lorca. Não apenas em virtude de sua bem-sucedida direção de La Barraca, mas também porque produziu muitas de suas peças mais famosas. Algumas delas foram Bodas de Sangue, estreada em Buenos Aires em 1933 com a presença do próprio Lorca; Yerma, A casa de Bernarda Alba e Pranto por Ignacio Sánchez Mejías.

O trabalho de La Barraca, no entanto, foi criticado pelo setor conservador, que o acusou de ser “propaganda socialista”, e o próprio García Lorca foi difamado e insultado pela imprensa católica, que zombou de sua homossexualidade. Acabou sendo considerado um “inimigo da direita”, devido às suas amizades com importantes artistas e intelectuais da época afiliados à esquerda, como Rafael Alberti, Pablo Neruda (1904–1973) e Salvador Novo (1904–1974), e com políticos progressistas espanhóis, como Fernando de los Ríos (1879–1949).

A situação social e política na Espanha era extremamente tensa e, em julho de 1936, uma insubordinação militar eclodiu, dando início à sangrenta Guerra Civil Espanhola. A última apresentação de La Barraca ocorreu na primavera daquele ano, no Ateneu de Madri. E, apesar das ofertas de asilo diplomático da Colômbia e do México, García Lorca decidiu voltar para sua família. Estava em Huerta de San Vicente, em Granada, quando a guarnição militar de Granada aderiu à rebelião.

O fuzilamento de García Lorca

Quando ficou óbvio que García Lorca estava correndo perigo, buscou refúgio na casa de seu amigo Luis Rosales (1910–1992), cujos irmãos, em quem ele confiava, eram membros da Falange Espanhola. Mas foi justamente lá que a Polícia Civil o procurou. Foi sequestrado e levado para a aldeia de Víznar, trancado em uma prisão improvisada e, na madrugada de 18 de agosto de 1936, executado. Ele tinha 38 anos de idade.

O corpo de García Lorca foi enterrado em uma vala comum em um local desconhecido da região. Com ele, foram executados militantes anarquistas e o professor Dióscoro Galindo. Seus corpos ainda não foram encontrados.

Décadas depois, em 2015, o registro de sua execução pelas forças de Franco foi tornado público. O documento o acusava de espionagem e traição, de ser maçom, homossexual e socialista, e afirmava que García Lorca havia “confessado”. Intelectuais renomados, como o britânico H. G. Wells (1866-1946), solicitaram formalmente às autoridades militares informações sobre o paradeiro de García Lorca, mas sempre receberam respostas negativas.

O legado de Federico García Lorca

Grande parte da obra de García Lorca foi publicada postumamente, assim como grande parte de sua correspondência. Além disso, as condições obscuras de sua morte inspiraram inúmeras elegias e poemas de autores renomados, como Antonio Machado (1875–1939), bem como biografias e investigações jornalísticas.

Muitos esforços foram investidos na busca pelo corpo de García Lorca, especialmente após a aprovação da Lei de Recuperação da Memória Histórica em 2009, durante a presidência de José Luis Rodríguez Zapatero. No entanto, todos esses esforços não tiveram êxito. Várias estátuas e monumentos em sua homenagem foram erguidos tanto em Granada quanto em Madri.

Federico García Lorca
O corpo de García Lorca nunca foi encontrado. Vários monumentos foram erguidos em sua memória.

A obra de García Lorca, por outro lado, é universalmente lida e apreciada. Sua poesia, teatro e prosa constituem um mundo característico próprio, em diálogo permanente com o folclore e a tradição espanhola, expressos por meio de uma linguagem abundante em metáforas.

A poesia de Lorca é considerada a mais importante da produção da Geração de 27 e um dos pontos altos da literatura de língua espanhola. Ela combina símbolos e temas populares com as formas e tendências da literatura modernista e, posteriormente, da literatura de vanguarda.

Entre as obras poéticas mais notáveis de García Lorca, encontram-se:

  • Poema del Cante Jondo (1921)
  • Romancero Gitano (1928)
  • Um Poeta em Nova York (1930)
  • Pranto por Ignacio Sánchez Mejías (1935)
  • Divã do Tamarit (1940)

Da mesma forma, a obra dramática de García Lorca é considerada a mais importante de todos os escritos em língua espanhola durante o século XX, ao lado da de Ramón María del Valle-Inclán. (1866–1936).

Trata-se de um teatro repleto de símbolos, linguagem poética e que aborda temas existenciais e atemporais. Contudo, suas formas teatrais tendiam a ser as da tradição espanhola: tragédias, comédias, entremeses, teatro de fantoches e farsas, em diálogo aberto com a Idade de Ouro e a tradição clássica ocidental. Suas peças foram adaptadas para o cinema e a televisão e continuam a ser apresentadas em teatros de todo o mundo.

Entre as peças mais famosas de García Lorca, encontram-se:

  • A Sapateira Prodigiosa (1930)
  • Assim que Passarem Cinco Anos (1931)
  • Bodas de Sangue (1933)
  • Yerma (1934)
  • A Casa de Bernarda Alba (1936)

Referências

  • Gibson, I. (1998). Vida, pasión y muerte de Federico García Lorca. 1898-1936. Plaza & Janés.
  • Navarro, F. (2023). “Federico García Lorca, músico antes que poeta, el genio también en flamenco y folclore”. El País. https://elpais.com/
  • The Encyclopaedia Britannica. (2023). “Federico García Lorca (Spanish writer)”. https://www.britannica.com/
  • Sarduní, J. M. (2022). “Federico García Lorca, el poeta brillante que perdió España”. National Geographic. https://historia.nationalgeographic.com.es/

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

FARÍAS, Gilberto. Federico García Lorca. Enciclopedia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/federico-garcia-lorca/. Acesso em: 27 fevereiro, 2024.

Sobre o autor

Autor: Gilberto Farías

Licenciado em Letras (Universidad Central de Venezuela)

Traduzido por: Márcia Killmann

Licenciatura em letras (UNISINOS), Doutorado em Letras (Universidad Nacional del Sur)

Data da última edição: 31 dezembro, 2023
Data de publicação: 28 novembro, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)