Francisco Franco

Vamos explicar quem foi Francisco Franco e como desenvolveu sua carreira militar e política. Além disso, sua ditadura e sua morte.

Francisco Franco
Francisco Franco foi um ditador da Espanha que governou até sua morte em 1975.

Quem foi Francisco Franco?

Francisco Franco Bahamonde, apelidado de “o caudilho”, foi um oficial militar e político espanhol ligado aos valores do conservadorismo que se tornou ditador da Espanha por quase quarenta anos. Fez parte da liderança militar que deu um golpe de Estado contra a Segunda República em julho de 1936, dando início à Guerra Civil Espanhola (1936–1939).

Em 1936, assumiu o comando das forças nacionalistas rebeldes, que obtiveram apoio militar do fascismo italiano e do nazismo alemão e, após derrotar os republicanos em abril de 1939, governou como chefe do Estado espanhol até sua morte em 1975. Esse período, caracterizado por repressão, perseguição de dissidentes, exílio de oponentes e censura, é conhecido como “franquismo”.

O nascimento de Francisco Franco

Francisco Franco nasceu em Ferrol, na Galícia, em 4 de dezembro de 1892. Ele foi batizado como Francisco Paulino Hermenegildo Teódulo. Seu pai era Nicolás Franco, um capitão da Marinha que se tornou intendente geral da Marinha. Sua mãe se chamava María del Pilar Bahamonde, também oriunda de uma família com tradição militar.

Francisco era o segundo filho do casal. Seu irmão mais novo, Ramón Franco, foi um aviador ilustre que pilotou o Plus Ultra, o primeiro voo transatlântico da Espanha para a América do Sul.

Acredita-se que o lar da família Franco não era feliz, em função dos hábitos de jogador do pai e de seu comportamento autoritário em casa.

A carreira militar de Francisco Franco

Francisco Franco - gobierno dictatorial
Franco foi designado, a seu próprio pedido, para o destacamento espanhol na África.

Franco seguiu os passos de sua família e entrou em uma escola de treinamento naval aos 12 anos de idade, mas não conseguiu entrar na Marinha e acabou se matriculando com um primo na Academia Militar de Infantaria em Toledo. Não era um aluno excepcional e se formou em 251º lugar entre 312 alunos de sua turma.

Posteriormente, foi designado, a seu próprio pedido, para o destacamento espanhol na África, em meio à luta colonial no Magreb (conhecida como a Guerra do Rif). Lá, ele atingiu rapidamente o posto de general em 1926. Isso fez dele o general mais jovem da Europa, o que lhe deu prestígio dentro do exército e da burguesia espanhola.

Em 1917, ainda sem a patente de general, ele retornou a Oviedo, onde conheceu sua esposa, Carmen Polo y Martínez-Valdés, que se tornou sua esposa em 1923. Nos três anos em que permaneceu na Espanha, Franco estava nas Astúrias na época da repressão aos grevistas em agosto de 1917 e tornou-se amigo de José Millán-Astray, militar e criador da Legião Espanhola, que era uma força militar de elite dentro do exército.

Após construir sua carreira militar na Guerra da África, Franco foi nomeado diretor da Academia Militar de Zaragoza em 1928. Em 1926, nasceu sua única filha, Carmen Franco y Polo.

Quando a Segunda República foi proclamada na Espanha em 1931, Franco era partidário da monarquia derrubada, porém permaneceu no exército sob a autoridade republicana. Em fevereiro de 1933, o presidente do Conselho de Ministros, Manuel Azaña, designou-o para as ilhas Baleares.

A revolução das Astúrias de 1934

Francisco Franco - Revolución de Asturias
A repressão deixou cerca de 1500 mortos e dezenas de milhares de presos.

No final de 1933, foram realizadas eleições gerais na Espanha e uma coalizão de direita triunfou, derrubando as reformas que haviam sido implementadas pelo governo republicano-socialista em 1931–1933.

Como resultado, tornaram-se frequentes as greves e os confrontos entre trabalhadores organizados e as forças da ordem pública.

Nas Astúrias, houve uma insurreição dos trabalhadores, a “Revolução das Astúrias”, organizada pelos sindicatos UGT (socialista) e CNT (anarquista). Como parte da insurreição, foram realizados atos de violência que foram usados pelo governo de Alejandro Lerroux (líder do Partido Republicano Radical e presidente do Conselho de Ministros da República) para justificar a repressão severa. O governo de Lerroux foi apoiado pela CEDA (Confederación Española de Derechas Autónomas).

A repressão foi conduzida pela Legião, coordenada de Madri por Franco, e o saldo foi de cerca de 1500 mortes. Em 1935, Franco recebeu a Gran Cruz do Mérito Militar e o cargo de comandante-chefe das tropas do Marrocos. Alguns meses depois, Franco foi proclamado chefe do Estado-Maior Central do exército.

O golpe de Estado de julho de 1936

O governo de Lerroux entrou em crise devido a escândalos de corrupção no final de 1935, forçando-o a convocar novas eleições para o início de 1936. O medo de um retorno da esquerda ao poder radicalizou os grupos de direita e gerou uma forte polarização social.

Quando a Frente Popular (uma coalizão de partidos de esquerda) venceu as eleições de fevereiro de 1936, Franco foi forçado a deixar o cargo de Chefe do Estado-Maior e foi enviado para as Ilhas Canárias. Iniciou-se então uma conspiração militar contra o governo republicano liderado pelo general Emilio Mola.

Franco juntou-se à conspiração e, em 17 de julho de 1936, alguns dias após o assassinato de José Calvo Sotelo (líder político da direita espanhola), a revolta começou no norte da África e se espalhou para o continente em 18 de julho.

A convocação para a rebelião foi acatada de forma irregular, principalmente nas principais cidades, onde o movimento trabalhista e as organizações socialistas e anarquistas eram mais fortes. A Espanha foi imediatamente dividida em duas zonas: a que era leal à República e a que era leal aos rebeldes.

A Guerra Civil Espanhola

Francisco Franco
A Guerra Civil terminou em 1939 com a vitória do lado rebelde de Franco.

A Espanha dividida pelo golpe de Estado de 1936 foi o cenário da Guerra Civil Espanhola, que, durante três anos, confrontou os republicanos contra os rebeldes ou “nacionalistas”.

O bloco republicano contava com uma grande variedade de setores, como republicanos de esquerda, socialistas, comunistas, anarquistas, democratas e nacionalistas periféricos. O bloco rebelde reunia soldados e políticos nacionalistas, conservadores, católicos, tradicionalistas, monarquistas (carlistas e alfonsinos) e falangistas (de ideologia fascista).

A superioridade numérica e de armamento dos rebeldes era notória, sobretudo porque eles contavam com o exército africano, bem treinado e bem equipado. Essa superioridade logo se tornou ainda maior graças ao apoio militar que Franco recebeu de Benito Mussolini (líder da Itália fascista) e Adolf Hitler (líder da Alemanha nazista).

Em setembro de 1936, logo após o início da guerra, Franco foi proclamado “Generalíssimo’ (chefe de todos os exércitos) pelos outros generais rebeldes e também chefe do governo durante a guerra. Em uma cerimônia em Burgos, no dia 1º de outubro de 1936, foi investido como chefe de Estado, cargo que ocupou até sua morte.

A Guerra Civil terminou em 1º de abril de 1939 com a vitória das tropas de Franco e o fim da Segunda República. Durante a guerra, 400 mil espanhóis foram forçados ao exílio e entre 500 mil e 1 milhão morreram em combate ou por execução sumária.

Os vínculos de Franco com o nazismo

francisco franco guernica
As forças aéreas italianas e alemãs destruíram a cidade republicana de Guernica.

Durante a Guerra Civil, as tropas de Franco foram apoiadas militarmente pela Alemanha nazista e pela Itália fascista, aliados ideológicos da Espanha franquista.

Nesse contexto, é famoso o bombardeio da vila basca de Guernica, que apoiava a República, ocorrido em 26 de abril de 1937 e realizado pela Força Aérea Legionária Italiana e pela Legião Condor Alemã. Esse episódio envolveu a destruição quase total da vila e a morte de mais de 120 pessoas.

Quando teve início a Segunda Guerra Mundial, em setembro de 1939, Franco se declarou neutro. Sua simpatia aberta pelo Eixo foi contrariada pela situação na Espanha, que acabara de sair da Guerra Civil, e por seu desejo de não criar conflitos com os governos do Reino Unido e dos Estados Unidos.

A derrota francesa pareceu, por um momento, levar a Espanha a entrar na guerra ao lado do Eixo: A Espanha se declarou “não beligerante” em 12 de junho de 1940, ou seja, ficou fora da guerra, mas reconheceu sua preferência pelo Eixo. Franco manteve conversações com Hitler em Hendaye (França) em 23 de outubro de 1940 e com Mussolini em Bordighera (Itália) em 12 de fevereiro de 1941, porém a entrada da Espanha na guerra nunca se concretizou.

Por um lado, a Espanha queria os territórios do império colonial francês. Por outro lado, Hitler estava ansioso para não declarar uma inimizade aberta com a França de Vichy. Além disso, havia a falta de interesse de Hitler nos assuntos mediterrâneos e a falta de preparo militar da Espanha após a devastação da Guerra Civil. Esses motivos fizeram com que a Espanha não entrasse na guerra.

Contudo, após o ataque nazista à União Soviética em 1941, Franco aprovou o envio de um corpo militar voluntário para lutar ao lado dos alemães na frente oriental: a chamada Divisão Azul.

As vitórias dos Aliados levaram Franco a mudar o status de “não beligerância” para neutralidade em 1º de outubro de 1943, o que implicou o abandono de suas preferências pelo Eixo. Em novembro do mesmo ano, ele repatriou a Divisão Azul. Apesar das contínuas tentativas de Franco de se reaproximar dos aliados anglo-saxões, seu regime foi oficialmente condenado pela ONU em 1946 e a Espanha sofreu isolamento político.

A ditadura de Francisco Franco

Após o término da Guerra Civil, em abril de 1939, Franco manteve os poderes que havia adquirido e começou a projetar o Estado espanhol de acordo com suas necessidades. Em primeiro lugar, implantou uma repressão severa contra os oponentes políticos e aprovou uma Lei de Sucessão à chefia do Estado (1947) que restabeleceu a Espanha como um reino, mas deixou o poder em suas mãos como chefe de Estado vitalício.

A comunidade internacional foi severa com seu governo a princípio, negando-lhe a filiação à ONU (Organização das Nações Unidas) e denunciando as brutalidades do regime. Entretanto, a eclosão da Guerra Fria foi vantajosa para ele, já que, como aliado anticomunista ferrenho, em 1948 os Estados Unidos desistiram de tirá-lo do poder e, em 23 de setembro de 1953, foram assinados acordos bilaterais entre a Espanha e os Estados Unidos que significaram o fim do isolamento internacional da Espanha e alguma ajuda econômica. Em 1955, a Espanha entrou para a ONU.

A partir do final da década de 1950, houve um crescimento econômico conhecido como o “milagre espanhol”. Com isso, houve também uma certa modernização social, embora o regime político continuasse baseado na falta de liberdades democráticas.

A Guerra Fria permitiu que a Espanha de Franco se integrasse ao bloco ocidental, mas a natureza ditatorial de seu regime fez com que essa integração tivesse um caráter secundário. Os intentos de Franco de integrar a Espanha à Comunidade Econômica Europeia (atual União Europeia), à OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte) e ao Conselho da Europa foram rejeitados. A Espanha só conseguiu se integrar totalmente às diversas organizações internacionais após a morte do ditador, em 1975.

A ideologia de Francisco Franco

Francisco Franco
O franquismo é frequentemente comparado ao nazismo alemão e ao fascismo italiano.

Franco tinha uma ideologia nacionalista e antiparlamentar. Seu regime ditatorial era de natureza autoritária, caracterizado por alguns historiadores como totalitário, uma vez que anulava as liberdades democráticas, perseguia a dissidência política, incentivava o culto ao líder e exercia censura sobre os meios de comunicação.

O franquismo costuma ser comparado ao nazismo alemão e ao fascismo italiano, com os quais compartilhava aspectos de sua ideologia anticomunista e seus métodos de governo e concentração de poder. No entanto, a ideologia de Franco também combinava o militarismo e o nacionalismo com o tradicionalismo e a fé católica, o que explica por que Franco definiu o levante contra a república como uma “cruzada”.

A morte de Francisco Franco

francisco franco muerte
Seu velório durou cinquenta horas e foi visitado por mais de 300 mil pessoas.

Franco sofreu vários ataques cardíacos em 1975, além de uma peritonite aguda que complicou outros órgãos. Seu sofrimento foi longo e ele morreu na madrugada de 20 de novembro de 1975 de choque séptico. O presidente do governo, Carlos Arias Navarro, anunciou na televisão: “Espanhóis, Franco está morto”.

Seu velório foi realizado no Palácio de Oriente, em Madri, e durou cinquenta horas. O local recebeu a visita de 300 mil a 500 mil pessoas. Somente então teve início a transição para a democracia.

Seus restos mortais foram enterrados no Vale dos Caídos. Em 2019, foram exumados e transferidos para o cemitério de Mingorrubio, em El Pardo (Madri).

Referências

  • Fundación Nacional Francisco Franco (s.f.). Biografía de Francisco Franco Bahamonde. Sitio web de la Fundación Nacional Francisco Franco. https://www.fnff.es/ 
  • Payne, S. G. (2022). Francisco Franco. Encyclopedia Britannica. https://www.britannica.com/ 
  • Preston, P. (2017). Franco. Caudillo de España. Debolsillo.
  • Viñas, A. (2015). La otra cara del Caudillo. Mitos y realidades en la biografía de Franco. Crítica.
  • Wikipedia (s.f.). Francisco Franco. Wikipedia. https://es.wikipedia.org/ 

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

GAYUBAS, Augusto. Francisco Franco. Enciclopedia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/francisco-franco/. Acesso em: 15 abril, 2024.

Sobre o autor

Autor: Augusto Gayubas

Doutor em História (Universidad de Buenos Aires)

Traduzido por: Márcia Killmann

Licenciatura em letras (UNISINOS), Doutorado em Letras (Universidad Nacional del Sur)

Data da última edição: 31 março, 2024
Data de publicação: 1 outubro, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)