Proletariado

Vamos explicar o que é o proletariado, suas características e sua história. Além disso, suas diferenças em relação à burguesia e como ele é atualmente.

Proletariado
O proletariado é formado por trabalhadores assalariados.

O que é o proletariado?

O proletariado é uma classe social formada por trabalhadores que, no sistema capitalista, encontra-se em uma posição econômica e social desfavorável. É um conceito desenvolvido por Karl Marx, um economista e filósofo alemão do século XIX, e está ligado às suas ideias sobre capitalismo, luta de classes e revolução socialista.

De acordo com a perspectiva marxista, o proletariado é definido por ter apenas sua força de trabalho como meio de subsistência, diferentemente da burguesia, que é a classe social que detém os meios de produção (os recursos necessários para produzir bens e serviços). Esta diferença de classe é inerente ao sistema capitalista, que subjuga o proletariado para o benefício da burguesia.

De acordo com uma perspectiva mais ampla e contemporânea, o proletariado inclui todas as pessoas de baixa renda, com instabilidade no emprego e acesso limitado aos meios de subsistência. Trata-se da classe social mais vulnerável entre os trabalhadores.

O termo “proletariado” vem da palavra latina proletarius, que deriva da expressão proles (“crianças”). Na Roma Antiga, os proletarii eram os cidadãos mais pobres, que não possuíam propriedades. Sua única utilidade para o Estado era contribuir com seus filhos para o exército imperial.

Perguntas frequentes

Quando surgiu o proletariado?

O proletariado surgiu durante o século XIX como consequência da Revolução Industrial. Devido às transformações econômicas da época, muitos camponeses foram destituídos de seus bens de trabalho e migraram para as cidades para trabalhar em fábricas como trabalhadores assalariados.

Qual é o papel do proletariado na teoria marxista?

Para o marxismo, o proletariado é a classe social que deve fazer a revolução, derrubar a burguesia e estabelecer uma sociedade sem classes.

Qual é a relação entre o proletariado e a burguesia?

A relação entre o proletariado e a burguesia é desigual: a burguesia é a classe dominante que possui os meios de produção e o proletariado é a classe dominada que possui apenas sua força de trabalho.

O que é a “ditadura do proletariado”?

É um conceito marxista que faz parte da revolução socialista. Para alcançar uma sociedade sem classes, o proletariado deve derrubar o governo burguês e estabelecer a ditadura do proletariado. Trata-se de um período de transição no qual o proletariado assume o governo com o objetivo de eliminar as relações capitalistas de produção e estabelecer as bases para o socialismo.

Características do proletariado

O proletariado é uma classe social formada por trabalhadores assalariados que vendem sua força de trabalho para obter uma renda. Para o marxismo, as principais características do proletariado são as seguintes:

  • Não possuir os meios de produção. Os proletários não possuem terras, fábricas, ferramentas ou outros bens necessários para a produção econômica. Estes itens são de propriedade das classes privilegiadas, como a burguesia ou a aristocracia.
  • Dependência econômica. Os proletários dependem da venda de sua força de trabalho para sua subsistência. Portanto, estão sujeitos ao mercado de trabalho e às condições estabelecidas pelos capitalistas (burguesia que investe na produção) para o trabalho assalariado.
  • Vulnerabilidade. A dependência econômica dos trabalhadores assalariados os torna vulneráveis às flutuações da economia. Nas crises do capitalismo, os proletários são os mais afetados.
  • Consciência de classe. Com o intuito de melhorar suas condições de vida, os proletários devem desenvolver a consciência de classe e cooperar para o reconhecimento de seus direitos trabalhistas e sociais. Mediante diferentes formas de associação, podem implementar planos de ação para atingir estes objetivos.
  • Maioria. Nas sociedades industrializadas, os proletários constituem a maioria da população. Isto lhes dá o potencial de exercer influência por meio da ação coletiva.

O surgimento do proletariado: a Revolução Industrial

proletariado
O proletariado se expandiu durante a Revolução Industrial.

No século XIX, durante a Revolução Industrial, as sociedades ocidentais sofreram uma série de transformações econômicas e sociais que tiveram como uma de suas principais consequências o surgimento do proletariado.

Na Inglaterra, houve uma série de medidas políticas e econômicas que afetaram especialmente os trabalhadores rurais. A mecanização da agricultura e a concentração de terras em grandes latifúndios fez com que muitos camponeses não pudessem mais subsistir com o trabalho agrícola.

Neste contexto, os camponeses migraram para as cidades a fim de oferecer sua força de trabalho como assalariados nas novas fábricas. Esta nova classe social de trabalhadores urbanos não tinha bens, recursos ou educação, e dependia de conseguir empregos na produção industrial.

Diante de uma grande oferta de mão de obra, os proprietários das fábricas (definidos pelo marxismo como “a burguesia”) podiam impor condições de trabalho sem limitações, porque naquela época não havia direitos trabalhistas para cuidar dos interesses da nova classe trabalhadora urbana.

Diferença entre proletariado e burguesia

A diferença substancial entre o proletariado e a burguesia, argumento central na tese marxista, é que a burguesia é proprietária dos meios de produção, enquanto os proletários vendem sua força de trabalho em troca de salários. Isto torna a burguesia uma classe privilegiada e o proletariado uma classe explorada. No sistema capitalista, a burguesia obtém lucro às custas do trabalho assalariado dos proletários.

Para Marx, a burguesia é uma classe privilegiada por vários motivos:

  • Propriedade dos meios de produção. A burguesia, por definição, é a classe social que possui os recursos e as ferramentas necessárias para a produção econômica (como terra, fábricas, maquinários, empresas ou materiais). Isto lhes permite obter lucros sem vender sua mão de obra como assalariados.
  • Exploração do proletariado. A burguesia emprega os proletários como trabalhadores assalariados e obtém lucro. O valor do trabalho realizado pelos proletários é maior do que o salário que recebem. Essa diferença é chamada de mais-valia e é apropriada pela burguesia como lucro.
  • Acumulação de capital. A burguesia reinveste seus lucros no crescimento de suas empresas, na expansão de seus negócios e na compra de outros meios de produção.
  • Manutenção do poder. Graças ao acúmulo de capital, a burguesia pode consolidar sua posição econômica, política e social. Desta forma, influencia a ordem política a fim de manter seus privilégios e impedir a intervenção do Estado nos assuntos econômicos.

A “ditadura do proletariado”

dictadura - proletariado
A Revolução Russa foi a primeira a impor uma ditadura do proletariado.

A ditadura do proletariado é um conceito desenvolvido por Marx e Engels no século XIX e mais tarde reformulado por diferentes pensadores socialistas. Está vinculado à noção de “luta de classes” e refere-se a uma etapa da transição entre o capitalismo e o socialismo.

Para Marx, as classes sociais do capitalismo têm interesses opostos. Enquanto a burguesia busca maximizar seus lucros por meio da exploração do trabalho assalariado, o proletariado busca melhorar suas condições de trabalho e obter uma distribuição mais equitativa da riqueza.

De acordo com Marx e Engels, a única maneira de alcançar uma sociedade sem classes é por meio da eliminação da propriedade privada (ou seja, ninguém pode ser proprietário dos meios de produção). Para isso, o proletariado deve seguir uma série de etapas:

  1. Consciência de classe. Em primeiro lugar, os proletários devem se conscientizar de sua condição de classe explorada e entender como as relações de produção funcionam sob o capitalismo.
  2. União e cooperação. Logo em seguida, devem se associar e se organizar para defender seus interesses de classe. Isto pode implicar qualquer coisa, desde a formação de partidos políticos até a criação de sindicatos e outros tipos de afiliação de trabalhadores.
  3. Conquista do poder. O proletariado deve conquistar as instituições de poder. Isto pode ser feito através de instituições democráticas ou através de revolução, dependendo do contexto social e político.
  4. Ditadura do proletariado. Uma vez chegado ao poder, o proletariado deve usar as instituições para suprimir a resistência da burguesia e estabelecer a base para a transformação econômica e social do país.
  5. Construção do socialismo. Através dessa ditadura, os proletários devem implementar as medidas necessárias para socializar os meios de produção, eliminar a propriedade privada e redistribuir a riqueza de forma equitativa.
  6. Sociedade sem classes. Com o avanço de tais medidas, as diferenças de classe desapareceriam. Isto tornaria o Estado desnecessário e a sociedade não seria dividida em classes sociais. Desta forma, os meios de produção seriam propriedade comum e as relações sociais seriam baseadas na cooperação e na igualdade.

A organização do proletariado: greves e sindicatos

No século XIX, os proletários começaram a se associar e cooperar uns com os outros para fazer com que suas reivindicações fossem ouvidas. Primeiro, surgiram as confrarias ou associações de ajuda mútua, cujo objetivo era formar redes de assistência entre os trabalhadores em casos de necessidade decorrentes de demissão, doença ou até mesmo morte.

Mais tarde, surgiram organizações que tinham como propósito coordenar as demandas dos trabalhadores e dar visibilidade aos problemas do proletariado em geral. Deste modo, foram criados os primeiros sindicatos, que organizavam manifestações, greves e outras ações em busca do reconhecimento dos direitos dos trabalhadores.

História do proletariado

Proletariado
A história do proletariado é marcada pela luta pelo reconhecimento de seus direitos.

A história do proletariado é marcada por sua constante luta para obter melhorias em suas condições de vida e o reconhecimento de seus direitos. Neste sentido, alguns marcos foram fundamentais, ligados às associações de proletários nos diferentes países, suas tentativas revolucionárias e o avanço do comunismo como uma alternativa real ao capitalismo no século XX.

Resumindo, pode-se destacar os seguintes momentos da história do proletariado:

  • Revolução Industrial. Durante os séculos XVIII e XIX, a expansão da industrialização marcou o surgimento do proletariado como uma classe trabalhadora. Ao longo do século XIX, em alguns países ocidentais, os trabalhadores assalariados urbanos representavam mais de 50% da população.
  • Formação de sindicatos e associações de trabalhadores. No século XIX, os proletários formaram sindicatos, cooperativas e grêmios para organizar sua luta por melhores condições de trabalho.
  • Surgimento do socialismo, do comunismo e do anarquismo. Diferentes filósofos e políticos desenvolveram diferentes teorias sobre as condições do proletariado e como ele deveria conduzir sua luta.
  • Reformas sociais e leis trabalhistas. Entre o final do século XIX e o início do século XX, a luta do proletariado cresceu por meio de manifestações em massa e da consolidação de sindicatos. Os proletários de alguns países tiveram diferentes conquistas, como a redução da jornada de trabalho, o aumento dos salários, a proibição do trabalho infantil ou a criação de sistemas de seguridade social.
  • Revolução Russa. Em 1917, o proletariado russo alcançou o poder político através de uma revolução e criou o primeiro país socialista da história, que em poucos anos se tornou a União Soviética (um regime que durou até 1991).
  • Guerras mundiais. A Primeira Guerra Mundial (1914–1918) e a Segunda Guerra Mundial (1939–1945) afetaram profundamente o movimento trabalhista, uma vez que os operários assalariados formaram a base dos exércitos nacionais de cada país na guerra.
  • Estado de bem-estar social. Na segunda metade do século XX, para enfrentar a crise social e econômica, diversos países implementaram o Estado de bem-estar social, um modelo de organização política que visa garantir o bem-estar e a segurança econômica de seus cidadãos. Neste contexto, as condições de vida do proletariado melhoraram.
  • Guerra Fria. A crescente influência da União Soviética após a Segunda Guerra Mundial levou à implementação de sistemas socialistas em diferentes países. Entre 1947 e 1991, os países do Bloco Oriental estabeleceram uma forma de comunismo que, em teoria, priorizava a melhoria das condições de vida do proletariado. Entretanto, a falta de liberdades individuais, as crises econômicas e a competição internacional pelo poder levaram ao colapso destes sistemas e da União Soviética.

O proletariado atualmente

Algumas das condições do capitalismo mundial mudaram ao longo do século XX, enquanto as características fundamentais da dependência econômica e da vulnerabilidade do proletariado permaneceram. Hoje em dia, as características do proletariado podem ser identificadas da seguinte forma:

  • Globalização. A globalização afetou as formas de produção mundial e permitiu que as empresas transferissem suas fábricas para países onde o trabalho assalariado é mais barato porque os direitos trabalhistas dos operários não são reconhecidos. Isto levou ao aumento da concorrência trabalhista e à precarização do emprego em muitas partes do mundo, especialmente em setores produtivos como manufatura e serviços.
  • Desigualdade econômica. A diferença entre ricos e pobres é cada vez maior e os salários dos trabalhadores permaneceram estagnados ou diminuíram em relação à renda dos setores mais ricos.
  • Trabalho informal. Uma grande proporção de trabalhadores está empregada informalmente, ou seja, trabalha de forma precária e é vulnerável à superexploração. Dentro desta categoria estão incluídos os trabalhadores migrantes e os trabalhadores domésticos, entre outros.

Referências

  • Garret, W. S. (2001). Class; Communism/communist; Socialism/socialist. Encyclopedia of Political Thought. Facts on File.
  • Stearns, P. (Ed.). (1994). Proletarianization. Encyclopedia of Social History. Garland.
  • The Editors of Encyclopaedia Britannica, (2023). Proletariat. Encyclopedia Britannica. https://www.britannica.com/
  • Wilczynski, J. (1981). Proletarianization; Proletarian Revolution; Proletariat. An Encyclopedic Dictionary of Marxism, Socialism and Communism. Macmillan Reference Books.

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

KISS, Teresa. Proletariado. Enciclopédia Humanidades, 2024. Disponível em: https://humanidades.com/br/proletariado/. Acesso em: 11 junho, 2024.

Sobre o autor

Autor: Teresa Kiss

Professora de História do ensino médio e superior.

Traduzido por: Márcia Killmann

Licenciatura em letras (UNISINOS), Doutorado em Letras (Universidad Nacional del Sur)

Data da última edição: 26 maio, 2024
Data de publicação: 26 maio, 2024

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)