Causas e consequências da Revolução Industrial

Vamos explicar as causas e as consequências da Revolução Industrial em relação à economia, as áreas social e política, e suas consequências positivas e negativas.

Revolución industrial
Durante a Revolução Industrial, o trabalho foi mecanizado e houve um aumento exponencial das fábricas.

Quais foram as causas e as consequências da Revolução Industrial?

Entre as causas da Revolução Industrial se destacam as grandes mudanças na economia, na sociedade e na política da época, como a Revolução Agrícola, a ascensão da burguesia e o deslocamento das populações rurais para as cidades, o que significou mais disponibilidade de mão de obra para o trabalho nas fábricas.

Como consequência disto, o trabalho se tornou mecanizado e houve um aumento exponencial das fábricas. Além disso, a comunicação e o transporte melhoraram consideravelmente com as ferrovias e com o barco a vapor. Neste período também se observou a consolidação do poder político da burguesia, em paralelo ao surgimento do movimento trabalhista e do sindicalismo.

A Revolução Industrial foi um processo de transformação econômica e social que começou na Inglaterra em 1760 e chegou ao fim por volta de 1840. Implicou uma série de mudanças tecnológicas e produtivas que revolucionaram o mundo do trabalho, do comércio, do transporte e das finanças. Durante este processo, foi inventada a máquina a vapor, as máquinas têxteis e a iluminação pública a gás. Além disso, o trabalho manual nas oficinas foi substituído pelo trabalho em larga escala nas fábricas.

  Causas Consequências
Econômicas
  • A Revolução Agrícola
  • O cercamento das terras comunais
  • A disponibilidade de matérias-primas (do país e das colônias)
    As inovações tecnológicas
  • A mecanização do trabalho nas fábricas
  • O crescimento das cidades industriais
  • O surgimento do empresário e dos bancos modernos
  • Os aprimoramentos na comunicação e no transporte
  • A expansão global do capitalismo
Sociais
  • O crescimento da população
  • O deslocamento da população do campo para as cidades
  • O aumento da população nas cidades
  • A crescente diferenciação entre cidade e campo
  • A divisão social em duas classes: a burguesia e o proletariado.
  • A organização dos trabalhadores e o surgimento dos sindicatos
  • A poluição ambiental
Políticas
  • A ascensão política da burguesia
  • A aplicação de medidas de liberalização econômica
  • A união entre a Inglaterra e a Escócia
  • O domínio naval britânico
  • O protagonismo político da burguesia na Inglaterra e em outros lugares
  • A formação ou consolidação de regimes liberais e parlamentares na Europa e nos Estados Unidos
  • A promoção de medidas favoráveis à burguesia industrial na Europa Ocidental, nos Estados Unidos e no Japão (levando à Segunda Revolução Industrial).

Causas da Revolução Industrial

A Revolução Industrial foi o resultado de uma série de causas históricas que podem ser organizadas de acordo com seus aspectos econômicos, sociais e políticos.

1. CAUSAS ECONÔMICAS

A Revolução Agrícola

Uma das causas econômicas mais importantes da Revolução Industrial foi a Revolução Agrícola, que mudou radicalmente a forma de produção. O trabalho manual e a tração animal, que persistiam desde a Idade Média, foram substituídos pelo uso de máquinas agrícolas, cuja tecnologia foi aperfeiçoada com o desenvolvimento da Revolução Industrial.

A transformação tecnológica foi combinada com algumas mudanças no sistema de cultivo, como a introdução do “sistema de rotação de Norfolk”, que permitiu a rotação de variedades de culturas para não esgotar os nutrientes do solo. Essa revolução agrícola aumentou a produtividade e a quantidade de alimentos disponíveis, o que promoveu o crescimento demográfico e o deslocamento de pessoas do campo para a cidade.

Os cercamentos

Paralelamente à Revolução Agrícola, surgiram os cercamentos, ou seja, a política de cercar as terras comunais e transformá-las em propriedade privada dos grandes proprietários de terras. Esse processo transformou muitos camponeses sem terra em trabalhadores das recém-criadas fábricas urbanas.

A disponibilidade de matérias-primas

A Inglaterra caracterizou-se por uma ampla disponibilidade de recursos indispensáveis ao desenvolvimento da tecnologia da Revolução Industrial, como o carvão para motores a vapor e o ferro para todos os tipos de ferramentas, máquinas e transportes (como ferrovias e navios).

Também foi crucial a disponibilidade de outros recursos obtidos em territórios sob controle colonial ou facilmente acessíveis graças ao domínio comercial britânico, como o algodão da Índia e do sul dos Estados Unidos, que foi usado na indústria têxtil.

As inovações tecnológicas

As invenções características da Revolução Industrial foram o resultado de anos de experimentação e inovação. Por exemplo, no início do século XVIII, foram projetados vários motores a vapor, embora nenhum deles fosse comparável ao revolucionário motor a vapor de James Watts, patenteado em 1769 e baseado em um projeto anterior de Thomas Newcomen.

Por outro lado, as inovações tecnológicas que levaram à Revolução Agrícola incluíram máquinas e ferramentas como a semeadeira e o arado de ferro fundido.

2. CAUSAS SOCIAIS

O crescimento demográfico

A Revolução Agrícola contribuiu para o crescimento demográfico, pois a maior produtividade no campo levou a uma maior disponibilidade e a alimentos mais baratos. Isso se intensificou durante a Revolução Industrial, quando foram desenvolvidas melhorias no campo da medicina. O resultado foi uma redução na taxa de mortalidade e um aumento na taxa de natalidade.

A migração da zona rural para a zona urbana

O crescimento demográfico e o deslocamento de pessoas do campo para as cidades criaram uma grande disponibilidade de mão de obra para os proprietários de fábricas nas cidades, o que deu origem a uma nova classe social: o proletariado.

Além disso, o crescimento demográfico aumentou a demanda por produtos manufaturados, e a combinação desses fenômenos tornou possível o novo modelo de produção industrial.

3. CAUSAS POLÍTICAS

A ascensão política da burguesia

A principal causa política da Revolução Industrial foi a crescente influência da burguesia nas decisões governamentais. Na Inglaterra, a Revolução Gloriosa de 1688 estabeleceu uma monarquia parlamentar que favoreceu a participação política das classes burguesas e limitou o poder da nobreza.

As políticas de liberalização econômica

A ascensão política da burguesia propiciou a implementação de medidas favoráveis ao comércio e ao empreendimento privado, como a defesa da propriedade privada, o livre mercado, o cercamento de terras para cultivo (onde antes havia terras comunais) e a fundação do Banco da Inglaterra.

A união da Inglaterra e da Escócia e o domínio naval britânico

Outras causas políticas foram a união entre a Inglaterra e a Escócia, que garantiu a paz na Grã-Bretanha e ampliou as fronteiras do mercado interno, e o domínio naval britânico, que garantiu a expansão comercial.

Consequências da Revolução Industrial

A Revolução Industrial teve consequências importantes, tanto para a Inglaterra quanto para grande parte do mundo. Estas consequências podem ser divididas em três grupos: econômicas, sociais e políticas.

1. CONSEQUÊNCIAS ECONÔMICAS

A mecanização e as cidades industriais

Uma das principais consequências econômicas da Revolução Industrial foi a mecanização do trabalho, que acelerou o tempo de produção, reduziu os custos e possibilitou a produção em larga escala nas fábricas. Esta transformação econômica impulsionou o crescimento de grandes cidades industriais, como Manchester, Birmingham, Liverpool e Sheffield.

A Revolução Industrial implicou a substituição dos artesãos, que trabalhavam com métodos tradicionais em oficinas, por trabalhadores industriais que vendiam sua força de trabalho em troca de salários em fábricas.

O surgimento de empresários e de bancos

Outra consequência foi o surgimento da gestão empresarial, baseada em cálculos de lucro e investimento de capital, e o sistema de crédito por meio do surgimento dos bancos modernos.

A comunicação, o transporte e a expansão do capitalismo

Com o surgimento da figura do empresário e dos bancos modernos, meios mais eficazes e rápidos de transporte de matérias-primas e mercadorias (como a ferrovia e o navio a vapor) promoveram a expansão mundial do capitalismo.

A Segunda Revolução Industrial

Finalmente, o acúmulo de capital e as inovações técnicas e tecnológicas da Revolução Industrial lançaram as bases para uma segunda fase da industrialização.

Esse processo é conhecido como a Segunda Revolução Industrial e ocorreu entre 1870 e 1914, principalmente nos Estados Unidos, no Japão, na Alemanha e em outros países da Europa Ocidental. Essa segunda fase mudou radicalmente os padrões de produção, consumo e lazer na maior parte do mundo.

2. CONSEQUÊNCIAS SOCIAIS

A diferenciação entre o campo e a cidade

A Revolução Industrial produziu uma clara diferenciação entre cidade e campo e um aumento significativo da população nas cidades. A vida urbana se beneficiou da iluminação pública a gás e dos avanços médicos e sanitários, mas, ao mesmo tempo, levou à superlotação dos bairros da classe trabalhadora, o que incentivou a disseminação de doenças infecciosas (como a cólera).

A divisão social em classes

A Revolução Industrial introduziu uma divisão social centrada em duas classes sociais: a burguesia (formada pelos proprietários de fábricas, comerciantes e outros proprietários de meios de produção ou capital) e o proletariado (formado pelos trabalhadores que vendiam sua força de trabalho por salários nas fábricas ou minas).

Muito embora a Revolução Industrial tenha proporcionado uma distribuição maior de riqueza, as condições de trabalho dos trabalhadores eram muito difíceis e seu modo de vida era muito desfavorável em comparação com os confortos da burguesia. As jornadas de trabalho eram muito longas e era comum o trabalho infantil em fábricas e minas.

Os protestos contra as máquinas

O maquinismo industrial provocou movimentos de protesto dedicados à destruição das máquinas, como os ludistas, um grupo de artesãos têxteis qualificados que viam o uso de máquinas como destruidor de empregos e redutor de salários.

O movimento trabalhista e os sindicatos

As difíceis condições de trabalho causadas pela Revolução Industrial estimularam a organização do movimento trabalhista e o surgimento de sindicatos, além de ideologias políticas como o socialismo, o anarquismo e o comunismo. A organização trabalhista levou à implementação de regulamentações do trabalho e a melhores condições laborais.

A poluição ambiental

A Revolução Industrial gerou níveis significativos de poluição nas cidades, tanto pelo consumo de combustível nas fábricas e residências quanto pela geração de resíduos típicos da vida urbana da época.

3. CONSEQUÊNCIAS POLÍTICAS

O protagonismo político da burguesia

A ascensão econômica da burguesia nas áreas da indústria, do comércio e das finanças consolidou o protagonismo político dessa classe social tanto na Inglaterra quanto, mais tarde, em outros países que tiveram suas próprias revoluções burguesas (como a França) ou suas próprias formas de construção de uma ordem econômica e política liberal (como os Estados Unidos).

A consolidação de regimes liberais e democráticos

Os setores burgueses, inspirados pelas ideias do Iluminismo e do liberalismo, geralmente promoviam políticas voltadas para o mercado livre e os negócios contra os privilégios tradicionais da nobreza e do clero.

Isso significou o estabelecimento de regimes democráticos ou parlamentares encarregados de defender a propriedade privada e as liberdades individuais.

A promoção política da industrialização

Ao longo do século XIX, as burguesias industriais desempenharam um papel importante na promoção política e econômica da Segunda Revolução Industrial. Um exemplo típico foi o protecionismo industrial introduzido pelo governo alemão após a unificação da Alemanha em 1871.

Consequências positivas e negativas da Revolución Industrial

É possível agrupar as consequências da Revolução Industrial em positivas e negativas, ainda que essa caracterização seja subjetiva (ou seja, depende do ponto de vista do qual o processo é observado).

Consequências positivas

  • Invenção de máquinas novas e mais eficientes.
  • Aumento da produção de manufaturas.
  • Criação de muitos empregos.
  • Criação de associações de trabalhadores e sindicatos que, embora proibidos até 1824, pressionaram o governo britânico e os empregadores a começarem a reconhecer os direitos trabalhistas.
  • Aumento da produção e redução dos preços dos alimentos.
  • Redução dos custos de transporte e do tempo de viagem graças às ferrovias e aos navios a vapor.
  • Menores taxas de mortalidade e maior expectativa de vida.

Consequências negativas

  • Declínio dos ofícios tradicionais realizados por artesãos.
  • Natureza repetitiva e tediosa do trabalho nas fábricas.
  • Trabalho insalubre e acidentes de trabalho em fábricas e minas.
  • Emprego de mão de obra infantil, o que impediu que muitas crianças recebessem educação (a lei de educação obrigatória foi aprovada na Inglaterra em 1870).
  • Baixos salários para mulheres e crianças.
  • Diminuição do emprego de trabalhadores sazonais nos campos devido ao uso de máquinas agrícolas.
  • Desaparecimento das companhias de diligências.
  • Transformação da paisagem e abandono de terras devido à construção de ferrovias.
  • Poluição ambiental.
  • Propagação de doenças infecciosas nos bairros da classe trabalhadora.

Referências

  • Britannica, Encyclopaedia (2023). Industrial Revolution. Encyclopedia Britannica. https://www.britannica.com/
  • Cartwright, M. (2023). The Impact of the British Industrial Revolution. World History Encyclopedia. https://www.worldhistory.org/
  • Hobsbawm, E. (2001). Industria e imperio. Crítica.
  • Hunt, L., Martin, T. R., Rosenwein, B. H. & Smith, B. G. (2016). The Making of the West: Peoples and Cultures. 5a edición. Bedford/St. Martin’s.
  • Rule, J. (1990). Clase obrera e industrialización. Crítica.

Como citar?

Citar a fonte original da qual extraímos as informações serve para dar crédito aos respectivos autores e evitar cometer plágio. Além disso, permite que os leitores acessem as fontes originais que foram utilizadas em um texto para verificar ou ampliar as informações, caso necessitem.

Para citar de forma adequada, recomendamos o uso das normas ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), que é uma entidade privada, sem fins lucrativos, usada pelas principais instituições acadêmicas e de pesquisa no Brasil para padronizar as produções técnicas.

GAYUBAS, Augusto. Causas e consequências da Revolução Industrial. Enciclopédia Humanidades, 2024. Disponível em: https://humanidades.com/br/causas-e-consequencias-da-revolucao-industrial/. Acesso em: 9 julho, 2024.

Sobre o autor

Autor: Augusto Gayubas

Doutor em História (Universidad de Buenos Aires)

Traduzido por: Márcia Killmann

Licenciatura em letras (UNISINOS), Doutorado em Letras (Universidad Nacional del Sur)

Data da última edição: 26 maio, 2024
Data de publicação: 1 abril, 2024

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)