Ludismo

Vamos explicar o que foi o ludismo, suas principais ideias e consequências. Além disso, quais são suas características e por que é tão importante.

ludismo
Os ludistas resistiam ao uso de maquinário na indústria têxtil.

O que foi o ludismo?

O ludismo foi um movimento de protesto dos trabalhadores britânicos no início do século XIX, que se opôs de forma violenta às transformações iniciadas no contexto da Revolução Industrial.

Os ludistas resistiam principalmente ao uso de maquinário nos teares e na indústria, pois esses desenvolvimentos significavam menos necessidade de mão de obra artesanal qualificada, aumento do desemprego e, portanto, redução dos salários.

Este movimento recebe o nome em homenagem a Ned Ludd, um trabalhador do condado inglês de Leicestershire. Ludd ficou conhecido por destruir máquinas em fábricas, em 1769. Não se sabe ao certo se Ned Ludd era uma pessoa real ou parte de uma lenda popular.

Contudo, a figura inspirou os trabalhadores têxteis de Nottingham. Em 1811, surgiram várias cartas e proclamações assinadas “Capitão Ludd” ou “General Ludd” conclamando à revolta violenta contra a industrialização.

O ludismo foi um fenômeno que durou apenas alguns anos. Em 1816, a repressão aos ludistas levou à dissolução do movimento e os trabalhadores descontentes das fábricas se voltaram para outras formas de protesto e organização dos trabalhadores, como grêmios e irmandades.

Origens do ludismo

Os primeiros protestos dos trabalhadores das fábricas foram direcionados contra a industrialização e a perda de empregos causada pela introdução de máquinas nas fábricas. No final do século XVIII, trabalhadores de diferentes partes da Inglaterra alegaram que a mecanização do trabalho por meio de máquinas era prejudicial à sociedade.

Em 1786, os trabalhadores têxteis da cidade de Leeds publicaram uma carta conjunta em que denunciavam que as máquinas haviam deixado milhares de trabalhadores sem trabalho. Estas reivindicações eram comuns e seu objetivo era convencer a opinião pública e as autoridades a limitar o uso de máquinas em novas indústrias.

No entanto, no início do século XIX, à medida que o desemprego aumentava e a qualidade de vida piorava, as insatisfações dos trabalhadores começaram a assumir formas violentas. Em 1811, começaram a circular manifestos anônimos assinados pelo “Capitão Ludd”, “General Ludd” ou “Ned Ludd”, os quais ameaçavam destruir máquinas e instalações de fábricas.

Contexto histórico do ludismo

Ludismo
A jornada de trabalho era de 16 horas, e empregava-se mulheres e crianças para trabalhar.

A Revolução Industrial, que começou no final do século XVIII e se aprofundou no século XIX, teve um impacto profundo na sociedade e na qualidade de vida das classes mais baixas europeias. As fábricas eram espaços enormes com poucas janelas e quase sem ventilação. Os trabalhadores passavam o dia inteiro em frente às máquinas que operavam, obrigados a permanecer em seus postos de trabalho.

As jornadas de trabalho chegavam a 16 horas diárias e eram reduzidas a 10 horas nas melhores situações. Podiam ser interrompidas unicamente por um breve intervalo para o almoço. Além disso, houve a incorporação de mulheres e crianças como trabalhadores da fábrica, que recebiam salários mais baixos.

O aumento da mecanização gerou desemprego e, consequentemente, salários mais baixos. De forma simultânea, as condições de vida dos trabalhadores também pioraram. As moradias das famílias dos trabalhadores tinham um ou dois cômodos, que eles usavam para dormir e comer, e os prédios integravam as moradias de muitas famílias.

Principais ideias do ludismo

Os ludistas alegavam que a introdução de maquinário nas fábricas levou a um maior desemprego entre os trabalhadores qualificados. Com o uso de máquinas, os trabalhadores não qualificados podiam realizar as tarefas dos trabalhadores qualificados em muito menos tempo.

Os ludistas reconheciam que não eram as máquinas as culpadas pelo desemprego e degradação de sua qualidade de vida, e sim os proprietários das fábricas que introduziram essas inovações para aumentar a produtividade. Nesse sentido, os ludistas acreditavam que era necessário defender a comunidade trabalhista e os valores do trabalho qualificado. Além disso, sustentavam que as autoridades deveriam impor limites à industrialização para que a economia nacional garantisse o bem-estar de todos os grupos sociais.

Protestos ludistas

Entre 1811 e 1816, o ludismo se espalhou especialmente entre os trabalhadores de três ramos da indústria têxtil: tecelões de lã de Yorkshire, tecelões manuais de Lancashire e tecelões de renda de Nottinghamshire.

Entre os protestos mais violentos, destaca-se o de 1811, quando os tecelões de Nottinghamshire organizaram uma grande rebelião e destruíram sessenta máquinas de tecelagem. Em 1812, 150 tecelões ludistas armados atacaram a fábrica de William Cartwright em Yorkshire e, em 1813, houve outra grande onda de violência em Lancashire.

Todas essas manifestações foram reprimidas pelas forças policiais e pelas autoridades. Em 1813, dezoito ludistas foram presos, julgados e condenados à morte por suas ações. Isso representou um duro golpe para o movimento, que começou a se organizar cada vez mais na clandestinidade. A repressão policial e o surgimento de outras formas de protesto operário levaram ao declínio do movimento ludista e ao seu desaparecimento por volta de 1816.

Consequências do ludismo

Ludismo
O ludismo foi um dos primeiros movimentos de protesto da classe trabalhadora.

O movimento ludista não conseguiu realizar as mudanças pretendidas ou impedir a incorporação de máquinas na indústria. No entanto, foi uma das primeiras formas de organização dos trabalhadores que visava defender os interesses e a qualidade de vida dos operários contra a imposição de condições de trabalho cada vez mais precárias.

Embora os ludistas tenham sido reprimidos, outras formas de organização dos trabalhadores surgiram simultaneamente. As antigas organizações de grêmios ou irmandades começaram a reunir trabalhadores que se juntavam para se ajudarem mutuamente. Com a contribuição voluntária dos membros, eles coletavam dinheiro para ajudar uns aos outros em casos de demissão, doença ou morte.

Por outro lado, os empresários das indústrias começaram a se preocupar com a organização dos trabalhadores e a formar suas próprias associações. As primeiras associações tinham o objetivo de compartilhar informações sobre os trabalhadores e suas atividades. Se um trabalhador fosse problemático para um empresário, os demais membros se comprometiam a demiti-lo e a não contratá-lo novamente.

Além disso, os empresários industriais começaram a pressionar o governo para que tomasse medidas de proteção. Em 1800, o Parlamento inglês aprovou as chamadas Combinations Acts (leis sobre as associações) que proibiam as reivindicações coletivas dos trabalhadores.

Nas décadas seguintes, as organizações trabalhistas foram reprimidas, suas reuniões públicas foram proibidas e os líderes das associações trabalhistas foram perseguidos.

Os sindicatos e o cartismo

O cartismo reivindicava direitos políticos para a classe trabalhadora.

Durante as primeiras décadas do século XIX, surgiram as primeiras associações comerciais modernas de trabalhadores, chamadas de trade-unions (que em inglês significa “sindicatos”). Sua finalidade era representar seus membros e apresentar suas demandas aos empresários e às autoridades.

As trade-unions eram associações voluntárias, mas, diferentemente das guildas, seu objetivo não era a ajuda mútua, mas a melhoria das condições de trabalho por meio do reconhecimento dos direitos básicos dos trabalhadores.

Como as Combination Acts proibiam demandas coletivas, as primeiras trade unions eram ilegais. Suas principais reivindicações eram a redução da jornada de trabalho, a regulamentação do trabalho infantil, melhorias salariais e o reconhecimento do direito de associação dos trabalhadores.

Em 1824, as trade-unions conquistaram a revogação das Combination Acts e, assim, as associações de trabalhadores se tornaram legais. Em pouco tempo, foi formada uma confederação, chamada General Trade Unions, que reunia as diversas associações sindicais.

Na década seguinte, uma parte das associações sindicais começou a promover a ideia de que os trabalhadores deveriam fazer parte do governo para ver seus interesses representados. Em 1839, um movimento apresentou um documento chamado “Carta do Povo” ao Parlamento, que foi assinado por 1,2 milhão de trabalhadores. A partir de então, esse movimento político passou a ser chamado de “cartismo”.

A Carta do Povo apresentada ao Parlamento continha seis reivindicações:

  1. Direito de voto para todos os homens com mais de 21 anos de idade, sãos e sem antecedentes criminais.
  2. Voto impresso em cédula, para proteger o eleitor no exercício do voto.
  3. Eliminação do requisito de possuir propriedade para ser membro do Parlamento.
  4. Remuneração dos membros do Parlamento para que possam se dedicar às suas funções legislativas, independentemente de sua situação financeira pessoal.
  5. Equiparação dos distritos eleitorais para que haja representação equitativa em relação ao número de eleitores.
  6. Renovação anual do Parlamento, para uma supervisão mais eficaz dos representantes.

Embora as exigências tenham sido rejeitadas em sucessivas ocasiões, o Cartismo foi a primeira experiência de participação política de sindicatos e associações de trabalhadores.

Referências

  • Britannica, The Editors of Encyclopaedia. (2023). Luddite. Encyclopedia Britannica  https://www.britannica.com/  
  • Stearns, P. (1994). Luddism. Encyclopedia of social history. Garland Publishing. 
  • Wilczynski, J. (1981). Luddtes. An Encyclopedic Dictionary of marxism, socialism and communism. Macmillan Reference Books.

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

KISS, Teresa. Ludismo. Enciclopedia Humanidades, 2024. Disponível em: https://humanidades.com/br/ludismo/. Acesso em: 19 abril, 2024.

Sobre o autor

Autor: Teresa Kiss

Professora de História do ensino médio e superior.

Traduzido por: Márcia Killmann

Licenciatura em letras (UNISINOS), Doutorado em Letras (Universidad Nacional del Sur)

Data da última edição: 1 abril, 2024
Data de publicação: 1 abril, 2024

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)