Reparações de guerra (Tratado de Versalhes, 1919)

Vamos explicar o que foram as reparações de guerra do Tratado de Versalhes. Além disso, a sua aplicação e consequências.

A Alemanha deveria pagar valores altos em recursos, maquinário e títulos ou dinheiro.

O que foram as reparações de guerra do Tratado de Versalhes?

As reparações de guerra do Tratado de Versalhes foram as obrigações econômicas que os Aliados impuseram à Alemanha depois da Primeira Guerra Mundial (1914–1918).

Após a vitória aliada (liderada pela França, Reino Unido, Estados Unidos e Itália) contra os Impérios Centrais (Império Alemão, Império Austro-Húngaro e Império Otomano), realizou-se uma conferência de paz em Paris em 1919, à qual não foram convidados os governos dos países perdedores. Ali, foi acordada a criação da Liga das Nações (por iniciativa do governo norte-americano) e foram definidas as cláusulas territoriais, militares e econômicas que lhes foram impostas aos países derrotados.

Uma das consequências da conferência de Paris foi a assinatura do Tratado de Versalhes com a Alemanha (que o governo alemão foi obrigado a assinar em 28 de junho de 1919). O tratado responsabilizava a Alemanha pela guerra e impunha-lhe condições de paz muito duras: o desarmamento, a perda de territórios e a obrigação de pagar reparações ou indemnizações de guerra aos Estados vencedores.

O Congresso dos Estados Unidos finalmente recusou-se a assinar o tratado e o país nunca aderiu à Liga das Nações. O Reino Unido e, em especial, a França exigiram à Alemanha o pagamento das suas obrigações, enquanto o governo alemão declarava não poder conseguir realizar essas exigências. Isto provocou diversos conflitos no início da década de 1920: uma tentativa de golpe de Estado e explosões sociais na Alemanha, a ocupação da região alemã do Ruhr por tropas belgas e francesas e problemas econômicos na França e, em especial, na Alemanha.

A situação começou a acalmar quando um comitê patrocinado pelos Estados Unidos elaborou, em 1924, um plano para garantir tanto o pagamento das reparações como a estabilidade econômica alemã. Ainda assim, a assinatura do Tratado de Versalhes alimentou o ressentimento de setores nacionalistas da Alemanha contra as potências aliadas e contra a República de Weimar (governo alemão), circunstância que foi aproveitada pelo movimento nacional-socialista que adquiriu importância nos anos da Grande Depressão.

O Tratado de Versalhes (1919)

O Tratado de Versalhes, assinado em 1919, impôs à Alemanha cláusulas muito rígidas:

  • As cláusulas militares exigiram uma drástica redução de armamentos e forças militares, além da formação na Renânia (no oeste da Alemanha) de zonas desmilitarizadas e áreas de ocupação aliada.
  • As cláusulas territoriais implicaram a perda de vastos territórios alemães a favor de outros países, como a França, a Bélgica e a Polônia, bem como a perda de todas as suas colônias.
  • As cláusulas políticas proibiram a entrada da Alemanha na Liga das Nações, o organismo internacional para resolver conflitos de forma concertada que foi criado com a assinatura de um pacto anexo ao Tratado de Versalhes.
  • As cláusulas econômicas impuseram à Alemanha o pagamento de indenizações (reparações de guerra) aos países aliados sob a forma de recursos, maquinário e títulos ou dinheiro.

O tratado justificou as sanções impostas à Alemanha com a inclusão de um artigo no qual o país foi acusado de ser responsável pela guerra. Os artigos seguintes declararam que a Alemanha devia pagar as reparações de guerra, mesmo reconhecendo que a economia alemã não tinha recursos suficientes, e estabeleceram um prazo até o mês de maio de 1921 para que uma Comissão de Reparações definisse o valor total a pagar pelo Estado alemão.

Artigo 231. Os governos aliados e associados declaram, e a Alemanha reconhece que ela e seus aliados são responsáveis, por ter causado todos os danos e perdas infligidos aos governos aliados e associados e aos seus súbditos em consequência da guerra que lhes foi imposta pela agressão da Alemanha e dos seus aliados.

Artigo 232. Os governos aliados e associados reconhecem que os recursos da Alemanha não são suficientes, tendo em conta a diminuição permanente dos mesmos, que resulta das outras disposições do presente Tratado — para garantir a reparação completa de todos os danos e perdas expressos.

Os governos aliados e associados exigem, no entanto, e a Alemanha compromete-se a isso, que sejam reparados todos os danos causados à população civil de cada uma das potências aliadas e associadas, ou aos seus bens, enquanto cada uma tenha sido beligerante com a Alemanha, em virtude dessa agressão por terra, por mar e pelo ar, e, em geral, todos os danos (...).

Artigo 233. O valor desses danos, cuja reparação incumbe à Alemanha, será fixado por uma Comissão Interaliada, com o nome de “Comissão de Reparações (...)”.

Versalhes, 28 de junho de 1919

A posição das principais potências diante do Tratado de Versalhes

Alemanha

Os delegados alemães foram obrigados a assinar o Tratado de Versalhes.

A Alemanha aceitou sob protesto o Tratado de Versalhes. Dois aspectos eram particularmente insuportáveis para o governo e a opinião pública alemã: o pagamento de reparações de guerra como país responsável pelo conflito e as perdas territoriais, muito especialmente as da fronteira oriental.

A Alemanha referiu-se ao Tratado de Versalhes como diktat (a imposição) e, desde o início, centrou os seus objetivos em conseguir a sua revisão e evitar o cumprimento das suas custosas condições.

O paradoxo do Tratado de Versalhes foi que era um tratado muito duro que algumas potências não muito fortes (França e o Reino Unido) tentavam impor a um país que ainda mantinha grande parte do seu potencial econômico (Alemanha). Este paradoxo é explicado por duas razões:

  • Em primeiro lugar, pelo isolacionismo americano: a recusa dos Estados Unidos em assinar o Tratado de Versalhes e em integrar a Liga das Nações deixou a França e o Reino Unido como as únicas potências responsáveis pela construção da ordem europeia concebida na Conferência de Paris.
  • Em segundo lugar, pelo agravamento da debilidade franco-britânica na sequência da disparidade de ideias entre os governos de Londres e de Paris.

Estados Unidos

O isolacionismo que tradicionalmente conduzia o governo dos Estados Unidos a não se envolver em alianças permanentes provocou que o Congresso norte-americano se recusasse a assinar o Tratado de Versalhes e o Pacto da Liga das Nações, apesar de ter sido o presidente americano, Woodrow Wilson, que promoveu a criação da Liga das Nações.

Isto aconteceu porque os Estados Unidos tinham de ratificar os tratados no Senado por uma maioria de dois terços. Wilson pertencia ao Partido Democrata e tinha que enfrentar um Senado com maioria do Partido Republicano. Em pleno debate, Wilson teve que permanecer em sua casa por três meses devido a um acidente vascular cerebral, e se negou a negociar qualquer tipo de emenda dos tratados com o líder republicano no Comitê de Assuntos Exteriores do Senado, Henry Cabot Lodge.

A proposta de Wilson foi derrotada no Senado e, quando o candidato republicano Warren G. Harding chegou à presidência dos Estados Unidos em março de 1921, foi definitivamente rejeitada. Em agosto de 1921, o governo dos Estados Unidos assinou tratados de paz separados com a Alemanha, com a Áustria e com a Hungria.

A partir desse momento, a tarefa de supervisionar a aplicação do Tratado de Versalhes foi apenas da França e do Reino Unido, com a escassa ajuda da Bélgica e da Itália, embora, posteriormente, os Estados Unidos se envolvessem nas conversações sobre as reparações mediante o auspício de um comitê que elaborou o Plano Dawes em 1924.

O Reino Unido e a França

O Reino Unido, que era o centro de um império mundial, procurava seguir a sua tradicional política de equilíbrio continental na Europa. Pretendia-se que nem a Alemanha e nem a França fossem demasiado poderosas, permitindo-lhe assim concentrar-se nos problemas crescentes que os movimentos independentistas na Irlanda, no Egito e na Índia lhe colocavam.

Com uma opinião pública cada vez mais influenciada pelas ideias do economista John Maynard Keynes, que considerava que a aplicação do Tratado de Versalhes teria consequências negativas para a Alemanha e para o resto da Europa, o governo britânico convenceu-se de que a prosperidade alemã deveria ser favorecida como uma premissa para o progresso econômico europeu. Esta posição implicava uma atitude conciliadora em relação às reticências alemãs para pagar as reparações de guerra.

No entanto, para o governo francês, a prioridade era a aplicação de medidas que enfraquecessem a Alemanha e a forçassem a cumprir o Tratado de Versalhes. Esta posição explicava-se pela recusa dos Estados Unidos em assinar o Tratado de Versalhes, que deixou a França em uma situação de insegurança em caso de um futuro ataque alemão. A exigência do pagamento integral das reparações visava não só contribuir para a recuperação econômica francesa, mas também para enfraquecer a economia alemã.

A aplicação do Tratado de Versalhes

As reparações como centro do conflito

Uma das primeiras reações ao Tratado de Versalhes foi um golpe de Estado sem sucesso.

A Alemanha opôs-se desde o início ao cumprimento das cláusulas do Tratado de Versalhes. O primeiro conflito relacionado com esta recusa ocorreu em março de 1920, quando houve uma tentativa fracassada de golpe de Estado contra a República de Weimar na Alemanha, liderada pelo político ultranacionalista Wolfgang Kapp, que foi sufocado poucos dias depois.

Em reação à tentativa de golpe, os operários do Ruhr (uma região da Alemanha ocidental) proclamaram a greve geral e o exército alemão entrou na zona desmilitarizada (ação contrária ao Tratado de Versalhes) para reprimir o levantamento dos trabalhadores. A reação francesa foi imediata: o exército francês ocupou Frankfurt, Darmstadt e Duisburgo.

Na Conferência de Spa de julho de 1920, os Aliados determinaram a porcentagem das reparações alemãs que devia receber cada Estado. Em 27 de abril de 1921, a Comissão de Reparações, constituída pelo Tratado de Versalhes e presidida pelo francês Raymond Poincaré, anunciou o valor total a pagar pela Alemanha em relação às reparações: 132 bilhões de marcos-ouro. Com a reação indignada do governo alemão, os Aliados responderam com uma ameaça de invasão da bacia do Ruhr.

A Alemanha continuou a não pagar as indenizações. Por um momento, pareceu que o governo francês, cujo primeiro-ministro desde janeiro de 1921 era Aristide Briand, poderia chegar a um acordo com o primeiro-ministro britânico, David Lloyd George, para flexibilizar o pagamento das reparações.

No entanto, em janeiro de 1922, quando Briand e Lloyd George iniciaram um encontro em Cannes, Briand teve de regressar a Paris, onde foi obrigado a renunciar. O presidente da República da França, Alexandre Millerand, convocou Poincaré para o cargo de primeiro-ministro. Assim, na França, impôs-se a chamada política de execução dos Tratados: era preciso obrigar a Alemanha a pagar.

A Conferência de Gênova e o Tratado de Rapallo (1922)

Em maio de 1922 realizou-se em Gênova uma conferência à qual, pela primeira vez, assistiram não só os Aliados vencedores, mas também os dois grandes derrotados da guerra: a Alemanha (derrotada na guerra) e a Rússia (que tinha assinado a paz com a Alemanha depois da Revolução Bolchevique e tinha perdido muitos territórios). Tratava-se de abordar os graves problemas econômicos e de integrar a Rússia soviética no concerto europeu.

A Conferência de Gênova foi um fracasso. A sua principal consequência foi a assinatura do Tratado de Rapallo entre a Alemanha e a Rússia, que teve lugar fora da conferência. Os dois grandes derrotados, embora mantendo a desconfiança mútua, iniciaram um período de colaboração econômica e, inclusive, militar.

A Alemanha procurava silenciar as potências ocidentais e assim conseguir baixar suas exigências no tema das reparações. A Rússia tentava reintegrar-se na política internacional europeia. O Tratado de Rapallo foi aprofundado com um novo tratado germano-soviético em 1926.

Poincaré, preocupado com as possíveis consequências da aproximação germano-russa, foi se convencendo da necessidade de tomar decisões drásticas que exigissem da Alemanha a cumprir as suas obrigações. Um novo pedido alemão de moratória no pagamento das reparações em julho de 1922 precipitou a decisão francesa de ocupar a região do Ruhr.

A ocupação do Ruhr (1923)

Tropas francesas ocuparam o Ruhr como compensação pelas reparações não pagas.

Em 11 de janeiro de 1923, tropas francesas e belgas ocuparam a bacia do Ruhr, o coração mineiro e industrial da Alemanha. A intenção era, assim, cobrar as indenizações de guerra devidas. Os britânicos recusaram-se a participar na ação, mas os seus protestos foram inicialmente tímidos.

A reação do governo alemão, presidido pelo chanceler Wilhelm Cuno, foi decretar a resistência passiva. As fábricas fecharam e o governo financiou os grevistas. A situação provocou o colapso da economia alemã, que foi duramente castigada pela hiperinflação.

O marco (moeda alemã) havia perdido praticamente todo seu valor, e em setembro de 1923 o novo chanceler alemão, Gustav Stresemann, ordenou o fim da resistência passiva.

Por sua parte, a França tinha ficado isolada devido ao crescente distanciamento britânico, e estava atravessando sérias dificuldades econômicas. A sua moeda, o franco, estava enfraquecendo e necessitava urgentemente de créditos americanos, mas o governo dos Estados Unidos era muito crítico da política de Poincaré em relação à aplicação do Tratado de Versalhes.

O Plano Dawes (1924)

A mediação norte-americana levou todos os estados afetados a aceitar a criação de um comitê para estudar o tema das reparações. O comitê, reunido durante o ano de 1924, foi presidido por um banqueiro americano, Charles Dawes, e resultou na elaboração do Plano Dawes: um programa que favoreceu a estabilidade econômica alemã e estabeleceu um plano de pagamentos para garantir o cumprimento das obrigações alemãs.

A fragilidade financeira da França obrigou-a a aceitar a integridade territorial da Alemanha e a assinar o plano juntamente às outras potências, o que levou à retirada das forças de ocupação francesas e belgas do Ruhr em agosto de 1925.

Foi-se estendendo progressivamente a ideia de que era necessário abordar a solução dos problemas do pós-guerra com diálogo e cooperação (e não a partir do confronto e da imposição). Este era o caso da Alemanha, onde Stresemann fazia gestos conciliatórios, e da França e do Reino Unido, onde haviam chegado ao poder em 1924 novos governos de centro-esquerda, presididos por homens mais propensos à negociação: Édouard Herriot (do Partido Radical francês) e Ramsay MacDonald (do Partido Trabalhista britânico).

A transição para a conciliação já tinha sido definida em fevereiro de 1924, quando Stresemann comunicou ao governo francês que a Alemanha estava disposta a assinar com a França um acordo que garantisse as fronteiras franco-alemãs marcadas em Versalhes, incluindo a zona desmilitarizada. A partir desse momento, as relações internacionais entraram em um curto período de conciliação.

Referências

  • Britannica, Encyclopaedia (2019). reparations. Encyclopedia Britannica. https://www.britannica.com/ 
  • Britannica, Encyclopaedia (2022). Treaty of Versailles. Encyclopedia Britannica. https://www.britannica.com/ 
  • Cabrera, M., Juliá, S. & Martín Aceña, P. (comps.) (1991). Europa en crisis. 1919-1939. Editorial Pablo Iglesias.
  • Sevillano Calero, F. (2020). La Europa de entreguerras. El orden trastocado. Síntesis.
  • Stone, N. (2013). Breve historia de la Primera Guerra Mundial. Ariel.

Como citar?

Citar a fonte original da qual extraímos as informações serve para dar crédito aos respectivos autores e evitar cometer plágio. Além disso, permite que os leitores acessem as fontes originais que foram utilizadas em um texto para verificar ou ampliar as informações, caso necessitem.

Para citar de forma adequada, recomendamos o uso das normas ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), que é uma entidade privada, sem fins lucrativos, usada pelas principais instituições acadêmicas e de pesquisa no Brasil para padronizar as produções técnicas.

GAYUBAS, Augusto. Reparações de guerra (Tratado de Versalhes, 1919). Enciclopédia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/reparacoes-de-guerra-tratado-de-versalhes-1919/. Acesso em: 9 julho, 2024.

Sobre o autor

Autor: Augusto Gayubas

Doutor em História (Universidad de Buenos Aires)

Traduzido por: Cristina Zambra

Licenciada em Letras: Português e Literaturas da Língua Portuguesa (UNIJUÍ)

Data da última edição: 25 fevereiro, 2024
Data de publicação: 26 outubro, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)