Império Otomano

Vamos explicar o que é o Império Otomano e como era sua organização político-territorial. Além disso, suas características, decadência e muito mais.

O Império Otomano controlou o sudeste europeu, o Oriente Médio e o norte de África.

O que foi o Império Otomano?

O Império Otomano foi um estado monárquico que existiu entre 1299 e 1922 d.C. Cresceu desde a Anatólia (atual Turquia) e chegou a abranger o sudeste europeu, o Próximo Oriente e o norte da África. Foi governado pela dinastia Osmanli, também conhecida como a Casa de Omã, uma linhagem de origem turca.

Seus governantes mais destacados foram Mehmed II (1444–1481), que conquistou Constantinopla; Selim I (1512–1520), que incorporou o Oriente Médio asiático e o Egito ao Império e Solimão, o Magnífico (1520–1566), que conquistou o sudeste europeu.

O Império Otomano foi um estado multiétnico que incluiu populações de grande heterogeneidade cultural e religiosa. Em sua longa história, esteve envolvido em numerosos conflitos que afetaram o devir de outras potências.

Em 1453, os otomanos tomaram Constantinopla (capital do Império Romano do Oriente) e a converteram em sua capital, sob o nome de Istambul. Dali, conseguiram constituir um grande império que perdurou até o século XIX.

Nos últimos tempos do império, os movimentos nacionalistas, a competição com as potências estrangeiras e os conflitos internos levaram a uma época de crise e instabilidade. Durante a Primeira Guerra Mundial, o Estado otomano realizou o genocídio armênio, considerado por muitos historiadores como o primeiro genocídio do século XX.

Com o fim da Grande Guerra, a derrota terminou em uma série de tratados que impuseram uma divisão dos territórios do império e a constituição da atual República da Turquia.

Localização geográfica do Império Otomano

Imperio Otomano
Durante sua época de esplendor, o Império Otomano chegou a abarcar quase toda a bacia do Mediterrâneo.

No seu auge, o Império Otomano era composto por 29 províncias e quatro estados vassalos: Moldávia, Transilvânia, Valáquia e Crimeia. Limitava a oeste com Marrocos, a leste com o mar Cáspio, ao norte com a Europa e o Mediterrâneo ocidental, e a sul com o Sudão, a Somália, a Eritreia e a Arábia.

O Império Otomano se estabeleceu como ponte entre o Oriente e o Ocidente, ocupando uma posição central nos conflitos mundiais durante quase seis séculos. Na sua época de apogeu, o seu território ligava três continentes: a Europa, a África e a Ásia.

Localização temporária do Império Otomano

O Império Otomano foi fundado em 1299 d.C. e perdurou até 1922 d.C. Em seus mais de 600 anos de história, o Estado otomano viveu o final da Idade Média, atravessou a Idade Moderna e subsistiu até meados da Idade Contemporânea.

História do Império Otomano

Origem (século XIII)

Desde o XI d.C., a Anatólia era governada pelo Sultanato de Rüm (uma monarquia governada pela dinastia seljúcida). Dentro do território, havia diferentes tribos turcomanas que haviam emigrado da Ásia central e pagavam impostos ao sultão para afirmar sua fidelidade.

Em meados do século XIII d.C., o Império Mongol venceu a dinastia seljúcida e as tribos turquemenas ganharam independência. Uma dessas tribos, originalmente localizada nas colinas de Bitínia, era liderada por Osman I, fundador da dinastia Osmanli. Osmán iniciou uma série de campanhas e começou a expandir seus territórios.

Conformação do Império Otomano (século XIV)

Durante o século XIV, os descendentes de Osman I continuaram o seu legado e realizaram uma série de conquistas que permitiram formar um estado territorial em toda a Anatólia e a península balcânica europeia.

Os cristãos ocidentais iniciaram cruzadas para evitar o avanço dos otomanos em direção à Europa.

Fetret, crise e auge imperial (séculos XV e XVI)

Imperio Otomano
Mehmed II conquistou Constantinopla e a transformou na capital do Império Otomano.

No início do século XV, o Império Mongol invadiu a Anatólia e quase conseguiu desintegrar o estado otomano. Após um período conhecido como Fetret (“interregno”), Mehmed I conseguiu reconquistar territórios e erigir-se como novo governante do Estado otomano. Durante décadas, Mehmed e seus sucessores se dedicaram a restabelecer a ordem interna, suprimir as revoltas dos principados conquistados e centralizar o poder na dinastia Osmanli.

Desde meados do século XV, com a conquista definitiva dos Bálcãs, o império iniciou um período de crescimento e esplendor, marcado pela solidez das suas instituições e pelo contínuo alargamento das suas fronteiras.

Maomé II conquistou Constantinopla e a transformou em Estambul, nova capital imperial. Durante o reinado de Selim I (1512–1520), o Império Otomano tornou-se o estado mais poderoso do Oriente Médio e do norte da África; e com a liderança do seu filho, Solimão, o Magnífico (1520–1566), o império reforçou os seus domínios europeus e conquistou o reino húngaro.

Sultanato das mulheres (séculos XVII e XVIII)

Imperio Otomano
O palácio de Topkapi foi a sede política e administrativa do Império Otomano entre 1465 e 1853.

É conhecido como o Sultanato das Mulheres do período que vai de meados do século XVI até o final do século XVII. Neste tempo, algumas vezes, os herdeiros legítimos se tornavam sultões quando ainda eram muito pequenos ou por alguma razão eram ineptos para governar. Por isso, as valide sultanas (mães legais dos sultões) exerceram muitas vezes a sua influência e, na prática, agiram como sultanas.

No entanto, não se deve confundir o nome do período com a ideia de que as mulheres efetivamente exerciam como sultanas ou podiam ser herdeiras legítimas. Foi um período em que se permitiu a excepcionalidade de que as valide sultanas se convertessem em regentes oficiais dos sultões em momentos de instabilidade ou debilidade política da dinastia imperial.

A maior expoente desse período foi Valide Kösem Sultan, também chamada Mahpeyker, que foi regente de duas dinastias e com sua habilidade para a política conseguiu restabelecer a ordem interna em momentos de instabilidade.

No século XVII começaram a aparecer as fraquezas militares. Os iranianos atacaram as fronteiras orientais e tomaram os territórios do Cáucaso, Azerbaijão, Iraque e sudeste da Anatólia. Esta fraqueza foi reforçada pelas revoltas curdas na Síria. No entanto, Murad IV (1623–1640) conseguiu retomar o controle na Anatólia e no Oriente Médio árabe e, em 1639, assinou um tratado de paz com os iranianos, através do qual se estabeleceu o controle otomano do Iraque e o controle iraniano Azerbaijão e o sul do Cáucaso.

No entanto, os conflitos internos e as disputas pelo sultanato continuaram durante os reinados de Ibrahim (1640–1648) e Mehmed IV (1648–1687). Este período foi marcado pela ascensão ao poder da família Kröpülü, cujos membros exerceram como visores do sultão e conseguiram melhorar a estabilidade do poder por algumas décadas.

Em 1645 começou a Grande Guerra Turca, um conflito que durou até o final do século, em que os otomanos enfrentaram várias potências (como o Sacro Império Romano germânico, Império Russo e a República de Veneza, entre outras) a fim de se expandir pelo território europeu.

No final do século, os otomanos tentaram conquistar Viena, capital do Sacro Império Romano germânico e fracassaram. Esta derrota levou a uma grande perda de recursos militares, organização e de disciplina, além dos territórios da Hungria e da Transilvânia.

Durante o século XVIII, o império viu-se em constante conflito com a monarquia dos Habsburgos e com os czares russos.

Reformas e surgimento dos movimentos nacionalistas (século XIX)

No início do século XIX, Selim III (1789–1807) introduziu uma série de reformas para melhorar o estado geral do império e a organização militar. Por sua vez, desempenhou um papel fundamental nos jogos de alianças das potências europeias (com a França, a Inglaterra e com a Rússia). No entanto, os conflitos de poder internos continuaram e as diferentes facções intervieram no poder (por exemplo, com a “Revolta dos Janízaros” em 1807).

Em meados do século XIX, o império encontrava-se em uma grave crise econômica e administrativa. Em 1876, o sultão foi deposto por um grupo político heterogêneo, conhecido como “os Jovens Turcos”, que buscava restaurar um governo constitucional e democrático. Foi instituída uma monarquia parlamentar, conhecida como a “Primeira Constituição”, que durou apenas um ano até o novo sultão conseguir dissolvê-la.

Além disso, durante o século XIX, estenderam-se os movimentos nacionalistas que procuravam criar estados próprios para as nações ou etnias que habitavam o império. Muitos deles foram apoiados pelos países europeus, que podiam beneficiar com o enfraquecimento do império.

Nos Bálcãs, registaram-se as revoltas nacionalistas da Grécia e da Sérvia, e a perda de territórios fundamentais para o império, como a ilha de Creta. Mais tarde, Mehmet Ali, governador turco no Egito, rebelou-se contra o poder osmanli e conseguiu uma grande autonomia para o Egito e para os territórios sírios. E, desde o final do século, o movimento nacionalista armênio começou a se organizar através de diferentes partidos.

Revolução e ascensão dos “Jovens Turcos” (séculos XIX e XX)

Imperio Otomano
Os “Jovens Turcos” impuseram uma monarquia parlamentar e colocaram Mehmed V como sultão.

Entre 1896 e 1909 governou Abdul Hamide, cujo propósito foi dar unidade e integridade ao império que se estava desmembrando. Tentou parar a expansão das ideias nacionalistas. Por um lado, destacou os direitos de todos os cidadãos imperiais e aludiu à ideia da grande pátria otomana. Mas, por outro lado, utilizou a polícia para perseguir e reprimir a expressão de pensamentos opositores ao regime.

Durante seu governo, os interesses financeiros europeus terminaram se coordenando dentro do território otomano. Sob a forma de investimentos para a construção de ferrovias e portos, do capital estrangeiro e da dívida, eles foram fortemente introduzidos no império. No entanto, os investimentos não foram associados ao setor industrial, como consequência, com o tempo, criou-se uma dependência das importações provenientes dos mercados europeus.

Em 1908, através de uma rebelião, os Jovens Turcos obrigaram o governo de Abdul Hamide a restabelecer a Constituição de 1876. Depois, o novo parlamento pronunciou a sua demissão e impôs a nomeação de Abdul Hamide II como novo sultão, embora com um poder limitado.

Entretanto, face à instabilidade interna, as potências europeias pressionaram as fronteiras. Os Habsburgos anexaram os territórios da Bósnia e da Herzegovina, e a Bulgária declarou a sua independência.

Por outro lado, passados os meses, o novo regime parlamentar liderado pelo CUP (partido maioritário) começou a enfrentar uma grande oposição interna, vinculada aos círculos políticos conservadores otomanos, às altas hierarquias religiosas, porções do exército e ao mesmo sultão. Em 1909, começou uma contrarrevolução que foi sufocada em poucas semanas.

Primeira Guerra Mundial, Genocídio armênio e desintegração do império (século XX)

Imperio Otomano
O genocídio armênio começou com sua deportação durante a Primeira Guerra Mundial.

Na Primeira Guerra Mundial, o governo otomano aliou-se aos impérios centrais (Alemanha e Áustria-Hungria), contra a França, o Reino Unido e a Rússia. Durante a guerra, a frente mais importante para os otomanos foi a fronteira com a Rússia no Cáucaso e a região da Armênia tornou-se a principal zona de luta.

Foi neste contexto que se deu o genocídio armênio, considerado por muitos historiadores como o primeiro genocídio do século XX. Em princípio, o governo otomano implementou uma política de “terra queimada” na região e expulsou a minoria armênia, acusada de ajudar as tropas russas. Depois, o governo dos Jovens Turcos deportou centenas de milhares de armênios de todas as regiões da Anatólia para a Mesopotâmia e a Síria.

Calcula-se que nas fronteiras com a Síria e o Iraque existiram mais de vinte e cinco campos de concentração que foram utilizados para confinar a população armênia. Atualmente, o número de vítimas armênias é discutido por diversas posições. Fontes alemãs (aliadas ao Império Otomano durante a guerra) estimaram mais de um milhão e meio de vítimas. Em vez disso, os meios de comunicação social otomanos baixaram para meio milhão de vítimas.

Com o fim da Primeira Guerra Mundial, a assinatura do Tratado de Versalhes estabeleceu a divisão do Império Otomano. Algumas regiões do império foram anexadas pelas potências vitoriosas da guerra; outras conseguiram sua independência e se constituíram como novos Estados. No entanto, os conflitos na região se prolongaram e foi só com os tratados de Sevres (1920) e Lausanne (1923) que ficaram delimitados os novos limites da República da Turquia.

Organização política do Império Otomano

Imperio Otomano
Mehmed II estabeleceu as bases da organização política do Império Otomano.

Desde a sua fundação até o final do século XIX, a principal forma de governo do Império Otomano foi a de uma monarquia absoluta na qual governava um sultão. Durante os governos de Mehmed II (1451–1481) e Solimão, o Magnífico (1520–1566), estabeleceu-se a organização política do império que, com certas modificações, produto do contexto histórico, manteve-se durante séculos.

O sultão, “senhor de dois mares e dois continentes”, encontrava-se no auge de uma estrita hierarquia estatal. O cerimonial e os protocolos lhe outorgavam um lugar sagrado, vinculado com o mandato divino muçulmano.

Imediatamente abaixo do sultão estava o grão-vizir, que presidia o Van, o Conselho de Estado. Além disso, estavam os janízaros (soldados do sultão) e o Agá (seu comandante), os juristas (que redigiam as leis), os ulemás (hierarquia religiosa) e os defterdar (tesoureiros do império).

No vasto território do império, a soberania do sultão era exercida em relação à proximidade ou afastamento da capital. As regiões mais próximas de Constantinopla estavam divididas em beylerbeyilik (regiões) e sanjacos (províncias), e estavam sujeitas a um maior controle e dependência do poder central. Em contrapartida, nas zonas mais afastadas, os territórios estavam organizados como principados semiautônomos.

Organização social no Império Otomano

A sociedade otomana estava dividida em duas classes:

  • Asker. Eram os soldados e servidores do estado. Praticavam a fé muçulmana, juravam fidelidade perpétua ao sultão e se integravam na complexa estrutura de costumes, conduta e linguagem que caracterizava o cerimonial otomano.
  • Re'aya. Era o resto da população otomana, que através de sua produção e trabalho sustentavam o Estado pagando impostos.

Esta distinção não era estamental e nem rígida, já que as pessoas podiam, em relação à sua ocupação, passar de uma classe para outra. Tratava-se antes de uma distinção jurídica que permitia estabelecer privilégios ou deveres segundo a sua pertença à estrutura burocrática imperial.

Por outro lado, o Império Otomano era um Estado multiétnico, composto por centenas de povos e comunidades de diferentes origens, que viviam dentro do território do império, mas que conservavam seus costumes e práticas religiosas com bastante autonomia. A proteção e a liberdade do império permitiram a estas comunidades manter por séculos uma identidade própria vinculada a sua língua, aos seus costumes, as suas crenças e a sua história.

Durante os séculos XIX e XX, muitas destas comunidades tomaram a iniciativa, no contexto histórico e do crescimento dos movimentos nacionalistas europeus, de reivindicar uma autonomia total e, com o tempo, gerar a queda e a desintegração do império.

Religião no Império Otomano

Imperio Otomano
A religião oficial do Império Otomano era o Islã.

A religião oficial do Império Otomano era o Islã e a expansão de seus territórios obedeceu, em princípio, ao propósito de levar a religião a todo o mundo. No entanto, durante os primeiros séculos, os turcos mostraram uma grande tolerância em relação à prática de outras religiões dentro do império.

O grupo de homens que pertenciam à administração da religião era chamado de ilmiye. Na parte de cima estava o grande mufti de Istambul, a mais alta hierarquia religiosa, de quem dependiam as nomeações dos demais cargos religiosos de importância.

Com a expansão territorial, foram incorporadas populações de diversas etnias e crenças. Em princípio, os turcos não procuraram islamizar estas populações e permitiram-lhes praticar livremente as suas religiões. Consideravam que em um império multiétnico era mais fácil governar comunidades com certo grau de autonomia e cobrar, por sua vez, um imposto extra para manter algumas liberdades.

Por outro lado, em vez de dividir os grupos pela sua origem étnica, as autoridades otomanas organizavam as comunidades conquistadas segundo a sua prática religiosa em diferentes millet: ortodoxo, armênio gregoriano, judeu, católico ou protestante.

Então, as comunidades que não eram muçulmanas se organizavam em torno de seus líderes religiosos. E as hierarquias de cada millet eram formadas por reconhecidos assessores próximos ao sultão otomano.

Referências

  • Bennassar, B., Jacquart, J., Blayau, N., Denis, M., & Lebrun, F. (2005). Historia moderna (Vol. 8). Ediciones AKAL.
  • Kia, M. (2011). Daily life in the Ottoman Empire. ABC-CLIO.
  • Romero, E. y Romero, I. (2017). Breve historia del Imperio Otomano. Ediciones Nowtilus
  • Hintlian, G. (2003). El genocidio armenio. Historia y política: Ideas, procesos y movimientos sociales, (10), 65-94.

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

KISS, Teresa. Império Otomano. Enciclopedia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/imperio-otomano/. Acesso em: 24 abril, 2024.

Sobre o autor

Autor: Teresa Kiss

Professora de História do ensino médio e superior.

Traduzido por: Cristina Zambra

Licenciada em Letras: Português e Literaturas da Língua Portuguesa (UNIJUÍ)

Data da última edição: 1 abril, 2024
Data de publicação: 18 setembro, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)