Anos vinte dourados

Vamos explicar o que foram os “anos vinte dourados”. Além disso, suas características econômicas e seu precipitado final.

A recuperação econômica do pós-guerra resultou em “anos loucos”.

O que foram os “anos vinte dourados”?

Os termos “anos vinte dourados” e “anos loucos” designam nos Estados Unidos a década de 1920 e na Europa Ocidental e outros lugares (como as cidades do México, Buenos Aires ou Sydney) à segunda metade da década de 1920.

Foram anos de crescimento econômico e de transformações políticas, sociais e culturais. O crack da Bolsa de Nova York de 1929 e o início da crise de 1930 precipitaram o final a estes “anos vinte dourados”.

Os “anos vinte dourados” fizeram parte do Período Entreguerras que começou depois do fim da Primeira Guerra Mundial (1914–,1918) e cujos primeiros anos foram atravessados pelas negociações de paz e pelas dificuldades econômicas (principalmente na Europa). Entre as características culturais deste período, registram-se a difusão de ritmos como o jazz, o charleston e o tango, a moda “flapper”, o art déco e o consumo de massas (com o impulso do rádio para uso doméstico e o cinema, que começou a ser sonoro em 1927).

Nos Estados Unidos, especialmente em Chicago e em Nova York, aumentou a construção de arranha-céus, que também começaram a aparecer em outras grandes cidades do mundo. Além disso, foi representativa dessa época a lei seca que, entre 1920 e 1933, proibiu a comercialização de bebidas alcoólicas nos Estados Unidos e deu lugar ao crescimento de bares clandestinos e ao crime organizado.

PONTOS IMPORTANTES

  • Os “anos vinte dourados” foram uma época de prosperidade econômica e consumo de massas que durou toda a década de 1920 nos Estados Unidos e a segunda metade da década na Europa e em outras partes do mundo.
  • Os “anos vinte dourados” foram uma época de prosperidade econômica e consumo de massas que durou toda a década de 1920 nos Estados Unidos e a segunda metade da década na Europa e em outras partes do mundo.
  • Os “anos vinte dourados” terminaram de repente quando a Bolsa de Valores de Nova York caiu em 1929. A partir de então começou a Grande Depressão, que ocupou a maior parte da década de 1930.

O Plano Dawes e as indenizações de guerra

Uma comissão presidida por Charles Dawes reestruturou a dívida alemã.

O Plano Dawes, elaborado por uma comissão presidida pelo americano Charles Dawes em 1924, permitiu a reestruturação dos pagamentos a título de reparações de guerra por parte da Alemanha (que tinham sido estabelecidos após o Tratado de Versalhes de 1919), o que aliviou a sua carga anual.

Os empréstimos norte-americanos prometidos no plano também contribuíram para o reforço das finanças públicas alemãs, condição necessária para a estabilização e o relançamento da economia alemã.

Se a Alemanha pagasse as reparações, ainda que em condições mais favoráveis, o problema das dívidas entre os aliados também estava em vias de solução, pois a França, o Reino Unido e a Itália dependiam dos pagamentos efetuados pela Alemanha para poderem pagar as suas próprias dívidas aos Estados Unidos.

A prosperidade econômica dos Estados Unidos

Os “anos loucos” nos Estados Unidos promoveram o entretenimento e o consumo de massas.

A economia dos Estados Unidos da década de 1920, desde então a maior e a mais rica em termos de PIB per capita, encontrava-se em uma fase de expansão em consequência da difusão generalizada das inovações resultantes da Segunda Revolução Industrial. Estas inovações técnicas afetaram a produção (aço barato e de qualidade, eletricidade, maquinaria agrícola e industrial autopropulsada) e o consumo das famílias (automóveis, eletrodomésticos, telefones).

Alguns costumes e manifestações culturais dos “anos vinte dourados” americanos repetiram-se em algumas cidades da Europa (como Berlim ou Paris) e em outras regiões durante a segunda metade da década de 1920. Mesmo na Alemanha, depois dos piores anos do pós-guerra, a República de Weimar se caracterizou por uma grande criatividade intelectual e estética.

Mas o dinamismo social e econômico dos Estados Unidos na década de 1920 também antecipou padrões de consumo que se estenderam pela Europa ocidental na chamada “Idade de Ouro” do crescimento econômico (entre 1950 e 1973), e mais tarde pelo resto do mundo.

Portanto, no final de 1924, havia razões para um certo otimismo, e o crescimento econômico da segunda metade dos anos vinte não se limitou aos Estados Unidos.

O regresso ao padrão ouro

No contexto mais favorável dos anos vinte, começou-se a considerar, em alguns países, a possibilidade de abandonar as taxas de câmbio flutuantes (isto é, não fixas) e regressar ao padrão-ouro, que era considerado o símbolo de um passado melhor (anterior à guerra).

Os Estados Unidos tinham se antecipado à Conferência de Bruxelas (1920) e, junto com um grupo de países especialmente integrados em sua economia (Cuba, Filipinas, Nicarágua, Panamá), já havia dado esse passo. Mas outros países não tinham as reservas de ouro necessárias para seguir esse exemplo.

Com o objetivo de evitar os problemas que poderiam decorrer desta situação quando se tornasse realidade a recuperação econômica, na Conferência de Gênova (1922), convocada pela Sociedade das Nações, foi adotado pela primeira vez na história um sistema monetário internacional negociado entre muitos países.

Tratava-se de uma versão um pouco modificada do padrão-ouro clássico. Consistia em admitir como base monetária não só o ouro, mas também moedas convertíveis em ouro. Na prática, estas foram a libra esterlina e o dólar. Cada país era igualmente autorizado a adotar o padrão-ouro sempre que quisesse e à taxa de câmbio que considerasse adequada, ou seja, de forma descoordenada.

As consequências econômicas do regresso do padrão-ouro na Europa

As consequências econômicas do regresso ao padrão de câmbio fixo dependeram da taxa de câmbio estabelecida, ou seja, de acordo com a taxa de câmbio de mercado, se correspondia ou não. Em alguns casos, as decisões não foram suficientemente realistas.

No Reino Unido, estabeleceu-se uma paridade idêntica à dos anos anteriores à guerra. Isto fazia parte da tentativa de recuperar para Londres a condição de capital financeira do mundo graças a uma moeda forte.

No entanto, uma vez que os preços britânicos aumentaram relativamente em 1913, a nova paridade sobrevalorizaria a libra e as exportações deixariam de ser competitivas nos mercados externos. Para que se mantivessem competitivas, era necessário um reajuste em relação aos preços e aos salários, como previsto pelo economista John Maynard Keynes. E foi o que aconteceu.

A adoção da paridade pré-guerra em 1925 recebeu como resposta a greve geral de 1926, a primeira da história britânica. Além disso, o desemprego instalou-se na economia britânica e tornou necessário ampliar o subsídio aos desempregados, o que aumentou as despesas públicas e forçou o Estado a endividar-se.

Na França, as coisas foram diferentes. O país regressou ao padrão de câmbio fixo em 1926, mas a uma paridade muito inferior a dos anos anteriores à guerra. Com uma divisa subavaliada, as exportações francesas cresceram, o que gerou um efeito de arrastamento sobre o conjunto da economia francesa e favoreceu o aumento das reservas de ouro.

Em 1930, quase todos os países com economias de certa importância tinham retornado ao padrão-ouro.

Da prosperidade econômica à crise de 1929

Os “anos vinte dourados” terminaram repentinamente depois do crack de 1929.

Uma importante novidade político-econômica dos anos vinte foi o crescente papel econômico do Estado em relação à época do laissez faire da época anterior à Primeira Guerra Mundial. A despesa pública tendeu a aumentar, particularmente nas suas áreas sociais (pensões, desemprego, saúde, educação e habitação). Em uma amostra das economias mais avançadas, a despesa pública passou de 11% do PIB em 1870 para 13% em 1913 e para 23% em 1937.

O relançamento da atividade econômica na segunda metade dos anos vinte teve lugar em um contexto internacional menos propício às trocas do que o do período 1870–1913. Esta orientação menos globalizada do período entre guerras, mesmo na sua fase de “normalização”, foi observada nos números do comércio internacional: em 1913, tinha crescido para 3,4%; em 1926–1929, cresceu para 2,2%.

A drástica redução das migrações desde 1914 foi outra manifestação de uma economia internacional menos globalizada. No entanto, continuava a depender do fluxo de capitais dos Estados Unidos para a Europa e, em especial, para a Alemanha.

Os países da Europa Central e Oriental também beneficiaram dos fluxos de capital, embora em menor escala. A Inglaterra e a França também investiram no exterior, mas, ao contrário do que tinha acontecido até a Primeira Guerra Mundial, muito menos do que os Estados Unidos. Outras áreas do mundo, como os territórios do Império Britânico e da América Latina, também foram destinatárias dos movimentos internacionais de capital.

A estratégia construída na década de 1920 começou a perder sentido quando, atraídos pela bolha financeira que estava se expandindo na Bolsa de Valores de Nova York, desde 1928 os investidores americanos começaram a parar de investir no exterior.

A maior crise econômica da história do capitalismo não tardou em se fazer sentir em todo o mundo depois do crack da Bolsa em 1929.

Referências

  • Aldcroft, D. H. (2003). Historia de la economía europea 1914-2000. Crítica.
  • Britannica, Encyclopaedia (2023). gold standard. Encyclopedia Britannica. https://www.britannica.com/ 
  • Britannica, Encyclopaedia (2022). Prohibition. Encyclopedia Britannica. https://www.britannica.com/ 
  • Sevillano Calero, F. (2020). La Europa de entreguerras. El orden trastocado. Síntesis.

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

GAYUBAS, Augusto. Anos vinte dourados. Enciclopédia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/anos-vinte-dourados/. Acesso em: 27 maio, 2024.

Sobre o autor

Autor: Augusto Gayubas

Doutor em História (Universidad de Buenos Aires)

Traduzido por: Cristina Zambra

Licenciada em Letras: Português e Literaturas da Língua Portuguesa (UNIJUÍ)

Data da última edição: 31 dezembro, 2023
Data de publicação: 7 outubro, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)