Povoados Mágicos (México)

Vamos explicar o que são os Povoados Mágicos e qual é o objetivo deste programa. Além disso, quais são suas características, requisitos e muito mais.

Pueblos mágicos - México
A Secretaria de Turismo do México promove e recompensa a conservação das tradições.

O que são os Povoados Mágicos?

Os Povoados Mágicos são um conjunto de comunidades que se encontram ao longo do território do México e que se consideram representativos da cultura da nação. São povos que conservam as antigas tradições indígenas, o patrimônio histórico colonial, heranças da época revolucionária e outros atributos únicos que os tornam atrativos para o desenvolvimento do turismo.

A designação de Povoado Mágico é ministrada desde 2001 pela Secretaria de Turismo do México (SECTUR), incentiva e recompensa a preservação das tradições e do acervo cultural histórico mexicano através de uma intensa campanha de promoção turística a nível nacional e internacional.

Neste sentido, a SECTUR e outras instituições governamentais fazem cumprir os requisitos que os povos devem apresentar para serem incluídos ou permanecer dentro deste programa. Assim, a designação de Povoado Mágico não é um título permanente, mas as comunidades devem renová-lo periodicamente.

Características dos Povoados Mágicos

Os Povoados Mágicos compartilham as seguintes características:

  • São comunidades que conservam o patrimônio cultural e natural do país.
  • São selecionados pela Secretaria de Turismo do México para promover o turismo nacional e internacional.
  • Conservam tradições indígenas, o patrimônio histórico colonial, heranças da época revolucionária, suas paisagens e sua biodiversidade.

O Programa Povoados Mágicos

O Programa Povoados Mágicos foi implementado pela primeira vez durante o governo do presidente Vicente Fox, em 2001. Foi uma ideia de Eduardo Barroso Alarcón, que ocupava neste momento o cargo de Subsecretário de Operações Turísticas.

A primeira localidade a ser declarada Povoado Mágico foi Huasca de Ocampo, no estado de Hidalgo. Neste mesmo ano, acrescentaram-se à lista Mexcaltitán, Tepoztlán e Real de Catorze. O total de populações que possuem atualmente o status de Povoado Mágico é de 132 localidades e estão distribuídas entre as 32 entidades federativas que compõem o país.

Benefícios do Programa Povoados Mágicos

Os principais benefícios que produziu o Programa Povoados Mágicos foram:

  • Aumento do turismo. O afluxo de turistas às localidades selecionadas pelo programa aumentou mais de 50%, o que contribuiu com mais de 400 milhões de dólares por ano para o país. O turismo é uma atividade econômica fundamental para o México e representa mais de 7% do seu PIB.
  • Aumento do emprego. O aumento dos turistas que chegam aos Povoados Mágicos gerou oportunidades de trabalho para as comunidades em diversas áreas, como gastronomia, hotelaria e venda de artesanatos.
  • Valorização do patrimônio histórico e cultural do México. Ao obter a denominação de Povoado Mágico, as comunidades recebem apoio econômico do governo para valorizar seu patrimônio cultural e histórico. Deste modo, podem restaurar e preservar monumentos, edifícios históricos e tradições culturais.
  • Melhoria da qualidade dos serviços e infraestruturas. Graças ao aumento do número de turistas que recebem, os Povoados Mágicos melhoraram a quantidade e a qualidade dos serviços que oferecem através de investimentos públicos e privados. Isto resultou em melhorias nas infraestruturas de transporte, alojamentos e restaurantes.

A repercussão do programa internacionalmente foi tão positiva que países como Espanha, El Salvador, Peru, Colômbia, Chile e Equador realizaram pedidos de assessoria à Secretaria de Turismo mexicana com o fim de inaugurar variantes locais do programa em seus territórios.

Localização e população dos Povoados Mágicos

O número de Povoados Mágicos do México varia permanentemente devido a que novas localidades são aceitas como parte do programa e outras são retiradas por não cumprirem com os requisitos estabelecidos.

Estes povoados se situam em todas as entidades federativas do México e somam uma população aproximada de 2,5 milhões de habitantes. As entidades federativas que têm maior quantidade de Povoados Mágicos são Jalisco, Puebla e o Estado do México, com sete cada uma. Baixa Califórnia e Tabasco, ao contrário, têm só um cada.

Por outro lado, os Povoados Mágicos concentram mais de 3 mil hotéis e se encontram cerca de 35 áreas naturais protegidas e 21 zonas arqueológicas.

Muitos Povoados Mágicos têm maioria de população indígena: em Huautla de Jimenez, trata-se de 98,1% dos habitantes; em Zozocolco de Hidalgo, 93,2%, e em Cuetzalán do Progresso, 80,9%.

Além disso, desde suas designações como Povoados Mágicos, algumas localidades aumentaram consideravelmente sua população. É o caso de Chiapa de Corzo ou Tulum, que nos últimos anos aumentaram 52% e 37%, respectivamente.

Critérios de seleção e permanência no programa

Pueblos mágicos - México
Algumas localidades já não são Povoados Mágicos por descumprirem os requisitos.

A SECTUR mexicana exige que as comunidades aspirantes ao título de Povo Mágico cumpram com os seguintes requisitos, entre outros:

  • Encontrar-se a menos de 200 quilômetros de um destino turístico principal.
  • Criar formalmente um Comitê Povoado Mágico.
  • Ter um programa de desenvolvimento turístico local para os próximos três anos.
  • Garantir serviços de saúde e segurança pública para os turistas.
  • Ter condições de conectividade e comunicação.
  • Evidenciar o atrativo simbólico ou cultural da localidade.

Do mesmo modo, as populações já designadas devem renovar anualmente a sua permanência na lista. Para isso, é exigido:

  • Manter o Comitê Povoado Mágico ativo e atualizado em suas resoluções.
  • Executar os planos e programas turísticos estabelecidos.
  • Manter os serviços logísticos, de saúde e segurança necessários para proteger os turistas.
  • Aumentar a quantidade e qualidade da oferta hoteleira e gastronômica.
  • Garantir o funcionamento de um sistema de informação estatístico.

Se um povoado não cumprir com algumas destas características, pode perder sua categoria de Povoado Mágico e ser retirado do programa.

Críticas ao programa

Pueblos mágicos - México
A distribuição territorial desigual é uma das críticas ao programa.

As maiores críticas que o Programa Povoados Mágicos já recebeu são:

  • Sua desigualdade na distribuição territorial. O programa foi criticado porque a seleção dos Povoados Mágicos privilegiou certas regiões do país e deixou de lado muitas outras localidades com igual ou maior potencial turístico. Isto levou a que alguns estados ou regiões tenham uma maior concentração de Povoados Mágicos, enquanto outras áreas praticamente não foram consideradas.
  • O impacto sobre a autenticidade cultural. A melhoria turística em alguns Povoados Mágicos tem gerado preocupação pela perda da autenticidade cultural e pela mercantilização excessiva das tradições locais. Estas críticas afirmam que o afluxo em massa de turistas pode levar a uma adaptação das expressões culturais para satisfazer os visitantes, o que poderia alterar a essência original da cultura da comunidade.
  • A falta de infraestruturas adequadas. Alguns Povoados Mágicos experimentaram um aumento significativo no número de visitantes sem contar com a infraestrutura necessária para atender à demanda. Disso, resultaram problemas relacionados com o tratamento dos resíduos, da escassez de água e de alguns serviços públicos ineficientes.
  • O impacto ambiental. Algumas críticas apontam para que o aumento do turismo pode ter um impacto negativo no meio natural local. A chegada de turistas, a construção de infraestruturas e a falta de regulamentos contribuíram para a degradação ambiental do entorno de algumas comunidades.
  • A dependência econômica do turismo. Em alguns casos, a economia local dos Povoados Mágicos se tornou muito dependente do turismo, o que pode gerar dificuldades econômicas se houver uma diminuição no afluxo de visitantes ou em situações de crise como aconteceu com a pandemia do COVID-19.
  • A falta de acompanhamento e apoio contínuo. Tem sido criticada a falta de acompanhamento e apoio contínuo do governo no desenvolvimento e promoção dos Povoados Mágicos após receber a designação. Alguns povos relataram dificuldades para acessar recursos e assessoramento, o que lhes limitou a sua capacidade de aproveitar ao máximo o potencial do programa.
  • O aumento da insegurança. A maior circulação de pessoas nos Povoados Mágicos também aumentou os casos de insegurança. Muitas críticas apontam que esses povos, que eram tranquilos e não tinham esses tipos de problemas, começaram a sofrer cada vez mais roubos, acidentes de trânsito, consumo de álcool e drogas, entre outros.

Continue com:

Referências

  • Equihua Elias, G., Messina Fernandez, S. R., Ramírez-Silva, J. P. (2015). Los Pueblos Mágicos: una visión crítica sobre su impacto en el desarrollo sustentable del turismo. Revista Fuente nueva época, 6(22). 
  • Gobierno de México. (2020). Pueblos Mágicos de México. Secretaría de Turismo . https://www.gob.mx/
  • Gobierno de México, Secretaría de Turismo y Pueblos Mágicos. (2019). Estrategia Nacional de Pueblos Mágicos. http://sistemas.sectur.gob.mx/
  • Millán, H. y Cota, C. (2021). Pueblos Mágicos: pobreza y desigualdad. Dimensiones Turísticas, 5(8), 63-86. https://doi.org/
  • Visit México (s. f.). Pueblos Mágicos. https://visitmexico.com/

Como citar?

Citar a fonte original da qual extraímos as informações serve para dar crédito aos respectivos autores e evitar cometer plágio. Além disso, permite que os leitores acessem as fontes originais que foram utilizadas em um texto para verificar ou ampliar as informações, caso necessitem.

Para citar de forma adequada, recomendamos o uso das normas ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), que é uma entidade privada, sem fins lucrativos, usada pelas principais instituições acadêmicas e de pesquisa no Brasil para padronizar as produções técnicas.

SPOSOB, Gustavo. Povoados Mágicos (México). Enciclopédia Humanidades, 2024. Disponível em: https://humanidades.com/br/povoados-magicos-mexico/. Acesso em: 19 julho, 2024.

Sobre o autor

Autor: Gustavo Sposob

Professor de Geografia do ensino médio e superior (UBA).

Traduzido por: Cristina Zambra

Licenciada em Letras: Português e Literaturas da Língua Portuguesa (UNIJUÍ)

Data da última edição: 21 fevereiro, 2024
Data de publicação: 21 fevereiro, 2024

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)