Cordilheira dos Andes

Vamos explicar o que é a cordilheira dos Andes, como se originou este cordão montanhoso e quais são as suas características gerais.

Cordillera de los Andes
A cordilheira dos Andes tem uma extensão aproximada de 7 mil quilômetros.

O que é a cordilheira dos Andes?

A cordilheira dos Andes é uma cadeia montanhosa que atravessa a América do Sul. Tem uma extensão aproximada de 7 mil quilômetros e vai do norte da Venezuela, passando pela Colômbia, Equador, Peru e Bolívia, até o sul do Chile e Argentina. Divide-se em três regiões: os Andes do norte, os Andes centrais e os Andes do sul.

Na cordilheira dos Andes se encontra o Cerro Aconcágua. Com 6961 metros de altura, é a montanha mais alta da América. Além disso, nela se encontra o vulcão Ojos del Salado, que é o mais alto do mundo, com uma altura de 6891 metros.

Ao longo da história, a cordilheira dos Andes tem sido fundamental para os povos da região, tanto no aspecto econômico como no cultural. Durante a conquista espanhola, teve lugar um processo sistemático de exploração e extração dos recursos naturais, em detrimento das comunidades indígenas locais. Por sua vez, para os povos indígenas andinos, a cordilheira não só representava uma fonte de recursos naturais, mas também ocupava um lugar central em suas cosmovisões e sistemas culturais.

Características da cordilheira dos Andes

As principais características da cordilheira dos Andes são:

  • Atravessa a América do Sul, da Venezuela, passando pelo Chile e pela Argentina.
  • Tem uma extensão aproximada de 7 mil quilômetros.
  • Começou a se formar há cerca de 65 milhões de anos.
  • É constituída de montanhas e vulcões.
  • Nela, encontram-se o Cerro Aconcágua, o mais alto da América, e o vulcão Ojos del Salado, o mais alto do mundo.
  • Subdivide-se em três regiões: os Andes setentrionais, os Andes centrais e os Andes austrais.
  • É rica em recursos minerais, como ouro, prata, lítio e cobre.
  • Foi fundamental para a cultura dos povos da região.

Formação da cordilheira dos Andes

A formação da cordilheira dos Andes começou durante a Era Cenozoica, no Período Terciário, há aproximadamente 65 milhões de anos. Foi formada pela interação da placa tectônica de Nazca, que se desloca para o leste, e da placa sul-americana, que se move para o oeste.

O impulso destas placas faz com que uma deslize por baixo da outra, em um processo chamado subducção. Assim, a placa que fica por cima se dobra e forma montanhas e vulcões.

A subducção da placa de Nazca sob a placa Sul-Americana tem sido um processo gradual, que continua até hoje. As montanhas se elevaram e sofreram mudanças em sua configuração devido à atividade tectônica, erosão e outros processos geológicos.

Subdivisões da cordilheira dos Andes

A cordilheira dos Andes pode ser dividida em três regiões:

  • Os Andes setentrionais. Estendem-se desde a Venezuela até o Peru. Compreendem três cordilheiras principais: a cordilheira Oriental, que nasce na Venezuela e termina no sul colombiano; e as cordilheiras Central e Ocidental, que se localizam na Colômbia.
  • Os Andes centrais. Estendem-se desde o Peru até o Nevado Tres Cruces, na fronteira entre o Chile e a Argentina. Ramificam-se em duas cordilheiras: a cordilheira Ocidental ou Vulcânica, que se caracteriza pela presença de vulcões e se localiza na fronteira entre a Bolívia e o Chile; e a cordilheira Central ou Real, que se estende desde o norte boliviano até o Cerro Zapaleri, entre a Bolívia, o Chile e a Argentina.
  • Os Andes sulistas ou meridionais. Estendem-se desde o nevado Tres Cruces, no norte do Chile e da Argentina, até Tierra del Fuego, na Argentina.

Por sua vez, os Andes sulistas ou meridionais se dividem em três sub-regiões:

  • Os Andes áridos. Encontram-se na região norte e centro, e incluem o cerro Aconcágua.
  • Os Andes patagônicos. Estão localizados no sul da Argentina e do Chile, e mostram uma diminuição acentuada da altitude e a presença de muitas passagens montanhosas, lagos, geleiras e vulcões.
  • Os Andes fueguinos. Localizam-se no extremo sul do continente.

A montanha mais alta da América

O Cerro Aconcágua é o mais alto da América.

Na cordilheira dos Andes, localiza-se o Cerro Aconcágua, o mais alto de todo o continente americano. Tem uma altitude de 6961 metros acima do nível do mar e está localizado na província de Mendoza, na Argentina.

Este cerro está localizado na região dos Andes centrais e é caracterizado por ser um dos principais objetivos dos andinistas do mundo. Milhares de turistas de todas as partes do planeta chegam à Argentina com o objetivo de escalar o Aconcágua. Acredita-se que o suíço Matthias Zurbriggen foi o primeiro a chegar ao topo do cerro, em 1897.

O vulcão mais alto do mundo

O vulcão Ojos del Salado é o mais alto do mundo.

O Nevado Ojos del Salado, que se encontra no norte do Chile e da Argentina, é o vulcão mais alto da cordilheira dos Andes e de todo o planeta. Tem uma altura de 6891 metros acima do nível do mar. Devido à sua localização geográfica, este vulcão tem condições climáticas muito secas e quentes, e por essa razão tem neve apenas em seus cumes e durante a época de inverno.

O vulcão Ojos del Salado não tem atividade há muitos anos, e acredita-se que sua última erupção possa ter ocorrido há mais de 1300 anos.

Como o Cerro Aconcágua, o Nevado Ojos del Salado resulta muito atrativo para escaladores de todo o mundo, que viajam pela Argentina e pelo Chile para alcançar o seu cume. Acredita-se que a primeira expedição que conseguiu chegar até o cume foi um grupo de andinistas poloneses em 1937.

Recursos minerais da cordilheira dos Andes

Por sua origem tectônica, a cordilheira dos Andes é muito rica em minerais. Durante séculos, os seres humanos extraíram e utilizaram esses recursos, pelo que a cordilheira dos Andes teve uma grande importância econômica para os países da região.

Alguns dos recursos minerais mais abundantes e explorados ao longo da história na cordilheira dos Andes são:

  • Cobre. Países como o Chile (primeiro produtor mundial), Peru e Argentina são importantes produtores deste metal. Chuquicamata, no Chile, é uma das maiores minas de cobre do mundo.
  • Prata. A mineração de prata tem sido historicamente significativa na cordilheira dos Andes. O Cerro Rico de Potosí, na Bolívia, foi um dos depósitos de prata mais importantes dos últimos séculos.
  • Ouro. A mineração de ouro tem sido uma atividade importante em vários lugares da cordilheira dos Andes. No Peru, na Venezuela e na Argentina, é uma atividade primária fundamental para a economia. A jazida Yanacocha, no Peru, é a maior do continente e uma das mais importantes mundialmente.
  • Lítio. Com o crescimento da tecnologia da bateria, a extração de lítio tornou-se cada vez mais relevante. O triângulo do lítio entre a Bolívia, a Argentina e o Chile concentra mais de 65% das reservas deste mineral estratégico em todo o mundo.

Clima da cordilheira dos Andes

O clima que caracteriza a cordilheira dos Andes, especialmente nas áreas mais altas, é o frio de altura. Este clima geralmente tem temperaturas muito baixas, especialmente no inverno. À medida que a altitude aumenta, o clima fica mais frio e as temperaturas diminuem consideravelmente. Por esta razão, as zonas mais altas da cordilheira estão cobertas de neve e gelo durante todo o ano.

A variabilidade climática ao longo da cordilheira dos Andes está influenciada também pela latitude. Nas regiões equatoriais, as temperaturas são mais temperadas, enquanto em latitudes mais altas, como na região da Patagônia argentina e chilena, o frio de altura é mais intenso e as condições climáticas são mais extremas.

Flora e fauna da cordilheira dos Andes

O desenvolvimento da flora e da fauna na cordilheira dos Andes é condicionado pela altura e baixas temperaturas. A flora da cordilheira varia de acordo com a altitude. Nos vales interandinos e nas terras baixas, encontram-se bosques que abrigam uma maior quantidade e diversidade de espécies. Com maiores altitudes, a flora diminui e se desenvolvem bosques de coníferas, que se caracterizam pela presença de espécies como o cipreste da cordilheira e o pinheiro colombiano.

A fauna andina também deve se adaptar à altura e ao frio. Espécies como vicunha e alpaca são adaptadas a altitudes elevadas e são resistentes a baixas temperaturas. Além disso, encontra-se uma grande variedade de aves, como beija-flores cordilheranos e águias.

Importância cultural da cordilheira dos Andes

A cordilheira dos Andes tem uma grande importância cultural, devido à sua conexão com diversas civilizações indígenas e com a história da América do Sul. Alguns de seus aspectos culturais mais destacados são:

  • O Império Inca. As cordilheiras dos Andes foram o coração do Império Inca, uma das mais importantes civilizações da América pré-colombiana. Cidades como Cusco, Machu Picchu e outros locais arqueológicos importantes estão localizados lá.
  • As cerimônias e os rituais. As comunidades indígenas que têm habitado e ainda habitam na região dos Andes desenvolveram cerimônias e rituais que estão ligados à topografia e aos elementos naturais da cordilheira. A veneração de montanhas, lagos e rios faz parte dessas práticas culturais.
  • Os recursos naturais. A cordilheira dos Andes tem proporcionado recursos essenciais para as sociedades ao longo da história. Desde a agricultura nos terraços incas até a exploração de minerais como a prata no Cerro Rico de Potosí, as cordilheiras dos Andes têm sido fundamentais para a economia regional e mundial.
  • O patrimônio arquitetônico. As antigas civilizações que povoaram os Andes deixaram um valioso legado arquitetônico. As construções incas, como as que se encontram em Machu Picchu, mostram a relação destas culturas com o ambiente montanhoso.
  • Mitologia e crenças. A cordilheira dos Andes tem sido parte integral da mitologia indígena, com montanhas e lagos considerados sagrados. A conexão espiritual com a natureza tem sido uma característica importante da cosmovisão andina.
  • As rotas comerciais. A cordilheira dos Andes tem sido central nas rotas comerciais pré-colombianas. A rede de caminhos incas, como o Qhapaq Ñan, facilitou o comércio e a interação entre diferentes regiões do Império Inca.

Continue com:

Referências

  • Fundación Aquae. (s.f.). ¿Cómo se forman las montañas? https://www.fundacionaquae.org/
  • GeoEnciclopedia. (2022). Cordillera de los Andes. https://www.geoenciclopedia.com/
  • Pizano Mallarino, O. y Cortés Solano, R. (2014). Paisajes culturales, territorio y cultura en la cordillera de los Andes. https://www.academia.edu/
  • Tarbuck, E. y Lutgens, F. (2005). Ciencias de la Tierra. Una introducción a la geología física. Pearson Educación.

Como citar?

Citar a fonte original da qual extraímos as informações serve para dar crédito aos respectivos autores e evitar cometer plágio. Além disso, permite que os leitores acessem as fontes originais que foram utilizadas em um texto para verificar ou ampliar as informações, caso necessitem.

Para citar de forma adequada, recomendamos o uso das normas ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), que é uma entidade privada, sem fins lucrativos, usada pelas principais instituições acadêmicas e de pesquisa no Brasil para padronizar as produções técnicas.

SPOSOB, Gustavo. Cordilheira dos Andes. Enciclopédia Humanidades, 2024. Disponível em: https://humanidades.com/br/cordilheira-dos-andes/. Acesso em: 9 julho, 2024.

Sobre o autor

Autor: Gustavo Sposob

Professor de Geografia do ensino médio e superior (UBA).

Traduzido por: Cristina Zambra

Licenciada em Letras: Português e Literaturas da Língua Portuguesa (UNIJUÍ)

Data da última edição: 6 maio, 2024
Data de publicação: 23 março, 2024

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)