Vice-reinado da Nova Espanha

Vamos explicar o que foi o vice-reinado da Nova Espanha, como foi fundado e seus vice-reis. Além disso, as suas características gerais, economia e cultura.

Virreinato de Nueva España
O vice-reinado da Nova Espanha existiu entre os séculos XVI e XIX.

O que foi o vice-reinado da Nova Espanha?

O vice-reinado da Nova Espanha foi uma das quatro divisões em vice-reinos nas quais as colônias americanas do Império Espanhol foram organizadas, junto com o vice-reinado do Peru, o vice-reinado de Nova Granada e o vice-reinado do Rio de la Plata.

Foi a primeira entidade territorial deste tipo fundada pela coroa espanhola na América após a derrota do Império Asteca. Sua capital foi estabelecida na antiga cidade mexicana, Tenochtitlan, hoje Cidade do México. Foi governada por um vice-rei (o primeiro foi Antonio de Mendoza y Pacheco), e sua enorme extensão territorial passou a abranger territórios conquistados pelos espanhóis na América do Norte, América Central e até mesmo partes da Ásia e Oceania.

O vice-reinado foi fundado no século XVI e durou até o século XIX, quando os primeiros e definitivos movimentos sociais levaram à Guerra da Independência que culminou em 1821. O Primeiro Império do México foi então erguido em seu lugar.

Extensão territorial

O território do vice-reinado era imenso. Em sua maior extensão, abrangeu todo o atual México e os atuais territórios americanos da Califórnia, Nevada, Colorado, Utah, Novo México, Arizona, Texas, Oregon, Washington, Flórida, partes de Idaho, Montana, Wyoming, Kansas, Oklahoma e Louisiana, bem como a região sudoeste da Colúmbia Britânica no atual Canadá.

A estes se somaram os territórios dos países atuais da Guatemala, Belize, Costa Rica, El Salvador, Honduras e Nicarágua, que formaram a Capitania Geral da Guatemala.

Além disso, Cuba, República Dominicana, Porto Rico, Trinidad e Tobago e Guadalupe formaram a Capitania Geral de Cuba, e os territórios das Filipinas, das Carolinas e das Marianas na Ásia e Oceania formaram a Capitania Geral das Filipinas, que, embora na prática gozassem de um certo grau de autonomia, permaneceram sob a autoridade do vice-reinado.

História do vice-reinado da Nova Espanha

Antecedentes do vice-reinado da Nova Espanha

Hernan Cortés - Nueva España
Hernán Cortés propôs o nome “Nova Espanha do Mar Oceano”.

A guerra da conquista do México terminou em 1521 e o território do extinto Império Asteca ficou sob o domínio do conquistador Hernán Cortés. Foi ele quem propôs o nome “Nova Espanha do Mar Oceano” ao Imperador Carlos V, pois a fertilidade e o clima da terra o lembravam da península Ibérica.

Sob o comando de Cortés, a população indígena subjugada foi organizada para iniciar a exploração agrícola, mineira e costeira das terras americanas, ao mesmo tempo em que começaram as campanhas de evangelização lideradas por missionários franciscanos, dominicanos e agostinianos. A guerra contra as tribos resistentes durou até o início do século XVII, quando elas foram quase exterminadas.

Em 1528, a coroa espanhola instalou uma audiência na Nova Espanha com o objetivo de estabelecer um maior controle judicial e governamental. Após alegações de corrupção e maus-tratos, uma segunda audiência real foi organizada, presidida pelo jurista e eclesiástico Sebastián Ramírez de Fuenleal, que cumpriu as funções de governador de 1530 até a fundação da vice-reinado em 1535.

Fundação do vice-reinado da Nova Espanha

O vice-reinado da Nova Espanha foi fundado em 1535 e seu primeiro vice-rei foi o político e oficial militar espanhol Antonio de Mendoza y Pacheco, nomeado pelo imperador Carlos V em abril daquele ano. Antonio de Mendoza desembarcou na Nova Espanha em novembro de 1535 e exerceu como vice-rei até 1550. Logo, passou a governar o vice-reinado do Peru entre 1551 e 1552.

Durante o mandato de Antonio de Mendoza, instalou-se uma casa da moeda e uma gráfica na Cidade do México, e impulsionaram as obras. As viagens de exploração e conquista, como as realizadas por Hernán Cortés na Baja Califórnia, continuaram a ser encorajadas, e algumas reformas administrativas foram implementadas para organizar o governo do vice-reinado.

Os vice-reis da Nova Espanha

A Nova Espanha teve 62 vice-reis, dos quais se destacam os seguintes:

  • Antonio de Mendoza y Pacheco. Ele foi o primeiro vice-rei entre 1535 e 1550. Implementou uma série de medidas administrativas para a organização do vice-reinado.
  • Luís de Velasco. Foi o sucessor de Mendoza y Pacheco, governou entre 1550 e 1564 e cumpriu as diretrizes das Novas Leis da coroa, que promoveram o fim do regime de encomenda.
  • Martín Enríquez de Almansa. Governou entre 1568 e 1580, e sob sua administração foi instalado o Tribunal do Santo Ofício no México e os jesuítas entraram na Nova Espanha.
  • Antonio María de Bucarelli y Ursúa. Foi vice-rei entre 1771 e 1779, e desempenhou um papel ativo na promoção de obras públicas.
  • Bernardo de Gálvez. Ocupou cargos entre 1785 e 1786, e implementou reformas organizacionais e ilustradas.
  • Juan Vicente de Güemes Pacheco. Um dos poucos vice-reis nascidos na América que governou entre 1789 e 1794.
  • Francisco Javier Venegas. Foi vice-rei entre 1810 e 1813. Enfrentou a insurreição de Miguel Hidalgo e o início da Guerra da Independência.
  • Juan O’Donojú. Embora às vezes seja considerado o último vice-rei da Nova Espanha, ele não exerceu na verdade esta função, mas foi mais alto líder político da Nova Espanha, nomeado e deposto em 1821.

Guerra da Independência e o fim do vice-reinado

Agustín de Iturbide
Agustín de Iturbide foi o responsável pelo Primeiro Império do México.

O vice-reinado da Nova Espanha deixou de existir como consequência da Guerra da Independência que, como em outras colônias espanholas nas Américas, eclodiu após a invasão napoleônica da Espanha em 1808 e a subsequente prisão do rei Fernando VII.

Os defensores da independência aproveitaram esta circunstância para se libertarem das restrições econômicas e políticas impostas pela sociedade colonial e tiveram que enfrentar militarmente os realistas que defendiam a ordem colonial espanhola.

Em 1810 foram feitas as primeiras proclamações de independência, iniciadas pelo Grito de Dolores liderado pelo sacerdote Miguel Hidalgo, e em 1821 foi alcançada a independência, estabelecendo um governo autônomo: o Primeiro Império do México, governado por Agustín de Iturbide.

Regime do vice-reinado

Consejo de Indias - Virreinato de la Nueva España

Em termos políticos, o vice-reinado era composto por vários reinos, capitanias gerais e senhorios, organizados hierarquicamente sob a autoridade do vice-rei, que era a mais alta autoridade no vice-reinado e obedecia às ordens que dava o rei da península Ibérica. Os alcaides-mores e os corregedores também obedeciam à autoridade do vice-rei.

Os reinos que compunham o vice-reinado da Nova Espanha eram o México, a Nova Galícia, a Nova Biscaia e a Nova Extremadura, entre outros. As capitanias gerais que fizeram parte do vice-reinado – cada uma com um governador e um capitão-general que poderia ser a mesma pessoa – foram as de Iucatã, Santo Domingo, Cuba, Filipinas, Porto Rico e Guatemala (que também foi identificado como um reino).

Havia também dois senhorios: o Marquesado do vale de Oaxaca, concedido pelo imperador Carlos V a Hernán Cortés e seus descendentes, e o Ducado de Atlixco, concedido no século XVIII pelo rei Filipe V a José Sarmiento de Valladares, que já havia sido vice-rei.

Enquanto o vice-rei estava no ápice da organização política do vice-reinado e sua autoridade era particularmente forte no centro do México, o governo das áreas mais remotas dependia em grande parte dos governadores ou das audiências. Os alcaides-mores e corregedores agiam em nível local e eram frequentemente subordinados às audiências. Por sua vez, o Conselho das Índias costumava decidir sobre questões legislativas e judiciais, e sobre questões que envolviam as populações indígenas em todo o território administrado pela coroa espanhola nas Américas.

A partir das reformas Bourbônicas do final do século XVIII, foi estabelecido o regime de prefeituras pelo qual o rei da Espanha nomeava diretamente os prefeitos das doze entidades territoriais que levavam esse nome e tratavam das decisões administrativas e financeiras sob maior controle da coroa.

Sociedade dos vice-reinados

mestizaje - Nueva España
Os mestiços eram geralmente descendentes de espanhóis e mulheres indígenas.

A sociedade na Nova Espanha colonial era formada por camadas sociais que em geral definiam-se em termos raciais. Assim, os brancos (espanhóis peninsulares e crioulos nascidos no vice-reinado) se distinguiram dos indígenas que haviam sobrevivido à conquista (que, junto com seus descendentes, estavam subordinados aos espanhóis) e os escravos trazidos da África, que eram chamados de negros, incorporados desde muito pequenos em várias tarefas como a mineração ou o trabalho agrícola.

Os povos indígenas foram dizimados não só pela violência da conquista, mas também pelos maus-tratos e doenças introduzidos pelos espanhóis. Por sua vez, ao longo dos séculos, houve um fenômeno de miscigenação entre populações de origem europeia, indígena e africana que foi interpretado pelos europeus como uma espécie de ordem de castas, cada qual com sua própria denominação:

  • Descendentes de espanhóis e indígenas.
  • Descendente de espanhol e negro.
  • Descendente de indígenas e negros.
  • Descendente de espanhol e mestiço.
  • Descendente de espanhol e mulato.
  • Descendência espanhola e mourisca.

Destas categorias surgiram outras que fizeram parte do modo de compreender as diferenças étnicas durante o vice-reinado.

Economia do vice-reinado

A economia do vice-reinado se baseava principalmente na extração de recursos naturais (especialmente mineração de ouro e prata), bem como na produção agrícola em fazendas (de espécies nativas como tabaco, milho e batatas, ou importadas, como a cana de açúcar). Para isso, empregava a mão de obra indígena forçada e de escravos de origem africana.

O comércio era controlado pela Casa de Contratação, sediada em Sevilha, e dependia de um sistema de frotas e galeões que ajudavam a proteger os navios contra a pirataria. Muito do que foi extraído nos territórios da Nova Espanha foi enviado para a península.

A coroa impunha às suas colônias um modelo de restrições comerciais no qual garantia o controle e o maior benefício de toda atividade econômica em seus vice-reinados. Apesar do monopólio comercial, o contrabando e a pirataria proliferaram enormemente em território e águas do vice-reinado, especialmente promovidos pela coroa britânica, a principal inimiga do Império Espanhol naquela época.

Papel da Igreja

Virreinato de Nueva España
A Igreja Católica foi responsável pela implementação dos códigos morais cristãos na Nova Espanha.

Após a conquista, continuou o intenso trabalho de implantação da língua, religião e cultura espanholas. A Igreja Católica desempenhou um papel central nesta tarefa. Os missionários pertencentes a ordens mendicantes (franciscanos, dominicanos e agostinianos) iniciaram uma campanha de evangelização das populações indígenas, que mais tarde foi retomada principalmente pelos jesuítas até sua expulsão do Novo Mundo, em 1767.

A imposição de crenças e códigos morais católicos foi um dos efeitos duradouros da administração do vice-reinado da Nova Espanha, que condenava práticas como a poligamia, o sacrifício humano e o politeísmo. Imagens de deuses que eram considerados ídolos contrários ao dogma cristão também foram destruídas.

No entanto, a importação da religião católica deu origem à combinação de símbolos indígenas e cristãos o que alguns antropólogos chamam de sincretismo. A Nossa Senhora de Guadalupe foi particularmente significativa na evangelização do México, servindo como articulação para integrar os povos indígenas ao culto. Casos como este abundaram na América Latina.

Cultura do vice-reinado

No vice-reinado da Nova Espanha, vários aspectos das culturas pré-colombiana e africana fundiram-se com a cultura espanhola durante três séculos.

Isto fez do México um dos centros culturais americanos do Império Espanhol, que abrigava importantes figuras da literatura hispânica como Sóror Juana Inés de la Cruz (1648 ou 1651-1695) e Juan Ruiz de Alarcón (1572 ou 1581-1639), assim como em outras áreas como a pintura (por exemplo, Miguel Cabrera) e a química (por exemplo, Andrés Manuel del Río, descobridor do vanádio). A criação da Universidade Real e Pontifícia do México, em 1551, também teve grande importância.

Referências

  • "De la monarquía católica a la república criolla" Brading, D. A. (1991). Orbe indiano. Fondo de Cultura Económica.
  • "Historia de México" von Wobeser, G. (2010). Fondo de Cultura Económica.
  • "Viceroyalty of New Spain" Britannica, Encyclopaedia (2013) em Encyclopedia Britannica.
  • "Bicentenario de las Independencias Iberoamericanas" em Ministerio de Cultura y Deporte, Gobierno de España (s.f.).

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

GAYUBAS, Augusto. Vice-reinado da Nova Espanha. Enciclopedia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/vice-reinado-da-nova-espanha/. Acesso em: 1 março, 2024.

Sobre o autor

Autor: Augusto Gayubas

Doutor em História (Universidad de Buenos Aires)

Traduzido por: Márcia Killmann

Licenciatura em letras (UNISINOS), Doutorado em Letras (Universidad Nacional del Sur)

Data da última edição: 26 fevereiro, 2024
Data de publicação: 29 junho, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)