Conquista do México

Vamos explicar o que foi a conquista do México e as suas principais características. Além disso, a importância de Hernán Cortés, seus objetivos e mais.

Hernán Cortés estava interessado em obter ouro no México.

O que foi a conquista do México?

A conquista do México foi um grande evento que começou em 1519 e foi consumado em 1521, quando o povo mexica foi subjugado por um pequeno grupo de espanhóis apoiados por outros povos indígenas aliados.

Hernán Cortés foi o espanhol que liderou a expedição, representando a coroa de Castela, e que persuadiu várias populações indígenas em conflito com os mexicanos a conquistar à força Tenochtitlán, a capital do império Asteca (também conhecido como império Mexica).

A verdadeira magnitude da invasão é desconhecida pois foi reconstruída com base em crônicas escritas quase exclusivamente por espanhóis (conhecidas como “crônicas das Índias”) e em poucos vestígios que os historiadores conseguiram reunir muito tempo após o evento. Algumas fontes também oferecem a visão dos índios derrotados, como o trabalho do missionário franciscano Bernardo de Sahagún (1499-1590).

A conquista do México foi uma das consequências das viagens de exploração que se seguiram à expedição liderada pelo navegador genovês Cristóvão Colombo, que graças ao patrocínio dos Reis Católicos chegou à América em 1492, quando planejava alcançar o continente asiático por uma rota alternativa.

As características da conquista do México

Descubrimiento de América
Cortés obrigou as tropas espanholas que viajavam com ele a lutar contra os astecas.

A conquista do México foi caracterizada por negociações, alianças militares e uma demonstração de violência desenfreada envolvendo as tropas espanholas comandadas por Hernán Cortés, bem como seus aliados tlaxcaltecas e seus inimigos mexicas. O resultado não foi apenas a conquista do império Asteca, mas também a aniquilação de uma grande parte da população indígena de Tenochtitlán.

Os espanhóis tinham armas de fogo, armaduras e cavalos, assim como lanças, espadas e balestras. Os mexicas usavam lanças, arcos, dardos, escudos e outros artefatos. Apesar desta vantagem tecnológica dos espanhóis, as razões da vitória também parecem estar ligadas à exploração de conflitos pré-existentes entre populações do império Asteca, à introdução de doenças e às decisões estratégicas e táticas de Hernán Cortés.

 Ele alcançou seu objetivo de conquista através de uma variedade de estratégias:

  • Desobedeceu às ordens do seu superior, o governador de Cuba Diego Velázquez de Cuéllar, e tomou a iniciativa da conquista.
  • Estabeleceu alianças com alguns povos indígenas que estavam insatisfeitos ou em desacordo com o governo do império Asteca, especialmente com os tlaxcaltecas.
  • Forçou outros povos indígenas a lutar contra os astecas.
  • Obrigou as suas tropas espanholas a lutar no continente perfurando as suas embarcações, a fim de evitar qualquer deserção.
  • Aproveitou o conhecimento das línguas e costumes indígenas de “La Malinche”, uma mulher de origem náuatle que atuou como sua intérprete e conselheira.

As principais causas da conquista

Cortés queria invadir territórios e levar o ouro.

As explorações europeias do início do século XVI foram muitas vezes motivadas pelo desejo de conquista territorial, a difusão do cristianismo e a aquisição de riqueza através da exploração de recursos humanos (às vezes através da escravidão) ou da aquisição de bens preciosos (especialmente ouro e prata).

A coroa espanhola costumava promover essas viagens, mas os conquistadores também agiam conforme os seus próprios interesses. Muitos deles pertenciam aos estratos mais baixos da nobreza europeia e estavam atrás de oportunidades e aventuras no exterior. No caso de Hernán Cortés, ele pode ter procurado não só conquistar as novas terras para a coroa e difundir a religião cristã, como também obter glória militar e riqueza da exploração da mão de obra do trabalho indígena em fazendas e minas de metais preciosos.

A procura pelo ouro foi uma das motivações mais frequentes para este tipo de cometimento. Quando Cortés recebeu o ouro de Moctezuma como uma forma de negociar ou apaziguar seu desejo de conquista, o espanhol e suas tropas viram mais uma razão para se apropriarem da cidade. Um dos sucessores de Montezuma, Cuauhtémoc, foi torturado após sua captura em Tenochtitlán pelos espanhóis que queriam que ele confessasse onde estava escondido o ouro que supunham ser mais abundante do que haviam encontrado.

A história da conquista do México

Em outubro de 1492, uma expedição comandada por Cristóvão Colombo e financiada pelos Reis Católicos, cujo objetivo era chegar às Índias na Ásia, em vez disso, chegou às Américas. Este evento significativo desencadeou uma série de profundas transformações na Europa, América e outras partes do mundo.

Uma das consequências do “descobrimento” europeu da América foram as sucessivas campanhas de exploração e conquista que gradualmente impuseram o domínio das terras e populações americanas.

Alguns desses territórios eram habitados por sociedades indígenas com governos centralizados que exerciam autoridade sobre vastos domínios, como foi o caso dos impérios Inca e Asteca.

As campanhas espanholas foram legitimadas pela coroa e conduzidas por conquistadores que atuaram simultaneamente como comandantes militares, governantes e administradores de fazendas nas regiões que invadiram. Um deles foi Hernán Cortés, que estava encarregado da conquista do México.

O papel de Hernán Cortés

Conquista de México
Hernán Cortés liderou a expedição para conquistar o México.

Hernán Cortés (1485-1547) foi o explorador espanhol que liderou a conquista do México. Ele desempenhou um papel crucial no estabelecimento de alianças com outros povos indígenas que se uniram à sua luta armada contra o império Asteca.

Cortés abandonou seus estudos universitários na Espanha, navegou para Cuba para servir o conquistador e posteriormente governador Diego Velázquez de Cuéllar, e aos 33 anos de idade já era um próspero agente militar. A partir daí, ele não parou em sua busca pela conquista de territórios e tesouros no Novo Mundo.

A expedição ao México

Enquanto Cortés esteve em Cuba, o governador Velázquez lhe designou várias expedições para explorar o território e aprender mais sobre as culturas nativas. Em 1518, Velázquez o encarregou de liderar uma expedição para a costa do México, mas depois tentou detê-lo, então Cortés apressou-se e deixou Cuba com a intenção de partir para uma série de conquistas próprias.

Em março de 1519, Cortés e suas tropas chegaram ao litoral do México. Após vários confrontos com as populações nativas e como resultado dessas guerras, vinte mulheres escravas dos maias foram oferecidas para servir os espanhóis.

Entre estas mulheres estava “La Malinche”, chamada Malintzin e batizada “Dona Marina” pelos conquistadores, que era fluente em várias línguas indígenas e logo aprendeu espanhol, então ela serviu como intérprete para Cortés. Ela se revelou uma figura fundamental para a concretização bem-sucedida da conquista.

La Malinche descreveu para Cortés a maneira dos mexicas de fazer guerra e a hostilidade contra os povos vizinhos ou subjugados, informação que o conquistador foi capaz de usar para tecer alianças (especialmente com os tlaxcaltecas) e expandir seu exército a fim de derrotar o império Asteca, conquistando sua capital, Tenochtitlán.

Cortés em Tenochtitlán

Após episódios de guerra e negociação, Cortés foi recebido em Tenochtitlán, em novembro de 1519, pelo imperador Montezuma (cujo título em Náuatle era “huey tlatoani”). O conquistador espanhol estava acompanhado de suas tropas e de mil tlaxcaltecas, inimigos do México. Quando as suspeitas começaram a surgir entre os recém-chegados e os habitantes locais, os espanhóis capturaram Montezuma.

Em maio de 1520, Cortés teve que enfrentar uma expedição enviada contra ele pelo governador de Cuba, e quando retornou a Tenochtitlán, encontrou o início de uma rebelião. Os mexicas estavam descontentes com a presença espanhola e Pedro de Alvarado comandou um massacre de nobres durante a realização de um ritual de sacrifício humano (o Massacre do Templo Maior) que provocou um cerco a sua guarnição em resposta.

No dia 30 de junho, os espanhóis fugiram da cidade no que a historiografia hispânica chamou de “a noite triste”. Durante a retirada, houve confrontos e perseguições que ceifaram a vida de muitos espanhóis e tlaxcaltecas. Antes deste evento, Montezuma também havia morrido, embora não esteja claro em que circunstâncias (talvez assassinado pelos próprios mexicas ou pelos espanhóis).

A morte de Montezuma

Conquista de México
No dia 13 de agosto de 1521, a capital Tenochtitlán foi conquistada pelos espanhóis.

A morte do imperador asteca Montezuma ocorreu pouco antes da “noite triste”, quando os espanhóis tiveram que fugir de Tenochtitlán. Devido aos repetidos ataques dos espanhóis que haviam se estabelecido na cidade, os mexicas estavam insatisfeitos e um discurso de Montezuma, no qual ele tentava acalmar a raiva deles, os deixou mais furiosos. De acordo com a versão mais amplamente aceita, ele foi apedrejado e gravemente ferido pelo povo mexica, e morreu pouco depois. Outras versões sugerem que ele pode ter sido morto pelos espanhóis.

Após a morte de Montezuma, Cortés e suas tropas fugiram de Tenochtitlán e mais tarde planejaram reconquistá-la. Enquanto isso, o título de imperador ou “huey tlatoani” do império Asteca coube primeiro a Cuitláhuac, que morreu devido às consequências da varíola em novembro de 1520, e depois a Cuauhtémoc, que levou os Mexicas à derrota pelos espanhóis. Assim começou um período de colonização espanhola do México que durou de 1521 a 1821.

A reconquista de Tenochtitlán

Os espanhóis se refugiaram em Tlaxcala após superarem um ataque dos mexicas na Batalha de Otumba em 1520 de julho. A partir daquele momento planejaram o cerco e a reconquista de Tenochtitlán junto com os tlaxcaltecas.

Um fator que favoreceu os espanhóis foi uma epidemia de varíola que afetou os mexicas a partir de setembro de 1520, e que foi o resultado do contato com os europeus, causando baixas significativas. Cortés, por outro lado, fez com que as embarcações fossem desmontadas na costa e remontadas no lago que circundava Tenochtitlán para facilitar o cerco. As tropas de Cortés conseguiram bloquear a capital mexica em um cerco que durou de maio a agosto de 1521 e dizimou a população.

Os espanhóis finalmente capturaram a cidade no dia 13 de agosto, marcando o fim do império Asteca. Os conquistadores dividiram os despojos, constituídos de mercadorias e escravos, entre si. Os símbolos e estátuas dos deuses mexicas foram condenados como ídolos pagãos, e começou uma campanha de cristianização que perdurou através dos anos.

A conquista foi seguida de saques e da destruição de Tenochtitlán, sobre as ruínas da qual foi fundada a capital da colônia da Nova Espanha (atual Cidade do México). Esta região se tornou parte da coroa espanhola e adquiriu o status de vice-reinado alguns anos mais tarde. Várias doenças comuns na Europa (como a varíola que havia afligido os Mexicas antes do cerco) foram transportadas pelos próprios conquistadores e começaram a se reproduzir no novo continente, os índios, porém, careciam de imunidade natural para resistir a elas. As mortes foram incalculáveis.

Referências

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

GAYUBAS, Augusto. Conquista do México. Enciclopedia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/conquista-do-mexico/. Acesso em: 13 abril, 2024.

Sobre o autor

Autor: Augusto Gayubas

Doutor em História (Universidad de Buenos Aires)

Traduzido por: Márcia Killmann

Licenciatura em letras (UNISINOS), Doutorado em Letras (Universidad Nacional del Sur)

Data da última edição: 31 dezembro, 2023
Data de publicação: 29 junho, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)