Cultura quimbaya

Vamos explicar o que era a cultura quimbaya e onde esse grupo étnico estava localizado. Além disso, quais são suas características, economia e religião.

cultura quimbaya
A cultura quimbaya habitou a Colômbia de 500 a.C. a 1600 d.C.

O que é a cultura quimbaya?

O grupo étnico quimbaya foi uma cultura pré-colombiana que viveu no curso médio do rio Cauca, na atual Colômbia, entre as cidades de Cali e Medellín.

Esse grupo étnico pré-colombiano habitou o território florestal montanhoso de 500 a.C. a 1600 d.C. e é conhecido por seu talento na produção de estatuetas e outros artesanatos de ouro.

Não se sabe muito sobre esse grupo, do qual apenas alguns descendentes sobreviveram e cujo núcleo cultural foi perdido durante a sangrenta conquista e colonização do continente americano pelos colonizadores espanhóis.

Contudo, sabe-se que eles eram particularmente ferozes em combate, especialmente contra os conquistadores europeus, a ponto de lutarem contra eles até o último momento e, assim, sofrerem as consequências mais cruéis.

Idioma quimbaya

Não restou muito do idioma quimbaya ou kimbaya, que é considerado extinto. Apenas oito palavras sobreviveram. O único que se sabe é que era um idioma caribenho.

História dos quimbayas

Cultura quimbaya
Durante o período clássico, os quimbayas descobriram a fundição de metais.

A história da cultura Quimbaya é geralmente estudada com base em dois períodos distintos:

  • Período inicial ou clássico (500 a.C.–600 d.C.). Nesse período inicial, a cultura se estabeleceu e desenvolveu a agricultura, a produção de cerâmica e a fundição de metais. Um aspecto predominante foi o desenvolvimento da ourivesaria de alto nível, que copiava a forma de animais e objetos da natureza.
  • Período tardio (800–1600 d. C.). Após uma pausa de 200 anos, a cultura quimbaya retomou sua produção de ourives, mas agora com figuras geométricas simples e esquemáticas. Isso foi acompanhado por um grande crescimento da fiação de algodão e novos estilos de cerâmica na região do Cauca. Finalmente, em 1539, teve início a conquista espanhola dos territórios americanos, e os quimbayas resistiram ferozmente, com duas rebeliões abertas em 1542 e 1557.

Religião dos quimbaya

Muito se desconhece sobre o imaginário religioso dos quimbaya, apesar de que, a julgar pela declaração do conquistador espanhol Pedro Cieza de León, que também era um cronista do mundo andino, os quimbaya “não possuem crenças; eles falam com o diabo da mesma forma que os demais”.

Suas representações artísticas e seus variados e complexos ritos funerários sugerem, porém, que eles possuíam algum tipo de religião ou um elaborado sistema de crenças.

Para os quimbayas, o rito funerário era especialmente importante, como demonstram as tumbas descobertas, que são muito diversas em sua construção.

Nelas, foram encontradas uma grande quantidade de oferendas, para guiar ou alimentar o falecido na vida após a morte, ou armas para lutar em suas batalhas espirituais.

Algumas versões afirmam que os quimbayas praticavam o canibalismo, mas isso se baseia apenas na exibição observada das cabeças de seus inimigos em estacas na entrada da aldeia, sobretudo durante a guerra contra os espanhóis.

Deuses dos quimbayas

Os deuses dos quimbayas eram seres antropomórficos.

A julgar pelas estatuetas de ouro que sobreviveram à extinção dos quimbayas, seus deuses ou divindades estavam, como em muitas culturas americanas, intimamente ligados à natureza circundante.

Suas estátuas e cerâmicas apresentam seres antropomórficos e antropozoomórficos (com corpos mistos de humanos e animais).

Vestuário dos quimbayas

Os Quimbayas usavam poucas roupas e cobertores de algodão que lhes permitissem tolerar as temperaturas úmidas de sua região, substituindo algumas fibras por cascas de árvores.

Costumavam pintar seus corpos e decorá-los com pigmentos obtidos naturalmente, especialmente durante rituais ou ações militares. No entanto, pouquíssimos tecidos sobreviveram, devido às condições climáticas da região.

Arte quimbaya

Cultura quimbaya
Por meio de sistemas de metalurgia, os quimbayas faziam ligas de ouro com cobre.

Sobreviveram as estatuetas de ouro dos quimbayas, produzidas com talento e precisão de detalhes, que demonstram uma habilidade incrível para a ourivesaria.

Por meio de sistemas de metalurgia, faziam a liga do ouro com o cobre, produzindo o “tumbaga”, um metal que não perde o brilho, o luxo e a durabilidade das peças de ouro, que costumavam ser realmente requintadas e únicas na América Latina.

Ainda não se sabe como eles conseguiam fundir esses metais sem dispor de fornos para atingir as temperaturas extremamente altas necessárias para fazê-lo.

É possível também encontrar petróglifos e outras formas de desenho ou escrita dos quimbayas, por exemplo, no Parque Natural Las Piedras Marcadas (ou La Marcada), no município de Dosquebradas Risaralda, Colômbia.

Não se conhece a idade e o uso dessas pedras pintadas.

Organização política dos quimbayas

A estrutura política dominante da cultura quimbaya era o cacicazgo. Cada comunidade era composta por aproximadamente 200 súditos, e haveria cerca de 100 deles espalhados pelo território.

Essas unidades militares, agrícolas e familiares se uniam durante os períodos de guerra ou para realizar a troca de mercadorias, respondendo como um todo bem organizado.

Economia quimbaya

cultura quimbaya - maíz
Os quimbayas são conhecidos pelo cultivo de milho, abacate e goiaba.

A economia quimbaya era eminentemente agrícola, destacando-se o cultivo de mandioca, milho, abacate e goiaba, abundantes na região cafeeira da Colômbia.

Eles também dominavam a caça e a pesca, especialmente de coelhos, gambás, antas, tatus, raposas e queixadas.

Praticavam também a mineração de ouro, a partir da qual desenvolveram técnicas eficientes de metalurgia, produzindo itens altamente acabados e finamente detalhados.

Ademais, ferviam a água do mar para obter sal. Acredita-se que eles comercializavam em grande escala com outros grupos étnicos vizinhos e até mesmo distantes.

Tesouro quimbaya

cultura quimbaya
Muitos artefatos quimbayas podem ser encontrados no Museo da América, em Madri.

Quando se fala do tesouro quimbaya, refere-se ao conjunto de objetos de ouro e tumbaga que foram descobertos como parte do enxoval de duas tumbas atribuídas a esse grupo étnico pré-colombiano, doadas à Coroa Espanhola pelo governo colombiano no final do século XIX.

Atualmente, esses objetos, únicos na história, encontram-se no Museu da América, na capital da Espanha, Madri, como parte de sua exposição permanente.

Sua beleza extraordinária e seu acabamento perfeito fazem deles obras de arte inigualáveis da cultura pré-colombiana.

Desaparecimento dos quimbayas

Subjugados pelo Império Espanhol, por volta de 1559, já haviam desaparecido 55% dos cacicazgos quimbayas, mesmo depois de duas tentativas fracassadas de rebelião.

Dizimados pela escravidão, por novas doenças e pelo ataque da guerra dos povos pijaos contra os espanhóis, os quimbayas praticamente desapareceram em 1628, quando foi feito o último censo de sua comunidade, que não contava com mais de 69 indivíduos.

Referências

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

ETECÉ, Equipo editorial. Cultura quimbaya. Enciclopedia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/cultura-quimbaya/. Acesso em: 27 fevereiro, 2024.

Sobre o autor

Traduzido por: Márcia Killmann

Licenciatura em letras (UNISINOS), Doutorado em Letras (Universidad Nacional del Sur)

Data da última edição: 29 novembro, 2023
Data de publicação: 28 novembro, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)