Civilização micênica

Vamos explicar o que foi a civilização micênica, sua história e como foi descoberta. Além disso, quais são suas características, arquitetura e mais.

Civilización micénica
A civilização micênica estabeleceu-se no Peloponeso, ao sul da atual Grécia.

O que foi a civilização micênica?

A civilização micênica foi uma civilização que se desenvolveu na Grécia entre os séculos XVII e XII a.C., na época anterior à civilização que conhecemos como antiga Grécia. Recebe o nome do poderoso reino de Micenas, que junto com o resto dos reinos aqueus, conseguiu controlar o comércio e a política do Mediterrâneo oriental.

Durante séculos, a sociedade moderna considerou que a civilização micênica era uma cultura mítica, convocada pelos gregos da antiguidade clássica. No entanto, no século XIX, Heinrich Schliemann impulsionou uma série de pesquisas que levaram à descoberta arqueológica das cidades de Troia, Micenas e o resto das cidades aqueias.

As características da civilização micênica são as lendas da Guerra de Troia que chegaram aos gregos da época clássica através de mitos e lendas. Na Ilíada e na Odisseia, o poeta Homero (VIII d.C.) narrou estas histórias e converteu a civilização micênica em antecedente fundamental da cultura grega do mundo antigo.

A cultura da civilização micênica

civilización micénica
Muitas cidades foram construídas em lugares altos para facilitar a sua defesa.

As principais características culturais da civilização micênica são:

  • Mito fundador de Micenas. Segundo a mitologia grega clássica, Perseu era um semideus filho de Zeus, rei dos deuses e Danai era uma filha mortal de Acrísio, rei de Argos. Perseu tornou-se legitimamente rei de Argos quando matou acidentalmente o seu avô Acrísio. No entanto, recusou o trono e cedeu-o ao seu tio Megapente. Em vez de reinar sobre Argos, Perseu decidiu fundar uma nova cidade a qual chamou de Micenas.
  • Escrita. A civilização micênica desenvolveu um tipo de escrita que os historiadores chamam de Linear B. Em tábuas de argila registravam a produção e as trocas que se realizavam desde os palácios.
  • Arquitetura. A arquitetura micênica se caracterizou pela fortificação dos centros urbanos. Normalmente existia uma acrópole, ou seja, uma parte mais alta da cidade que facilitava a sua defesa. Também são característicos desta cultura os palácios que se organizavam em torno de um conjunto de pátios. Eram centros administrativos que incluíam, além de armazéns e oficinas, um salão central onde se localizava o trono.
  • A Guerra de Troia. A Guerra de Troia foi um conflito bélico entre os povos da península grega e os habitantes de Troia, uma cidade da Ásia menor. Durante séculos, a civilização moderna considerou este fato como um mito. No entanto, com a descoberta de Micenas, comprovou-se que não só houve um conflito bélico entre gregos e troianos, mas uma série de expedições gregas para Troia durante a Idade do Bronze, entre os séculos XIII e XII a.C. A Guerra de Troia foi narrada nos poemas a Ilíada e a Odisseia de Homero, um poeta que viveu no século VIII a.C.

A localização geográfica e temporal da civilização micênica

Por volta de 1600 a.C., os aqueus (um povo de origem indo-europeia) migraram para a região do Mediterrâneo oriental e se estabeleceram na península do Peloponeso. Com o tempo, expandiram-se pela região e começaram a disputar a supremacia comercial liderada pelos reinos cretenses.

O reino de Micenas se impôs como o mais poderoso entre os povos aqueus. Por volta de 1450 a.C., conquistou Creta e se apoderou do palácio de Cnossos, seu principal centro urbano.

Durante quase 200 anos a civilização micênica controlou o Mediterrâneo oriental. Em meados do século XIII a.C., alguns reinos micênicos se aliaram para conquistar a cidade de Troia, que controlava a passagem do mar Egeu ao mar Negro, fundamental na rede comercial da época.

No entanto, uma crise perturbou o poder dos habitantes da região e levou ao despovoamento de várias regiões da Grécia. Alguns historiadores acreditam que se deveu ao ingresso dos povos Dórios e sua superioridade militar (possuíam armas de ferro). Outros consideram que as disputas entre os vários reinos aqueus levaram ao enfraquecimento do seu poder.

A organização política dos micênicos

A civilização micênica estava dividida em uma série de reinos aliados, mas independentes. Os reinos micênicos mais importantes foram Micenas, Tirinto, Orcômeno e Pilos.

Estes reinos eram liderados por uma aristocracia guerreira e um conjunto de autoridades. O Wanax (rei) era a autoridade mais importante de cada reino e concentrava o poder político, militar e econômico. Era secundado por um chefe militar, conhecido como lawagetas e uma tropa militar, chamada eqetai. Em seguida, na hierarquia política estavam os telestai, que cumpriam funções administrativas e militares de menor posição.

A economia de Micenas

A base da economia micênica se organizava em torno da agricultura, da pecuária, do artesanato e do comércio. A produção era realizada pelos homens livres e o grupo palaciano se ocupava de registrar e supervisionar, através de suas autoridades, todas as atividades do sistema econômico.

A população camponesa dedicava-se à agricultura, principalmente de cereais, oliveiras e vinhedos e também à criação de ovelhas e cabras. Em torno dos palácios se organizava o trabalho artesanal que incluía a produção têxtil e metalúrgica.

A religião micênica

civilización micénica
Em Micenas existiam rituais nos quais se ofereciam oferendas aos deuses.

A religião micênica era politeísta, ou seja, acreditavam em vários deuses. As representações de seus deuses eram antropomórficas: pareciam-se com os seres humanos e compartilhavam hábitos e comportamentos.

Embora o panteão micênico não seja conhecido com exatidão, muitos deuses que pertenceram à cultura grega clássica subsequente foram tomados desta cultura. De acordo com a mitologia, Zeus reinava o panteão divino desde o cume do monte Olimpo. Cada divindade representava uma característica ou atributo:

  • Hermes: mensageiro do Olimpo
  • Ares: deus da guerra
  • Atena: deusa da guerra e das artes
  • Dionísio: deus do vinho e dos prazeres
  • Artemisa: deusa da natureza

A sociedade micênica

A sociedade se diferenciava por suas riquezas e seu acesso ao poder.

No topo da escala social estava o Wanax (rei) com sua corte de autoridades, como os lawagetas e os sacerdotes religiosos, chamados de telestai. Estes cargos eram ocupados por uma aristocracia que vivia nas cidades e era mantida através dos impostos e da atividade comercial do reino.

Os demais cidadãos constituíam o damos (povo). Os agricultores deviam responder à autoridade dos basileus, que eram os líderes das aldeias. Para poder aceder à posse da terra, os camponeses deviam realizar tarefas a seu pedido. Além disso, existiam artesãos que trabalhavam para os palácios e a corte real e se destacavam especialmente na produção de armas e objetos decorativos.

Por fim, existiam escravos que não eram considerados como parte do damos, pois eram prisioneiros de guerra e não tinham direitos.

O descobrimento de Micenas

civilización micénica
Schliemann fez pesquisas na Grécia para encontrar Micenas.

Heinrich Schliemann era um milionário prussiano interessado na história antiga e na arqueologia. Atraído pela história da Guerra de Troia, em 1870 realizou pesquisas que levaram às ruínas da cidade de Troia, que até então a comunidade científica considerava um mito.

Uma vez comprovada a existência real de Troia, Schliemann continuou suas pesquisas em território grego para encontrar Micenas, a cidade onde se tinha originado a expedição em direção à Troia.

Em 1874 realizou descobertas que confirmavam a existência de uma cultura posterior ao apogeu minoico e anterior à chamada Idade Escura. Por ter sido descoberta na cidade de Micenas, a cultura foi chamada de micênica.

Referências

  • Pomeroy, S., Burstein, S. M., Donlan, W., & Tolbert, J. (2003). La Grecia primitiva y la Edad de Bronce. Antigua Grecia. Editorial Crítica
  • Fernández Nieto, F. J. (2005). Las civilizaciones prehelénicas y el mundo micénico. Historia antigua de Grecia y Roma. Tirant lo Blanch.

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

KISS, Teresa. Civilização micênica. Enciclopédia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/civilizacao-micenica/. Acesso em: 7 junho, 2024.

Sobre o autor

Autor: Teresa Kiss

Professora de História do ensino médio e superior.

Traduzido por: Cristina Zambra

Licenciada em Letras: Português e Literaturas da Língua Portuguesa (UNIJUÍ)

Data da última edição: 27 novembro, 2023
Data de publicação: 29 junho, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)