Mitologia grega

Vamos explicar o que é a mitologia grega e seus principais deuses e heróis. Além disso, quais são as suas características gerais e importância.

Mitología griega
A mitologia grega é o conjunto de histórias sobre os deuses e heróis gregos.

O que é a mitologia grega?

É chamado de mitologia grega o conjunto de histórias, mitos e lendas pertencentes à religião da Grécia Antiga. A mitologia grega continuou fazendo parte da cultura ocidental através de referências literárias, filosóficas, científicas e artísticas.

Originalmente, as histórias mitológicas eram transmitidas pela oralidade de geração em geração. Ao longo dos séculos, diferentes versões foram se configurando, e com o decorrer do tempo, chegaram a constituir um corpus coerente da história e genealogia do panteão dos deuses e heróis gregos. Durante a Época Clássica e o Período Helenístico da história grega, estes relatos foram registrados em textos escritos e formaram a base do que hoje é conhecido como literatura grega. Seu estudo é um assunto de interesse para várias disciplinas, da literatura e filosofia até a história, antropologia e psicanálise.

Cabe destacar que a mitologia grega reunia diversos elementos tradicionais e religiosos da Grécia Antiga, mas também era entendida como ficção por muitos dos filósofos da Antiguidade, como Platão (séculos V-IV a.C.). Em qualquer caso, poderia ser considerada uma valiosa fonte de ensinamentos e relatos alegóricos, assim continua sendo para nós hoje.

A origem da mitologia grega

As várias histórias, mitos e lendas que constituem o corpus da mitologia grega da Época Clássica foram criadas e transmitidas oralmente durante séculos. Os estudiosos acreditam que a origem desses relatos orais pode ser situada nos tempos longínquos da civilização micênica (1600-1200 a.C.) e que durante a Idade das Trevas (1200-800 a.C.), gradualmente foram se desenvolvendo em um conjunto coerente de narrativas entrelaçadas, com elementos de povos indo-europeus, mediterrâneos e asiáticos.

Durante esta etapa, toda a comunidade transmitia essas narrativas orais de geração em geração. Os mais velhos contavam as histórias dos deuses e heróis gregos para os mais jovens. Mas, além desta circulação familiar e coletiva, havia poetas que se dedicavam especialmente a narrar as histórias tradicionais. Os poetas não criavam as histórias, mas repetiam e compunham a história sobre os eventos míticos conhecidos por toda a comunidade.

Com a introdução da escrita alfabética no século VIII a.C., as narrativas mitológicas começaram a ser escritas. No entanto, para fins do século V a.C., a mentalidade grega abandonou a cultura da oralidade. Durante este processo, formou-se um tipo de poesia que permitiu o aparecimento de versões livres e originais sobre as narrativas mitológicas, ligadas à arte do autor e sustentadas pela certeza de que as histórias tradicionais já eram conhecidas de toda a comunidade.

O corpus da mitologia grega

mitologia griega dioses zeus
As histórias da Era dos Deuses explicam a origem do mundo e dos poderes divinos.

A mitologia grega, como muitas outras tradições similares, pode ser estruturada em três ciclos de história:

  • A Era dos Deuses. Mitos sobre a origem do mundo, o nascimento dos deuses e sua distribuição de domínios. As teogonias e cosmogonias pertencem a este período.
  • A Era da Convivência entre deuses e homens. Mitos e histórias sobre cooperação, amor e antagonismo entre deuses, semideuses e homens mortais.
  • A era dos Heróis. Mitos e histórias nas quais os deuses desempenham um papel mais limitado, dando lugar aos mortais e especialmente aos seus campeões, os heróis míticos. As histórias do ciclo da Guerra de Troia são deste período.

Os principais deuses da mitologia grega

Poseidón - Mitología griega
Poseidon governava as águas e podia dar aos marinheiros boas ou más viagens.

A primeira geração de deuses

Os deuses primordiais são aqueles que correspondem à primeira geração divina e estão relacionados com a criação do mundo e seus diferentes elementos. Eles não têm uma figura própria nem são humanizados como serão os deuses da segunda geração. Em vez disso, eles têm uma clara referência espacial e formam a estrutura de toda a existência.

Os principais deuses primordiais são: Gaia (Terra), Tártaro (Abismo), Eros (Amor), Érebo (Escuridão), Éter (Luz), Urano (Céu), Ponto (Mar) e Cronos (Tempo).

Segunda geração de deuses

A segunda geração de deuses consistia no panteão do Monte Olimpo. Estes deuses são definidos pelas suas relações dentro de uma estrutura familiar patriarcal. Os deuses são imortais, mas eles não existiram sempre. Cada um deles tem uma origem estabelecida dentro de um esquema genealógico, o que muitas vezes explica os problemas e eventos de sua história.

Os principais deuses olímpicos são:

  • Zeus. O deus pai, dono do relâmpago e dos céus. Do seu trono, guiava o resto dos deuses olímpicos. Zeus era o filho dos deuses primitivos Cronos e Reia. Seus irmãos eram Deméter, Hera, Héstia, Hades e Poseidon. Hera, além de ser sua irmã, era sua esposa. Junto com Hades e Poseidon, ela derrotou seu pai Cronos e tomou o trono. Entre eles dividiram a regência dos diferentes mundos e Zeus assumiu como o deus soberano da superfície da terra e do Monte Olimpo.
  • Hera. Irmã e esposa de Zeus, ela cumpriu o papel de deusa mãe, esposa legítima e senhora do lar. Era a mãe dos deuses Ares e Hefesto e a antagonista imediata dos filhos ilegítimos de Zeus, entre os quais muitos heróis, como Hércules ou Héracles.
  • Poseidon. Era o deus governante do mundo marinho e das regiões subterrâneas, e foi representado com um tridente na mão. Era filho de Cronos e irmão de Zeus e Hades. Do seu trono subaquático, ele governava as águas do mundo e podia dar aos marinheiros uma boa ou má viagem.
  • Hades. Era o deus do reino das sombras e dos mortos, irmão de Zeus e Poseidon, e filho de Cronos. Ele sempre aparecia retirado em seus domínios, e fez de Perséfone sua esposa (anteriormente chamada Coré, filha da deusa Deméter).
  • Ares. Era o deus da guerra e da violência, filho de Zeus e Hera. Ele foi associado com a virilidade e o heroísmo masculino e com a bravura em batalha e exércitos.
  • Hefesto. Era o senhor do fogo e da arte dos metais, filho de Zeus e Hera.
  • Afrodite. Deusa de beleza e da paixão, era filha de Cronos (mas não de Gaia), irmã de Zeus e esposa de Hefesto, a quem ela traiu com Ares e com inúmeros mortais. Seu nascimento é atribuído ao derramamento do sêmen de Cronos, pai dos Titãs, nas águas do mar, quando Zeus o castrou e o derrotou para sempre.
  • Apolo. Era o deus do Sol, protetor dos direitos paternais, inventor da música (era representado com uma lira) e da profecia. Era o irmão gêmeo de Ártemis, filho de Zeus e Leto.
  • Ártemis. Era a deusa caçadora, virginal e lunar, com uma afinidade por animais selvagens e terrenos virgens. Ela é representada com uma aljava cheia de flechas e muitas vezes com um veado e um cipreste.

Os principais heróis da mitologia grega

mitologia griega heroes aquiles troya
Aquiles foi um dos heróis da guerra de Troia.

A mitologia grega é caracterizada por uma abundância de figuras heroicas. Os heróis eram semideuses: superavam os homens em poder, força e ousadia, mas se diferenciavam dos deuses por serem mortais. Eram exemplos de virtude e se engajavam em proezas incríveis. Eles tinham uma relação com o divino, seja por descendência ou por serem favorecidos por um deus ou uma deusa. Os heróis pertenciam a um passado memorável, não tão remoto como o tempo dos deuses. Muitas famílias nobres nas diferentes pólis gregas reivindicaram a descendência de algum herói mítico, e várias cidades afirmaram ter sido fundadas por uma delas.

Cada herói tinha sua própria história e sua própria personalidade. Mas todos eles compartilhavam algumas características comuns, como o desejo de fama eterna e a busca da vida heroica.

Dois grupos de heróis podem ser diferenciados:

Em um primeiro grupo estão reunidos os heróis mais antigos cujas vidas foram atravessadas por aventuras no mundo desconhecido. Estes heróis se dedicavam a derrotar monstros e a criar espaços seguros para sua comunidade. Entre eles estão:

  • Perseu. Fundador da cidade de Micenas, ele foi um herói corajoso que enfrentou vários monstros. Era filho do deus Zeus e da mortal Dânae, e o irmão e bisavô de Herácles. Entre as suas façanhas, Perseu decapitou a górgona Medusa e salvou a princesa Andrômeda do monstro Cetus.
  • Hércules. Filho ilegítimo de Zeus e da rainha Alcmene, foi odiado por Hera desde que nasceu, e por ela foi sujeito a inúmeros trabalhos. Esses trabalhos quase impossíveis incluíam derrotar o Leão de Nemeia, a Hidra de Lerna, o Cérbero do Submundo, entre outros.
  • Teseu. Foi o rei de Atenas, de ascendência divina, a quem são atribuídas muitas façanhas, entre as mais importantes, a libertação da ilha de Creta do Minotauro: um ser mitológico meio homem e meio touro. Esse monstro devorava seus heróis e donzelas virgens, e morava no coração de um labirinto. Teseu derrotou a besta e voltou do labirinto guiado pelo fio que a princesa Ariadne lhe deu. Posteriormente, ele se casou com ela.
  • Jasão. Filho de Esão, o legítimo rei de Lolcos, ele era o líder dos Argonautas (um grupo de heróis míticos). Jasão partiu em busca do Velocino de Ouro (um objeto sagrado e mágico), para recuperar seu lugar de direito no trono.

O outro grupo heroico é composto pelos grandes guerreiros das batalhas contra as cidades de Tebas e Troia. Estes heróis pertencem a uma cronologia posterior e, conforme acreditavam os gregos da Antiguidade, a sua existência pertencia apenas a um par de gerações antes deles mesmos. Entre os heróis deste grupo, destacam-se os seguintes:

  • Aquiles. Rei dos Mirmidões, filho de Peleu e da ninfa Tétis, era invulnerável, exceto por seus calcanhares, que eram seu único ponto fraco. Ele foi para a Guerra de Troia junto com os outros reis gregos sabendo, pela profecia de sua mãe, que a morte e a fama o esperavam no campo de batalha.
  • Odisseu. Protagonista do poema épico Odisseia, ele é o mais engenhoso e astuto dos heróis gregos que embarcaram na Guerra de Troia. Foi ele quem criou a estratégia para derrotar e saquear a cidade, o que deu à Grécia a vantagem. Ao retornar a Ítaca, onde era rei, perdeu sua tripulação e seu navio e vagou durante 10 anos no Mediterrâneo.

Os principais mitos da mitologia grega

Cronos - Mitología griega
Cronos devorou seus filhos assim que eles nasceram do ventre de Reia.

A origem do mundo

De acordo com a mitologia grega, o mundo foi criado por três poderes divinos: Caos (“o vazio”), Gaia (“a terra”) e Eros (“renovação”). Urano, equiparável ao céu, era filho e marido de Gaia. Gaia e Urano foram os pais dos primeiros deuses: os titãs (comandados por Cronos), três ciclopes e três hecatônquiros.

Esta primeira geração de deuses reinou depois que Cronos castrou seu pai e desposou sua irmã Reia. Para evitar que seu próprio filho o destronasse, Cronos devorou as crianças recém-nascidas do ventre de Reia.

Entretanto, quando Zeus nasceu, sua mãe enganou Cronos ao dar-lhe uma pedra no lugar do filho. Quando Zeus cresceu, ele derrotou (junto com seus irmãos Hades e Urano) os Titãs, afirmou-se como um deus patriarcal e, do Monte Olimpo, estabeleceu a ordem.

A guerra de Troia

Guerra de Troya - mitología griega
A guerra de Troia envolveu muitos dos heróis gregos clássicos.

Um dos ciclos mais importantes da mitologia grega é aquele que fala do cerco e do saqueio à cidade Anatólia de Troia. Esta cidade foi sitiada por uma coalizão de reis gregos, sob o pretexto de recuperar Helena, a mulher mais bela do mundo.

Este confronto envolveu muitos dos heróis gregos clássicos e os vários deuses, que tomaram partido de um lado ou de outro. Estes eventos são narrados na Ilíada e em muitos episódios prévios ou posteriores nas tragédias de Ésquilo, Sófocles e Eurípedes.

Em que livros é narrada a mitologia grega?

A mitologia grega continua a ser divulgada na literatura e no cinema. No entanto, os textos mais antigos dos quais provém nosso conhecimento sobre o assunto, são:

  • A Biblioteca Mitológica do Pseudo-Apolodoro, em que pretende-se dar uma visão unificada dos diferentes contos mitológicos.
  • A Ilíada e a Odisseia, poemas épicos atribuídos a Homero.
  • Teogonia e Os Trabalhos e Dias por Hesíodo, nos quais ele reconta o início de tudo e fala de agricultura, respectivamente.
  • O trabalho de poetas líricos gregos como Píndaro, Basquílides, Simônides e poetas bucólicos como Teócrito e Bíon.
  • A obra trágica dos dramaturgos gregos: Ésquilo, Sófocles e Eurípedes, assim como as comédias de Aristófanes.
  • A obra dos historiadores gregos Heródoto, Diodoro Sículo e os geógrafos Pausânias e Estrabão.

Mitologia romana

A mitologia grega desempenha um papel fundamental na formação do imaginário ocidental. Está representada em uma das tradições literárias mais ricas e complexas do mundo. Os arquétipos atribuídos pelos gregos a seus deuses sobrevivem de muitas formas diferentes na nossa cultura, reconvertidos e misturados com outras fontes culturais.

Deuses e heróis enfrentam conflitos relacionados a temas universais tais como orgulho, traição ou justiça. É por isso que as obras que narram as suas histórias ainda hoje são levadas ao palco. Algumas dessas histórias foram também usadas pela psicanálise para explicar a maneira como nos comportamos hoje.

Versões posteriores

Durante o Renascimento, a mitologia grega foi uma fonte de inspiração para pintores e escultores em sua diversificação de motivos, valores e formas de arte medieval (que estava profundamente ligada a temas cristãos).

Posteriormente, muitas obras de arte modernas dialogaram e reinterpretaram mitos gregos, especialmente as tragédias como Édipo Rei ou Antígona.

Referências

  • Introducción a la mitología griega. García Gual, C. (2007). Alianza Editorial.
  • Mitología griega. Reyes, A. (2018). Fondo de cultura económica.
  • Breve historia de la mitología griega. López Trujillo, F. (2008). Nowtilus.
  • “Greek Mythology” em The Enciclopaedia Britannica.
  • “Greek Mythology” em History.

Como citar?

Citar a fonte original da qual extraímos as informações serve para dar crédito aos respectivos autores e evitar cometer plágio. Além disso, permite que os leitores acessem as fontes originais que foram utilizadas em um texto para verificar ou ampliar as informações, caso necessitem.

Para citar de forma adequada, recomendamos o uso das normas ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), que é uma entidade privada, sem fins lucrativos, usada pelas principais instituições acadêmicas e de pesquisa no Brasil para padronizar as produções técnicas.

KISS, Teresa. Mitologia grega. Enciclopédia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/mitologia-grega/. Acesso em: 17 julho, 2024.

Sobre o autor

Autor: Teresa Kiss

Professora de História do ensino médio e superior.

Traduzido por: Márcia Killmann

Licenciatura em letras (UNISINOS), Doutorado em Letras (Universidad Nacional del Sur)

Data da última edição: 27 fevereiro, 2024
Data de publicação: 29 junho, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)