Lenda

Vamos explicar o que são as lendas, como se originaram e a estrutura que apresentam. Além disso, quais são suas características, tipos e exemplos.

Leyenda - Atlantida
As lendas oferecem narrações sinistras ou desconcertantes.

O que é a lenda?

Uma lenda é uma narrativa do tipo popular, que geralmente contém elementos mágicos (fantásticos) ou sobrenaturais. São apresentados como explicação para a origem de certos elementos naturais ou como parte de acontecimentos reais, históricos ou como parte de acontecimentos realistas. Muitas vezes incluem um final moralizante.

As lendas são tão antigas como a própria humanidade, e a acompanharam desde sempre, como parte dos relatos em que se expressa o imaginário popular. Sua autoria é coletiva. Encontram-se entre os mitos e as fábulas.

Geralmente, as lendas oferecem narrações sinistras ou desconcertantes, que sugerem a existência de elementos sobrenaturais ocultos no mundo cotidiano. Não existe uma “versão oficial” de cada uma delas, mas circulam em um conjunto de versões mais ou menos semelhantes, já que uma mesma legenda pode mudar de um país para outro.

Qual é a origem das lendas?

As lendas, como a maioria dos relatos populares, têm origem na tradição oral.

Passam de geração em geração, de pai para filho.

De um país ou lugar para outro, seu conteúdo muda paulatinamente. São removidos ou adicionados detalhes.

Inclusive pode acontecer que, em uma mesma época, uma lenda seja contada de maneiras diferentes em duas regiões do mesmo país ou da mesma comunidade.

Características da lenda

leyenda transmision oral
São transmitidas oralmente, em geral de pai para filho.

As lendas geralmente são caracterizadas por:

  • Narrar eventos que ocorrem em um lugar determinado e real, em um lugar e tempo precisos. Isso se distingue da fábula.
  • Concentrar-se em um personagem e suas peripécias, geralmente desencadeadas em seus defeitos, em sua forma de ser ou em suas ações.
  • Contêm uma advertência ou final moralizante, embora não se encontre explicitado como ocorre no caso das fábulas.
  • São de autoria anônima, já que costumam haver diversas versões de uma mesma lenda.
  • A maioria é transmitida oralmente.

História da lenda

leyenda - rey Arturo
No romantismo, a lenda passou a fazer parte do imaginário artístico.

É impossível contar a história de todas as lendas, já que nascem e morrem à medida que as sociedades mudam. A história das lendas ocidentais que ainda estão presentes nos nossos dias está associada ao cristianismo medieval. A Igreja incentivava o conhecimento das vidas dos santos católicos através deste tipo de relato.

No entanto, a Reforma Protestante os recolocou em um plano ficcional, considerando-os relatos não históricos ou informais. Isto porque a Igreja Protestante diferenciava os santos “oficiais” ou “autênticos” detalhados em O Livro dos Mártires de John Foxe, das lendas contadas pela Igreja Católica a sua conveniência.

Durante a época do romantismo, a lenda passou a fazer parte do imaginário artístico e foi muito valorizada pelos criadores e filósofos. Ao contrário, na época do iluminismo, cujo culto era principalmente pelo saber racional, as lendas e superstições eram reconhecidas como gestos de barbárie.

Tipos de lenda

As lendas podem ser classificadas em dois tipos, de acordo com a sua origem:

  • Lendas rurais. Nascem geralmente em épocas feudais, como a Idade Média europeia, ou também no seio das sociedades rurais. Estão sempre muito vinculadas ao folclore e ao imaginário tradicional, religioso ou não. Por isso costumam se ambientar em bosques, granjas ou lugares nos quais o ser humano se expõe à natureza.
  • Lendas urbanas. São gestadas no seio da população das cidades e pertencem, portanto, a um imaginário mais moderno ou industrializado. Costumam, portanto, contar eventos sobrenaturais que passam despercebidos no meio da modernidade.

Estrutura da lenda

As lendas operam como relatos literários, por isso costumam se reger pela clássica estrutura aristotélica:

  • Início. Apresenta o mundo do relato e se introduz o personagem protagonista.
  • Complicação. Surgem as dificuldades, geralmente decorrentes de ter transgredido uma norma, ter ignorado um conselho ou por motivos semelhantes.
  • Desenlace. Aqui se manifesta a mudança (como o início de um costume ou o surgimento de uma espécie animal ou vegetal). Raramente volta ao normal.

Qual é a função da lenda?

De maneira semelhante aos mitos, as lendas têm a função de explicar determinados aspectos do mundo ou da própria cultura. Em outros casos, advertem sobre certos riscos, difundem valores ou desaconselham certos comportamentos. Exprimem, nesse sentido, os valores de uma cultura, a sua ideia do bem e do mal, ou os papéis tradicionais.

Lendas urbanas

O termo “lenda urbana” é também utilizado como sinônimo do folclore contemporâneo. São as crenças incomparáveis e fantásticas que, no entanto, se transmitem até os dias de hoje. Encontram-se muito perto das teorias conspirativas e do mundo da internet (chamados também de creepypastas).

Seus protagonistas já não são as mesmas criaturas rurais e divindades de antigamente. Pelo contrário, incluem planos secretos do governo, visitas de extraterrestres, episódios secretos de guerras ou encontros fantásticos com seres, lugares ou situações paradoxais.

Lendas folclóricas

As lendas folclóricas representam o conjunto de histórias e contos narrados pelo povo que são transmitidas de geração em geração por meio da oralidade.

Diferença entre lenda e mito

Mito - Perseo - Medusa
O mito não possui um conteúdo moral como a lenda.

A maior diferença entre mitos e lendas tem a ver com o seu conteúdo. Os mitos oferecem explicações fantásticas e incomparáveis sobre a origem do mundo e certos eventos de importância filosófica ou religiosa para uma cultura.

Pelo contrário, as lendas se inspiram e se apegam a eventos reais, históricos e reconhecíveis. Alguns de seus protagonistas podem ser reais, mas depois tendem ao imaginário.

Também se diferenciam pelo nível de verdade que lhes é atribuído. Quando os mitos estão vivos, ou seja, quando uma comunidade acredita neles, essa comunidade considera-os relatos verdadeiros. Mas, as lendas são narradas como histórias imaginárias. Mesmo que algumas pessoas acreditem nelas, não são consideradas verdadeiras pela comunidade.

Outra diferença relevante tem a ver com o conteúdo moral, educacional ou, pelo menos, de advertência que normalmente contém a lenda. O mito não costuma incluir esse aspecto, e só se refere à conduta do ser humano de maneira simbólica, lateral, ou para explicar a origem de um rito ou de uma tradição de conduta.

Por último, as lendas costumam ter múltiplas variantes e versões, enquanto os mitos tendem a ser mais homogêneos . Estes últimos, além disso, podem ser retomados em textos sagrados.

Exemplo: Fausto

A história do Dr. Fausto é uma lenda de origem alemã. Fausto era um cientista, filósofo ou alquimista que sentia que seu caminho de saberes enciclopédicos e erudição lhe tinha deixado insatisfeito com a vida. Por isso fez um pacto com um demônio chamado Mefistófeles, que prometeu lhe devolver os prazeres mundanos e dar-lhe conhecimento infinito, em troca da sua alma imortal.

Referências

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

ETECÉ, Equipo editorial. Lenda. Enciclopedia Humanidades, 2024. Disponível em: https://humanidades.com/br/lenda/. Acesso em: 19 abril, 2024.

Sobre o autor

Traduzido por: Cristina Zambra

Licenciada em Letras: Português e Literaturas da Língua Portuguesa (UNIJUÍ)

Data da última edição: 30 março, 2024
Data de publicação: 21 fevereiro, 2024

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)