Rei Arthur

Vamos explicar quem foi o rei Arthur, a origem da sua lenda e as personagens que a compõem. Além disso, as suas características e obras.

Rey Arturo
O rei Arthur foi imaginado como um monarca ideal, justo e valente.

Quem foi o rei Arthur?

O rei Arthur (do inglês, King Arthur), em português também grafado como Artur, é a personagem central de uma tradição lendária britânica narrada em numerosos romances medievais, não apenas britânicos, mas também franceses e germânicos (conhecidos em conjunto como o “Ciclo Arthuriano” ou “Lenda Arturiana”e fazem parte da chamada “Matéria da Grã-Bretanha”).

De acordo com as versões mais completas, Arthur foi um rei britânico exemplar que governou virtuosamente, do seu castelo em Camelot, e liderou uma irmandade conhecida como os “Cavaleiros da Távola Redonda”, até morrer nas mãos do seu filho e ser levado para a ilha de Avalon.

O rei Arthur é uma personagem fictícia de possível origem celta, mencionada em contos épicos e poemas após a retirada romana da Grã-Bretanha (410) e a queda do Império Romano Ocidental (476).

A “lenda arthuriana”, como a conhecemos hoje, começou a tomar forma nos séculos XII e XIII a partir de obras como Geoffrey de Monmouth, História dos Reis da Bretanha (1136) e Lancelot, o Cavaleiro da Charrete (entre 1176 e 1181). Nesta época, os reis da Inglaterra promoveram a imagem do rei Arthur como modelo de legitimidade para seus próprios reinados. De particular importância, anos depois, foi a publicação do romance de Thomas Malory, A Morte de Arthur (1485), que se tornou a versão mais completa da lenda.

Atualmente, alguns historiadores argumentam que o rei Arthur pode ter sido inspirado por uma personagem histórica do início da Idade Média, embora as propostas variem e nenhuma evidência concreta tenha sido encontrada para corroborar qualquer uma das hipóteses.

Em todo caso, o rei Arthur continua a despertar interesse como o ideal de um monarca justo e aguerrido, rodeado de companheiros fascinantes e episódios fantásticos, razão pela qual ele é hoje frequentemente retratado em obras literárias, teatrais, pictóricas e cinematográficas.

A origem da lenda do rei Arthur

É incerto quando e de onde surgiu a lenda do rei Arthur, embora acredita-se que ela tenha surgido no País de Gales ou em outras zonas da atual Grã-Bretanha, algum tempo depois do século V.

A história do rei Arthur começou a tomar forma a partir de uma obra escrita em latim pelo clérigo galês Geoffrey de Monmouth, intitulada Historia Regum Britanniae ou História dos Reis da Grã-Bretanha (1136). Esta crônica dos reis britânicos apresentou muitas personagens e episódios lendários como históricos, entre eles Arthur, que foi apresentado aqui como um grande rei. Também contribuiu com novos elementos míticos ou fantásticos que combinaram lendas celtas com temas cristãos e foram conservados ou ampliados em versões posteriores do ciclo Arthuriano, tais como a presença do mago Merlim.

Outros autores dos séculos XII e XIII incorporaram motivos como a espada na bigorna ou na pedra, o castelo do rei em Camelot, a távola redonda, o romance de Lancelot com Guinevere (esposa e rainha de Arthur) e a busca do Santo Graal.

Estas e outras versões foram compiladas, selecionadas e editadas em uma narrativa coerente no romance A Morte de Arthur (1485), do escritor inglês Thomas Malory, a qual se tornou a versão mais completa da lenda. No século XIX, o poeta inglês Alfred Tennyson recuperou a lenda de Arthur em seu livro Idílios do Rei (1859) e a relançou na forma que continua até os dias de hoje.

A lenda do rei Arthur

O nascimento de Arthur e a herança do trono

O rei Uther da Grã-Bretanha estava apaixonado por Ingraine, esposa do Duque da Cornualha. Ele fez um pacto com o feiticeiro Merlim pelo qual o feiticeiro lhe concedeu a aparência do Duque para que ele pudesse dormir com a Duquesa em troca do primeiro filho que ele tivesse com ela. O menino que nasceu desse encontro foi chamado de Arthur, e foi criado por um cavaleiro chamado Heitor, que não sabia tratar-se do filho do rei.

Nos últimos momentos do rei Uther, numerosos nobres disputavam a sucessão para o trono. Merlim profetizou que aquele que pudesse tirar a espada que estava cravada numa bigorna ou numa pedra (dependendo da versão) seria o próximo rei.

Excalibur: a espada na pedra

Rey Arturo
Arthur foi coroado quando conseguiu retirar a espada da pedra.

Uma das histórias mais conhecidas no imaginário arthuriano é a da espada cravada na pedra que somente o escolhido seria capaz de remover, a fim de ser coroado rei.

Como reiteraram trabalhos posteriores, Merlim havia profetizado que somente o verdadeiro escolhido para ocupar o trono da Britânia seria capaz de tirar a espada. Muitos nobres tentaram sem conseguir, até que chegou Arthur, que era o filho ilegítimo do rei Uther, e tirou a pedra e assim foi reconhecido como herdeiro ao trono.

Em alguns relatos, a espada de Arthur quebrou em batalha contra um rei inimigo e ele recebeu uma nova da Dama do Lago, uma entidade misteriosa a quem ele visitou guiado por Merlim.

Esta espada, chamada Excalibur, veio de um lugar mágico. Nas mãos de Arthur representava seu poder e legitimidade e, diante de sua morte iminente no final da história, a espada seria devolvida ao lago, semelhante a outras tradições celtas envolvendo armas mágicas.

Camelot e o Santo Graal

O reinado de Arthur era tão justo que muitos queriam servi-lo na corte que se encontrava estabelecida no castelo de Camelot. Assim, ele adquiriu uma mesa redonda com a intenção de que os cavaleiros mais dignos se sentassem nela com uma voz igual em todos os assuntos. Originalmente a mesa tinha doze assentos, mas mais cavaleiros foram acrescentados à mesa até totalizar mais de trezentos. Além disso, Arthur contava com os conselhos de Merlim.

Uma vez estabelecida sua corte, o rei Arthur convocou seus cavaleiros para procurar o Santo Graal, que tinha sido usado por Jesus Cristo na Última Ceia, e que tinha recebido seu sangue após a crucificação, dando-lhe propriedades curativas.

A primeira referência ao “Graal” é documentada em uma obra inacabada de Chrétien de Troyes no século XII. Era uma espécie de fonte ou prato que tinha um poder mágico para curar feridas. Robert de Boron mais tarde relacionou o graal com o cálice sagrado que, segundo a tradição cristã, Jesus usou na Última Ceia.

O “Santo Graal” só podia ser encontrado por um cavaleiro com um coração nobre. Os Cavaleiros da Távola Redonda começaram a jornada, enfrentando todos os tipos de perigos, e foi Galaaz quem fez a descoberta e depois subiu ao céu.

A morte de Arthur

Um dos cavaleiros mais próximos do rei Arthur, Lancelot, mantinha um caso com sua esposa Guinevere. Quando Arthur soube disso, o conflito eclodiu dentro do reino. De que maneira o rei percebeu a infidelidade, varia em diferentes versões. Em uma versão, um filho ilegítimo de Arthur, Mordred, aproveitou a situação para tomar o trono: quando Arthur partiu com seu exército para lutar contra as forças de Lancelot, Mordred proclamou-se rei.

Em ambas as versões, os Cavaleiros da Távola Redonda participaram do conflito, alguns ao lado de Lancelot e outros com o rei Arthur. A guerra culminou com Lancelot retirando-se a um eremitério e Guinevere a um convento. Além disso, Arthur e Mordred se enfrentaram e mataram um ao outro. Antes de morrer e ser levado à ilha de Avalon, Arthur devolveu a espada Excalibur para a Dama do Lago, que levantou a mão para a superfície e a recebeu.

As personagens da lenda do rei Arthur

Rey Arturo - Mesa Redonda
Os Cavaleiros da Távola Redonda procuravam o Santo Graal de Jesus Cristo.

Os Cavaleiros da Távola Redonda

A mesa redonda foi introduzida na lenda arthuriana pelo poeta normando Wace em sua obra Roman de Brut (1155) e se tornou um dos elementos centrais das versões posteriores. A Távola Redonda veio para manifestar o caráter justo e equitativo do rei Arthur, que decidiu que entre aqueles cavaleiros que desejavam segui-lo e tinham a coragem de acompanhá-lo não haveria privilégios e as vozes de todos seriam ouvidas igualmente, inclusive a sua própria voz.

A história dos nomes dos cavaleiros que formaram a corte do rei Arthur em seu castelo em Camelot varia de uma versão para a outra. Entretanto, sua composição como irmandade com códigos de honra e valores corteses foi provavelmente influenciada pelas ordens dos cavaleiros que se formaram na Europa a partir do século XII.

Alguns dos cavaleiros mais famosos da Távola Redonda são:

  • Lancelot, Lancelote ou Lançarote. Criado desde pequeno pela Dama do Lago, ele foi um dos cavaleiros mais próximos do Rei Arthur. Ele se apaixonou e teve um caso com a rainha Guinevere, esposa de Arthur, o que desencadeou uma guerra dentro do reino.
  • Perceval ou Parsifal. Filho do rei Pellinore ou de outro nobre, foi um dos grandes protagonistas na busca do Santo Graal.
  • Galvão, Gawain ou Galvan. Filho do Rei Lot e de Morgause, irmã do rei Arthur, foi um dos melhores cavaleiros da Távola Redonda. Suas forças aumentavam com a presença do sol e diminuíam quando o sol se punha.
  • Bors ou Boores. Este nome foi compartilhado por dois cavaleiros, pai e filho. O primeiro foi rei da Gália e o segundo foi um dos três cavaleiros que alcançaram o Santo Graal.
  • Galahad ou Galaaz. O filho bastardo de Lancelot e da Princesa Elaine, ele era muito piedoso e, talvez por isso, foi a figura principal na busca do Santo Graal.

O mago Merlim

Rey Arturo - Merlín
Merlim é uma combinação de ermitão, mago, xamã e profeta.

Merlim foi introduzido na lenda arthuriana por Godfrey de Monmouth. Em sua História dos Reis da Grã-Bretanha (1136), Merlim era um jovem mago e profeta nascido de uma mulher e um espírito que podia lançar feitiços e que previu a vitória sobre os saxões que o rei Arthur alcançaria mais tarde.

Ele também foi responsável pelo nascimento de Arthur, pois lançou um feitiço que fez o rei Uther parecer-se com o Duque Gorlois, por cuja esposa ele estava apaixonado, e desta união nasceu Arthur.

A inspiração para esta personagem ou, pelo menos para o seu nome, parece ter sido Myrddin Wyllt, um bardo da mitologia celta bretã que acreditava-se viver nas florestas e realizar profecias. Seu nome foi latinizado como Merlinus e depois passado para outros idiomas como Merlin ou Merlim.

A inclusão de Merlim como mago na lenda do rei Arthur foi repetida em obras dos séculos XII e XIII, notadamente no Merlim de Robert de Boron, onde a personagem se tornou mais proeminente e pela primeira vez foi retratada mostrando para Arthur a espada na bigorna (que em obras posteriores se tornou a espada na pedra). Neste trabalho, Merlim estava fortemente ligado às crenças cristãs, não apenas por causa de seu nascimento sobrenatural de uma mulher e de um demônio (e pelo fato de ter abraçado o bem após ser batizado), mas também porque sua história estava ligada à busca do Santo Graal.

O Merlim definitivo é aquele composto por Thomas Malory em A Morte de Arthur (1485). Daí em diante, este profeta, feiticeiro e conselheiro de confiança de Arthur tornou-se o modelo do mago sábio e poderoso. Vários arquétipos associados à magia convergem nele: o ermitão, o druida, o xamã e o profeta.

O rei Arthur realmente existia?

Não há evidências históricas da existência de um rei chamado Arthur na época em que ele deveria ter vivido (entre os séculos V e VI). Arthur é uma personagem lendária que tomou forma ao longo dos séculos em relatos orais, poemas épicos e narrativas em prosa. Entretanto, alguns historiadores acreditam que a figura literária do rei Arthur pode ter sido inspirada por uma figura histórica.

O lendário rei Arthur foi retratado em algumas crônicas medievais como um líder que uniu militarmente vários reinos para enfrentar os saxões invasores.

Entre aqueles que argumentam que Arthur era uma figura histórica, alguns recorrem a uma série de fontes escritas anteriores ao século XI. Nas obras de dois monges dos séculos VI e VIII chamados Gildas e Beda, foram descritas as invasões saxônicas da Grã-Bretanha e a resistência de um líder britânico-romano chamado Ambrosius Aurelianus. Além de ser vitorioso, ele representava o ideal do bom comandante, e é por isso que alguns acreditam que ele pode ter sido um modelo para a figura posterior de Arthur.

Há propostas que o equiparam a um senhor da guerra britânico chamado Owain Ddantgwyn, que reinou em Powys, País de Gales, no final do século V e foi conhecido como o “urso”. Como urso em galês é pronunciado arth e na língua britânica o sufixo -gur significa “homem”, foi proposto que Arthgur significava “o homem urso” e que este termo acabou se tornando Arthur, Artur.

O fato é que não existem fontes primárias (ou seja, contemporâneas aos fatos) que mencionem diretamente um líder ou o rei Arthur nos séculos V e VI. Também não foi encontrada nenhuma evidência arqueológica que corroborasse a sua existência.

O rei Arthur no cinema

rey arturo cine pelicula
O filme dirigido por Guy Ritchie é o filme mais recente sobre a lenda.

Além de sua popularidade literária, a lenda do rei Arthur inspirou muitos filmes. Entre eles, podemos destacar:

  • A Espada Era a Lei (1963), um desenho animado da Walt Disney Pictures.
  • Camelot (1967), dirigido por Joshua Logan.
  • Lancelote do Lago (1974), dirigido por Robert Bresson.
  • Monty Python em Busca do Cálice Sagrado (1975), dirigido por Terry Gilliam e Terry Jones.
  • Excalibur (1981), dirigida por John Boorman.
  • Primeiro Cavaleiro (1995), dirigido por Jerry Zucker.
  • O Rei Arthur: a Lenda da Espada (2017), dirigida por Guy Ritchie.

O rei Arthur na literatura

A literatura arthuriana é muito extensa para ser listada, há tantas obras que enumerá-las seria impossível. Mas elas podem ser destacadas:

  • História dos Reis da Grã-Bretanha de Geoffrey de Monmouth.
  • O Cavaleiro da Charrete, Lancelot, Perceval ou o conto do Graal, entre outros, de Chrétien de Troyes.
  • A Morte de Arthur por Thomas Malory.
  • Parsifal por Richard Wagner (Ópera).
  • Um Ianque na Corte do Rei Arthur por Mark Twain.
  • A Queda de Arthur por J. R. R. Tolkien.

Referências

  • Alvar, C. (1991). El rey Arturo y su mundo: diccionario de mitología artúrica. Alianza.
  • Higham, N. J. (2002). King Arthur: Myth-Making and History. Routledge.
  • Torres Asensio, G. (2003). Los orígenes de la literatura artúrica. Edicions Universitat Barcelona.
  • "King Arthur" em Encyclopedia Britannica.
  • "Arthurian legend" em Encyclopedia Britannica.

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

GAYUBAS, Augusto. Rei Arthur. Enciclopedia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/rei-arthur/. Acesso em: 24 abril, 2024.

Sobre o autor

Autor: Augusto Gayubas

Doutor em História (Universidad de Buenos Aires)

Traduzido por: Márcia Killmann

Licenciatura em letras (UNISINOS), Doutorado em Letras (Universidad Nacional del Sur)

Data da última edição: 29 fevereiro, 2024
Data de publicação: 6 março, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)