Período Clássico (América)

Vamos explicar o que foi o Período Clássico da Mesoamérica e as suas principais características. Além disso, as civilizações que se desenvolveram e o fim do período.

Período Clásico América
As cidades maias de Tikal, Copan e Uxmal tiveram seu apogeu durante o Período Clássico.

O que foi o Período Clássico?

O Período Clássico da Mesoamérica, também conhecido como o quarto período da Pré-História norte-americana, abrangeu de 200 d.C. a 900 d.C. Neste período, destaca-se o apogeu dos povos maia, teotihuacanos e zapotecas, que formaram sociedades estratificadas e estados complexos.

As sociedades do Período Clássico construíram grandes centros urbanos, alguns dos quais com mais de 100 000 habitantes. Além disso, dominaram melhores técnicas agrícolas que permitiam à população crescer de forma constante e criaram diferentes formas de controle social e estatal.

A invenção de diferentes sistemas de escrita lhes permitiu registrar tudo, desde as conquistas militares de seus governantes até os mitos e genealogias de seus deuses.

Cronologia mesoamericana

O Período Clássico está localizado entre o Período Pré-clássico (2500 a.C.-200 d.C.) e o Período Pós-clássico (900-1521 d.C.). Além disso, o Período Clássico da Mesoamérica está dividido nas seguintes fases:

  • Clássico Precoce (200-550 d.C.).
  • Clássico Médio (550-700 d.C.).
  • Clássico Tardio (700-900 d.C.)

Características do período

Período Clásico América
Durante o Período Clássico, foram criados sistemas de escrita glifos altamente complexos.

O Período Clássico da Mesoamérica foi caracterizado por:

  • A organização do Estado. Dois tipos de organização política e territorial se desenvolveram: um tipo de Estado com um único governante no topo da pirâmide social (como nas cidades-Estado maia); e outro tipo multiétnico com uma organização corporativa na qual grupos sociais (e não indivíduos) funcionavam como entidades políticas (como no caso de Teotihuacán). Em ambos os casos, as sedes do governo estavam em grandes centros urbanos e envolviam diversas formas de administração e organização da produção.
  • O urbanismo organizado. Junto com a complexidade da organização política, surgiram os grandes centros urbanos. Nas cidades havia uma grande diferenciação social interna, baseada não só no acesso a bens e privilégios, mas também na ocupação e nos ofícios. A construção das cidades foi meticulosamente planejada, levando em conta a localização dos centros administrativos, religiosos, produtivos e comerciais, bem como os terrenos que circundavam as moradias.
  • O sistema de escrita. Diversas culturas do Período Clássico desenvolveram seus próprios sistemas de escrita. Em alguns casos, o nível de complexidade do sistema era menor e os glifos funcionavam como símbolos figurativos acompanhando as representações artísticas. Em outros, os sistemas de notação tornaram-se logo-silábicos e integraram centenas de glifos, a partir dos quais puderam registrar relatos narrativos das vidas dos governantes e dos mitos dos deuses.
  • Os monumentos colossais. Destacavam-se os edifícios monumentais na arquitetura da época: templos e santuários que, em cada cultura, eram construídos e decorados em um estilo distinto. Os templos tinham enormes bases piramidais e sua posição foi diagramada com base em mapas celestiais.
  • O poder sacerdotal. Os sacerdotes tiveram grande influência na organização social, cultural, econômica e política. Em muitos casos, eles exerciam funções políticas ao lado do governante ou davam conselhos através de oráculos sobre decisões militares e políticas. Além disso, dominavam as técnicas de escrita, o que lhes permitia organizar a fé religiosa e registrar a visão do mundo do seu povo.
  • A construção de centros cerimoniais. O desenvolvimento de centros urbanos em torno de grandes templos monumentais é uma prova da importância da religião. No politeísmo característico dessas sociedades, os deuses da tempestade e da chuva foram particularmente importantes durante esse período.
  • As sofisticadas técnicas agrícolas. A melhoria da atividade agrícola permitiu a transformação das sociedades, pois tornou possível o aprovisionamento de alimentos a grandes populações e impulsionou a capacidade comercial com outras populações próximas.
  • A produção artesanal especializada. A complexa estrutura social da vida urbana levou ao surgimento de artesãos que produziam artigos de luxo utilizando técnicas complexas e especializadas. Em alguns casos, as elites governantes patrocinaram a ouriversaria, a arte plumária e os escultores que trabalhavam com matérias-primas importadas de outras regiões.

Civilizações do Período Clássico

Período Clásico América
A cidade de Teotihuacán já alojou mais de 150 000 habitantes.

As principais culturas mesoamericanas do Período Clássico foram:

  • Cultura teotihuacana. Esta civilização habitava o nordeste do vale do México, ao redor da cidade de Teotihuacán, e seu apogeu foi entre 200 d.C. e 550 d.C. É uma das culturas mais misteriosas para os arqueólogos, que ainda estão debatendo as suas origens e tentando entender as causas de seu desaparecimento. Acredita-se que o Estado não tinha um único governante, mas um cogoverno coletivo administrado por uma classe dominante que representava os vários grupos étnicos que formavam a sociedade teotihuacana. Esta cultura teve grande influência sobre outras civilizações contemporâneas (como as cidades maias) e civilizações posteriores (como a civilização asteca).
  • Cultura zapoteca. Esta civilização ocupou o vale de Oaxaca e o istmo de Tehuantepec entre 500 a.C. e 900 d.C. Da cidade de Monte Albán, os Zapotecas conquistaram os povos vizinhos e estenderam seu Estado. A sua organização política e social foi fortemente influenciada pelo dogma religioso e as suas expressões artísticas apresentavam características bélicas e cerimoniais.
  • Cultura maia. Esta civilização habitou a península de Iucatã entre 2000 a.C. e 1527 d.C. Ao longo de sua história, os maias organizaram diferentes cidades-Estados independentes com governos teocráticos. Durante o Período Clássico, as cidades de Palenque, Copan, Tikal e Uxmal lideraram a esfera maia. Seus templos eram feitos de pedra, com formas de pirâmides escalonadas e paredes pintadas com cores vivas. A cultura Maia é conhecida pelo seu desenvolvimento da tecnologia agrícola e do conhecimento astronômico.

Fim do Período Clássico

Período Clásico América
No final do Período Clássico, o culto aos deuses guerreiros cresceu em importância.

O final do Período Clássico está ligado ao declínio das culturas dominantes de cada região mesoamericana durante os séculos IX e X d.C. Os historiadores fazem a distinção entre este período e o seguinte, chamado Pós-Clássico (900-1521 d.C.), com base em algumas mudanças que caracterizaram as diversas culturas mesoamericanas de ambos os períodos:

  • Atividade militar. No Período Pós-Clássico, a guerra tornou-se especialmente importante no relacionamento entre as diferentes civilizações da Mesoamérica. Houve um impulso no desenvolvimento da tecnologia de armas (com a introdução da metalurgia) e um maior número de conflitos militares sobre a dominação de territórios.
  • Hegemonia das classes guerreiras. Durante o Período Clássico, as classes governantes legitimaram seu poder através de crenças religiosas e estavam em grande parte ligadas a grupos sacerdotais. No seguinte período, o aumento da atividade militar fez com que os grupos governantes se conectassem diretamente ao papel da guerra.
  • Fortalecimento dos grupos de comerciantes. O agravamento das diferenças de classe dentro das sociedades mesoamericanas permitiu que os grupos de comerciantes consolidassem seu lugar na escala social. Os comerciantes se enriqueceram e fortaleceram seu poder na esfera política ao trazer mercadorias de luxo que as classes dominantes usavam como símbolo de distinção.
  • Panteão bélico. Na esfera religiosa, o culto dos deuses guerreiros como Quetzalcoatl (a serpente emplumada) começou a predominar, e os deuses ligados à chuva e à fertilidade foram relegados ao segundo lugar.

Referências

  • López Austin, Alfredo; y López Luján, Leonardo (2001): El pasado indígena. México DF: El Colegio de México.
  • Boehm de Lameiras, B. (1991). El Estado en Mesoamérica. Estudio sobre su origen y evolución. Revista Española de Antropología Americana, 21, 11.
  • Carmack, Robert et. al. (1996): The legacy of Mesoamérica: history and culture of a Native American civilization. Prentice Hall. Nueva Jersey.
  • Duverger, Christian (1999): Mesoamérica, arte y antropología. CONACULTA-Landucci Editores. París.
  • “Ancient Americas: Maya” em History.

Como citar?

Citar a fonte original da qual extraímos as informações serve para dar crédito aos respectivos autores e evitar cometer plágio. Além disso, permite que os leitores acessem as fontes originais que foram utilizadas em um texto para verificar ou ampliar as informações, caso necessitem.

Para citar de forma adequada, recomendamos o uso das normas ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), que é uma entidade privada, sem fins lucrativos, usada pelas principais instituições acadêmicas e de pesquisa no Brasil para padronizar as produções técnicas.

KISS, Teresa. Período Clássico (América). Enciclopédia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/periodo-classico-america/. Acesso em: 9 julho, 2024.

Sobre o autor

Autor: Teresa Kiss

Professora de História do ensino médio e superior.

Traduzido por: Márcia Killmann

Licenciatura em letras (UNISINOS), Doutorado em Letras (Universidad Nacional del Sur)

Data da última edição: 21 fevereiro, 2024
Data de publicação: 29 junho, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)