Cultura zapoteca

Vamos explicar o que é a cultura zapoteca e como se organizavam social e politicamente. Além disso, suas características, religião e economia.

Arquitectura zapoteca
A cultura zapoteca se destacou pela sua arte e arquitetura urbana.

O que é a cultura zapoteca?

A cultura zapoteca foi uma antiga civilização mesoamericana que habitou o território mexicano do atual Vale de Oaxaca e do Istmo de Tehuantepec entre 500 a.C. e 900 d.C.

Os zapotecas acreditavam que seu povo vinha do céu e se chamavam “Binni Záa”, que significava “povo das nuvens”, nome que também se referia ao seu assentamento em planaltos.

Sua organização política e social foi influenciada por crenças religiosas, e suas expressões artísticas tinham traços bélicos e cerimoniais. Os zapotecas fundaram a cidade murada de Monte Albán, da qual expandiram seu Estado e conquistaram seus povos vizinhos.

Localização geográfica e temporal

A antiga Civilização zapoteca habitava o Vale de Oaxaca, as serras do norte do vale e parte do Istmo de Tehuantepec, no sul do atual México. Ela se desenvolveu durante os períodos Pré-clássico e Clássico da história mesoamericana, entre 500 a.C. e 900 d.C.

Entretanto, após o declínio da civilização zapoteca (com sua capital em Monte Albán), a cultura perdurou ao longo dos séculos através de pequenas populações que continuaram a habitar a região. Hoje, mais de 800.000 pessoas se consideram de ascendência zapoteca.

Religião zapoteca

CIVILIZACIÓN ZAPOTECA
Os zapotecas veneravam Cocijo, o deus da chuva.

A religião zapoteca era politeísta, ou seja, eles acreditavam na existência de deuses múltiplos. O céu e a terra eram governados por deuses que eram benevolentes, mas que poderiam irritar-se e prejudicar o povo zapoteca por meio de desastres naturais como terremotos ou secas.

Na sua visão de mundo, a superfície da terra foi chamada de yoo yeche layo, que significa “casa da terra”. Acima da terra havia nove céus e o superior era chamado de yoo yaba, que significa “casa do céu”. Abaixo da superfície da terra, havia nove submundos e o inferior era chamado yoo gabila, que significa “casa do submundo”. Cada uma dessas casas dividia-se em quatro quadrantes (norte, sul, leste e oeste) e um centro.

Para os zapotecas, os deuses foram a causa de tudo o que aconteceu. Eles acreditavam que cada aspecto da vida das pessoas e da natureza era governado pelo projeto dos deuses. O panteão zapoteca consistia em:

  • Liraa Quitxino. Deus criador do céu e da terra.
  • Pitao Cozaana e Pitao Huichaana. Padroeiros da caça e patronos da fertilidade, foram os deuses criadores dos elementos naturais (montanhas, rios e vales) e dos seres vivos (animais, peixes e seres humanos).
  • Pitao Copiycha. Deus do sol, fornecia a luz que os seres vivos precisam para sobreviver.
  • Cocijo. Deus da chuva, fornecia a água necessária para as colheitas e para a sobrevivência das pessoas.
  • Pitao Cozobi. Deus do milho, garantia boas colheitas para alimentar os zapotecas.
  • Pitao Paa. Deus da fortuna, ele podia enriquecer os mercadores e cuidava das rotas comerciais.
  • Pitao Xoo. Deus dos terremotos e da fúria.
  • Pitao Ziy. Deus da morte, da doença e da miséria.
  • Pitao Peeze. Padroeiro dos feiticeiros e ladrões, podia enviar feitiços e enganar as pessoas.
  • Pitao Pezeelao e Xonaxi Quecuya. Patronos da vida após a morte, eles recebiam os mortos na casa do submundo e, se fossem venerados, poderiam ajudar a superar doenças e epidemias. Eram especialmente consultados antes de iniciar guerras contra os inimigos.

Os zapotecas acreditavam que as famílias nobres (incluindo as do governante) eram diretamente descendentes dos deuses. Quando um nobre morria, ele voltava aos céus e podia se comunicar com os deuses para pedir sua intercessão à comunidade zapoteca em situações de crise.

A cidade de Mitla, localizada na Serra Norte de Oaxaca, era o centro cerimonial religioso dos zapotecas. O templo principal estava localizado lá e a hierarquia sacerdotal vivia lá. Acredita-se também que grupos de oráculos funcionavam neste lugar, que eram, por sua vez, centros de peregrinação. Nos oráculos, os sacerdotes eram consultados sobre assuntos da vida cotidiana, assim como sobre assuntos políticos e militares.

Todas as cidades e aldeias zapoteca tinham templos e residências para seus sacerdotes. Realizavam rituais e cerimônias ali para venerar os deuses e pedir favores. Cada cidade tinha um deus padroeiro que era especialmente adorado.

Os sacerdotes tinham que praticar o celibato (não podiam se casar ou ter relações físicas com outras pessoas) e manter um rigoroso código de comportamento. Além disso, havia sacerdotisas virgens nos templos que serviam os sacerdotes e realizavam tarefas menores em algumas cerimônias.

Elementos culturais zapoteca

Elementos zapotecas
Acredita-se que os zapotecas tenham tido um sistema de escrita logo-fonética.

A cultura zapoteca foi nutrida por vários elementos que permitiram organizar e estruturar sua sociedade com base em suas crenças religiosas:

  • Escrita zapoteca. Desde seu assentamento na cidade de Monte Albán, os zapotecas utilizaram um sistema de escrita a partir do qual indicavam objetos, nomeavam pessoas e até contavam histórias. Registros da escrita zapoteca foram encontrados nos primeiros vestígios arqueológicos em San José Mogote e Monte Albán. Nos túmulos dos governantes, a escrita é frequentemente acompanhada de imagens e histórias de como eles conquistavam e sacrificavam os seus inimigos.
    Atualmente, os arqueólogos conseguiram coletar mais de uma centena de glifos que pertenciam a este sistema. Entretanto, a escrita zapoteca ainda não foi totalmente decifrada. Acredita-se que seja um sistema logo-silábico (cada glifo pode representar sons ou ideias) e é lido em colunas, de cima para baixo.
  • Calendário ritual. Os zapotecas acreditavam que o tempo era cíclico: para eles, em vez de estar em um contínuo devir ao futuro, o tempo voltava-se sobre si mesmo e se movia como uma roda através dos anos. Esta crença marcou o calendário ritual, criado para organizar as cerimônias e respeitar os tempos sagrados: Treze meses identificados com números marcados com 20 dias.
  • Calendário solar. Eles também criaram outro calendário relacionado com os ciclos agrários. Tinha 18 meses de 20 dias, com cerca de 5 dias restantes. Esta organização foi utilizada para marcar os tempos de semeadura e colheita, que eram fundamentais para a produção agrícola.

Organização social zapoteca

Cultura zapoteca
A organização social zapoteca era hierárquica.

A organização social dos zapotecas foi marcada por uma estrutura rígida que dividiu a população em duas castas: a nobreza e o povo. Esta separação respondeu a critérios religiosos. Eles acreditavam que quando um nobre morria, ele se tornava um ancestral que podia falar com os deuses e interceder em nome do povo zapoteca. Por outro lado, quando um plebeu morria, ele voltava para a terra de onde veio.

Por outro lado, o sacerdócio constituía um grupo social separado no qual as diferenças de classe eram relegadas ao papel religioso.

  • Nobreza. Este era um grupo fechado, de famílias endogâmicas; uma pessoa nobre nascia, se relacionava com a nobreza e só podia se casar com outra pessoa nobre. Dentro da classe alta havia uma hierarquia determinada pela proximidade com a família do governante. Eles viviam nas “casas nobres” que haviam sido construídas em Monte Albán para este fim, enquanto a família do governante vivia no “palácio real”. Todas as altas repartições governamentais e hierarquias militares eram destinadas a pessoas da nobreza.
  • Plebe. O restante da população era constituída pelos plebeus e incluía todos aqueles que não estavam conectados com os deuses. Na escala mais baixa da classe plebeia estavam os escravos, que eram pessoas capturadas em batalhas e conquistas militares. No topo desta classe estavam os mercadores, que muitas vezes eram mais ricos do que algumas famílias nobres.
    Independentemente da estrutura rígida que dividia as castas, dentro da plebe prevalecia certa liberdade de ação que outros povos mesoamericanos não possuíam. Não havia limitações ocupacionais ou de movimento social. Os escravos podiam reconquistar sua liberdade, engajar-se em uma ocupação de sua escolha e até mesmo casar-se com qualquer outra pessoa (não nobre).
  • Ordem sacerdotal. Tecnicamente, a ordem sacerdotal não pode ser considerada como uma classe separada. Entretanto, dentro deste grupo social, a divisão estrita que afetava o resto da sociedade era menos perceptível. A hierarquia eclesiástica era composta de pessoas de origem nobre, mas os plebeus também podiam se juntar à ordem sacerdotal. O estilo e a qualidade de vida que levavam não era tão diferenciado e, embora os papéis da hierarquia superior fossem mais importantes, compartilhavam muitas responsabilidades e atos cerimoniais com o resto dos sacerdotes. Em muitas ocasiões, o serviço aos deuses prevalecia sobre a família de nascimento. Nos sacrifícios cerimoniais oferecidos aos deuses, tanto o sangue de sacerdotes nobres quanto de plebeus era aceito.

Costumes zapotecas

Zapotecas
Nos seus túmulos, os nobres eram acompanhados por oferendas e riquezas para o outro mundo.

A partir do estudo das ruínas e restos arqueológicos, especialistas foram capazes de decifrar muitos dos costumes dos antigos zapotecas.

As diferenças na hierarquia social eram evidentes a partir do local de residência, ocupação, vestuário e o local ocupado em cerimônias religiosas ou eventos públicos. Por exemplo, as roupas dos nobres eram feitas de algodão tingido em diferentes cores, um material confortável para o clima temperado e as temperaturas da região. Eles também usavam ornamentos de penas e joias feitas de ouro e pedras preciosas. Por outro lado, a plebe usava roupas feitas de fibra de agave e cores naturais, um tecido mais rústico e menos fresco. Esta diferença de vestuário permitia aos nobres ostentar seu status e, ao fazê-lo, os plebeus demonstravam o devido respeito no seu encontro.

Numerosas cidades e vilarejos tinham áreas dedicadas ao jogo de bola. Os arqueólogos ainda não têm certeza de como eram as regras do jogo. Entretanto, pelos glifos que circundam as quadras do jogo, sabe-se que os jogadores tinham que usar joelheiras, luvas e outros equipamentos de proteção. As bolas eram feitas de borracha, o que permitia que elas quicassem.

Nas aldeias menores, estas quadras de jogo envolviam apenas um espaço ao ar livre delimitado, muitas vezes acompanhado por uma representação pictórica do jogo em uma parede próxima. Nas cidades maiores, por outro lado, realizavam construções decoradas e o espaço parecia ter um lugar importante no planejamento da cidade. A quadra de jogo mais imponente foi na cidade de Dainzu. Ali as paredes do complexo estão gravadas com competidores dos jogos de bola.

Os zapotecas eram trabalhadores qualificados em ouro e pedras preciosas, como o jade. Os ourives eram artesãos especializados em joalheria para a nobreza. Em contrapartida, os oleiros que produziam cerâmica o faziam para pessoas de ambas as castas. A cerâmica era usada tanto para artigos do dia a dia para armazenar e cozinhar alimentos, como para decorar casas, prédios públicos ou templos. Muitas cerâmicas tinham desenhos complexos que, junto com alguns glifos de escrita, contavam uma história ou representavam uma imagem específica das crenças zapotecas.

Arquitetura e arte zapoteca

Arquitectura zapoteca
Dos centros urbanos com seus imponentes edifícios, toda a sociedade era dominada.

As cidades mais importantes da cultura zapoteca foram San José Mogote, Monte Albán e Mitla.

Os conhecimentos de arquitetura e engenharia marcaram a cultura zapoteca desde o início. Para viver no vale árido de Oaxaca, os zapotecas criaram um sistema de irrigação no rio Atoyac, a partir do qual puderam garantir o abastecimento de água para as plantações e cidades.

A cidade de Monte Albán é conhecida pela sua variedade de edifícios públicos e pelo seu estilo imponente. Acredita-se que tenha abrigado mais de 20.000 pessoas. Este centro urbano incluía um palácio do governo, que integrava espaços residenciais para o rei e sua família, com salas para o público e uso público. Por volta de 200 a.C., construíram uma muralha com mais de 3 km de comprimento. Além de servir de defesa contra possíveis ataques inimigos, esta muralha atravessou um barranco e funcionava como uma barragem que armazenava água para a cidade.

As famílias nobres zapotecas construíram monumentos e edifícios públicos para consolidar seu lugar ao lado de seus governantes. No interior, suas amplas salas eram utilizadas para atividades cerimoniais e governamentais, para o acúmulo de bens e para a organização da cidade. Além disso, construíam suas residências nas proximidades do palácio real, com materiais caros e decorações abundantes. As casas plebeias eram construídas de pedra e argila e eram menores do que as da nobreza.

A organização política e econômica zapoteca

Cultura zapoteca
Os zapotecas conseguiram dominar muitas aldeias vizinhas.

Monte Albán era o centro da política e da economia zapoteca. Do palácio real, o governante regia toda a população sob seu domínio. Embora alguns povoados e cidades mais distantes tivessem um grau de autonomia para administrar seus assuntos, todos tinham que obedecer às ordens do governante e pagar os impostos à capital.

A economia da cultura zapoteca se baseava em atividades agrícolas realizadas por camponeses que viviam em aldeias próximas aos campos. Para este fim, os zapotecas aplicavam os seus conhecimentos de arquitetura e engenharia através da construção de terraços artificiais nas encostas dos vales, localizados de forma escalonada. Assim, forneciam água às terras cultivadas em uma região marcada pela aridez e por uma seca quase constante.

Além disso, o comércio desenvolvido por grupos de mercadores permitia trazer as mercadorias necessárias para a construção e o desenvolvimento das cidades. Estas redes comerciais também traziam os bens de luxo utilizados pela nobreza.

Referências

  • “Zapote civilization” em Ancient History encyclopedia.
  • “Monte Albán. Capital de la cultura zapoteca” em México desconocido.
  • “Zapotecs” em Encyclopedia.com.
  • “Costumbres y tradiciones zapotecas” em Etnias.
  • “Cultura zapoteca” em Profe en historia.
  • “Calendario zapoteca” em Cultura10.org.
  • Marcus, Joyce (2020): Zapotec Monuments and Political History. Ann Arbor, University of Michigan Press.
  • Lind, Michael (2015): Ancient Zapotee Religion: An Ethnohistorical and. Archaeological Perspective. University Press of Colorado.
  • Urcid, Javier (2005): Zapotec Writing: Knowledge, Power, and Memory in Ancient Oaxaca. Department of Anthropology, Brandeis University.
  • Adams, R., & MacLeod, M. (Eds.). (2000). The Cambridge History of the Native Peoples of the Americas. Cambridge: Cambridge University Press.
  • López Austin, Alfredo; y López Luján, Leonardo (2001): El pasado indígena. México DF: El Colegio de México.
  • Duverger, Christian (1999): Mesoamérica, arte y antropología. País: CONACULTA-Landucci Editores.

Como citar?

Citar a fonte original da qual extraímos as informações serve para dar crédito aos respectivos autores e evitar cometer plágio. Além disso, permite que os leitores acessem as fontes originais que foram utilizadas em um texto para verificar ou ampliar as informações, caso necessitem.

Para citar de forma adequada, recomendamos o uso das normas ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), que é uma entidade privada, sem fins lucrativos, usada pelas principais instituições acadêmicas e de pesquisa no Brasil para padronizar as produções técnicas.

KISS, Teresa. Cultura zapoteca. Enciclopédia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/cultura-zapoteca/. Acesso em: 17 julho, 2024.

Sobre o autor

Autor: Teresa Kiss

Professora de História do ensino médio e superior.

Traduzido por: Márcia Killmann

Licenciatura em letras (UNISINOS), Doutorado em Letras (Universidad Nacional del Sur)

Data da última edição: 31 dezembro, 2023
Data de publicação: 29 junho, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)