Civilização inca

Vamos explicar o que foi a civilização inca e como era a sua organização política. Além disso, as suas características, economia, literatura e mais.

Civilización Inca
O império Inca foi a potência regional mais importante do continente sul-americano.

O que foi a civilização inca?

A civilização inca foi uma cultura pré-colombiana sul-americana que habitou o altiplano andino entre os séculos XIII e XVI d.C. Conquistou os povos vizinhos e criou um império que abrangeu os territórios do atual Peru, Bolívia, Equador, Colômbia, Argentina e Chile.

Em Cusco, sua capital, os incas desenvolveram uma tradição cultural que permanece ativa hoje em dia em várias comunidades. Eles inventaram técnicas agrícolas e arquitetônicas que lhes permitiram controlar diferentes zonas ecológicas e tirar proveito de uma grande variedade de recursos. Foram grandes construtores e sua rede de estradas totalizou mais de 30.000 quilômetros, que hoje atravessam montanhas, planaltos e planícies.

Muitos dos mais importantes centros urbanos incas permanecem hoje como sítios arqueológicos e permitem aos especialistas aprender sobre sua civilização, como Machu Picchu, Choquequirao, Ollantaytambo e Pisac, entre outros.

A organização territorial da civilização inca

Civilización incaica
Ao redor de Cusco, a capital do império, os incas construíram templos e santuários.

Os incas se estabeleceram na Cordilheira dos Andes, na América do Sul, e estenderam sua área de influência até o mar: ocuparam uma longa faixa do continente no território da Bolívia e do Peru atuais, e também partes do Equador, Colômbia, Chile e Argentina.

A grande capital do império era a cidade de Cusco, no atual Peru. Esta cidade foi simbólica e territorialmente está dividida em duas metades: Hanan (que significa “alto” em Quéchua) e Hurin (“baixo”). Esta dualidade também estava ligada a outros símbolos importantes da cosmologia inca:

  • Hanan Cusco: associado com o alto, o masculino, o Inca Sapa (rei), o Sol e o ouro.
  • Hurin Cusco: associado com o baixo, o feminino, o Coya (rainha), a Lua e a prata.

Os incas chamavam seu estado de Tawantinsuyu, que em Quéchua significa “quatro partes”. Esta quadripartição era geográfica, social, política, hierárquica e fundamental para a organização do trabalho e rituais na sociedade inca.

 Fisicamente, se manifestou desde a cidade de Cusco até o resto do império.

  • Chinchaysuyo: parte de Hanan Cusco e estendendo-se para o norte.
  • Antisuyo: parte de Hanan Cusco e se estende para o leste.
  • Contisuyo: parte de Hurin Cusco e se estende para o oeste.
  • Collasuyo: parte de Hurin Cusco e se estende para o sul.

A história da civilização inca

Civilización incaica
O brasão de armas da dinastia Hanan representa a grandeza dos incas e sua expansão imperial.

A história inca pode ser dividida em dois períodos, de acordo com a dinastia dos seus governantes:

  • Dinastia Hurin (1200-1320 d.C.). Muitos dos relatos deste período vêm da tradição oral; há poucas evidências históricas escritas para contar a história desta dinastia de governantes. Esta família dinástica fundou a cidade de Cusco, criou as primeiras técnicas de agricultura em terraços e desenvolveu uma rede comercial na região. Foram seus governantes:
  • Manco Capac (1200-1230 d.C.)
  • Sinchi Roca (1230-1260 d.C.)
  • Lloque Yupanqui (1260-1290 d.C.)
  • Mayta Capac (1290-1320 d.C.).

  • Dinastia Hanan (1320-1533 d.C.) A história desta dinastia foi marcada pelo contínuo aumento do poder dos governantes e pela necessidade de controlar as disputas internas da nobreza inca. As figuras dos governantes reforçaram suas características militares e sagradas:
  • Inca Roca (d.C. 1350-1380), Yahuar Huacac (d.C. 1380-1410) e Viracocha Inca (d.C. 1410-1438) começaram a governar os territórios que conquistaram.
  • Pachacuti Inca Yupanqui (1438-1471 d.C.) foi o fundador de Tawantinsuyu e acelerou o ritmo das conquistas e a expansão do Estado inca.
  • Topa Inka Yupanqui (d.C. 1471-1493) e Huayna Capac (d.C. 1493-1525) continuaram o legado de Pachacuti Inca Yupanqui.
  • A briga entre os irmãos Huascar (d.C. 1525-1532 ) e Atahualpa (d.C. 1532-1533) levou a uma década de conflito político dentro do império, que terminou com a vitória de Atahualpa. Em 1533, porém, os conquistadores espanhóis subjugaram o último imperador desta dinastia.

As fontes históricas da civilização inca

Os incas se estabeleceram na região andina entre os séculos XII e XVI d.C. Os estudiosos argumentam que é difícil traçar uma cronologia exata da sua história, pois os incas não estavam interessados em criar uma narrativa geral do seu povo de forma linear. Além disso, sua concepção de tempo era cíclica e eles consideravam que eventos de diferentes momentos no passado tinham acontecido ao mesmo tempo.

Os incas compartilhavam seus conhecimentos de geração em geração oralmente e registravam o tempo através de um sistema de quipos. Os quipos eram um conjunto de cordões atados e coloridos usados para registrar e comunicar datas, eventos e cálculos importantes.

As principais fontes escritas para aprender sobre o passado inca são as crônicas dos conquistadores espanhóis, que contêm muitas contradições. Os espanhóis concentraram-se em registrar a história política dos incas, destacando as características militaristas que levaram à criação do império, com pouca atenção às outras culturas ou povos subjugados que habitavam o espaço inca.

A  organização política dos incas

civilización inca
O Sapa Inca era o governante absoluto e estava relacionado ao Inti, o deus do Sol.

As conquistas dos incas nos séculos XV e XVI levaram à existência de um império extremamente numeroso, com populações muito diversas, que tinham diferentes níveis de complexidade e riqueza em sua própria organização.

Para manter o império unido, os governantes incas precisavam não apenas de um exército forte, mas também de uma administração rigorosa para controlar a sociedade. Para este fim, asseguravam que cada habitante cumprisse as regras e os ritos estabelecidos no coração do império. Eles também criaram um sistema hierárquico de organização política:

  • Sapa Inca. Tawantinsuyu era comandado por um governante absoluto, chamado Sapa Inca: ele ditava as leis, servia como juiz supremo, comandava os exércitos e era o líder religioso. Os incas consideravam o seu governante como um descendente direto do Inti, o deus do Sol. O Sapa Inca governava com sua Coya, que era a rainha e esposa principal. Apenas seus filhos poderiam ser os sucessores reais. Além disso, o Sapa Inca tinha outras “esposas menores” com as quais se casava para formar alianças com as linhagens importantes da sociedade inca.
  • Willaq Umu. Ele foi o sumo sacerdote do rito a Inti, deus do Sol. Tinha que ser um parente próximo do Sapa Inca e exercia o seu cargo quando este morria, até que a sucessão legal fosse realizada. Organizava o cerimonial de todo o império, supervisionava os villcas (sacerdotes de alta patente) e atuava como assessor especial do Sapa Inca.
  • Conselho do Reino. Era formado por 16 nobres representando a linhagem inca de Cusco e as quatro regiões.
  • Tukuy Rikuq. Eram inspetores que trabalhavam em diversas áreas e espaços do governo inca e tinham que informar o Sapa Inca sobre tudo o que acontecia.

A organização social dos incas

Civilización incaica
Os nobres incas usavam brincos que aumentavam suas orelhas como um símbolo de distinção.

A dualidade característica da cultura inca se refletia na sua organização social. Por um lado, a sociedade inca estava organizada em grupos de pessoas, chamadas ayllus, que se consideravam descendentes dos mesmos antepassados. Cada ayllu tinha um lugar sagrado de referência, onde veneravam seus antepassados e entregavam oferendas. Um grupo de ayllus formava uma comunidade liderada por um curaca.

Por outro lado, os incas tinham uma sociedade estratificada composta pelo seguinte:

  • Nobreza real (Panaca). Ela controlava a administração do Estado e dos cultos religiosos. Era formada por linhagens familiares aristocráticas, entre elas o Sapa Inca (imperador) e a Coya (imperatriz). Os nobres gozavam de privilégios: eram educados para serem governantes, guerreiros ou sacerdotes, os homens podiam ter muitas esposas e usavam joias e trajes que os diferenciavam do resto da população.
  • Nobreza provincial (Curacas). Este grupo era formado pelos chefes de cada comunidade ayllus, que eram considerados uma nobreza de segunda classe. Representavam as suas comunidades perante o Estado, cobravam impostos e recrutavam mão-de-obra para as obras públicas.
  • Artesãos e camponeses (Hatun runa). Eram responsáveis por todas as atividades de produção de alimentos e fabricação. Eles tinham que contribuir para a construção de obras públicas e prestar serviços militares.
  • Yanaconas. Essas pessoas haviam sido separadas da sua comunidade de origem e perdiam o contato com as suas famílias. Eles se dedicavam à prestação de serviços ao Estado ou à nobreza. As suas condições de vida poderiam ser muito boas, dependendo do papel que desempenhavam e das funções que lhes eram atribuídas. Eles não eram servos, pois eram pessoas livres.

A economia inca

Civilización incaica
Os incas usaram um sistema de terraços para cultivar as plantações nas encostas das montanhas.

A economia inca foi baseada em:

  • O trabalho comunitário. O trabalho no campo era organizado em torno do ayllus. Todos os membros do ayllus tinham obrigações específicas em função do bem comum. As crianças cuidavam das plantações e do gado e estavam envolvidas em outras tarefas, como buscar lenha e tecelagem de lã. Os adultos trabalhavam a terra e realizavam a mita (sistema de trabalho periódico em obras públicas). Os mais velhos organizavam os depósitos de armazenamento e cuidavam do gado junto com as crianças.
  • O controle da terra. Todas as terras cultiváveis do império eram organizadas em três grupos. As terras do Sapa Inca eram trabalhadas por camponeses para manter a nobreza real; as terras do Sol também, mas seus produtos eram para os sacerdotes e cerimônias religiosas. As terras do ayllus pertenciam às comunidades e, todos os anos, eram distribuídas entre as famílias pelo curaca.
  • O trabalho do Estado. O Estado exigia que todos os membros do ayllu entre 18 e 50 anos contribuíssem para o bem-estar do império através da mita (um sistema de turnos de trabalho para a construção de obras públicas), com o serviço militar (quando necessário) e com o pagamento de impostos (sob a forma de alimentos e artesanato).
  • Reciprocidade e redistribuição. O império Inca aproveitou a reciprocidade característica das comunidades de ayllus (todos trabalhavam para o benefício comum) e a combinava com o princípio da redistribuição: o Sapa Inca estava encarregado de organizar o intercâmbio entre as diferentes áreas do império, armazenava produtos pagos, como impostos e, quando necessário, entregava às comunidades os alimentos ou bens manufaturados de que precisava. Desta forma, o Sapa Inca consolidava a sua posição e se mostrava como um “doador de bens”.
  • O aproveitamento de recursos. O império foi caracterizado pela criação de técnicas para aproveitar os recursos de cada ecossistema que habitava:
  • Nas áreas costeiras, o sistema de irrigação era por canais, valas e poços, e obtinham pimentas, abóboras e tomates. Além disso, pescavam e conseguiam frutos do mar.
  • Nas áreas montanhosas, criavam terraços de cultivo e a irrigação era baseada na chuva e no degelo. Produziam milho, feijão, batata, coca, quinoa e lhamas cultivadas e alpacas.
  • Nas áreas florestais, usavam o sistema de roçado para criar áreas de cultivo (cortavam árvores e queimavam o solo para plantar) para colher algodão, mandioca, amendoim e frutas.

A cultura inca

Civilización incaica
Os incas construíram uma rede de estradas de mais de 20.000 quilômetros.

As principais características culturais dos incas foram:

  • Idioma. Os incas falavam a clássica língua Quéchua, adotada como a língua oficial do império, que coexistia com as línguas aimará, mochica e puquina. Os primeiros documentos escritos em Quéchua vem dos cronistas e missioneiros europeus, que realizavam adaptações fonéticas ao alfabeto espanhol. Os incas não conheciam a escrita alfabética, portanto hoje não há como representar os sons originais da língua inca.
  • Arquitetura. Uma característica fundamental da cultura inca foi a construção planejada de cidades, estradas e pontes. A fim de criar um império baseado em centenas de povos e culturas comunitárias diferentes, os incas usaram a arquitetura para criar homogeneidade e integrar as diversas regiões que o compunham. À medida que avançavam na conquista de territórios, arquitetos projetavam templos de estilo imperial e estradas que conectavam diferentes regiões e levavam à capital do império. A Qhapaq Ñam ou Estrada Real, com 5.200 km de extensão, foi o eixo central de uma rede de estradas e infra-estruturas de cerca de 20.000 km de extensão, que percorria o império ultrapassando possíveis obstáculos e atravessando os diversos ecossistemas.
  • Comunicação. A cultura inca implementou um sistema extremamente rápido de correio e mensagens imperiais, que foi organizado em torno dos chasquis (mensageiros corredores) acampados nos diversos caminhos. Os chasquis entregavam mensagens ou pacotes que passavam de mão em mão e de um posto ao outro, localizados a cada 1,5 km de distância.
  • Religião. A religião inca era politeísta. Entretanto, os deuses mais reverenciados foram Inti (deus do sol) e Viracocha (deus criador). O culto oficial era dirigido pelo Willaq Umu (sumo sacerdote). Duas cerimônias anuais de grande importância eram organizadas através das quais faziam oferendas a Inti e Viracocha e, por sua vez, os chefes de cada comunidade reafirmaram sua lealdade ao Sapa Inca. Outras divindades importantes foram Illapa (Trovão), Pachamama (Mãe Terra), Quilla (Lua) e Mamacocha (Mãe Água).
  • Tradição oral. As histórias e mitos incas foram transmitidos oralmente, de geração em geração. Havia também pessoas especialmente educadas como contadores de histórias. Muitas das histórias eram contadas em forma de versos de amor populares (harawi), hinos de alegria (haylli) e histórias épicas contendo valores imperiais e lendas mitológicas. Algumas histórias eram registradas através de quipos, um sistema de notação que permitia o registro de datas e números através de cordas atadas.

Referências

  • Espinoza Soriano, W. (1978). Los modos de producción en el imperio de los incas.
  • Rostworowski de Diez Canseco, M. (1988). Estructuras andinas del poder: Ideología religiosa y política. Instituto de Estudios Peruanos.
  • Covey, R. A. (2008). The Inca Empire. Em The handbook of South American archaeology (pp. 809-830). Springer, New York, NY.
  • DeMarrais, E. (2013). Colonización interna, cultura material y poder en el imperio inca. Relaciones-Sociedad Argentina de Antropología, 38(2), 351-376.
  • Favale, R. D. (2005). El Imperio Inca. Comercio exterior Universidad de Barcelona.

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

KISS, Teresa. Civilização inca. Enciclopedia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/civilizacao-inca/. Acesso em: 13 abril, 2024.

Sobre o autor

Autor: Teresa Kiss

Professora de História do ensino médio e superior.

Traduzido por: Márcia Killmann

Licenciatura em letras (UNISINOS), Doutorado em Letras (Universidad Nacional del Sur)

Data da última edição: 21 fevereiro, 2024
Data de publicação: 29 junho, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)