Alianças da Primeira Guerra Mundial

Vamos explicar quais foram as alianças da Primeira Guerra Mundial e seus antecedentes. Além disso, como o fim da guerra aumentou os conflitos entre os blocos.

Os blocos em conflito na guerra foram os Aliados (ou Entente) e as Potências Centrais.

Quais foram as alianças da Primeira Guerra Mundial?

A Primeira Guerra Mundial começou em julho de 1914 e terminou em novembro de 1918. Embora tenha sido a maior parte da guerra travada na Europa, envolveu países de todos os continentes. A guerra teve início após o assassinato do arquiduque Francisco Fernando, herdeiro do trono austro-húngaro, mas o conflito já vinha se formando anteriormente devido a rivalidades territoriais, econômicas, ideológicas e imperiais

Os dois blocos adversários na Primeira Guerra Mundial foram os Aliados (também chamados de Entente) e os Impérios Centrais. As alianças que uniram os países de cada lado foram, em geral, formadas nos anos anteriores à guerra e, em alguns casos, depois que a guerra já havia começado.

Os principais países que compunham o Bloco dos Aliados eram o Reino Unido, a França, o Império Russo e a Itália, e os Impérios Centrais eram formados pelos Impérios Alemão, Austro-Húngaro e Turco Otomano. A entrada dos Estados Unidos na guerra em 1917 decidiu em grande parte a vitória dos Aliados, apesar da retirada da Rússia da guerra após a Revolução Bolchevique.

PONTOS IMPORTANTES

  • As alianças durante a Primeira Guerra Mundial foram:
    • A Entente (ou Aliados): França, Reino Unido, Rússia e, a partir de 1915, Itália. Os Estados Unidos aderiram em 1917.
    • A Tríplice Aliança (ou Impérios Centrais): Alemanha e Áustria-Hungria (a Itália fazia parte da aliança, mas entrou na guerra do lado da Entente em 1915). O Império Otomano aderiu no final de 1914.
  • Os blocos entraram em conflito por questões territoriais, econômicas e imperiais, colocando os interesses das potências da Entente contra os da Tríplice Aliança, que estava se tornando uma ameaça devido ao seu crescente poder econômico e militar.
  • A guerra terminou quando a Alemanha foi derrotada, após a intervenção dos Estados Unidos junto à Entente. Isso levou à assinatura do Tratado de Versalhes (1919).

Antecedentes das alianças da Primeira Guerra Mundial

Os anos que antecederam a eclosão da Primeira Guerra Mundial foram chamados de “paz armada”. Entre o final do século XIX e o início do século XX, as potências europeias estavam em paz entre si, mas alimentavam conflitos mútuos por motivos territoriais, econômicos, ideológicos e imperiais.

Essa situação levou, por um lado, ao desenvolvimento do setor de armamentos e, por outro, à formação de alianças muitas vezes inconstantes. Por exemplo, os impérios alemão e austro-húngaro forjaram uma aliança em 1879, à qual se juntou o Reino da Itália em 1882 (doravante chamada de Tríplice Aliança). Embora a aliança entre a Alemanha e a Áustria-Hungria tenha sido mantida durante a guerra, a Itália se retirou da aliança e, em 1915, entrou na guerra ao lado dos Aliados.

No final do século XIX, a França e o Reino Unido competiam entre si pelos domínios coloniais, enquanto o Império Russo era aliado da Alemanha e da Áustria-Hungria. Entretanto, a Rússia rompeu sua aliança com os impérios alemão e austro-húngaro devido a um conflito de interesses nos Bálcãs e se aliou à França (1892), ao passo que o Reino Unido e a França firmaram acordos de não agressão e reconhecimento de seus respectivos interesses coloniais, conhecidos como Entente Cordiale (1904). Esses acordos foram complementados por um tratado entre o Reino Unido e a Rússia (1907).

Por fim, formou-se uma aliança militar entre a França, o Reino Unido e a Rússia, que participou da Primeira Guerra Mundial.

Alianças durante a Primeira Guerra Mundial (1914–1918)

Os blocos em conflito

Durante o conflito, vários Estados foram se unindo aos dois blocos em conflito. Essas novas alianças desempenharam um papel fundamental na determinação do vencedor da guerra.

Os principais países em conflito e os anos em que entraram na guerra foram:

Ano em que entraram na guerraEntente ou AliadosImpérios Centrais
1914França, Reino Unido, Rússia, Sérvia, Bélgica e Japão.Alemanha, Áustria-Hungria e Turquia.
1915ItáliaBulgária
1916Romênia
1917Estados Unidos e Grécia.
1918Abandono da Rússia (Paz de Brest-Litovsk)

1914: A Guerra de Movimento

No início do conflito, ninguém previa uma guerra que duraria mais de quatro anos. Os soldados na frente de batalha e os estados-maiores tinham planos baseados na rápida derrota do inimigo.

Frente Ocidental

  • Plano Schlieffen: A Alemanha ataca a França por meio da Bélgica neutra. O marechal Helmuth von Moltke lidera as tropas alemãs (acreditava-se que a França seria derrotada em seis semanas).
  • O exército francês, comandado por Joseph Joffre, consegue conter o ataque alemão na Batalha de Marne. (Setembro de 1914).
  • As frentes se estabilizam: começa a guerra de trincheiras.

Frente Oriental

  • Após um avanço inicial russo, os alemães vencem, embora não de forma definitiva, na Batalha de Tannenberg (agosto de 1914).
  • No sul, os russos avançam contra a Áustria-Hungria.
  • As tropas austro-húngaras fracassam em seu ataque à Sérvia.

Outras frentes

  • O Japão entra na guerra em 23 de agosto e anexa Tsingtao (possessão alemã na China). Depois disso, o país praticamente se desvincula da guerra, embora mantenha sua aliança com a Entente.
  • A Turquia entra na guerra em outubro.

1915—1916: A guerra de posições

O confronto entre as grandes potências industriais levou a guerra a um nível de violência e horror nunca antes contemplado.

A invenção de novas armas (granadas, lança-chamas, tanques, gás mostarda) aumentou o horror e os massacres, mas, ao mesmo tempo, levou a um impasse tático na Frente Ocidental.

Os exércitos se entrincheiraram por centenas e centenas de quilômetros. A guerra de trincheiras tornou-se um martírio para milhões de homens durante vários anos.

Frente Ocidental

  • As frentes se estabilizam. As sucessivas tentativas de romper a frente ocidental resultam em massacres sangrentos que só significam avanços de alguns quilômetros. Essa é a Guerra de Trincheiras.
  • A Itália entra na guerra ao lado dos Aliados após assinar secretamente o Tratado de Londres (1915). Abre-se a frente alpina entre a Itália e a Áustria-Hungria.
  • Em abril de 1915, os alemães usam gás venenoso pela primeira vez em Ypres (Bélgica). A guerra química começou.
  • O general Erich von Falkenhayn ensaia a Guerra de Atrito em Verdun (1916). O resultado são mais de 600 mil baixas sem progresso significativo.
  • Os Aliados contra-atacam no Somme (1916) com resultados idênticos.
  • A Batalha Naval da Jutlândia (1916) reafirma o bloqueio naval da Alemanha. Os alemães iniciam a guerra submarina.
  • O naufrágio do navio de luxo britânico Lusitania, no qual mais de mil pessoas morrem (incluindo alguns cidadãos americanos), faz com que os Estados Unidos considerem a possibilidade de intervir na guerra.

Frente Oriental

  • A Alemanha avança sob a liderança do marechal Paul von Hindenburg. A Alemanha ocupa a Polônia russa e a Lituânia.
  • A Áustria-Hungria conquista a Sérvia e recupera a Galícia.
  • A Bulgária entra na guerra ao lado dos Impérios Centrais em outubro de 1915.
  • A Romênia junta-se à Entente em 1916 e é rapidamente derrotada.
  • Ocorre o desembarque francês na Grécia (1915).

Outras frentes

  • Ocorrem pequenos avanços do exército turco no Cáucaso contra os russos. Os britânicos iniciam seu avanço a partir do Egito e começam a capturar a Palestina.
  • O desembarque britânico em Gallipoli (Turquia) fracassa, deixando um grande número de mortos.

1917: O momento decisivo da guerra

O enorme custo de vidas nas linhas de frente, o sofrimento da população civil e a percepção de que a guerra não acabaria tão cedo logo levaram ao desânimo dos países em guerra.

As reações contra a guerra foram diversas: inúmeras greves eclodiram na Grã-Bretanha em 1916, motins no exército francês em 1917 e as demandas nacionalistas aumentaram na Áustria-Hungria. No entanto, dois eventos importantes decidiram o curso da guerra: a Revolução Bolchevique na Rússia e a entrada dos Estados Unidos no conflito.

Frente Ocidental

  • A Alemanha retoma a guerra submarina (janeiro). As enormes perdas econômicas e humanas americanas levam o presidente dos Estados Unidos, Woodrow Wilson, a entrar na guerra em abril de 1917.
  • O descontentamento dos soldados com o prolongamento da guerra se espalha entre os lados em conflito. Surgem motins no exército francês, que são duramente reprimidos.
  • Ocorre a derrota italiana em Caporetto (outubro e novembro de 1917).

Frente Oriental

  • Começa a Revolução Russa (março a novembro de 1917). Os bolcheviques de Lenin tomam o poder.
  • A Rússia assina um armistício com os Impérios Centrais em dezembro.
  • A Grécia entra na guerra ao lado da Entente.

Outras frentes

  • As tropas britânicas avançam pelo Oriente Médio (tomam Bagdá e Jerusalém).

1918: O desfecho

A retirada da Rússia revolucionária da guerra permitiu que a Alemanha concentrasse todas as suas forças na Frente Ocidental. O verão europeu de 1918 viu os últimos ataques alemães desesperados. Entretanto, seus aliados estavam à beira da exaustão militar e econômica.

A chegada das tropas americanas desequilibrou definitivamente a balança em favor da Entente.

Frente Ocidental

  • O Presidente Wilson (Estados Unidos) faz o discurso dos 14 Pontos, propondo quatorze condições necessárias para a paz (janeiro de 1918).
  • Ocorrem ofensivas alemãs (março a julho).
  • A chegada massiva de tropas norte-americanas provoca a contraofensiva definitiva da Entente sob o comando do marechal francês Ferdinand Foch (julho a setembro).
  • O marechal Paul von Hindenburg (chefe do Estado-Maior alemão) e o general Erich Ludendorff informam ao kaiser Guilherme II que é impossível continuar a guerra (setembro).
  • A vitória italiana ocorre em Vittorio Veneto (outubro).
  • A Áustria-Hungria assina um armistício (3 de novembro).
  • A consciência da derrota desencadeia uma revolução na Alemanha. O kaiser abdica e foge para a Holanda. A República é proclamada (9 de novembro).
  • A Alemanha assina o armistício (11 de novembro).

Frente Oriental

  • A eclosão da guerra civil na Rússia força a delegação russa a assinar o Tratado de Brest-Litovsk (3 de março de 1918): a Rússia Soviética se retira do conflito e cede grandes territórios aos Impérios Centrais.
  • Após um ataque francês da Grécia, a Bulgária assina um armistício com os Aliados (setembro).

Outras frentes

  • Depois de suas ofensivas malsucedidas no Oriente Médio e da chegada das tropas britânicas à península da Anatólia, a Turquia assina um armistício (30 de outubro).

O fim da Primeira Guerra Mundial

Em 11 de novembro de 1918, a maior tragédia que a humanidade já vivenciou chegou ao fim. Milhões de mortos e feridos foram o saldo humano do conflito, que também deixou enormes perdas econômicas e um sentimento generalizado de amargura, tristeza e desolação

O grande desafio no inverno europeu de 1918 foi construir um novo mundo que fizesse com que o conflito sangrento que acabara de terminar fosse, como foi proclamado na época, “a guerra que colocaria fim a todas as guerras”.

Com esse intuito, foram assinados tratados e criados órgãos como a Liga das Nações, que, no entanto, não conseguiram evitar novos ressentimentos e conflitos que levaram a uma guerra ainda mais destrutiva: a Segunda Guerra Mundial (1939–1945).

Referências

Como citar?

Citar a fonte original da qual extraímos as informações serve para dar crédito aos respectivos autores e evitar cometer plágio. Além disso, permite que os leitores acessem as fontes originais que foram utilizadas em um texto para verificar ou ampliar as informações, caso necessitem.

Para citar de forma adequada, recomendamos o uso das normas ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), que é uma entidade privada, sem fins lucrativos, usada pelas principais instituições acadêmicas e de pesquisa no Brasil para padronizar as produções técnicas.

GAYUBAS, Augusto. Alianças da Primeira Guerra Mundial. Enciclopédia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/aliancas-da-primeira-guerra-mundial/. Acesso em: 18 julho, 2024.

Sobre o autor

Autor: Augusto Gayubas

Doutor em História (Universidad de Buenos Aires)

Traduzido por: Márcia Killmann

Licenciatura em letras (UNISINOS), Doutorado em Letras (Universidad Nacional del Sur)

Data da última edição: 18 fevereiro, 2024
Data de publicação: 19 novembro, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)