Fases da Primeira Guerra Mundial

Vamos explicar os principais eventos durante a guerra e as consequências que representaram um nível de violência e destruição sem precedentes.

A Primeira Guerra Mundial tornou-se uma “guerra de posições”, com batalhas que duraram meses.

A Primeira Guerra Mundial (1914–1918) foi um conflito militar de grande escala que envolveu os principais impérios colonialistas e potências mundiais da época.

A princípio, o Império Austro-Húngaro e a Alemanha (as chamadas “Potências Centrais”) enfrentaram o Reino Unido, a França e o Império Russo (conhecidos como os “Aliados”). Com o desdobramento da guerra, diferentes Estados foram se envolvendo em ambos os lados. O Império Otomano e a Bulgária se associaram às Potências Centrais, enquanto a Itália, o Japão e os Estados Unidos se juntaram aos Aliados.

A Grande Guerra (como o conflito era chamado na época) começou em 18 de julho de 1914. Todos os envolvidos acreditavam que a guerra seria rápida e que até o final do ano o conflito estaria resolvido. Começou como uma “guerra de movimento”, na qual os exércitos foram mobilizados para alcançar a ocupação de determinados objetivos territoriais.

No entanto, o nível das forças militares de ambos os lados, os novos desenvolvimentos armamentistas e o número de tropas mobilizadas levaram a impasses, dificuldades de avanço e um nível elevadíssimo de destruição em ambos os lados. A Grande Guerra tornou-se, portanto, uma “guerra de posição”, na qual os exércitos se entrincheiravam para defender posições e as batalhas duraram meses.

Por mais de três anos, o conflito militar se desenrolou e as potências continuaram a gastar recursos humanos e materiais, sem conseguir mudar o curso da guerra ou obter vitórias decisivas que definiriam o caminho para uma vitória definitiva.

Em 1917, dois eventos externos afetaram profundamente o resultado da guerra. No Império Russo, a Revolução Comunista Bolchevique substituiu o czar por um governo popular e assinou sua saída da guerra, por meio do Tratado de Brest-Litovsk.

Enquanto isso, nos Estados Unidos, o Congresso votou pelo abandono da política de “não intervenção” que estava em vigor desde o início da Grande Guerra. A partir de então, os Estados Unidos se tornaram uma “potência associada” dos Aliados e enviaram tropas, armamentos e outros recursos constantemente para as frentes de batalha.

Como resultado, , em 1918, a devastação da guerra levou a uma crise interna e as Potências Centrais se renderam. O fim da guerra ocorreu em 11 de novembro, quando a Alemanha assinou o armistício, encerrando o conflito com o lado dos Aliados.

1882–1907: A formação dos dois blocos

No período anterior à eclosão da Grande Guerra, conhecido como “Paz Armada”, as potências europeias competiram entre si por objetivos territoriais, políticos, ideológicos e econômicos. Mesmo mantendo uma paz geral, as tensões aumentavam. Nesse contexto, as potências formaram várias alianças entre si. Algumas dessas alianças permaneceram em vigor durante a Grande Guerra, enquanto outras foram se modificando.

Entre as alianças mais importantes se encontram:

  • A Tríplice Aliança, formada em 1882, quando a Itália aderiu ao pacto de apoio mútuo entre o Império Alemão e o Império Austro-Húngaro.
  • A Tríplice Entente, formada em 1907 entre a França, o Reino Unido e a Rússia com base em vários acordos militares anteriores.

Com o início da Grande Guerra, as alianças passaram por mudanças e diferentes países se aliaram a um lado ou a outro.

1914: O início da guerra

  • 28 de junho. Ocorre o atentado de Sarajevo: um ativista político nacionalista sérvio chamado Gavrilo Princip assassinou Franz Ferdinand, sobrinho do imperador e herdeiro do trono do Império Austro-Húngaro.
  • 23 de julho. Após conseguir o apoio da Alemanha, a Áustria-Hungria emite um ultimato à Sérvia.
  • 28 de julho. A Áustria-Hungria declara guerra à Sérvia.
  • 30 de julho. A Rússia inicia a mobilização geral.
  • 1º de agosto. A Alemanha declara guerra contra a Rússia. A França inicia a mobilização geral.
  • 3 de agosto. A Alemanha declara guerra à França.
  • 4 de agosto. A Alemanha invade a Bélgica, levando o Reino Unido a declarar guerra.

1914: A Guerra de Movimento

Durante os primeiros meses da guerra, os exércitos estavam em movimento.

No início do conflito, ninguém esperava uma guerra que duraria mais de quatro anos. Os soldados que foram para as linhas de frente acreditavam que voltariam para casa em poucos meses, e as estratégias militares visavam a uma resolução rápida do conflito.

Nas diferentes frentes de guerra, ocorreram os seguintes avanços:

 Frente Ocidental

  • Plano Schlieffen. A Alemanha ataca a França por meio da neutra Bélgica. Moltke lidera as tropas alemãs.
  • O exército francês, comandado por Joffre, consegue conter o ataque alemão na Batalha de Marne. (Setembro a novembro de 1914).
  • As frentes se estabilizam.

Frente Oriental

  • Após um avanço inicial russo, os alemães vencem, ainda que não definitivamente, na Batalha de Tannenberg (agosto de 1914).
  • A Rússia avança contra a Áustria-Hungria.
  • As tropas austro-húngaras fracassam em seu ataque à Sérvia.

Outras frentes

  • O Japão entra na guerra em agosto e anexa Tsingtao (uma possessão alemã na China). A partir de então, ele se desvincula efetivamente do conflito.
  • O Império Otomano entra na guerra com os Impérios Centrais em novembro.

1915–1916: A Guerra de posição

Incapazes de derrotar o inimigo, os exércitos construíram trincheiras para manter suas posições.

O confronto entre grandes potências industriais levou a guerra a um nível de violência e destruição sem precedentes. A invenção de novas armas, como as granadas, os lança-chamas, os tanques e o gás, aumentou a perda de vidas em cada batalha e, ao mesmo tempo, criou um impasse tático na frente ocidental.

Os exércitos se entrincheiravam por centenas e centenas de quilômetros. Pela primeira vez na história, foi desencadeada uma guerra de trincheiras em que as batalhas podiam durar meses.

Entre os principais eventos desse período estão os seguintes:

Frente Ocidental

  • As tentativas sucessivas de romper a frente resultaram em milhares de baixas, o que significou avanços de apenas alguns quilômetros. Trata-se da Guerra de Trincheiras.
  • A Itália entra na guerra com os Aliados após assinar o Tratado secreto de Londres (1915). Abre-se a frente alpina entre a Itália e a Áustria-Hungria.
  • Em abril de 1915, os alemães usaram gases tóxicos pela primeira vez em Ypres (Bélgica). A guerra química começou.
  • Em fevereiro de 1916, Falkenhayn ensaia a guerra de atrito na Batalha de Verdun (1916). O resultado são mais de 900 mil baixas e nenhum avanço significativo. Os Aliados contra-atacam em junho no rio Somme com resultados idênticos.

Frente Oriental

  • A Alemanha avança sob o comando de Hindemburg, ocupando a Polônia russa e a Lituânia.
  • A Áustria-Hungria conquista a Sérvia e recupera a Galiza.
  • A Bulgária entra na guerra com os Impérios Centrais em outubro de 1915.
  • A Romênia junta-se à Entente em 1916 e é rapidamente derrotada.

Outras frentes

  • Ocorrem pequenos avanços do exército turco no Cáucaso contra os russos.
  • Genocídio armênio: entre 300 mil e 1 500 000 são exterminados pelas tropas turcas e pela população curda.
  • Os britânicos começam seu avanço a partir do Egito e tomam a Palestina.
  • Batalha de Gallípoli: o desembarque britânico na Turquia fracassa.

1917: O momento decisivo da guerra

Em 1917, os Estados Unidos entraram na guerra ao lado dos Aliados.

O enorme custo de vidas nas linhas de frente, o sofrimento da população civil e a percepção de que a guerra não teria fim levaram ao desânimo dos países em guerra. Os exemplos eram muitos: uma onda de greves no Reino Unido em 1916, vários motins no exército francês em 1917, o aumento das demandas nacionalistas na Áustria-Hungria.

No entanto, dois eventos importantes mudaram o curso da guerra: a Revolução Soviética na Rússia e a entrada dos Estados Unidos no conflito.

Nas diferentes frentes de guerra, os seguintes eventos podem ser destacados nessa fase:

Frente Ocidental

  • A Alemanha retoma a guerra submarina em janeiro. As pesadas perdas econômicas e humanas americanas levam o presidente Wilson a decidir entrar na guerra em abril de 1917.
  • O descontentamento se espalha entre os lados em guerra. Os motins no exército francês são severamente reprimidos.
  • A Itália é derrotada na Batalha de Caporetto, em outubro de 1917.

Frente Oriental

  • Revolução Russa (fevereiro a outubro de 1917): Os bolcheviques de Lenin chegam ao poder.
  • A Rússia assina um armistício em dezembro. Há avanços moderados dos Impérios Centrais.
  • A Grécia entra na guerra ao lado da Entente.

Outras frentes

  • As tropas britânicas avançam pelo Oriente Médio. Bagdá e Jerusalém são conquistadas.

1918: O desfecho

Em novembro de 1918, a Alemanha se rendeu e o armistício que pôs fim à guerra foi assinado.

O abandono da guerra pela Rússia revolucionária permitiu que a Alemanha concentrasse todas as suas forças na Frente Ocidental. No verão de 1918, ocorreram os últimos ataques alemães.

No entanto, seus aliados estavam à beira da exaustão militar e econômica. A chegada das tropas americanas desequilibrou a balança em favor da Entente.

Entre os eventos mais importantes para o desfecho da guerra estão:

Frente Ocidental

  • O presidente Wilson faz o discurso de 14 pontos, propondo condições para a paz (em janeiro).
  • A Alemanha avança sobre a França com a Ofensiva Ludendorff até que as forças britânicas sejam derrotadas (entre março e julho).
  • As tropas americanas chegam às várias frentes de batalha. A Entente responde com uma contraofensiva definitiva sob o comando de Foch (julho–setembro).
  • Hindenburg e Ludendorff informam ao kaiser Guilherme II que é impossível continuar a guerra.
  • A Itália derrota as forças austro-húngaras na Batalha de Vittorio Veneto (outubro).
  • A Áustria-Hungria assina um armistício (3 de novembro).
  • Revolução na Alemanha: o rei abdica e foge para a Holanda. É proclamada a República (9 de novembro).

Frente Oriental

  • A eclosão da guerra civil na Rússia força a delegação russa a assinar o Tratado de Brest-Litovsk (3 de março).
  • A Rússia Soviética se retira do conflito e cede grandes territórios para os Impérios Centrais.
  • Após o ataque francês da Grécia, a Bulgária assina o armistício (em setembro).

Outras frentes

  • Após suas ofensivas malsucedidas no Oriente Médio e a chegada das tropas britânicas à Anatólia, a Turquia assina um armistício (30 de outubro).

Continue com:

Referências

  • Hobsbawn, E. J. (1998). Historia del siglo XX. Crítica
  • Tato, M. I., Bubello, J. P., Castello, A. M. y Campos, E. (2011). Historia de la segunda mitad del siglo XX. Estrada.
  • Gilbert, M., & Devoto, A. (2005). La primera guerra mundial. Esfera de los Libros.

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

KISS, Teresa. Fases da Primeira Guerra Mundial. Enciclopédia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/fases-da-primeira-guerra-mundial/. Acesso em: 24 maio, 2024.

Sobre o autor

Autor: Teresa Kiss

Professora de História do ensino médio e superior.

Traduzido por: Márcia Killmann

Licenciatura em letras (UNISINOS), Doutorado em Letras (Universidad Nacional del Sur)

Data da última edição: 18 fevereiro, 2024
Data de publicação: 20 novembro, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)