Batalhas da Primeira Guerra Mundial

Vamos explicar quais foram as principais batalhas da Primeira Guerra Mundial, quais foram suas características e seus resultados. Além disso, quem foram os seus protagonistas.

A guerra de trincheiras foi um traço característico da Primeira Guerra Mundial.

O que foi a Primeira Guerra Mundial?

A Primeira Guerra Mundial foi um conflito internacional que aconteceu principalmente na Europa e se desenvolveu durante quatro anos, entre 1914 e 1918. Os lados opostos foram os Impérios Centrais (liderados pela Alemanha, Áustria-Hungria e pelo Império Otomano) e a Entente ou Aliados (França, Reino Unido, Rússia, Itália e Estados Unidos).

A guerra começou pouco depois do assassinato no mês de junho de 1914 do arquiduque Francisco Fernando, herdeiro do trono austro-húngaro, e tomou inicialmente a forma de uma guerra de movimentos impulsionada pelo avanço alemão em direção à França através da Bélgica. Quando o avanço alemão foi interrompido na frente ocidental, o conflito tornou-se principalmente uma guerra de trincheiras. Finalmente, a Entente saiu vitoriosa.

As batalhas da Primeira Guerra Mundial introduziram algumas novidades técnicas e tecnológicas, em grande parte devido ao desenvolvimento da Segunda Revolução Industrial, como o uso militar de tanques, aviões e submarinos ou o emprego de gases tóxicos. O total de vítimas mortais foi enorme: quase nove milhões de combatentes e sete milhões de civis. Além disso, deixou vinte milhões de feridos e mutilados.

A Batalha de Tannenberg (1914)

Poucos dias depois do início da guerra, em agosto de 1914, enquanto os alemães avançavam na frente ocidental, o general russo Aleksandr Samsonov atacou a Prússia oriental.

Os primeiros sucessos russos levaram os líderes alemães a substituir o general Maximilian von Prittwitz e a enviar os generais Paul von Hindenburg e Erich Ludendorff para enfrentar a invasão russa. Em 28 de agosto, os alemães cercaram o exército de Samsonov.

A batalha terminou em 30 de agosto. O desastre russo foi total: de 150 mil soldados, somente escaparam sãos e salvos 10 mil. Os alemães levaram mais de 92 mil prisioneiros e os mortos foram cerca de trinta mil. Samsonov, oprimido pela derrota, suicidou-se.

A Batalha do Marne (1914)

Depois dos êxitos iniciais do ataque alemão à França através da Bélgica, o governo francês fugiu para Bordeaux e mais de 500 mil parisienses abandonaram a cidade, que parecia a ponto de ser tomada pelas tropas alemãs.

O general Joseph Joffre conseguiu reorganizar as tropas francesas e o pequeno corpo expedicionário britânico, e em 6 de setembro de 1914 dirigiu uma contraofensiva ao longo do rio Marne que obrigou os alemães a recuar.

A batalha terminou em 10 de setembro e as tropas alemãs continuaram a retirada durante os dias seguintes. O custo humano foi de mais de 200 mil mortes para o exército francês e um número similar para os alemães.

A vitória aliada no Marne havia parado o ataque alemão. A partir daí, a frente ocidental se estabilizou ao longo de quase quatro anos. Todas as tentativas de ruptura da frente provocaram enormes perdas humanas e apenas conseguiram pequenos avanços de poucos quilômetros.

A Batalha de Galípoli (1915-1916)

Em decorrência da proposta de Winston Churchill, que na época tinha o cargo de primeiro lorde do Almirantado, os britânicos idealizaram a Batalha de Galípoli. Planejavam atacar o Império Otomano, o aliado supostamente mais fraco dos Impérios Centrais, para desviar a atenção da frente ocidental e aliviar a pressão sobre os russos no Cáucaso.

A batalha começou com um ataque aos Dardanelos em fevereiro de 1915 e continuou com um desembarque na península de Galípoli em abril. No entanto, ao fim de vários meses, terminou como um completo fracasso para a Entente.

Os britânicos, australianos e os neozelandeses que participaram na batalha sofreram quase um quarto de milhão de baixas, com quase 50 mil mortos. Os franceses tiveram quase 50 mil baixas, com cinco mil mortos. Para os turcos, a batalha deixou um saldo de 250 mil baixas, com mais de 60 mil mortos.

A Batalla de Verdun (1916)

A Batalha de Verdun durou mais de nove meses e deixou um grande número de mortos.

Em 21 de fevereiro de 1916, soldados alemães colocaram em prática a tática da “guerra de desgaste” idealizada pelo general Erich von Falkenhayn e atacaram a praça fortificada de Verdun. A ideia era concentrar um enorme exército em Verdun, obrigar o exército francês a reunir todas as suas tropas ali para se defender e provocar-lhe baixas massivas, até vencê-lo.

Após meses de combates sangrentos, a resistência francesa, liderada por Philippe Pétain, conseguiu que o ataque alemão não realizasse progressos significativos. Pétain havia estabelecido um sistema de rotação de tropas e provisionamento para diminuir a quantidade de mortes francesas.

A Batalha de Verdun terminou em uma espécie de empate no dia 18 de dezembro de 1916. Foi a batalha mais longa e uma das mais devastadoras da Primeira Guerra Mundial.

Os franceses conseguiram parar a ofensiva alemã com um custo de mais de meio milhão de baixas. Os alemães mobilizaram um milhão de soldados e tiveram cerca de 450 mil baixas. Estima-se que cerca de trezentos mil homens perderam a vida em Verdun.

A Guerra das Trincheiras

A guerra de movimentos dos primeiros meses da guerra, que envolveu o avanço rápido das tropas alemãs e a mobilização geral de tropas, chegou logo ao fim. Sobre as massas de infantaria e cavalaria caíam toneladas de granadas, e milhares de rajadas de metralhadora dizimavam as fileiras.

Depois da Batalha do Marne, na qual os franceses conseguiram deter o avanço alemão, os exércitos tiveram que se esconder e cavar sistemas de trincheiras cada vez mais complexos para sobreviver ao fogo inimigo. Do mar do Norte à Suíça, milhares de quilômetros de trincheiras enfrentaram milhões de homens na frente ocidental. Cobertas de lama, infestadas de ratos, as trincheiras tornaram-se o lar dos soldados.

As repetidas tentativas dos militares de romper a frente levaram a verdadeiros massacres, como as que tiveram lugar durante as Batalhas de Verdun, Somme e Passchendaele. As potências industriais se esforçaram para encontrar novas armas que permitissem a ruptura da frente: os alemães iniciaram em 1915 a guerra química e os ingleses em 1917 o uso massivo de tanques, enquanto a aviação começou a ser sistematicamente utilizada como arma de guerra.

A guerra química

O uso militar de gases tóxicos tornou necessário o uso de máscaras antigás.

A utilização de substâncias tóxicas na guerra tinha sido proibida pela Conferência de Haia em 1899. No entanto, quando as frentes da Primeira Guerra Mundial se estabilizaram, os alemães, que tinham uma indústria química muito desenvolvida, pensaram neste tipo de armas como uma solução para acabar com a Guerra de Trincheiras.

Às cinco horas da tarde do dia 22 de abril de 1915, na frente de Ypres, na Bélgica, as tropas alemãs aproveitaram o vento favorável, abriram garrafas de cloro e uma nuvem tóxica dirigiu-se para as linhas francesas. A surpresa e o pânico foram totais. Após sucessivos ataques, os alemães conseguiram em poucos dias avançar dezesseis quilômetros.

A indústria química e armamentista de ambos os lados iniciou a produção de novos gases (fosgênio, brometo de xileno, arsênico, ácido cianídrico, gás mostarda). O repertório de substâncias tóxicas foi sendo ampliado.

Os gases começaram a ser lançados em bombas de artilharia para evitar que uma mudança repentina do vento fizesse as próprias tropas morrerem asfixiadas. Os exércitos desenvolveram sistemas de defesa e alarme. Os soldados tiveram que comprar máscaras antigás.

A Batalha do Somme (1916)

Depois da ofensiva do general alemão Erich von Falkenhayn em Verdun, o ataque franco-britânico planejado anteriormente tornou-se uma grande manobra para aliviar a posição da cidade fortificada de Verdun.

No primeiro dia do ataque, em 1° de julho de 1916, o exército britânico sofreu 58 mil baixas, entre elas quase 20 mil mortos. Foi o pior massacre que este exército sofreu em toda a sua história.

Após vários meses de combates, as primeiras nevascas de novembro precipitaram o fim da ofensiva. Em troca de poucos avanços de não mais de 12 quilômetros, os britânicos sofreram 420 mil baixas, os franceses 200 mil e os alemães em torno de meio milhão.

A Batalha Naval da Jutlândia (1916)

Diante da superioridade naval britânica, a frota alemã evitou durante muito tempo o combate e permaneceu nos seus portos, submetida ao bloqueio britânico. No entanto, o ascenso ao comando da frota do almirante Reinhard Scheer, mais agressivo que o seu antecessor, levou pela primeira vez a frota alemã ao mar do Norte.

A Batalha da Jutlândia, ao longo do litoral da Dinamarca, durou dois dias, 31 de maio e 1° de junho de 1916. Tecnicamente, não houve um vencedor. Os britânicos perderam 14 navios, com 6100 mortos, e os alemães perderam 11 navios, com 2500 mortos.

Apesar do resultado relativamente favorável para a Alemanha, a frota alemã não voltou a desafiar a Grande Frota da Marinha Real britânica durante o resto do conflito, permitindo assim que esta continuasse a dominar o mar do Norte. Diante dessa situação, os alemães depositaram todas as suas esperanças na guerra submarina.

A guerra submarina irrestrita (1917)

Os alemães impulsionaram a guerra submarina como resposta ao bloqueio naval britânico.

Quando o conflito começou, os submarinos ainda não tinham sido utilizados como armas de guerra. A superioridade dos britânicos no mar forçou a frota alemã a tentar este novo tipo de guerra.

O bloqueio naval britânico e a sua incidência na fome da população alemã fizeram com que os comandos militares da Alemanha confiassem na guerra submarina como o melhor meio de represália. No entanto, no dia 7 de maio de 1915, um submarino alemão afundou o transatlântico britânico RMS Lusitânia, no qual morreram 1200 tripulantes e passageiros, entre os quais 128 cidadãos norte-americanos. O governo dos Estados Unidos, que na época era um país neutro, protestou energicamente e o chanceler alemão optou por moderar os ataques.

Os militares alemães não concordavam com a moderação do chanceler e pediram para iniciar uma guerra submarina sem restrições. Finalmente, no dia 1° de fevereiro de 1917, a Alemanha declarou guerra submarina total. Os primeiros meses foram muito prejudiciais para os navios que iam e vinham para a Inglaterra e França, com cerca de 540 mil toneladas afundadas em fevereiro, quase 600 mil em março e 875 mil em abril.

No entanto, o resultado final foi totalmente contrário às expectativas dos alemães. A partir de abril, os britânicos organizaram sistemas de comboios (alguns navios de guerra escoltavam os navios mercantes) e reduziram significativamente as perdas. Além disso, a guerra submarina prejudicou seriamente os produtores e exportadores norte-americanos, o que precipitou a entrada em guerra dos Estados Unidos no mês de abril de 1917.

A Batalha de Caporetto (1917)

Os alemães aproveitaram a situação provocada na frente oriental pela Revolução Russa e ajudaram as tropas austro-húngaras em um ataque contra as linhas italianas em outubro de 1917. As tropas italianas, tomadas por surpresa, retrocederam até que conseguiram restaurar as linhas em torno do rio Piave, ao norte de Veneza, em 9 de novembro.

O exército italiano perdeu grande quantidade de armamento e outros materiais militares, quase 300 mil homens foram feitos prisioneiros e mais de 10 mil perderam a vida. O desastre de Caporetto levou à renúncia do presidente do Conselho de Ministros da Itália e foi substituído por Vittorio Emanuele Orlando, que destituiu Luigi Cardona à frente das tropas italianas e nomeou em seu lugar o general Armando Díaz.

A Batalha de Vittorio Veneto (1918)

Necessitado de uma vitória para poder negociar nas iminentes negociações de paz, o primeiro-ministro da Itália, Vittorio Emanuele Orlando, pressionou o comandante e chefe do exército italiano, Armando Diaz, para atacar as enfraquecidas linhas austro-húngaras no norte da Itália.

Aproximava-se o final da guerra e o exército de Díaz, com o apoio de tropas francesas e britânicas, iniciou o ataque em 23 de outubro de 1918. A frente austro-húngara ruiu e, em 2 de novembro, os italianos já tinham feito mais de 300 mil prisioneiros.

Em 3 de novembro, a Áustria-Hungria assinou o armistício em Villa Giusti, Pádua. Poucos dias depois, em 11 de novembro, a Alemanha assinou o armistício com as autoridades militares da França e do Reino Unido e terminou a guerra.

Continue com:

Referências

  • Carta de D. L. Rowlands, 5 de febrero de 1918, en: BBC News. http://news.bbc.co.uk/ 
  • Hart, P. (2014). La Gran Guerra 1914-1918. Historia militar de la Primera Guerra Mundial. Crítica.
  • Morrow, J. H. (2004). The Great War: An Imperial History. Routledge.
  • Showalter, D. E. & Royde-Smith, J. G. (2023). World War I. Encyclopedia Britannica. https://www.britannica.com/ 
  • Stevenson, D. (2013). 1914-1918. Historia de la Primera Guerra Mundial. Debate.
  • Stone, N. (2013). Breve historia de la Primera Guerra Mundial. Ariel.

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

GAYUBAS, Augusto. Batalhas da Primeira Guerra Mundial. Enciclopédia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/batalhas-da-primeira-guerra-mundial/. Acesso em: 24 maio, 2024.

Sobre o autor

Autor: Augusto Gayubas

Doutor em História (Universidad de Buenos Aires)

Traduzido por: Cristina Zambra

Licenciada em Letras: Português e Literaturas da Língua Portuguesa (UNIJUÍ)

Data da última edição: 1 dezembro, 2023
Data de publicação: 20 novembro, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)