Período Permiano

Vamos explicar o que foi o Período Permiano, suas estruturas de relevo e o seu clima. Além disso, quais são suas características, sua flora e fauna.

Período Pérmico
O Período Permiano começou há cerca de 290 milhões de anos.

O que foi o Período Permiano?

Na escala temporal geológica, o Período Permiano é o último da Era Paleozoica, iniciada há 540 milhões de anos e terminada há cerca de 248 milhões. É o período posterior ao Período Carbonífero e anterior ao Período Triássico, da Era Mesozoica.

O Período Permiano começou há 290 milhões de anos e terminou há 248 milhões, ou seja, teve uma duração total de 42 milhões de anos. Durante este período, ocorreu a extinção em massa do Permiano-Triássico, o maior evento de desaparecimento de espécies que já viveu a história do nosso planeta.

A crosta continental na época estava unida e formava um único supercontinente chamado Pangeia. Inicialmente, o clima era quente e úmido, como no Período Carbonífero, mas com o passar do tempo geológico a umidade diminuiu significativamente e o planeta se tornou mais árido.

O nome deste período provém da cidade russa de Perm, onde em 1841 o geólogo inglês Roderick Murchison (1792–1871) identificou e classificou alguns fósseis que datavam desse momento.

Características do Período Permiano

As principais características são:

  • Começou há 290 milhões de anos e terminou há 248 milhões.
  • A crosta continental estava organizada em um único supercontinente chamado Pangeia.
  • Teve muitas variações climáticas, desde glaciações no início até um clima quente e úmido em grande parte do período.
  • Algumas regiões continentais tiveram um clima quente e seco.
  • A flora e a fauna eram muito variadas, tanto nos continentes como nos oceanos.
  • Concluiu-se com uma grande extinção em massa de espécies, que eliminou praticamente toda a vida animal sobre a Terra.

Divisão do Período Permiano

O Período Permiano é dividido em três épocas, abrangendo nove idades, da seguinte forma:

  • Época Cisuraliana. Começou há cerca de 298,9 milhões de anos atrás e terminou há cerca de 279,3 milhões de anos. Abrange as Idades Asseliana, Sakmariana, Artinskiana e Kunguriana.
  • Época Guadalupiana. Começou há cerca de 272,9 milhões de anos e terminou há cerca de 265,1 milhões de anos. Abrange as Idades Roadiana, Wordiana e Capitaniana.
  • Época Lopingiana. Começou há cerca de 259,1 milhões de anos e terminou há cerca de 254,2 milhões de anos, ao lado do Período Permiano e a Era Paleozoica. Abrange as Idades Wujiapinguiano e Changxinguiano.

Geologia do Período Permiano

Durante o Período Permiano formou-se a Pangeia, um supercontinente composto pela união de todas as massas terrestres do planeta. Assim, a maioria das massas de terra formava um único bloco, o que teve um impacto significativo na distribuição das espécies animais e vegetais daquele momento.

No Período Permiano, além disso, aconteceu a orogenia hercínica ou varisca, como resultado do choque entre os continentes que formaram a Pangeia. Isto produziu a formação de montanhas como os Apalaches, na América do Norte e os montes Escandinavos, na Europa.

Ao longo deste período, também houve episódios de atividade vulcânica significativa, que liberaram grandes quantidades de gases e partículas para a atmosfera. Estes eventos vulcânicos podem ter contribuído para mudanças climáticas e ambientais, bem como para a extinção em massa que ocorreu no final do Período Permiano.

Clima do Período Permiano

O clima do Período Permiano foi influenciado pelas geleiras do final do Período Carbonífero, pelo que suas condições iniciais foram muito frias. Com o passar do tempo, o clima se tornou mais quente e úmido. Como consequência, os glaciares retrocederam e aumentaram o nível do mar.

Depois da formação de Pangeia, também, ficaram extensas regiões muito afastadas do mar, pelo que se gerou também um clima desértico, quente e com grandes flutuações entre temporadas úmidas e secas.

Perto do final do Período Permiano, e como resultado da grande quantidade de cinzas jogadas na atmosfera pela intensa atividade vulcânica, acredita-se que a temperatura se reduziu consideravelmente. É possível que as cinzas tenham impedido a passagem dos raios solares, de modo que a falta de luz e de calor podem ter sido uma das causas da extinção em massa de espécies que aconteceu no final deste período. 

Flora e fauna do Período Permiano

periodo permico nautilo
O náutilo existe há 270 milhões de anos.

As extensas selvas e florestas continentais que se formaram no Período Carbonífero continuaram durante o Período Permiano, o que garantiu uma atmosfera rica em oxigênio. Nas zonas mais úmidas, continuaram a se formar ecossistemas de clima quente e úmido, enquanto no interior mais seco da Pangeia começou a aparecer flora e fauna adaptadas à falta de umidade.

Com relação à fauna, os insetos evoluíram até seu aspecto moderno e, como não havia ainda vertebrados aéreos, foram os que conquistaram o voo. Além disso, certos anfíbios terminaram de se adaptar à vida fora da água e, no final do período, apareceram os arcossauros, que dariam lugar aos crocodilos, aos pterossauros e aos dinossauros no Período Triássico.

Nos mares, o plâncton conseguiu recuperar da extinção do Período Devoniano e a vida proliferou em nautiloides, equinodermos, moluscos e braquiópodes. Desenvolveram-se também peixes ósseos e tubarões primitivos, que se anunciavam já como eficazes predadores.

No final do período apareceu o mesossauro, um réptil que viveu nos continentes atuais da América do Sul e da África. Esta espécie foi uma evidência fundamental para a formulação da Teoria da Deriva Continental que propôs a hipótese do movimento dos continentes.

Alguns dos seres vivos do Período Permiano que deixaram um registro fóssil suficientemente completo até a atualidade são:

  • O náutilo. Surgido nas águas da Micronésia, é um dos poucos organismos que sobreviveram à extinção do final do Período Permiano, e mudou muito pouco em sua história de 270 milhões de anos de evolução. Trata-se de um molusco cefalópode de forma redonda, considerado um fóssil vivo.
  • O dimetrodon. Este gênero já extinto de répteis sinápsidos (semelhantes aos mamíferos) possuía uma enorme vela dorsal que consistia em espinhas alongadas com um tecido membranoso entre elas.
  • O ginkgo biloba. Outro fóssil vivo, esta árvore de folhas amarelas e de forma dupla apareceu pela primeira vez há 280 milhões de anos atrás. Hoje em dia alcança os 30 metros de altura em seus quase mil anos de vida. Suas folhas são usadas em receitas medicinais.

Extinção em massa do Permiano-Triássico

periodo permico
A extinção teve sinais de ter sido gradual, com duração de até 80 mil anos.

O Período Permiano termina com a extinção em massa mais significativa da história natural do nosso planeta, tanto em número de espécies perdidas como em impacto sobre a fauna subsequente. Apenas 5% das espécies sobreviveram: 96% das espécies marinhas e 99% das espécies terrestres desapareceram em consequência desta grande extinção.

Não se sabem as causas exatas de semelhante extinção em massa, mas existem diversas hipóteses:

  • A poluição da atmosfera com gases como o enxofre e o dióxido de carbono emanados pelo vulcanismo.
  • O impacto de um asteroide, que pode ter tido consequências devastadoras sobre a flora e a fauna da época.
  • A liberação de sulfeto de hidrogênio (um poderoso agente tóxico) nas águas marinhas devido à proliferação de bactérias anaeróbias devido à diminuição de oxigênio.
  • A emanação de cinzas para a atmosfera pelo aumento considerável da atividade vulcânica, que pode ter escurecido o céu, com a consequente redução da temperatura e dos processos de fotossíntese. Isto poderia causar um aumento na quantidade de dióxido de carbono e uma redução do oxigênio.

Acredita-se que a extinção pode ter sido gradual, com duração entre 80 mil e 200 mil anos.

Referências

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

SPOSOB, Gustavo. Período Permiano. Enciclopedia Humanidades, 2024. Disponível em: https://humanidades.com/br/periodo-permiano/. Acesso em: 20 abril, 2024.

Sobre o autor

Autor: Gustavo Sposob

Professor de Geografia do ensino médio e superior (UBA).

Traduzido por: Cristina Zambra

Licenciada em Letras: Português e Literaturas da Língua Portuguesa (UNIJUÍ)

Data da última edição: 25 março, 2024
Data de publicação: 29 fevereiro, 2024

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)