Sumérios

Vamos explicar quem foram os sumérios e quais foram suas principais invenções. Além disso, suas características, sociedade e mais.

Sumerios
Os sumérios fundaram dezenas de cidades-Estado na Mesopotâmia asiática.

Quem foram os sumérios?

Os sumérios foram uma civilização antiga que habitou a Mesopotâmia asiática entre 3500 e 1750 a.C. Ao longo de sua história fundaram centenas de cidades-Estado nas margens dos rios Tigre e Eufrates, controladas por sacerdotes e líderes militares que procuravam impor seu domínio na região.

Através de unidades políticas centralizadas, organizaram a produção agrícola e o comércio, ordenaram a construção de grandes obras, estabeleceram sistemas de leis e formaram grandes exércitos.

Entre outras características culturais, os sumérios são reconhecidos por ter inventado um dos primeiros sistemas de escrita e ter composto o primeiro poema de Gilgamesh, a primeira versão do mito do dilúvio universal.

Algumas características da civilização suméria

As principais características dos sumérios foram:

  • Habitaram a Mesopotâmia asiática entre 3500 e 1750 a.C. e fundaram dezenas de cidades ao redor dos rios Tigre e Eufrates.
  • Organizaram-se em cidades-Estado independentes, controladas por uma casta de sacerdotes e líderes guerreiros que concentravam o poder político, econômico e social.
  • Sua história foi marcada por guerras constantes entre as cidades e tentativas de conquista e hegemonia política.
  • Suas cidades foram conquistadas por povos estrangeiros e recuperaram sua independência em diferentes ocasiões.
  • Inventaram a escrita cuneiforme, que usavam para contabilizar a administração de bens e serviços da cidade.
  • Desenvolveram vários textos literários, épicos e religiosos que influenciaram as culturas contemporâneas e posteriores de toda a região.

A localização geográfica dos sumérios

Sumerios

Os sumérios se estabeleceram na Mesopotâmia asiática, uma região localizada nas áreas não desérticas do atual Iraque e na região limítrofe do noroeste da Síria. Era uma área fértil sobre os rios Tigre e Eufrates, rodeada pelo deserto da Arábia, os montes Tauros, os montes Zagros e o Golfo Pérsico.

A região estava dividida em:

  • Alta Mesopotâmia. Era a zona norte, onde se encontram as nascentes dos rios. Podia-se praticar a agricultura de irrigação natural.
  • Baixa Mesopotâmia. Era a zona sul, com a inclinação e a foz dos rios. Pelo clima seco e quente, era necessária a construção de canais para controlar as secas e as cheias dos rios.

A origem e a história dos sumérios

Sumerios
Os sumérios deixaram registrados muitos eventos de sua história.

Os sumérios eram uma aldeia de origem asiática. Não se sabe com exatidão quando migraram para a região mesopotâmica, embora haja restos arqueológicos anteriores a 3500 a.C. que podem ser ligados com as cidades sumérias posteriores. Os especialistas dividem a história suméria a partir dos seguintes períodos:

  • Período de Uruk (c. 3500-2900 a.C.). Os sumérios se instalaram na baixa Mesopotâmia e fundaram mais de 30 cidades. Entre elas destacaram-se Ur, Uruk, Lagash, Kish e Umma. Durante este período, as elites políticas das cidades-Estado estavam vinculadas aos sacerdotes e os templos funcionavam como centros religiosos, políticos e administrativos. A cidade de Uruk condenou a hegemonia política e cultural na região.
  • Período dinástico arcaico (2900-2334 a.C.). O crescimento demográfico e as disputas entre cidades pelos recursos (água, terras e matérias-primas) inclinaram a balança de poder político a favor de líderes militares, que se converteram em reis. O centro de poder das cidades passa dos templos aos palácios reais. Apesar das constantes guerras, a população continuou a aumentar devido às melhorias na produção agrícola e fundaram novas cidades.
  • Reino de Akkad (2334-2218 a.C.). A partir de 2400 a.C., o povo semita dos acádios se estabeleceu gradualmente na Mesopotâmia central e fundou a cidade de Mari. Em 2334 a.C., sob o comando de Sargon, os acádios tomaram a cidade de Kish e começaram uma série de campanhas militares para dominar a região. Sargon consagrou-se como rei das quatro zonas do universo e estabeleceu um reino com capital em Akkad, que obrigou os povos a pagar tributo.
  • Período Guti (2218-2047 a.C.). As cidades sumérias começaram uma série de rebeliões que destruíram o poder político de Akkad. Por sua vez, os guteos, uma aldeia proveniente da zona montanhosa do atual Irã, invadiram as cidades mesopotâmicas e destruíram a capital de Akkad. Os Guteus tomaram os costumes e a língua dos Acádios, impuseram-se às cidades sumérias e começaram a cobrar-lhes tributo.
  • Renascimento sumério (2047-1800 a.C.). Depois de uma série de rebeliões para libertar-se do domínio Guteu, as cidades sumérias conseguiram expulsá-los da Mesopotâmia. A cidade de Ur iniciou um processo de unificação e aliança entre cidades. Durante este período se destacaram as cidades de Ur e Lagash, e são características as construções em forma de zigurates (pirâmides com terraços, templos e longas escadas). A independência das cidades sumérias se manteve até a invasão dos Amorreus à baixa Mesopotâmia, por volta de 2000 a.C., que arrasaram com as construções e se apoderaram de bens e cidades.
  • Império Babilônico (1792-1750 a.C.). Hammurabi, rei da cidade de Babilônia, conquistou os Povos Assírios e subjugou as cidades sumérias. O Império Babilônico buscou centralizar o poder e unificar os territórios sob seu comando: criou um sistema de leis comuns e impôs a Cultura Acádia em todas as cidades. Com a morte de Hammurabi, as rebeliões e as incursões de povos vizinhos derrubaram o império.

A organização social dos sumérios

Sumerios
Os escribas e outros artesãos especializados eram mantidos pelo Estado.

A sociedade suméria era hierárquica e os grupos de cidadãos se dividiam com base em seu papel ou ofício. Os sacerdotes foram desde o início o grupo que controlou a administração e organização das cidades-Estado sumérias. Eram considerados intermediários entre as pessoas e os deuses. Em troca de seus serviços religiosos, possuíam terras e cobravam tributos.

Com o aumento dos conflitos entre cidades, os guerreiros ganharam maior importância política e se estabeleceram, junto ao grupo sacerdotal, como elites das sociedades sumérias: controlavam a administração pública e a distribuição de bens obtidos a partir dos impostos.

Além disso, havia alguns grupos sociais que realizavam tarefas especiais e recebiam seu alimento e outros bens por parte do Estado: escribas, guerreiros, funcionários, comerciantes e artesãos especializados.

A maioria da população era composta por camponeses que viviam nas aldeias e se dedicavam à produção de alimentos e ao trabalho da terra. Além disso, deviam cumprir obrigações públicas, como trabalhar nas grandes construções, cultivar terras reais ou prestar serviço militar.

E por último, na sociedade suméria havia escravos, que eram prisioneiros de guerra.

A organização política dos sumérios

Sumerios
No zigurate de cada cidade se concentrava o poder político e religioso local.

Ao longo de sua história, a organização política dos sumérios foi se modificando segundo seu contexto. Durante a época de sua independência, as cidades-Estado sumérias tiveram um governo teocrático.

Inicialmente, as cidades eram governadas por patesis, sacerdotes que administravam o culto e os assuntos legais, econômicos e sociais. Nos templos se concentrava a atividade política além de realizar cerimônias e oferendas religiosas.

Com o crescimento urbano e o aumento constante das guerras, consolidou-se o poder político dos reis guerreiros. Os sacerdotes dedicaram-se exclusivamente às funções religiosas e os governos ficaram nas mãos dos lugais, príncipes militares que centralizavam seus governos nos palácios urbanos. Os reinados eram dinásticos (eram herdados através das gerações de famílias de reis) e continuaram vinculados às crenças religiosas, já que o lugal era considerado um representante dos deuses na terra.

A organização econômica dos sumérios

Sumerios
Os escribas registravam os bens que chegavam aos palácios através do pagamento de tributos.

A economia das cidades-Estado sumérias baseava-se na agricultura, no comércio e na organização do tributo. As cidades controlavam o território circundante, a partir do qual se abasteciam para a subsistência da sua população.

Na baixa Mesopotâmia, praticava-se uma agricultura de regadio em grande escala. Era necessário construir canais e obras hidráulicas que permitissem controlar a subida e a descida dos rios. Desta forma, evitavam-se inundações e era possível realizar irrigação artificial em épocas de seca.

Parte dos bens agrícolas produzidos pelos camponeses eram entregues como tributos ao governo das cidades. Os templos e palácios guardavam esses bens e os administravam para o crescimento da cidade: troca de bens com outras cidades, construção de obras públicas, manutenção de grupos sociais (escribas, guerreiros e outros funcionários) e assistência em situações de crise (secas ou guerras).

A religião suméria

Sumerios
A cosmovisão suméria influenciou as crenças das culturas mesopotâmicas posteriores.

Os sumérios eram politeístas, ou seja, acreditavam na existência de muitos deuses. Em sua cosmovisão, no passado, os deuses haviam vivido nas cidades e criado a humanidade à qual haviam atribuído as tarefas que eles não queriam realizar.

Cada cidade suméria tinha um deus principal:

  • Enki (deus da terra e da água) era o deus patrono de Eridu
  • Enlil (deus do vento e tempestades) era venerado em Nippur
  • Nannar (divindade da Lua) era adorado em Ur
  • Utu (deus do Sol) era o deus principal de Lagash
  • Anu (deus do céu) era a divindade gerente de Uruk

Além disso, acreditavam que todo o conhecimento cultural e os feitos técnicos eram dons outorgados pelos deuses. As vitórias e derrotas militares também eram decisões divinas. Por isso, era fundamental contentar as divindades através de cerimônias e oferendas contínuas que os sacerdotes dirigiam. Neste sentido, os templos foram constituídos como os edifícios públicos centrais da civilização ao longo da história suméria.

A cultura suméria

Sumerios
No Código de Hammurabi, o rei de Akkad escreveu as leis.

As principais características culturais dos sumérios foram:

  • Arquitetura. Os sumérios se caracterizaram por construir edifícios com base em tijolo cozido sem cimentos. Por isso, periodicamente deviam melhorar suas construções, o que gerou que o nível das cidades se elevasse por cima das planícies ao redor. Uma construção característica da arquitetura suméria foram os zigurates, edificações com forma piramidal que se realizavam com tijolos secados ao sol. No cume, havia um santuário consagrado ao deus padroeiro do templo e da cidade. O edifício era projetado imaginando uma escada para que a divindade descesse para a cidade e a protegesse.
  • Escrita. Os sumérios criaram um sistema de escrita para registrar os produtos que eram recebidos nos templos e nos palácios. Esta tarefa era executada por escribas, que eram pessoas educadas especialmente para este fim. Ao longo de sua história, a escrita suméria teve diferentes etapas:
  • escrita pictográfica (os desenhos representavam objetos)
  • escrita ideográfica (ideogramas representam conceitos)
  • escrita fonográfica (os sinais representavam sons e combinavam-se para gerar diferentes palavras)
  • escrita cuneiforme (o sistema foi completado e os sinais para uma escrita mais fluida foram estilizados).
  • Literatura. Os arqueólogos encontraram numerosos relatos sumérios, escritos em tábuas de barro. Estes textos oferecem histórias, lendas e mitos que permitem conhecer melhor a cosmovisão dos antigos sumérios. É especialmente reconhecido o poema de Gilgamesh, no qual se narra a primeira versão do mito do dilúvio universal, que depois sustentaram outras religiões.
  • Legislação. Os sumérios baseavam sua legislação no direito consuetudinário, ou seja, na tradição ditada pelo costume. Por volta de 1790 a.C., o rei da Babilônia fez redigir suas leis por escrito, em um texto que hoje é conhecido como o Código de Hammurabi. Esta compilação era composta por 282 leis que tratavam temas muito diversos como os roubos, os homicídios, os problemas comerciais, o casamento ou a escravidão. As leis tinham castigos muito severos e se baseavam no princípio da Lei do Talião: “olho por olho, dente por dente”. Segundo este princípio, quem cometia um delito devia ser castigado com um mal igual ao que tinha causado.

Referências

  • Liverani, M. (1995). El antiguo Oriente. Historia, sociedad y economía. Lingua, 2, 65.
  • Kuhrt, A. (2000). El Oriente Próximo en la Antigüedad (c. 3000-330 a. C.). Grupo Planeta (GBS).
  • Sanmartín, J., & Serrano, J. M. (1998). Historia antigua del próximo oriente: Mesopotamia y Egipto (Vol. 22). Ediciones Akal.

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

KISS, Teresa. Sumérios. Enciclopedia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/sumerios/. Acesso em: 26 setembro, 2023.

Sobre o autor

Autor: Teresa Kiss

Professora de História do ensino médio e superior.

Traduzido por: Cristina Zambra

Licenciada em Letras: Português e Literaturas da Língua Portuguesa (UNIJUÍ)

Data de publicação: 29 junho, 2023
Última edição: 18 julho, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)