Madre Teresa de Calcutá

Vamos explicar quem foi Madre Teresa de Calcutá, por que ela recebeu o Prêmio Nobel da Paz e como foi canonizada pela Igreja Católica.

Madre Teresa de Calcutá foi a fundadora da congregação das Missionárias da Caridade em 1950.

Quem foi a Madre Teresa de Calcutá?

Santa Teresa de Calcutá, popularmente conhecida como Madre Teresa de Calcutá, foi uma freira católica albanesa, beatificada e canonizada pela Igreja Católica. Foi a fundadora da congregação das Missionárias da Caridade na cidade de Calcutá, Índia, e também uma das personalidades midiáticas mais populares do século XX.

Com o nome laico de Agnes (Anjezë em albanês), Teresa descobriu sua vocação religiosa ainda muito jovem e dedicou sua vida ao serviço ao próximo, primeiro em um convento na Irlanda e depois na Índia. Sua popularidade internacional se deve muito ao documentário Something Beautiful for God, de Malcolm Muggeridge, produzido e transmitido na década de 1970, e ao Prêmio Nobel da Paz que lhe foi concedido em 1979.

Durante sua vida, Teresa foi elogiada e reconhecida por muitos, e severamente criticada por outros por suas atitudes reacionárias e pela falta de cuidados humanitários nos centros de sua congregação. Entretanto, no centenário de seu nascimento, em 26 de agosto de 2010, sua figura e seu trabalho receberam homenagens de todo o mundo.

Nascimento e juventude de Teresa de Calcutá

Com o nome albanês de Anjezë Gonxhe Bojaxhiu, Teresa de Calcutá nasceu na cidade de Escópia, a principal cidade da atual Macedônia do Norte, em 26 de agosto de 1910. Naquela época, o território fazia parte do Império Otomano.

Seus pais eram Nikölle Bojaxhiu e Dranafile Bernai, um casal albanês abastado da região de Kosovo. Praticantes da religião cristã, batizaram a filha no dia seguinte ao seu nascimento, razão pela qual Agnes considerava essa data como seu verdadeiro dia de nascimento. Ela era a mais nova de três irmãos.

Seu pai, Nikölle, era um próspero comerciante de materiais de construção e também estava envolvido na política local: foi conselheiro em Escópia, ligado aos partidos nacionalistas locais.

Em 1919, um congresso de afirmação nacional estava sendo realizado em Belgrado, do qual Nikölle estava participando e do qual foi levado diretamente para o hospital, com um quadro clínico de espasmos e hemorragias internas que levaram a suspeitas de que ele havia sido envenenado. Horas depois, morreu, e seu funeral foi assistido por grande parte da cidade. Agnes tinha apenas nove anos de idade.

A região europeia dos Bálcãs, à qual pertence a atual Macedônia do Norte, foi um território em constante disputa ao longo da história, controlado sucessivamente pelos grandes impérios medievais e modernos, como o Império Romano, o Império Bizantino e o Império Otomano. Como resultado, a região tem uma população muito diversificada em termos étnicos e religiosos, sendo uma fonte de riqueza cultural, bem como de tensões sociais e políticas.

Na ausência de seu pai, Agnes e sua mãe se voltaram para a fé católica. Ela era membro do coral de sua paróquia, onde cantava como solista soprano, bem como do Sodalício de Nossa Senhora, uma congregação mariana fundada em 1563.

Durante aqueles primeiros anos, Agnes foi apresentada à devoção religiosa, inspirada principalmente pelas histórias dos missionários jesuítas iugoslavos em Bengala, cujo exemplo seguiria alguns anos mais tarde. Aquelas leituras foram dadas a ela pelo pároco local, padre Jambrekovic, com quem havia recebido a comunhão e a confirmação.

Aos doze anos de idade, a jovem Agnes sabia que dedicaria sua vida à religião católica e trabalharia pelos pobres e despossuídos. Ela queria ser uma freira missionária.

A partida para a Irlanda

Depois que Agnes convenceu sua mãe da seriedade de sua vocação e de seu propósito, procurou a orientação do padre Jambrekovic para escolher seus próximos passos. Foi graças a ele que ficou sabendo das Irmãs de Nossa Senhora de Loreto: uma congregação conhecida como “Damas Irlandesas”, cujo objetivo era a educação e o ensino, e que estava presente em várias cidades da Índia.

Dessa forma, se Agnes quisesse entrar para a ordem, primeiro teria que ir para as proximidades de Dublin, no coração da Irlanda católica. Tal viagem, durante o primeiro terço do século XX, representava um grande esforço em termos de tempo e custo.

Mas em 15 de agosto de 1928, enquanto rezava na capela de Nossa Senhora de Letnice, Agnes chegou à conclusão de que sua vocação merecia esforço e sacrifício. Em menos de um mês, despediu-se da família, que nunca mais veria, e embarcou em um trem para deixar a Escócia para trás. Depois de uma parada na Croácia e outra em Paris, Teresa chegou ao Instituto da Bem-Aventurada Virgem Maria em Rathfarnham, Irlanda.

Sua estada na Irlanda, no entanto, não passou de dois meses. Ainda que o plano inicial fosse aprender inglês lá, Agnes foi admitida como postulante e transferida com a noviça Betika Kajn em novembro de 1928 para a cidade de Calcutá, na Índia. A viagem de barco até o seu novo destino levou mais de um mês. Chegaram em 6 de janeiro, dia em que as missões são comemoradas. Teresa tinha 19 anos de idade.

O noviciado na Índia

Teresa Bojaxhiu começou seu noviciado na Índia em 6 de janeiro de 1929, aos 19 anos de idade.

A primeira parada de Agnes na Índia foi na cidade de Calcutá, onde as Irmãs de Nossa Senhora de Loreto tinham um convento e duas escolas para meninas: uma paga destinada às classes ricas da Índia e outra gratuita para meninas provenientes de lares pobres. Lá, teve suas primeiras impressões tristes da ordem colonial e dos riquixás puxados por seus próprios motoristas.

Contudo, permaneceu em Calcutá apenas por algumas semanas, pois a casa do noviciado ficava em Darjeeling, perto do Himalaia, onde o Raj britânico incentivava o cultivo de chá e a hospedagem para férias. Lá, passou pelos rigores do noviciado, cujo segundo ano terminou em 24 de março de 1931.

De acordo com a tradição, ela teve que escolher um nome religioso, e escolheu o de uma santa recentemente canonizada: a carmelita descalça Santa Teresa de Lisieux (1873–1897), mais conhecida como Santa Teresa do Menino Jesus, padroeira dos missionários. Neste dia, uma nova serva de Deus nasceu na fé cristã: Teresa Bojaxhiu, mais tarde conhecida como Teresa “de Calcutá”.

Aconteceu que, na mesma casa de noviciado em Darjeeling, outra freira havia escolhido o mesmo nome de Teresa, possivelmente por motivos parecidos. Para distinguir entre a Teresa irlandesa e a Teresa eslava, o nome da primeira era escrito em francês: Thèrése, e o da segunda simplesmente Teresa, em espanhol.

Isso gerou certa confusão quanto a quem Agnes estava homenageando com seu nome religioso, e muitas vezes era obrigada a esclarecer que não era em homenagem a Teresa de Ávila (Santa Teresa de Jesus), apelidada de “a grande”, mas à “pequena” Santa Teresa de Lisieux.

Durante sua estada em Darjeeling, Agnes, agora Teresa, melhorou seu inglês e aprendeu bengali, com o qual mais tarde ensinou geografia e história na escola perto do convento em Calcutá. Além disso, fez seus votos de pobreza, castidade e obediência em Darjeeling, em 24 de maio de 1931.

Uma vez totalmente incorporada à ordem, Teresa retornou a Calcutá e se juntou à equipe de professores da Escola do Convento de Loreto durante o primeiro ano de prova de seus votos. Esta figura das Irmãs de Nossa Senhora de Loreto permite que uma freira termine seus votos e retorne à vida leiga depois de um ano, ou até que não seja renovada por seus superiores, se for necessário.

Nenhuma destas duas situações aconteceu com Teresa, cujos votos foram renovados por mais três anos, e depois por mais três, ao final dos quais ela foi considerada um membro definitivo da congregação. Em 25 de maio de 1937, depois de nove anos dedicados à ordem, Teresa Bojaxhiu fez votos de obediência, castidade e pobreza por toda a vida.

Um chamado dentro de um chamado

Teresa lecionou geografia, história e religião por quase 20 anos, ao final dos quais foi promovida a diretora do centro educacional da congregação. Durante esses anos, presenciou as desigualdades e crueldades da sociedade de castas da Índia, bem como as iniquidades por parte da ordem colonial britânica empenhada em suprimir o movimento de independência do povo indiano.

Foi com muita dor que testemunhou a fome de 1943 em Bengala durante a Segunda Guerra Mundial, assim como os violentos conflitos entre hindus e muçulmanos em 1946. Em 10 de setembro do mesmo ano, vivenciou o que mais tarde definiu como um “chamado dentro de um chamado”, ou seja, uma convocação divina para dedicar sua vida a aliviar a dor dos setores menos favorecidos da sociedade. Ocorreu durante uma viagem de trem de Calcutá a Darjeeling para seu retiro anual.

Com essa nova revelação, Teresa procurou sua confessora, a jesuíta belga Celeste van Exem (1908–1993), que lhe pediu que tentasse colocar em palavras o mistério que havia vivenciado. Foi graças a isso que se conheceram as impressões de Teresa: não apenas o chamado irresistível para cuidar dos pobres e despossuídos, mas também o ímpeto de renunciar à congregação de Nossa Senhora de Loreto e fundar algo próprio, algo novo. Mas isso viria muito mais tarde.

Mesmo tendo Teresa explicado seu chamado a van Exem, à superiora de sua ordem e ao próprio arcebispo de Calcutá, o jesuíta Ferdinand Perier (1875–1968), a instrução que recebeu foi a de esperar. Esperou por dois anos, lidando dia a dia com o chamado que se tornava cada vez mais forte.

Finalmente, seu caso foi apresentado à Santa Sé do Vaticano, em Roma. E contra as recomendações do arcebispo, cuja proposta era que Teresa voltasse à vida secular, o Vaticano decidiu lhe conceder a exclaustração, ou seja, a autorização para viver fora do convento.

Em 1948, ela recebeu permissão para deixar o claustro e começar sua peregrinação entre os pobres de Calcutá. Saiu do convento, deixando para trás uma vida inteira e trocando seu hábito pelo sári branco com linhas azuis com o qual mais tarde viria a ser identificada. Tinha apenas cinco rúpias no bolso.

Sua autorização de exclaustração, no entanto, era provisória. Duraria um ano, seria avaliada e depois poderia ser renovada. Seguindo o conselho do padre van Exem, ficou temporariamente no convento de “São José” das Irmãzinhas dos Pobres e imediatamente fez suas primeiras viagens por Calcutá. Durante um ano, ela se dedicou principalmente a ensinar crianças pobres a ler e a escrever e a transmitir conhecimentos básicos de higiene pessoal.

Seu trabalho, porém, era árduo e sentia-se desamparada e solitária. Com frequência, precisava mendigar alimentos e recursos para cuidar dos pobres e sentia-se tentada a voltar para sua vida segura e tranquila no convento. Finalmente, suas ações chamaram a atenção dos habitantes locais e ela recebeu algumas doações, além de um espaço improvisado para usar como sala de aula. Sua missão havia começado formalmente.

As Missionárias da Caridade

O sari usado por Teresa mais tarde se tornou o hábito da ordem das Missionárias da Caridade, fundada em 1950.

Durante seus dois primeiros anos de missão, Teresa se convenceu da necessidade de fundar uma nova ordem religiosa que seguisse seu exemplo e saísse às ruas para ministrar aos pobres, cegos, aleijados, leprosos e àqueles que, na sociedade de castas indiana, eram considerados “intocáveis”, ou seja, párias.

A aprovação do Vaticano para a formação da nova ordem ocorreu em 1950. No entanto, a recém-conquistada independência da Índia trouxe dificuldades políticas e diplomáticas a serem enfrentadas. Para facilitar as coisas, Teresa teve que adquirir a nacionalidade indiana e receber treinamento de enfermagem com as Irmãs Missionárias Médicas Americanas em Patna, no noroeste da Índia.

Na época de sua fundação, a nova ordem de Teresa, batizada de Missionárias da Caridade, tinha apenas treze membros, incluindo sua fundadora. Isso não as impediu de realizar seu trabalho de assistência, que nunca fazia distinção entre muçulmanos, hindus ou cristãos; todos eram recebidos em igualdade de condições.

Em um dia daqueles, Teresa se deparou com uma mulher muito doente deitada na rua. Teresa a pegou e a levou para o hospital, onde lhe disseram que não havia nada que pudessem fazer por ela. Aquilo fazia parte da vida cotidiana da cidade. Assim, a missionária procurou as autoridades de saúde e pediu um espaço para abrigar os doentes.

Foi assim que nasceu, em 1952, o primeiro lar para doentes terminais, localizado em uma sala vazia (o darmashalah) dentro de um templo hindu consagrado à deusa Kali. Esse lar funcionou até 1970 e acolheu mais de 20 mil pessoas, cerca de metade das quais morreu ali, cada uma de acordo com os ritos de sua fé.

Da mesma forma, em 1955, a crescente presença de crianças órfãs nas ruas de Calcutá a levou a abrir um Lar da Criança do Imaculado Coração. Além disso, em um terreno emprestado pela Sociedade Ferroviária, Teresa construiu um modesto prédio de tijolos para abrigar os que sofriam de hanseníase, ou seja, de lepra. Lá recebiam bandagens limpas, palavras de incentivo e, de vez em quando, remédios.

As Irmãs da Caridade são hoje uma ordem religiosa extensa. Com presença em 133 países e cerca de 4500 membros religiosos administram 19 lares na cidade de Calcutá, uma escola para crianças de rua e um leprosário. Os princípios da congregação incluem os três votos tradicionais dos missionários: pobreza, castidade e obediência, bem como um quarto voto de serviço gratuito e de todo o coração aos mais pobres entre os pobres.

As ações de Teresa logo foram sentidas na sociedade indiana, e rapidamente as Missionárias da Caridade cresceram em número. A elas se juntaram tantos membros do sexo masculino que, em 1963, foi fundada a ordem dos Irmãos das Missionárias da Caridade.

A internacionalização da ordem e da sua figura

Em 1964, o papa Paulo VI visitou a Índia como parte de seu Congresso Eucarístico e entrou em contato com a ordem fundada por Teresa de Calcutá. O pontífice ficou tão impressionado com o trabalho de Teresa que lhe deu o carro Lincoln limusine no qual ela viajava e, no ano seguinte, deu sua aprovação formal à Irmandade das Missionárias da Caridade.

Teresa leiloou a limusine dada pelo papa e usou o dinheiro para cuidar dos leprosos de Calcutá, que já estavam superlotando a casa que ela administrava. Então, fundou o centro Shanti Nagar, também conhecido como Cidade da Paz, nos arredores de Calcutá, a 300 quilômetros da cidade: uma cidadela para leprosos administrada por membros de sua congregação.

Com o reconhecimento papal, a ordem ganhou imensa visibilidade. Novos colaboradores e voluntários permitiram que os lares se expandissem para além de Calcutá, de modo que, no final da década, eles estavam em várias cidades do país e tinham células incipientes na Venezuela, em Roma, na Tanzânia, na Áustria e nos Estados Unidos, que a própria Teresa havia fundado. Logo, muitas outras se seguiriam na Ásia, na África e na Europa.

A popularidade internacional de sua figura, no entanto, aumentou em 1969 com o lançamento do documentário Something Beautiful for God, de Malcolm Muggeridge, seguido de um livro com o mesmo nome e autor em 1972.

Em 1971, a ordem enfrentou um de seus maiores desafios: a Guerra de Libertação de Bangladesh. Durante o conflito de oito meses, quase 3 milhões de civis foram mortos e mais de 200 mil mulheres foram estupradas e perseguidas. As casas das Irmãs da Caridade ofereceram asilo a milhares de refugiadas e, por isso, elas receberam o status de heroínas nacionais no final do conflito.

Novos reconhecimentos internacionais foram concedidos às Irmãs Missionárias a partir de então: o Prêmio Papa João XXIII, concedido pelo Papa Paulo VI em 1971; no mesmo ano, um bônus de 15 mil dólares americanos da Fundação Joseph P. Kennedy Jr., que também concedeu a Teresa o prêmio “Bom Samaritano”; e, em 1973, o Prêmio Templeton, em Londres. Todo esse dinheiro foi investido na manutenção e expansão da ordem.

Outros prêmios da época, dos Estados Unidos, de Roma e da Organização das Nações Unidas (ONU), incluem os prestigiosos prêmios Pacem Terris e Balzam, bem como o Prêmio Nobel da Paz de 1979, que foi concedido a Teresa na Noruega. A homenageada não compareceu ao banquete cerimonial para os laureados e pediu que o dinheiro do prêmio de 192 mil dólares fosse doado aos pobres da Índia.

Além de seu trabalho com os pobres, ela assumiu um novo papel como emissária internacional da paz.

Os últimos anos de Madre Teresa de Calcutá

Na década de 1980, a figura de Madre Teresa de Calcutá foi muito celebrada e apreciada, pois seu papel como defensora da paz permitiu que salvasse vidas em conflitos internacionais.

Assim foi em 1982, durante o Cerco de Beirute, no Líbano, quando ela negociou um cessar-fogo entre o exército israelense e os guerrilheiros palestinos e, acompanhada pela Cruz Vermelha, resgatou 37 crianças presas em um hospital na zona de guerra. Também visitou a República Soviética da Armênia para cuidar das vítimas do terremoto de Spitak em 1988, a Etiópia para alimentar os famintos e ajudou os refugiados do desastre de Chernobyl na União Soviética em 1986. Esse último lhe rendeu a Medalha de Ouro do Comitê de Paz Soviético.

Ao longo dessa década, no entanto, sua saúde começou a se deteriorar. Em 1983, sofreu um ataque cardíaco enquanto visitava o papa João Paulo II e precisou de um marca-passo. Sua saúde estava cada vez mais frágil. Assim, foi proposto que ela entregasse a liderança das Missionárias da Caridade a alguém mais jovem. Ela estava disposta, mas suas companheiras escolheram unanimemente que ela permanecesse à frente da congregação.

Em 1991, Teresa foi hospitalizada na Califórnia devido a problemas cardíacos e pneumonia e, em 1993, quebrou três costelas e contraiu malária. Em 1996, fraturou a clavícula. Naquele ano, as Missionárias da Caridade estavam presentes em mais de 100 países e administravam cerca de 450 lares.

Em março de 1997, porém, Teresa ficou muito doente. A ordem recebeu uma nova superiora: Irmã Maria Nirmala Joshi. Em 5 de setembro do mesmo ano, Madre Teresa de Calcutá faleceu vítima de parada cardíaca em St. Thomas, Calcutá, aos 87 anos de idade. Seu corpo recebeu um funeral de Estado na Índia e foi transportado na mesma carruagem que os restos mortais de Mahatma Gandhi (1869–1948).

Beatificação e canonização de Madre Teresa de Calcutá

O processo de beatificação de Madre Teresa de Calcutá começou quase imediatamente após sua morte, quando em 1998 ocorreu um milagre atribuído à missionária. Monica Besra, uma mulher que sofria de câncer abdominal, foi inexplicavelmente curada após ser tratada em Roma pelas Missionárias da Caridade. Um dos missionários, de acordo com a paciente, colocou em sua barriga uma imagem da Virgem Maria que estava no manto de Madre Teresa de Calcutá durante a recepção do Prêmio Nobel, e exatamente um ano após a morte de Teresa, o câncer desapareceu.

Assim, em 19 de outubro de 2003, diante das cerca de 300 mil pessoas reunidas na Praça do Vaticano, o papa João Paulo II proclamou beata Madre Teresa de Calcutá e designou o dia 5 de setembro como seu dia de festa. Doze anos depois, outra cura misteriosa de um câncer cerebral foi atribuída à santa, permitindo que o papa Francisco aprovasse sua canonização em 18 de dezembro de 2015.

Finalmente, em 4 de setembro de 2016, foi declarada santa e, em 6 de setembro de 2017 foi nomeada copadroeira da Arquidiocese de Calcutá, com São Francisco Xavier.

Legado e críticas à sua pessoa

A Madre Teresa de Calcutá foi beatificada em 2003 e canonizada em 2016.

Mesmo após sua morte, Madre Teresa de Calcutá foi uma das mulheres mais admiradas do mundo. Sua imagem era imensamente popular e, após sua morte, recebeu inúmeras homenagens da Igreja Católica e das Nações Unidas.

Além disso, ela foi representada em documentários e filmes de ficção, e seu nome encabeça vários prêmios nacionais e internacionais de ação humanitária.

Entretanto, nem todas as opiniões sobre seu trabalho e sua figura são unânimes. As críticas à Madre Teresa estão relacionadas principalmente a suas posições conservadoras em várias questões. Por exemplo, ela se opôs publicamente a qualquer tentativa de reforma e revisão doutrinária da Igreja Católica, propondo mais trabalho e mais fé como alternativa.

Suas opiniões eram a favor do divórcio, mas contra o uso de contraceptivos e o aborto, contra os quais se manifestou publicamente em mais de uma ocasião, inclusive quando recebeu o Prêmio Nobel da Paz, em 1979. Chegou a afirmar que “aqueles que usam contraceptivos não entendem o amor”. Essas opiniões nem sempre foram bem recebidas, especialmente em um país com graves problemas de abandono de crianças, como a Índia.

Madre Teresa via o sofrimento como uma forma de se aproximar de Deus, o que a tornava propensa a posições e ações que eram julgadas como falta de consideração ou até mesmo cruéis. De fato, suas casas e abrigos para doentes e pessoas em estado grave foram severamente criticados pela imprensa médica e até mesmo por alguns setores do mundo católico.

Entre as reclamações feitas contra ela estavam práticas insalubres (como a reutilização de agulhas hipodérmicas ou a não diferenciação entre pacientes curáveis e incuráveis, ou entre doenças contagiosas e não contagiosas), a falta de medicamentos e práticas de diagnóstico e até mesmo a ausência de analgésicos.

Assim, não faltaram vozes contra ela. David Scott, autor de um jornal católico, acusou a Santa de “limitar-se a manter vivas as pessoas pobres de Calcutá, em vez de combater a pobreza em si”. Já Colette Livermore, ex-missionária da caridade, relata em seu livro Hope Endures: Leaving Mother Teresa, Losing Faith, and Searching for Meaning (2008) os motivos que a levaram a sair da ordem, a qual acusou de professar uma “teologia do sofrimento”.

Muitos dos críticos de Madre Teresa, porém, concordavam que ela era uma mulher generosa, bondosa e abnegada, mas, ao mesmo tempo, a viam como um instrumento de setores egoístas da sociedade.

Por exemplo, foi amplamente criticado o envolvimento de Madre Teresa na tragédia da cidade indiana de Bhopal, onde uma fábrica de produtos químicos pertencente à multinacional Union Carbide explodiu, matando 2500 pessoas e envenenando o solo e a água dos vilarejos vizinhos. Ao chegar ao local, a religiosa tentou convencer as pessoas afetadas a “perdoar” e, portanto, a não tomar medidas legais contra a empresa.

Da mesma forma, houve quem rejeitasse sua imagem por causa da origem das doações que sua congregação recebia, muitas das quais tinham origens ilícitas ou imorais. Entre eles, o governo do ditador haitiano François Duvalier (1907–1971), que recebeu palavras elogiosas em troca; ou o vigarista norte-americano Charles Keating Jr. (1923–2014), responsável por um dos maiores desvios de dinheiro da história de seu país, que, ao ser preso, recebeu uma carta de Madre Teresa intercedendo em seu favor.

Referências

  • González-Balado, J. L. y Playfoot Paige, J. N. (2021). Madre Teresa de los pobres. Editorial San Pablo. 
  • Portal del Vaticano. (s. f.). Mother Teresa of Calcutta (1910-1997). https://www.vatican.va/ 
  • Veiga, E. (2021). “Madre Teresa de Calcuta: las luces y sombras de una vida dedicada a los más pobres”. BBC News Mundo
  • Vila, I. (2023). “Cara y cruces de la madre Teresa de Calcuta”. El País.
  • The Encyclopaedia Britannica. (s. f.). “Mother Teresa (Roman Catholic nun)”. https://www.britannica.com/ 

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

FARÍAS, Gilberto. Madre Teresa de Calcutá. Enciclopedia Humanidades, 2024. Disponível em: https://humanidades.com/br/madre-teresa-de-calcuta/. Acesso em: 27 fevereiro, 2024.

Sobre o autor

Autor: Gilberto Farías

Licenciado em Letras (Universidad Central de Venezuela)

Traduzido por: Márcia Killmann

Licenciatura em letras (UNISINOS), Doutorado em Letras (Universidad Nacional del Sur)

Data da última edição: 22 janeiro, 2024
Data de publicação: 22 janeiro, 2024

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)