Índia

Vamos explicar tudo sobre a Índia, sua geografia e história. Além disso, quais são suas características, clima e muito mais.

India
A Índia é considerada uma nação em desenvolvimento.

Índia

A Índia é um Estado nacional oficialmente conhecido como República da Índia. Está localizada no sul da Ásia e faz fronteira ao sul com o Sri Lanka, a noroeste com o Paquistão, ao norte com a China, o Nepal e o Butão, e a leste com Mianmar e Bangladesh. Sua forma de organização política é uma república parlamentar.

A Índia tem uma área de 3 287 000 quilômetros quadrados (o sétimo maior país do mundo). Sua população de mais de 1,4 bilhão de habitantes faz dela o país mais populoso do mundo. Sua capital, Nova Délhi, tem mais de 32 milhões de habitantes e é atualmente a segunda capital mais populosa do mundo.

O atual território da Índia, Paquistão, Bangladesh e Birmânia era conhecido como o “Raj Britânico” entre 1858 e 1947. Era um Estado colonial sob o controle político e econômico da Coroa Britânica e fazia parte dos territórios anexados pelo Reino Unido no século XIX.

Mahatma Gandhi (1869–1948), o líder político, filosófico e espiritual do movimento de independência, foi proeminente na luta pela independência.

Por que recebeu o nome “Índia”? O nome vem do grego antigo e era o nome dado ao território próximo ao rio Indo. Por sua vez, o termo Indo, que dá nome ao rio, vem da palavra persa hindo, que significa “rio”.

Características da Índia

Algumas características desse país são:

  • É o país mais populoso do mundo, com 1 bilhão e 428 milhões de habitantes.
  • É o sétimo maior país do mundo, com uma área de 3 287 000 km2.
  • Sua densidade populacional é de 425 habitantes por quilômetro quadrado.
  • Sua capital é a cidade de Nova Délhi, que tem mais de 32 milhões de habitantes e é a segunda cidade mais populosa do mundo, depois de Tóquio.
  • O país se tornou independente do Império Britânico em 15 de agosto de 1947.
  • Seu clima predominante é o tropical quente de monções.
  •  Possui dois idiomas oficiais: hindi e inglês, este último herdado da época em que o país era uma colônia britânica.
  •  A religião predominante é o hinduísmo.
  •  A maioria da população não come carne bovina.
  • As principais atividades econômicas são a agricultura, a mineração, a indústria, os serviços e o turismo.
  • A moeda oficial é a rúpia indiana.

Extensão territorial, população e capital da Índia

Nova Délhi é a segunda capital mais populosa do mundo.

A Índia ocupa uma área de 3 287 000 quilômetros quadrados, a sétima maior do mundo. Sua população é de 1 bilhão e 428 mil habitantes e, desde abril de 2023, tornou-se o país mais populoso do mundo, depois de ultrapassar a China. Sua densidade populacional é de 425 habitantes por quilômetro quadrado.

O território da Índia é dividido em 28 estados. Os mais populosos são Uttar Pradesh, Maharashtra e Bihar, com mais de 100 milhões de habitantes cada. Sikkim, um dos menores estados, é também o menos povoado.

A capital da Índia é a cidade de Nova Délhi. Sua população é de 32 milhões de habitantes e é a segunda capital mais populosa do mundo. Nova Délhi é a sede dos poderes executivo, judiciário e legislativo do governo indiano. A cidade foi planejada pelos arquitetos Edwin Lutyens e Herbert Baker e, embora tivesse sido estabelecida em 1911, foi inaugurada em 1931 por Iord Irwin (vice-rei do Raj britânico) quando se decidiu transferir a capital de Calcutá.

Além da capital, as maiores cidades da Índia são Mumbai, com 18 milhões de habitantes, e Bangalore, com 12 milhões.

A população de Uttar Pradesh

Uttar Pradesh é o estado provincial mais populoso da Índia e, ao mesmo tempo, a subdivisão nacional mais populosa do mundo. Tem quase 200 milhões de habitantes e, se fosse um país, seria o oitavo mais populoso do mundo. Tem uma área de 243 mil quilômetros quadrados, semelhante à de países como o Reino Unido e o Equador. Sua densidade populacional é de 822 habitantes por quilômetro quadrado.

Clima, relevo e hidrografia da Índia

india clima
Com uma grande variedade de climas, a Índia também tem uma região tropical úmida.

A maioria dos rios que correm pela Índia tem suas cabeceiras na cordilheira do Himalaia. Os mais importantes são o Indo (o mais longo do país, com 3180 km de extensão), o Ganges e o Brahmaputra.

Devido à sua vastidão, a Índia tem diferentes tipos de clima e relevo. Dependendo dessas variações, é possível distinguir três regiões principais:

A região do Himalaia

A região do Himalaia está localizada no norte do país, fazendo fronteira com o Nepal e o Butão. Caracteriza-se por montanhas de alta altitude. Os picos mais altos da Índia também são alguns dos mais altos do mundo: o Monte Kangchenjunga, com 8586 m, o Nanda Devi, com 7816 m, e o Kamet, com 7756 m, são alguns deles.

Com relação ao clima, essa região é caracterizada por um clima de tundra fria com temperaturas muito baixas condicionadas pela altitude. Em altitudes mais baixas, o clima predominante é o clima temperado subúmido de montanha, com temperaturas mais altas e chuvas fortes concentradas no verão.

O planalto do Decão

Com uma área de quase um milhão de quilômetros quadrados, o planalto do Decão ocupa grande parte do centro e do sul da Índia. É um planalto alto que não ultrapassa 800 metros. É atravessado por cadeias de montanhas baixas com menos de 2500 metros.

O clima predominante é o tropical quente de monções, com altas temperaturas durante todo o ano e chuvas fortes concentradas nos meses de verão. A oeste do planalto, o clima predominante é o semiárido quente, que também tem altas temperaturas, mas muito menos precipitações anuais.

A Planície Indo-Gangética

Com quase 800 mil quilômetros quadrados, a planície Indo-Gangética se estende por grande parte da região norte do país. É uma planície com baixa altitude formada pelos rios Indo, Ganges (considerado sagrado para os hindus) e Brahmaputra.

O clima predominante é o tropical quente de monções. A planície Indo-Gangética, que se estende até Bangladesh, é uma das regiões mais populosas do mundo, com mais de 500 milhões de habitantes. Calcutá, Nova Délhi e Daca, entre outras cidades da Índia, estão localizadas nesta região.

Cultura da Índia

India
O forno tandoor tem sido usado na culinária indiana há 5 mil anos.

A cultura da Índia é uma das mais diversificadas e ricas do mundo. O país abriga quatro religiões principais: hinduísmo (praticado por 80,5% da população), budismo (0,8%), jainismo (0,4%) e sikhismo (1,9%). Há também religiões estrangeiras, como o Islã (13,4%), o cristianismo (2,3%) e o judaísmo.

Os idiomas oficiais da Índia são o hindi e o inglês. O inglês é um resquício colonial que ainda é usado como idioma comercial ou de ensino superior. Também são reconhecidos legalmente 21 idiomas considerados “clássicos”, incluindo o sânscrito, o tâmil, o kannada e o telugu.

A tradição musical da Índia inclui a música clássica hindustani, do norte do país, e a música carnatic, do sul. As principais referências são M.S. Subbulakshmi (na música Carnatic) e Ustad Bismillah Khan Sahib (na música clássica Hindustani).

Nas artes plásticas, destacam-se o pintor do século XIX Raja Ravi Varma e a pintora Amrita Sher-Gil. Entre os maiores expoentes da literatura indiana estão Rabindranath Tagore, ganhador do Prêmio Nobel de Literatura em 1913.

A culinária indiana é particularmente rica em sabores, com muitas especiarias e condimentos diferentes, e é caracterizada pelo uso do tandoor, um forno de barro usado há 5 mil anos. Seus alimentos básicos são trigo, arroz e lentilhas.

A maioria das pessoas na Índia não come carne bovina. Este animal tem um status especial na cultura e nas tradições da Índia e é considerado um animal sagrado no hinduísmo, a religião majoritária no país. O hinduísmo promove a ideia de ahimsa, que incentiva a não violência contra os seres vivos, portanto, muitos hindus consideram a matança de animais uma ofensa grave. A maioria das pessoas na Índia opta por não comer carne bovina por motivos religiosos, culturais ou pessoais. Até mesmo os hindus mais ortodoxos não comem a carne de nenhum animal.

História da Índia

India - Akbar el Grande
Em Uttar Pradesh, encontra-se o túmulo de Akbar, o Grande, que reinou no século XVI.

A história da Índia merece um capítulo à parte por sua amplitude e complexidade. Os primeiros colonizadores deste território datam de 6000 a.C. e floresceram no Vale do Indo por volta de 3300 a.C., no atual Paquistão.

A essa cultura seguiu-se o Período Védico, que lançou as bases do hinduísmo e viu o surgimento de inúmeros reinos no país, conhecidos como majayanapadas. Todos eles foram conquistados pelo Império Maurya no século III a.C. sob o comando de Ashoka, o Grande.

A partir do século III d.C. e por quase dois séculos, a “Idade de Ouro” da Índia foi parte do Império Maurya. Contudo, esse reino caiu sob o domínio do Sultanato de Délhi e, depois, do Império Mongol, ambos fruto das invasões da Ásia Central nos séculos X e XII.

Com o advento, no século XVI, do reinado de Akbar, o Grande, a Índia desfrutou de um progresso cultural e econômico. Na sequência, houve um período de harmonia religiosa que ficou conhecido como Império Maratha, que governou a Índia até o século XVIII.

Esse último caiu sob a manipulação e a influência das potências imperiais europeias. Desta forma, foi dividida em uma série de colônias, aproveitando-se de conflitos internos.

Essas colônias iniciaram a luta pela independência da Índia no século XX. O resultado também foi a divisão do território, que no oeste se tornou uma nova república: o Paquistão.

Símbolos patrióticos da Índia

india
A bandeira da Índia foi adotada em 1947.

Os símbolos nacionais da Índia são:

  • A Bandeira. É constituída por um pavilhão tricolor laranja, branco e verde, conhecido como tiranga. No centro, há uma roda azul-marinho com vinte e quatro pontas, conhecida como ashoka chakra. Foi adotada em 1947, quando a independência da Coroa Britânica foi alcançada.
  • O Hino Nacional. O Hino da Índia é intitulado Jana-Gana-Mana (“O Espírito de Todo o Povo”). A letra e a música foram escritas por Rabindranath Tagore, que além de escritor era também um compositor notável.
  • O Brasão de Armas. O brasão consiste em quatro leões de Sarnath, mas apenas três estão visíveis: o que está voltado para a frente e os dois que estão voltados para os lados. Estão dispostos em um ábaco circular com dois animais voltados para a frente e outros dois, que não são visíveis, na parte de trás do escudo. Os quatro animais representam os pontos cardeais.

Atividades econômicas da Índia

O Taj Mahal é um dos locais turísticos mais visitados do mundo.

As principais atividades econômicas da Índia são:

  • A agricultura. A Índia é um dos maiores produtores agrícolas do mundo. Destaca-se a produção e exportação de arroz, trigo, cana-de-açúcar, algodão, chá, café, especiarias e frutas. Grande parte da população rural está envolvida na agricultura.
  • A mineração. Destaca-se a produção de pedras e metais preciosos, que representam o segundo produto de exportação mais importante do país.
  • A indústria. As principais indústrias da Índia são a têxtil, a petroquímica, a automotiva e a eletrônica. Com o crescimento econômico e a urbanização, a construção e o desenvolvimento de obras públicas (como estradas, rodovias, aeroportos e portos) têm sido fundamentais para a economia indiana nos últimos anos.
  • A prestação de serviços. Os serviços mais proeminentes são a tecnologia da informação e comunicação e os serviços financeiros.
  • O turismo. Milhões de turistas chegam todos os anos para visitar as atrações turísticas da Índia. A mais emblemática é o palácio Taj Mahal, localizado no norte do país. Foi construído entre 1632 e 1654 e é considerado uma das novas sete maravilhas do mundo.

Os principais parceiros comerciais da Índia são os Estados Unidos, a China e os Emirados Árabes Unidos. A moeda oficial é a rúpia indiana.

Referências

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

SPOSOB, Gustavo. Índia. Enciclopedia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/india/. Acesso em: 20 fevereiro, 2024.

Sobre o autor

Autor: Gustavo Sposob

Professor de Geografia do ensino médio e superior (UBA).

Traduzido por: Márcia Killmann

Licenciatura em letras (UNISINOS), Doutorado em Letras (Universidad Nacional del Sur)

Data da última edição: 12 janeiro, 2024
Data de publicação: 27 novembro, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)