Franz Kafka

Vamos explicar quem foi Franz Kafka, quais foram suas obras literárias mais importantes e por que ele é considerado um dos principais escritores do século XX.

Franz Kafka foi um romancista e contista tcheco que escreveu toda a sua obra em alemão.

Quem foi Franz Kafka?

Franz Kafka foi um escritor tcheco cuja obra, escrita no idioma alemão, é considerada uma figura-chave na produção do século XX e uma das mais importantes da literatura moderna. Foi autor de romances e inúmeros contos, além de aforismos e até roteiros de cinema.

As obras literárias de Kafka são enigmáticas e obscuras, e frequentemente há debates sobre sua interpretação por parte de críticos e acadêmicos. No entanto, sua importância e seu estilo são tão singulares que o adjetivo kafkiano foi criado para se referir a situações semelhantes àquelas com as quais o escritor lidava com frequência em suas obras, ou seja, circunstâncias opressivas, angustiantes, absurdas e sem esperança.

O estilo kafkiano, de fato, é difícil de classificar, mas geralmente é colocado nas fronteiras do expressionismo e do existencialismo. Autores tão diversos quanto Albert Camus, Gabriel García Márquez e Jorge Luis Borges admitiram a influência de seus escritos em suas respectivas obras.

Kafka também é famoso por sua vida atormentada, bem como por sua morte prematura. Em seu leito de morte, ele pediu a Max Brod, seu melhor amigo, que destruísse sua obra após a sua morte. Brod desobedeceu a essa promessa e publicou postumamente grande parte de sua obra.

Nascimento e juventude de Franz Kafka

Franz Kafka nasceu em 3 de julho de 1883, em Praga, na época a capital do Reino da Boêmia e parte do Império Austro-Húngaro. Foi o terceiro de seis filhos de Hermann Kafka e Julie Löwy, ambos de ascendência judaica asquenazi, que pertenciam a uma classe média abastada de comerciantes.

Desde o início, a família Kafka foi dominada pela figura paterna, em relação à qual o jovem Franz sempre se sentiu subjugado e impotente. Ainda muito jovem, ele presenciou a morte de seus dois irmãos mais velhos, de quem sempre sentiu ciúmes e cujas mortes lhe causaram um intenso sentimento de culpa. Por outro lado, era muito próximo de Otta, a mais nova de suas três irmãs.

A família falava tcheco e alemão, os idiomas paterno e materno, respectivamente. Eles não eram praticantes devotos do judaísmo, mas iam à sinagoga, no máximo, algumas vezes por ano. Franz, no entanto, admirava sua herança intelectual hebraica tanto quanto a germânica, embora socialmente estivesse à margem de ambas as comunidades.

Durante sua infância, foi uma criança obediente e irrepreensível, dedicada aos estudos. Quando adolescente, ingressou na rigorosa Royal Imperial High School, localizada no Palácio Kinsky, na Cidade Velha de Praga, onde recebeu uma educação de elite. Lá, leu obras como Charles Darwin e Friedrich Nietzsche e acabou se declarando ateu e socialista. Foi também nessa época que fez suas primeiras tentativas literárias.

Em 1901, começou a estudar química na Universidade Charles, em Praga, mas não durou mais do que algumas semanas. Em seguida, tentou a História da Arte e a Filologia Alemã, mas, forçado pelo pai, acabou se matriculando na Faculdade de Direito.Foi lá que conheceu seu melhor amigo para toda a vida: Max Brod (1884–1968), jornalista, escritor e editor judeu da Tchecoslováquia.

O “círculo estreito de Praga”

Franz Kafka e Max Brod eram amigos íntimos, e é graças a isso que a obra de Kafka sobreviveu.

A amizade de Kafka com Max Brod foi, desde o início, muito importante na vida do jovem autor. Brod o apresentou a outros leitores e escritores e o incentivou a cultivar seus interesses literários. Com o jornalista Felix Weltsch e o escritor Oskar Baum, formaram um grupo que Brod chamou de “círculo íntimo de Praga”.

O círculo de Praga se reunia com frequência para conversar, discutir, ler seus escritos e comentar a leitura de autores clássicos, como Flaubert, Dickens ou Cervantes. Os companheiros de Kafka também eram judeus e, como ele, escreviam em alemão e se identificavam com a cultura germânica. Nesse contexto, Kafka produziu seus primeiros rascunhos e frequentou várias figuras culturais locais, como Martin Buber, Franz Werfel, Otto Pick, Ernst Weiss, Willy Haas e Rudolf Fuchs, de acordo com Max Brod em sua biografia de Kafka.

Em 1906, Franz concluiu seus estudos universitários e prestou um ano de serviço civil obrigatório nos tribunais civis e criminais, onde desempenhou tarefas administrativas. Em seguida, entrou como estagiário em uma importante seguradora italiana e, finalmente, em 1908, conseguiu o emprego que teria pelo resto da vida em uma seguradora da Boêmia chamada Associação de Seguros de Acidentes do Reino da Boêmia.

O relacionamento de Kafka com seu trabalho de escritório era ambíguo. Por um lado, sempre foi muito bom em investigar e avaliar lesões causadas por indenizações de trabalhadores industriais e subiu rapidamente na empresa. Além disso, o horário lhe dava algum tempo para se dedicar ao trabalho literário. Entretanto, os assuntos burocráticos eram desagradáveis para ele e serviam para alimentar o terrível imaginário de suas histórias.

Em 1911, Kafka juntou-se a alguns parentes como investidor na primeira fábrica de amianto da cidade, uma iniciativa à qual ele dedicou seu tempo livre, mas que depois começou a atrapalhar sua escrita. Kafka não sentia muito apreço por sua escrita, mas se sentia enormemente comprometido com a tarefa de escrever. Por outro lado, entre 1909 e 1912, ele fez várias viagens ao exterior: visitou Riva, Paris, Itália e Weimar.

Foi na casa de Max Brod, em 1912, que Kafka também conheceu seu primeiro amor: Felice Bauer (1887–1960). Em setembro do mesmo ano, um mês depois, ele começou a se corresponder com ela em uma correspondência frenética que continuou durante os cinco anos de paixão até o rompimento definitivo, em 1917. No final de 1912, ele escreveu seu conto “A condenação” e o dedicou à sua amada Felice.

Em sua correspondência para Felice, Kafka fala não apenas de seu amor por ela, mas também de sua total dedicação à literatura. Por exemplo, em uma carta datada de 14 de janeiro de 1913, Kafka escreve:

Pensava muitas vezes que o melhor modo de vida para mim seria me encerrar nas profundezas de uma vasta caverna com uma lâmpada e tudo o que fosse necessário para escrever. Trariam comida para mim e sempre a deixariam longe de onde eu estivesse instalado, atrás da porta mais externa da caverna. Buscá-la, em roupa de dormir, por todas as abóbadas seria meu único passeio. Ato seguido, voltaria à minha mesa, comeria lenta e conscienciosamente e depois voltaria a escrever. O que eu seria capaz de escrever então! De que profundezas eu o tiraria! Sem esforço! Pois a concentração extrema não sabe o que é esforço.

 Extraído de Cartas a Felice (2013).

A Metamorfose

Kafka publicou seu romance mais famoso, A Metamorfose, em 1915. Esta era a capa de sua primeira edição.

Por volta de 1913, Kafka se interessou pelo teatro iídiche e judeu da época e começou a publicar suas primeiras histórias em revistas e jornais: O Processo, Contemplação e Consideração, entre outros, apareceram em revistas graças à intermediação de seu amigo Max Brod. No mesmo ano, ele propôs casamento a Felice Bauer, mas o casamento nunca foi consumado porque o casal teve um rompimento temporário, embora mais tarde tenham conseguido se reconciliar.

Em 1914, estourou a Primeira Guerra Mundial e o marido de uma de suas irmãs foi convocado para combater. Kafka, então, teve que assumir os negócios da família e teve que parar de escrever por um ano inteiro, durante o qual foi atormentado pela insônia.

Em 1915, seu primeiro e mais famoso romance foi publicado: A Metamorfose. Trata-se de um texto curto de cerca de 70 páginas, no qual narra a súbita transformação de Gregor Samsa, um caixeiro-viajante que vive com sua família, em um inseto gigantesco. A história foi publicada pela primeira vez na revista Die Weissen Blätter, em outubro de 1915, e em dezembro foi publicada em forma de livro pela Kurt Wolff Verlag. Sua aparição trouxe entusiasmo e variadas críticas, e Kafka foi acusado de querer despertar horror e repulsa entre seus leitores.

O texto, no entanto, foi traduzido para vários idiomas na década seguinte (para o inglês pela primeira vez em 1925) e hoje é uma história clássica. Ela é frequentemente vista como uma poderosa metáfora das tensões modernas que os seres humanos enfrentam e dos horrores que o século XX reservou justamente para a comunidade judaica da Europa.

No final de 1915, Kafka foi convocado para a frente de batalha, mas seus empregadores conseguiram adiar, considerando seu trabalho um “serviço essencial do governo”. Alguns anos depois, o próprio Kafka tentou se alistar voluntariamente, mas foi rejeitado por motivos de saúde.

Em 1917, ele foi diagnosticado com tuberculose. No mesmo ano, rompeu definitivamente com Felice Bauer, após outra tentativa frustrada de pedi-la em casamento. Pouco depois, ele foi internado em um sanatório para tuberculosos pela primeira vez e recebeu uma pensão por doença da empresa em que trabalhava.

A correspondência de Kafka

Por volta de 1919, Kafka escreveu sua famosa Carta ao Pai, que não publicou em vida.

Kafka era um fervoroso escritor de correspondências, e não apenas com sua primeira noiva, Felice. Muitas de suas cartas para Max Brod, sua irmã Otta e muitos outros destinatários ainda estão preservadas. Estima-se que ele tenha escrito cerca de 1500 cartas durante sua vida.

Em 1919, em meio ao rompimento de seu segundo noivado, Kafka escreveu sua Carta ao Pai, um texto manuscrito de 103 páginas no qual ele se queixa ao pai sobre os anos de desprezo e abuso emocional.

De acordo com Max Brod, Kafka entregou a carta à sua mãe para ser encaminhada ao destinatário, o que nunca aconteceu. Sabe-se que Kafka reescreveu a carta várias vezes e que ela permaneceu inédita até 1952, quando foi publicada postumamente. Carta ao Pai é considerado um elemento fundamental para a compreensão da obra de Kafka, bem como um texto de grande valor para as teorias da psicanálise.

Depois, em 1920, iniciou uma intensa correspondência com a jovem jornalista e ativista política tcheca de origem judaica Milena Jesenská (1896–1944), que conheceu por intermédio de Max Brod, quando a jovem lhe pediu permissão para traduzir e publicar algumas de suas histórias. Durante uma estada em Merano, na Itália, Kafka lhe escreveu suas primeiras cartas.

Assim, floresceu uma correspondência apaixonada entre Kafka e Milena, porém ela era casada e eles só se encontraram pessoalmente em duas ocasiões. Entre 1920 e 1923, trocaram um grande número de cartas e Kafka lhe deu vários escritos, muitos dos quais sobrevivem até hoje em decorrência disso.

O destino do material que Kafka forneceu a Milena Jesenská, incluindo suas cartas, diários e fragmentos de suas obras literárias, foi entregue pela escritora e tradutora tcheca ao editor Willy Haas, antes de ela ser presa em 1939 pela Gestapo e levada para o campo de concentração de Ravensbrück, na Alemanha nazista, onde morreu em 1944.

Os últimos dias de Kafka

Kafka lutou contra a tuberculose até 1924, quando morreu aos 41 anos de idade.

Ainda que em seus últimos anos a tuberculose tenha forçado Kafka a visitar vários sanatórios continuamente, ele conseguiu escrever vários relatos curtos e concluir algumas novelas. Também deixou obras inacabadas, incluindo O Processo.

Em 1923, tendo se dedicado inteiramente à literatura, decidiu se afastar de sua família e se mudar para Berlim, um projeto que não havia prosperado até então devido à eclosão da guerra em 1914. Na Alemanha, enquanto passeava pela costa do Mar Báltico, conheceu a mulher que se tornaria sua amante e companheira até sua morte, Dora Dymant, uma jovem jornalista de ascendência judaica.

O casal viveu em Berlim até o início de 1924, quando Kafka contraiu pneumonia, que se agravou em um ataque de tuberculose laríngea. Por isso, retornou a Praga para um sanatório próximo a Viena. A doença o impedia de comer, de modo que se alimentava de líquidos, mas nunca parou de escrever, mesmo em seu leito de morte. Lá, ele escreveu, por exemplo, seu conto claramente autorreferencial “Um artista da fome”.

Sua condição acabou piorando e ele foi transferido para uma clínica na cidade, onde morreu em 3 de junho de 1924, aos 41 anos. Foi enterrado em 11 de junho na seção judaica, no novo cemitério de Praga-Žižkov, e Milena Jesenská publicou um obituário em seu nome no jornal tcheco Národní Listy. Nesse texto, Milena escreveu:

O Dr. Franz Kafka, um escritor germânico que viveu em Praga, morreu anteontem em um sanatório Kierling em Klosterneuburg, perto de Viena. Poucos aqui o conheciam, pois ele era uma pessoa sábia e solitária, assustada com a vida [...]. Ele era tímido, gentil e amável, mas escreveu livros terríveis e dolorosos. Para ele, o mundo estava cheio de demônios invisíveis, que aniquilavam e destruíam os indefesos. Ele era perspicaz e sábio demais para viver; era fraco demais para lutar e tinha aquela fragilidade das pessoas nobres e belas que não sabem como lutar contra o medo da incompreensão, da crueldade ou das mentiras intelectuais. Pessoas que ainda que saibam de antemão que são impotentes e que se rendem à derrota de uma forma que envergonha o vencedor.

Dias antes de sua morte, Kafka recebeu a visita de seu amigo Max Brod, a quem mostrou que tinha plena consciência de seu destino. Lá, ele também o fez prometer que, após sua morte, reuniria e destruiria todos os seus trabalhos não publicados. Brod aceitou essa promessa, mas não cumpriu sua palavra.

A vida e a obra de Kafka foram objeto de inúmeras homenagens literárias e cinematográficas, e seu nome também é lembrado por vários monumentos, incluindo a estátua de bronze erguida em sua homenagem pelo artista tcheco Jaroslav Róna (1957–) em Praga, em 2003.

A obra literária de Franz Kafka

Essa estátua foi erguida em Praga, em 2003, em homenagem aos trabalhos literários de Kafka.

As obras narrativas de Kafka são consideradas entre as mais significativas do século XX. A natureza cruel e terrível de suas histórias é frequentemente interpretada como um presságio, uma profecia literária dos horrores do século XX, especialmente da Segunda Guerra Mundial. Muitos dos amigos e familiares judeus de Kafka, de fato, morreram anos depois em campos de concentração nazistas.

As histórias de Kafka são enigmáticas, sombrias, e seus protagonistas são impotentes diante de poderes imensos e incompreensíveis. O exemplo perfeito disso é o personagem de um de seus dois romances inacabados, O Processo, chamado Josef K., que um dia é notificado do início de seu processo, sem que ninguém lhe diga do que é acusado e para onde terá de ir. As personagens de Kafka carecem de significado, propósito e consolo.

O estilo de Kafka muitas vezes mistura realismo e fantástico, como no caso de A Metamorfose, e é peculiar em seu uso parcimonioso e econômico da linguagem. Sua tendência ao absurdo e à crueldade é tão reconhecível que o adjetivo kafkiano foi criado para se referir a situações tão desconfortáveis e insolúveis que parecem ter sido escritas por Kafka.

Entre as obras mais importantes de Kafka estão:

Contos:

  • Diante da Lei (1915)
  • O professor da aldeia (1916)
  • Um Médico Rural (1918)
  • Na colônia Penal (1919)
  • Um artista da fome (1924)

Romances:

  • A Metamorfose (1915)
  • O Processo (1925) (inacabada, póstuma)
  • O Castelo (1926) (inacabada, póstuma)
  • Amérika (1927) (inacabada, póstuma)

Outros:

  • Diários (1948) (póstuma)
  • Carta ao pai (1952) (póstuma)

Referências

  • Černá, J. (1993). Kafka’s Milena. Northwestern University Press.
  • Hernández, I. (2010). El mundo formidable de Franz Kafka. Ensayo autobiográfico. Revista de Filología Alemana, 18, 307-396.
  • Kafka, F. (1979). The Basic Kafka. Simon and Schuster.
  • Kafka, F. (2013). Cartas a Felice (trad. de Pablo Sorozábal). Nórdica Libros. 
  • Kafka, F. (2023). The Diaries of Franz Kafka. Knopf Doubleday Publishing Group.
  • The Editors of Encyclopaedia Britannica. (2023). Franz Kafka. Encyclopedia Britannica. https://www.britannica.com/ 

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

FARÍAS, Gilberto. Franz Kafka. Enciclopedia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/franz-kafka/. Acesso em: 27 fevereiro, 2024.

Sobre o autor

Autor: Gilberto Farías

Licenciado em Letras (Universidad Central de Venezuela)

Traduzido por: Márcia Killmann

Licenciatura em letras (UNISINOS), Doutorado em Letras (Universidad Nacional del Sur)

Data da última edição: 31 dezembro, 2023
Data de publicação: 7 dezembro, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)