Eva Perón

Vamos explicar quem foi Eva Perón, como foi sua carreira de atriz e seu papel na política. Além disso, quais são suas características e sua morte.

Eva Perón - Evita
Evita foi considerada a “Chefe Espiritual da Nação”em 1952.

Quem foi Eva Perón?

María Eva Duarte, mais conhecida como Eva Perón ou simplesmente Evita, foi uma líder política e atriz argentina, segunda esposa do militar e três vezes presidente da nação do Rio da Prata, Juan Domingo Perón.

Devido ao seu papel na liderança política das massas trabalhadoras e na mobilização do peronismo feminista, Evita foi considerada “Chefe Espiritual da Nação” em 1952, durante o primeiro mandato de seu marido, e hoje é um dos ícones políticos e sociais mais populares da Argentina.

Houve inúmeros episódios na história política argentina em torno de sua figura, já que sua imagem rivaliza em popularidade com a do próprio Perón, cujos seguidores compõem a liderança política do país sul-americano há mais de 50 anos de militância em várias frentes e partidos.

O nome de Eva Perón está ligado à ajuda aos mais despossuídos (“descamisados” em seus próprios termos) e à organização popular informal, especialmente de setores tradicionalmente invisíveis.

Seus restos mortais repousam hoje no cemitério da Recoleta, em Buenos Aires, e várias instituições, monumentos e vias públicas prestam homenagem a ela.

Nascimento de Eva Perón

Eva Perón
Evita nasceu em 7 de maio de 1919.

Conforme os registros disponíveis, María Eva Duarte nasceu em 7 de maio de 1922.

Entretanto, pesquisas posteriores revelaram que sua verdadeira data de nascimento era 7 de maio de 1919, segundo sua certidão de batismo.

O mesmo se aplica ao seu local de nascimento, que é indeciso entre a área rural de Los Toldos e a cidade de Junín, ambas na província de Buenos Aires.

Essa discrepância de dados se deve às tentativas de apagar todos os vestígios dela por parte da Revolução Libertadora, o regime ditatorial que sucedeu a Juan Domingo Perón em 1955.

O que é certo é que Evita era filha natural de Juan Duarte, um fazendeiro conservador e político de Chivilcoy, e de Juana Ibarguren, sobre a qual muito pouco se sabe, exceto que ela chefiava a família ilegítima do “vasco” Duarte, como era tradição naquela época para os poderosos proprietários de terras.

Infância e carreira de atriz de Eva Perón

Eva Perón
Eva Perón atuou como atriz de segunda linha e como modelo.

Eva era a mais nova dos cinco filhos ilegítimos da família e viveu no campo até 1926, quando a morte de seu pai os deixou totalmente desprotegidos e eles tiveram que deixar seu local de residência.

Sua infância transcorreu em Junín, de onde Eva partiu para Buenos Aires aos 15 anos de idade, em busca de uma carreira como atriz.

Apesar de uma vida de sacrifícios e dificuldades, Eva conseguiu obter algum reconhecimento, trabalhando como atriz de segunda linha e modelo, mas, acima de tudo, como locutora de rádio e atriz de novelas.

No entanto, seu papel no rádio foi muito além, sendo membro fundador do primeiro sindicato de trabalhadores de rádio, do qual foi presidente em 1943.

Casamento com Juan Domingo Perón

Eva Perón
Evita e Perón se casaram em uma cerimônia civil em 22 de outubro de 1945.

Eva e Juan Domingo Perón se conheceram em janeiro de 1944, quando ela tinha 24 anos e ele 48. Como ele era viúvo desde 1938, eles se apaixonaram rapidamente e, em fevereiro daquele ano, estavam morando juntos em um apartamento na Rua Posadas, em Buenos Aires.

No ano seguinte, eles enfrentariam juntos o árduo conflito político entre as forças peronistas e antiperonistas, as primeiras fortemente arraigadas nos sindicatos.

Em 22 de outubro daquele ano, se casaram em cerimônia civil na cidade de Junín e em 10 de dezembro, de acordo com o rito católico, na Igreja de São Francisco, na cidade de La Plata.

A atividade política de Eva Perón

Eva soube separar sua imagem pública da de “esposa do presidente” durante o mandato de Perón, permitindo-se expressar publicamente sua opinião sobre política nacional e internacional, sempre em favor da classe trabalhadora e dos menos favorecidos.

Seus vínculos com os sindicatos e os trabalhadores foram fundamentais para a formação do partido peronista, no qual foram unificados pelo mandato de Perón o Partido Trabalhista, o Partido Independente e a União Cívica Radical Junta Renovadora.

Contudo, seu papel mais proeminente no governo peronista foi o de responsável pela Fundação Eva Perón (1948–1955), que se dedicava ao trabalho de assistência social e à luta contra a pobreza.

Essa fundação substituiu a tradicional Sociedad de Beneficencia de la Capital Federal, fundada por Bernardino Rivadavia no final do século XIX e administrada por um grupo de mulheres da alta sociedade.

Essa fundação concedeu bolsas de estudo e subsídios, construiu hospitais, escolas, casas de trânsito, colônias de férias e muitas outras obras destinadas a melhorar o padrão de vida das camadas urbanas mais pobres.

A fundação também desempenhou funções de ajuda humanitária para os pobres em outros países do mundo, como Estados Unidos, Israel, Peru, Equador e Colômbia. Eva Perón participou pessoalmente de todo esse trabalho.

Direitos das mulheres

Com o apoio de Eva Perón, o sufrágio feminino foi conquistado em 1947.

Eva se envolveu na política como companheira de Perón em sua candidatura presidencial de 1946, o que foi uma grande novidade, considerando a total falta de direitos políticos para as mulheres argentinas naquela época.

Apesar dos esforços de um grupo de feministas liderado por Alicia Moreau de Justo, Julieta Lanteri e Elvira Rawson de Dellepiane, não se esperava que as mulheres expressassem uma opinião sobre política.

Três dias após a vitória peronista em 1946, Eva fez seu primeiro discurso público aos 26 anos de idade. Foi um ato de agradecimento às mulheres peronistas por seu apoio, mas ela aproveitou a ocasião para exigir direitos iguais para homens e mulheres e para pedir o sufrágio feminino.

Esse foi o início de sua militância feminista, cujo primeiro triunfo em 1947 consistiu na aprovação da Lei 13.010 sobre o sufrágio feminino na Argentina. Em 1950, nenhum país americano teria tantas mulheres no Congresso quanto a Argentina.

Em 1949, Evita também foi presidente do Partido das Mulheres Peronistas, que era totalmente autônomo dentro do movimento e, graças a seus esforços, a igualdade legal no casamento e na responsabilidade parental, parte da reforma constitucional de 1949, também foi alcançada.

As conquistas de Eva Perón

Eva Perón
Entre as suas conquistas estão os direitos políticos e legais das mulheres.

As conquistas de Evita em questões sociais são numerosas.

Por um lado, ela conseguiu o reconhecimento dos direitos políticos e legais das mulheres, incluindo o voto feminino e a responsabilidade parental ou a possibilidade de serem eleitas para cargos públicos.

Por outro lado, ela lutou pela promulgação dos direitos dos idosos, contidos em seu Decálogo dos Direitos dos Idosos e propostos à ONU em 1948.

Além disso, publicou dois livros durante sua vida: A Razão de Minha Vida (1951) e Minha Mensagem (1952).

Condecorações e reconhecimentos de Eva Perón

Evita recebeu inúmeras condecorações argentinas e estrangeiras, incluindo as seguintes:

  • Grã-Cruz da Ordem de Isabel, a Católica (Espanha, 1947).
  • Grã-Cruz de Honra da Cruz Vermelha Argentina (1951)
  • Colar da Ordem do Libertador General San Martín (1952)
  • Grã-Cruz da Águia Asteca (México)
  • Grã-Cruz do Mérito (Equador)
  • Grã-Cruz Extraordinária de Boyacá (Colômbia)

Morte de Eva Perón

Eva Perón
Devido à sua doença, Evita só pôde votar uma vez antes de sua morte.

Evita adoeceu com câncer de colo de útero no final da década de 1940 e, em 1950, havia perdido dez quilos.

Apesar do tratamento frequente, ela foi forçada a votar pela primeira e única vez em sua vida nos comícios de 1951, de sua cama de hospital, e em 26 de julho de 1952, aos 33 anos, morreu depois de quase uma semana em coma.

Seu corpo foi embalsamado e mantido em exposição na Confederação Geral do Trabalho (CGT).

Exumação e sequestro de Eva Perón

Eva Perón
O túmulo de Evita em Buenos Aires é visitado por simpatizantes e turistas.

Seu corpo foi raptado das instalações da CGT durante o regime ditatorial que se autodenominava Revolução Libertadora (1955–1958), que derrubou Perón em um golpe militar e suspendeu a Constituição argentina, desabilitando todas as conquistas peronistas.

O cadáver foi escondido e finalmente enterrado clandestinamente.

Durante 15 anos, o paradeiro de seus restos mortais foi desconhecido. Em 1971, o general Lanusse ordenou sua devolução ao general Perón, que estava exilado em Madri. O corpo foi então recuperado de um túmulo em Milão, na Itália. Faltava-lhe um dedo e havia marcas de golpes em seu rosto.

Finalmente, durante o governo da terceira esposa de Perón, María Estela Martínez, em 1974, o corpo foi devolvido ao país e colocado na Quinta Presidencial de Olivos, e depois entregue à família Duarte em 1976, durante o chamado Processo de Reorganização Nacional.

Frases de Eva Perón

  • “Não há nada mais forte do que um povo. Tudo o que é necessário é decidir que seja justo, livre e soberano.”
  • “Onde há uma necessidade, nasce um direito.”
  • “Chegou o tempo da mulher que compartilha uma causa pública e morreu o tempo da mulher como um valor inerte e numérico na sociedade.”
  • “De nada valeria um movimento feminino em um mundo sem justiça social.”

Referências

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

ETECÉ, Equipo editorial. Eva Perón. Enciclopédia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/eva-peron/. Acesso em: 7 junho, 2024.

Sobre o autor

Traduzido por: Márcia Killmann

Licenciatura em letras (UNISINOS), Doutorado em Letras (Universidad Nacional del Sur)

Data da última edição: 31 dezembro, 2023
Data de publicação: 28 novembro, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)