Margaret Thatcher

Vamos explicar quem foi Margaret Thatcher e como ela se tornou a primeira mulher a ocupar o cargo de primeira-ministra do Reino Unido. Além disso, sua ideologia e políticas internacionais.

Margaret Thatcher (1925-2013)
Margaret Thatcher foi eleita primeira-ministra do Reino Unido em três eleições consecutivas.

Margaret Thatcher foi uma política britânica do Partido Conservador que liderou o Reino Unido por mais de onze anos. Ela foi a primeira mulher (e, por mais de vinte anos, a única mulher) a ocupar o cargo de primeira-ministra e, além disso, o fez por onze anos consecutivos, de 1979 a 1990, vencendo três eleições gerais sucessivas.

Thatcher é uma das figuras mais polêmicas da política internacional. Seus apoiadores destacam que, durante seu governo, ela revitalizou a economia britânica, reformou instituições ultrapassadas e lutou contra a ideia de que o Reino Unido estava em declínio desde a Segunda Guerra Mundial. Thatcher enfrentou uma situação internacional complexa e desempenhou um papel fundamental no período final da Guerra Fria.

Por outro lado, é criticada por suas políticas econômicas e sociais que aumentaram a desigualdade no Reino Unido. A privatização das empresas de serviços públicos e os cortes orçamentários nas áreas de habitação, educação e serviços sociais levaram uma grande parte da classe trabalhadora britânica a se manifestar contra ela durante seus três mandatos.

Independentemente das diferentes posições, o governo de Margaret Thatcher representou um período fundamental na história britânica. Thatcher mudou quase todos os aspectos da política interna e consolidou a importância do Reino Unido na política internacional. Ela é reconhecida mundialmente como uma das principais líderes de direita que defendeu a democracia e o crescimento das economias de livre mercado.

A vida pessoal de Margaret Thatcher

Margaret Thatcher nasceu Margaret Hilda Roberts em Grantham, Lincolnshire, Reino Unido, em 13 de outubro de 1925. Seu pai se chamava Alfred Roberts e sua mãe Beatrice Ethel Stephenson. Era uma família pertencente à classe média, metodista (uma igreja cristã), com uma orientação política liberal. O pai de Margaret foi prefeito de Grantham em 1945 e 1946, e vereador até 1952.

Margaret Roberts foi educada na Kesteven and Grantham Girls School, a escola local para meninas, onde se destacou em suas qualificações e em seu trabalho como representante de turma. Entre 1943 e 1947, estudou química em Oxford e se formou com honras como bacharel em ciências. Também militou nos grupos conservadores da universidade enquanto estudava e, em 1946, tornou-se presidente da Associação Conservadora da Universidade de Oxford.

Depois de concluir seus estudos de graduação, conseguiu um emprego como química de pesquisa em Colchester, Essex. Lá, ela entrou para a Associação Conservadora local e se envolveu com grupos conservadores em diferentes cidades.

Em 1951, conheceu Dennis Thatcher, com quem se casou no mesmo ano. Entre 1952 e 1953, estudou direito na Ordem dos Advogados e se especializou em direito tributário. Em 1953, teve os gêmeos, Carol e Mark.

O início da carreira política de Margaret Thatcher

A militância de Margaret Thatcher durante seus anos de universidade a levou a entrar em contato com vários grupos conservadores da região. Desde 1947, participou da Associação Conservadora em Colchester, Essex e, a partir do ano seguinte, em Dartford, Kent.

Em 1950 e 1951, foi candidata conservadora para a cidade de Dartford e, embora não tenha conquistado a cadeira na eleição, atraiu a atenção da mídia por ser a candidata mais jovem na eleição e, ainda por cima, sendo uma mulher.

Em 1958, após alguns anos dedicados aos estudos e ao nascimento de seus filhos, ela voltou a se concentrar na política. Foi selecionada como candidata para o bairro londrino de Finchley. No ano seguinte, na eleição de 1959, foi eleita para o Parlamento.

O crescimento de Margareth Thatcher no Partido Conservador

Entre 1959 e 1969, Margaret Thatcher cresceu dentro do Partido Conservador. Em uma de suas primeiras sessões, votou a favor da restauração do birching, a prática de castigar crianças na escola com uma vara. Em 1961, tornou-se secretária parlamentar no Ministério de Pensões e Assuntos Sociais. A partir de 1964, passou a militar fortemente contra o governo trabalhista.

Em 1970, o Partido Conservador venceu as eleições gerais e Edward Heath tornou-se primeiro-ministro. Margaret Thatcher foi nomeada ministra da Educação e Ciência. Como ministra, direcionou sua política educacional para cortes de gastos, acreditando que o governo estava sobrecarregado com programas sociais como resultado das políticas do Estado de bem-estar social.

Em decorrência disso, Thatcher tomou a polêmica decisão de encerrar a política nacional de fornecer leite às crianças em idade escolar. Essa iniciativa teve um alto custo político, pois foi amplamente criticada pela mídia e pelo Partido Trabalhista (o principal oponente do Partido Conservador).

No contexto da crise internacional de 1973, o primeiro-ministro Heath perdeu apoio e o Partido Conservador perdeu a eleição de 1974 para o Partido Trabalhista. Em 1975, Thatcher conseguiu se tornar a principal líder do partido.

Margareth Thatcher como líder da oposição

As principais ideias de Thatcher durante esse período giravam em torno de dois tópicos: o discurso econômico liberal e a posição do Reino Unido no contexto da Guerra Fria como política externa.

Em relação à política interna, Thatcher defendeu o discurso econômico liberal contra as políticas protecionistas do Estado de bem-estar social, que haviam sido implementadas na Grã-Bretanha nas últimas décadas e que eram o cerne do discurso do Partido Trabalhista. Ela defendia que deveria haver menos intervenção do Estado nos assuntos econômicos e sociais: menos gastos do governo, menos impostos, mais liberdade de comércio e mais liberdade de consumo.

Com relação à política externa, Thatcher acreditava que a União Soviética havia obtido uma vantagem militar significativa sobre o Ocidente na Guerra Fria. Consequentemente, ela pediu que a Organização do Atlântico Norte (OTAN) aumentasse seus gastos com defesa militar e afirmava que os Estados Unidos deveriam ser o principal aliado da Grã-Bretanha para garantir a liberdade dos países ocidentais contra a ameaça do bloco comunista.

Por essas declarações, Margaret Thatcher ficou conhecida em 1976 como “a Dama de Ferro”, um apelido publicado em um jornal soviético.

Em 1979, Thatcher e o Partido Conservador venceram as eleições gerais com mais de 43% dos votos e conquistaram a maioria dos assentos na Câmara dos Comuns (uma das câmaras parlamentares britânicas). Margaret Thatcher tornou-se a primeira mulher a ocupar o cargo de primeira-ministra do Reino Unido.

O governo de Margaret Thatcher (1979–1990)

Margaret Thatcher foi primeira-ministra do Reino Unido por três mandatos consecutivos: 1979–1983, 1983–1987 e 1987–1990. As principais características de seu governo foram a implementação de um pacote econômico liberal e a privatização de serviços públicos na esfera econômica.

Com relação à política interna, reorientou os gastos do Estado, minimizando o investimento em educação e aumentando os gastos com segurança. Além disso, ela enfrentou o movimento sindical e o movimento separatista irlandês.

Na política internacional, foi uma importante aliada de Ronald Reagan (presidente dos Estados Unidos) e desempenhou um papel fundamental nas relações entre os Estados Unidos e a União Soviética desde que Mikhail Gorbachev assumiu a liderança do país comunista.

A economia durante o governo de Margaret Thatcher

Durante seu governo, Thatcher concentrou suas políticas econômicas liberais na privatização de empresas estatais de serviços públicos, na redução dos impostos diretos sobre a propriedade e no aumento das taxas de juros (para limitar a oferta monetária e controlar a inflação). Reduziu o investimento estatal em educação, serviços sociais e moradia, e aumentou os gastos públicos em segurança e saúde.

Nos primeiros anos de seu mandato, essas reformas levaram a uma grave crise caracterizada pela queda da produção industrial e pelo aumento do desemprego e dos níveis de pobreza. Em meados da década de 1980, o governo conseguiu limitar a inflação e reduzir as taxas de juros.

Durante seu último mandato, introduziu uma reforma no sistema tributário local e impôs um imposto doméstico direto que foi muito criticado pela população e desencadeou uma série de greves contra sua pessoa.

A sociedade no governo de Margaret Thatcher

Os funcionários públicos foram o setor mais prejudicado pelas políticas de privatização dos serviços públicos e pela flexibilização da regulamentação estatal dos assuntos econômicos. Em consequência disso, os sindicatos se tornaram um dos principais oponentes do governo Thatcher.

Em 1984 e 1985, o movimento sindical se manifestou em uma série de greves após a demissão de mais de 20 mil trabalhadores em função do fechamento de dezenas de minas de ferro estatais. As greves organizadas por diferentes setores de trabalhadores continuaram durante o governo Thatcher. Entretanto, o poder dos sindicatos tornou-se cada vez mais limitado e as manifestações foram reprimidas

A questão da Irlanda do Norte durante o governo de Margaret Thatcher

Um dos principais problemas que Margaret Thatcher teve de enfrentar durante seu governo foi a questão dos prisioneiros políticos do movimento separatista nacionalista irlandês.

Em 1976, o governo do Reino Unido havia retirado o status de prisioneiros políticos dos condenados por atos relacionados ao movimento separatista. Desde então, passaram a ser tratados como prisioneiros comuns e a luta do movimento foi ignorada. Thatcher deu continuidade à política do governo anterior.

Em 1980 e 1981, prisioneiros separatistas liderados por Bobby Sands fizeram uma série de greves de fome para intensificar o protesto. Thatcher recusou-se publicamente a reconhecer o pedido dos prisioneiros e ratificou seu status de “criminosos comuns”.

Em 1984, o Exército Republicano Irlandês Provisório (IRA) realizou um atentado contra a vida de Thatcher e de outros políticos no Brighton Hotel, onde estavam hospedados para uma conferência do Partido Conservador. Thatcher saiu ilesa, mas cinco pessoas foram mortas.

No dia seguinte, a conferência foi realizada e Thatcher mostrou publicamente que não seria derrotada facilmente. Devido à violência do movimento separatista, uma grande parte da população britânica simpatizou com Thatcher e admirou sua força.

Em 1985, o governo de Thatcher concedeu à República da Irlanda o papel de conselheira do governo da Irlanda do Norte. Esse foi um ato repudiado pelos “Unionistas” (os irlandeses que eram a favor da adesão ao Reino Unido) e todos os ministros do movimento renunciaram a seus cargos como um ato de protesto contra o governo Thatcher.

Política externa do governo de Margaret Thatcher

Margaret Thatcher (1925-2013)
Ronald Reagan e Margaret Thatcher foram grandes aliados durante a década de 1980.

Um dos aspectos mais importantes do governo de Margaret Thatcher foi sua política externa. No contexto da Guerra Fria, Thatcher decidiu fortalecer sua aliança com os Estados Unidos, promoveu uma política de investimento em armas dentro da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) para fazer frente ao poder soviético e depois ajudou a melhorar as relações entre o ocidente e o oriente quando Mikhail Gorbachev se tornou líder da União Soviética.

Em relação aos Estados Unidos, Thatcher desenvolveu um vínculo especial com o presidente Ronald Reagan, com quem mantinha comunicação constante e reuniões regulares. Esse vínculo teve consequências diretas para a evolução do último período da Guerra Fria. Thatcher apoiou a campanha de Reagan para consolidar as defesas do Bloco Ocidental e pressionou outros países europeus a fazer o mesmo.

Por outro lado, a partir de 1984, Thatcher desempenhou um papel fundamental para facilitar a melhoria das relações entre os Estados Unidos e a União Soviética. Interveio nas conversas entre Reagan e Mikhail Gorbachev e ajudou a consolidar um tratado histórico para alcançar o desarmamento gradual de ambos os blocos.

Com relação à Europa, Thatcher era contra a centralização e o integracionismo europeus. Ela se opôs à criação de uma estrutura federal para a Comunidade Europeia e defendia que a organização deveria se limitar a questões econômicas para garantir o livre comércio entre as nações europeias.

Outro dos eventos políticos mais importantes durante o governo de Thatcher foi a guerra contra a Argentina na Guerra das Malvinas, sobre territórios que eram disputados desde o século XIX. Em 1982, o governo militar da Argentina ocupou as ilhas e, em resposta, Thatcher ordenou uma invasão naval para retomar o controle delas.

Essas ações britânicas foram apoiadas por todos os países da OTAN e pela maior parte da comunidade internacional ocidental. Em menos de um mês, a marinha britânica derrotou os argentinos e recapturou os territórios.

Fim do governo de Thatcher e os últimos anos

No final da década de 1980, as políticas sociais e econômicas de Thatcher levaram a um descontentamento generalizado. As pesquisas de opinião indicavam que o Partido Trabalhista venceria a próxima eleição.

Isso levou a um questionamento da liderança de Thatcher dentro do Partido Conservador e a eleições internas. Em novembro de 1990, os conservadores decidiram que Thatcher deveria renunciar ao cargo de primeira-ministra do Reino Unido e ser substituída pelo chanceler John Major.

Nos anos seguintes, foi membro da Câmara dos Comuns por dois anos e depois se aposentou definitivamente das atividades políticas. No entanto, continuou a se manifestar e a expressar suas opiniões sobre questões políticas contemporâneas.

Trabalhou como consultora para empresas privadas, foi reitora da Universidade de Buckingham e da Faculdade de William e Mary. Também foi a primeira-ministra viva a ser homenageada com uma estátua de bronze na Câmara dos Comuns por seus serviços prestados à nação.

Durante a década de 2000, sua saúde se deteriorou, ela começou a sofrer de problemas cerebrovasculares e teve que ser hospitalizada em várias ocasiões. Margaret Thatcher morreu aos 87 anos no dia 8 de abril de 2013, em Londres.

Referências

  • Instituto Res Pública (2012). “Margaret Thatcher”.Personajes Públicos, Nº 001. https://www.respublica.cl/
  • Palmowski, J. (2000). "Thatcher, Margaret". A dictionary of twentieth-century world history. Oxford University Press.
  • Van Dijk, R., Gray, W. G., Savranskaya, S., Suri, J., & Zhai, Q. (Eds.). (2013). “Thatcher, Margaret”. Encyclopedia of the Cold War. Routledge.
  • Young, Hugo (2023). "Margaret Thatcher''. Encyclopedia Britannica. https://www.britannica.com/

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

KISS, Teresa. Margaret Thatcher. Enciclopédia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/margaret-thatcher/. Acesso em: 27 maio, 2024.

Sobre o autor

Autor: Teresa Kiss

Professora de História do ensino médio e superior.

Traduzido por: Márcia Killmann

Licenciatura em letras (UNISINOS), Doutorado em Letras (Universidad Nacional del Sur)

Data da última edição: 31 março, 2024
Data de publicação: 21 novembro, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)