Movimento sufragista

Vamos explicar o que foi o movimento sufragista e a história dos movimentos feministas em diferentes países.

As sufragistas lutaram pelos direitos políticos das mulheres em diferentes partes do mundo.

O que foi o movimento sufragista?

Chama-se movimento sufragista os movimentos de mulheres que lutaram pelo direito de voto e outros direitos políticos em diferentes países. Essa luta faz parte da história geral do feminismo, que é entendido como um movimento político, social e cultural que busca alcançar a igualdade nas condições de vida entre mulheres e homens.

As origens do feminismo podem ser encontradas na atividade organizada que diferentes mulheres começaram a realizar no final do século XVIII na França, com o objetivo de obter os mesmos direitos políticos que os homens. Desde então, a história do feminismo tem sido marcada por diferentes “ondas”, com diferentes características, objetivos de luta e formas de ativismo. Os movimentos sufragistas são considerados a “primeira onda” do feminismo.

No final do século XVIII, com as primeiras revoluções liberais contra os regimes monárquicos e as hierarquias sociais, surgiram os primeiros clubes de mulheres organizadas para reivindicar seus direitos políticos. Na França, Olympia de Gouges estava na vanguarda do ativismo feminista. Criticou o governo estabelecido pela Revolução Francesa, que defendia a igualdade, mas ao mesmo tempo, excluía as mulheres, que representavam mais da metade da população, dos direitos políticos.

Durante o século XIX, foram implementados regimes liberais nos países ocidentais que permitiam que os homens participassem da política, mas excluíam as mulheres. Nesse contexto, surgiram os primeiros movimentos sufragistas. Os mais importantes foram os movimentos americano e britânico.

Graças ao seu ativismo, as mulheres conquistaram o direito de votar para representantes em 1918 no Reino Unido e em 1920 nos Estados Unidos. Entretanto, na maioria dos países, as mulheres só conquistaram esse direito nas décadas de 1950 e 1960, após a Segunda Guerra Mundial.

Os primeiros movimentos feministas (1789–1870)

Contexto histórico

Durante o século XVIII, a sociedade europeia era caracterizada pelo que é conhecido como “Antigo Regime”. Era uma sociedade dividida em “estados” (ou “estamentos”) e estruturada em torno da desigualdade legal de diferentes setores da população.

O “primeiro estado” e o “segundo estado” eram compostos por nobres e clérigos e desfrutavam de privilégios (isenção de impostos, monopólio de altos cargos públicos, leis e tribunais especiais). O “terceiro estado” era formado pelo restante da população e se caracterizava pela ausência de direitos políticos (voto) e liberdades (expressão, reunião, religião).

Por outro lado, em termos de gênero, as mulheres tinham um papel social circunscrito à esfera doméstica, ao trabalho doméstico, à procriação e ao cuidado com os filhos. Legalmente, elas eram subordinadas aos homens (pai ou marido).

A Revolução Francesa (1789) e as subsequentes revoluções liberal-burguesas do século XIX definiram como objetivo central a conquista da igualdade jurídica e dos direitos e liberdades políticos para todos os cidadãos.

No entanto, foi nesse contexto que surgiu a grande contradição que marcou a luta do feminismo primitivo: as liberdades, os direitos e a igualdade jurídica que haviam sido as grandes conquistas das revoluções liberais não incluíram as mulheres. Os “Direitos do Homem e do Cidadão” proclamados pela Revolução Francesa referiam-se exclusivamente ao “homem” e não a todos os seres humanos.

A partir de então, surgiram diferentes grupos na Europa Ocidental e nos Estados Unidos que lutaram por direitos iguais para homens e mulheres, dando origem ao movimento feminista. Durante esse período, o principal objetivo dos grupos mais importantes era obter direitos políticos e, especificamente, o direito ao voto.

A Revolução Francesa e os direitos das mulheres

Entre os escritores iluministas franceses que elaboraram o programa ideológico da Revolução estava Nicolas de Condorcet (1743-1794), que em sua obra Esboço de uma Tabela Histórica do Progresso do Espírito Humano (1743) pedia o reconhecimento do papel social das mulheres. Condorcet comparou o status social das mulheres de sua época ao de escravas.

Contudo, após o triunfo da revolução em 1789, logo surgiu uma contradição óbvia: uma revolução que baseou sua justificativa na ideia universal da igualdade natural e política dos seres humanos (sob o conhecido lema “Liberdade, Igualdade e Fraternidade”), negava às mulheres, metade da população, o acesso aos direitos políticos, o que na realidade significava negar sua liberdade e sua igualdade com outros indivíduos.

A dramaturga e ativista revolucionária Olympe de Gouges (1748–1793) estava na vanguarda do protesto das mulheres. Em 1791, ela publicou a Declaração dos Direitos da Mulher e da Cidadã, que era, na verdade, uma imitação do texto da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão adotada pela Assembleia Nacional em agosto de 1789, mas com a inclusão explícita das mulheres na aquisição de direitos.

Dessa forma, Olympe de Gouges denunciou o fato de que a revolução havia esquecido as mulheres em seu projeto igualitário e libertador. Ela afirmou que “a mulher nasce livre e deve permanecer igual ao homem em direitos” e que “a lei deve ser a expressão da vontade geral; todos os cidadãos devem contribuir, pessoalmente ou por meio de seus representantes, para sua formação”.

A posição de Olympe de Gouges era clara:

  • Liberdade
  • Igualdade
  • Direitos políticos, especialmente o direito de voto, para as mulheres.

No entanto, a proposta feminista não foi compartilhada pelos líderes masculinos da revolução, e até mesmo os revolucionários mais radicais se recusaram a considerar direitos iguais para homens e mulheres.

Como as denúncias feministas expuseram a hipocrisia da revolução, o novo governo revolucionário ordenou a prisão e a execução de Olympe de Gouges.

Dez anos depois, com a publicação do Código Civil Napoleônico (1804), em que foram incorporados os principais avanços sociais da revolução, foi consagrada a derrota do primeiro movimento feminista. O código negou às mulheres os direitos civis reconhecidos aos homens durante o período revolucionário e impôs explicitamente leis discriminatórias, que estabeleciam que a esfera de ação exclusiva das mulheres era o lar (esfera privada e doméstica).

As mulheres casadas continuaram sujeitas a seus maridos em termos de residência, herança, administração de propriedades, prática profissional, acesso a salários e propriedade familiar. O direito ao divórcio foi limitado e finalmente eliminado em 1816.

O primeiro feminismo britânico

Mary Wollstonecraft (1759–1797) iniciou a longa tradição do feminismo anglo-saxão com sua obra Reivindicação dos direitos da mulher (1792). Contrária ao absolutismo dos reis, ela apontou a conexão entre esse sistema político e as relações de poder entre os sexos. Os homens exerciam uma verdadeira tirania absolutista sobre as mulheres na família e no lar.

Para Wollstonecraft, a estratégia para superar a subordinação feminina era o acesso à educação. Mulheres instruídas não apenas alcançariam a igualdade com os homens, mas poderiam desenvolver sua independência econômica por meio do acesso a empregos remunerados. Wollstonecraft, no entanto, não dava importância às reivindicações políticas e não fazia referência ao direito de voto das mulheres.

Entre os pensadores liberais britânicos, destaca-se John Stuart Mill (1806–1873), que, junto a sua esposa Harriet Taylor Mill (1807–1856), publicou A Sujeição das Mulheres em 1869. Mill colocou a conquista do direito de voto para as mulheres no centro do debate feminista: a solução para a questão feminina estava na remoção de todas as restrições legislativas discriminatórias.

Quando essas restrições fossem removidas, as mulheres superariam sua “sujeição” e alcançariam sua emancipação. A liberdade individual facilitada pelo desaparecimento dos impedimentos legais permitiria o desenvolvimento da personalidade das mulheres e o pleno exercício de suas capacidades.

O livro de Mill teve um enorme impacto. Publicado em 1869, foi um elemento fundamental para a expansão e internacionalização do movimento sufragista. No mesmo ano, foi publicado nos Estados Unidos, Austrália, Nova Zelândia, França, Alemanha, Áustria, Suécia e Dinamarca e, no ano seguinte, foi publicado na Itália e na Polônia, despertando o interesse e a reflexão de muitas mulheres de classe alta.

John Stuart Mill apresentou uma demanda a favor do sufrágio feminino ao Parlamento inglês em 1866. Sua rejeição levou ao nascimento, em 1867, do primeiro grupo claramente sufragista britânico: a National Society for Woman's Suffrage (Associação Nacional pelo Sufrágio Feminino), liderada por Lydia Becker.

Os primórdios do feminismo norte-americano

O movimento feminista nos Estados Unidos desenvolveu-se rapidamente devido às condições sociais, políticas e econômicas da sociedade norte-americana.

Os Estados Unidos tinham um sistema político que era democrático em princípio, porém, como em todos os países, as mulheres eram excluídas dos direitos políticos desfrutados pelos homens. Por outro lado, era uma sociedade em que a escravidão ainda existia.

Nesse contexto, o feminismo nasceu conectado com os movimentos de reforma religiosa protestante que defendiam a regeneração moral da sociedade e a abolição da escravidão. O envolvimento significativo das mulheres em movimentos humanitários para a abolição da escravidão ajudou a gerar uma profunda conscientização social das mulheres. As mulheres viram a analogia entre os escravos sem direitos e a posição inferior da população feminina diante da dominação masculina.

Por outro lado, as práticas religiosas protestantes promoviam a leitura individual e a interpretação de textos sagrados. Isso incentivou o acesso das mulheres a níveis básicos de alfabetização, o que significou que o analfabetismo feminino foi praticamente erradicado no início do século XIX.

Diferentemente da Europa, a partir de meados do século XIX, houve uma ampla camada de mulheres educadas e de classe média que se tornaram o núcleo do primeiro feminismo.

O primeiro documento coletivo do feminismo americano foi a “Declaração de Seneca Falls”, aprovada em 19 de julho de 1848 em uma capela metodista na localidade de Seneca Falls, em Nova York. Nessa declaração, foram denunciadas as queixas sofridas pelas mulheres ao longo da história.

Após a Guerra Civil (1861–1865), o movimento feminista (que em grande parte havia vinculado sua sorte ao abolicionismo) sofreu uma grande desilusão. Apesar do triunfo do Norte pró-escravidão, a 14ª Emenda Constitucional, que concedia o direito de voto aos escravos negros libertados, negava às mulheres o direito de votar.

Em resposta, as ativistas Elisabeth Cady Stanton (1815–1902) e Susan B. Anthony (1820–1906) formaram a Associação Nacional pelo Sufrágio Feminino, a primeira associação do feminismo norte-americano, independente de partidos políticos e movimentos de reforma mais amplos.

O crescimento do sufragismo (1870–1939)

As novas condições de vida das mulheres no século XX incentivaram seu ativismo político.

Contexto histórico

Em torno de 1870, foi desencadeada a Segunda Revolução Industrial, caracterizada pelo surgimento de novas tecnologias que aceleraram o processo de industrialização. Isso gerou uma série de mudanças políticas, econômicas e sociais que, por sua vez, favoreceram o crescimento de diferentes movimentos feministas.

As mulheres entraram no mercado de trabalho em maior número, o que favoreceu sua autonomia econômica e civil. Na Grã-Bretanha, por exemplo, no início do século XX, 70,8% das mulheres solteiras entre 20 e 45 anos de idade exerciam trabalho remunerado.

Por outro lado, a inserção das mulheres no mercado de trabalho teve consequências sociais em relação à sua própria concepção dos papéis e funções que deveriam cumprir em seu ambiente familiar. Entre os setores da classe média, aumentou o número de mulheres adultas que permaneceram solteiras e se dedicaram à sua profissão.

A partir de então, a atribuição de papéis dentro do casamento começou a ser questionada: por que os homens podiam trabalhar para sustentar suas famílias e as mulheres tinham que deixar suas profissões e cuidar dos assuntos domésticos sozinhas. Para muitas mulheres, a “profissão do casamento” foi um retrocesso, não apenas como projeto de vida, mas também como opção econômica.

Com a eclosão da Primeira Guerra Mundial (1914–1918), observou-se um aumento massivo do emprego de mulheres em fábricas, pois elas precisavam substituir os homens que haviam ido para a frente de guerra.

Isso permitiu a reavaliação da posição social das mulheres em relação aos homens, que eram responsáveis por manter a produção industrial em andamento. Essa nova consciência de seu valor social incentivou as demandas pelo sufrágio feminino.

Os principais objetivos dos movimentos sufragistas daquele período eram: o direito ao voto, a melhoria da educação, o treinamento vocacional e a abertura de novos horizontes de emprego, direitos familiares iguais.

A grande novidade foi a ampla mobilização coletiva que os movimentos sufragistas de diferentes países conseguiram liderar.

O crescimento do movimento sufragista norte-americano

Em 1920, as sufragistas norte-americanas conquistaram o direito de votar em nível nacional.

No final do século XIX e início do século XX, as feministas norte-americanas fizeram uma campanha ativa pelo sufrágio. Durante esse período, o ativismo sufragista mais importante foi liderado por Susan B. Anthony (1820–1906), Lucy Stone (1818–1893) e Elizabeth Cady Stanton (1815–1902). A partir da Associação Nacional Americana pelo Sufrágio da Mulher (National American Woman Suffrage Association), trabalharam para conseguir o voto nos diferentes estados e forçar uma mudança na constituição norte-americana.

Graças ao trabalho das sufragistas, o voto feminino foi gradualmente aprovado pelo voto popular em vários estados: Wyoming (1869), Utah (1870), Colorado (1893), Idaho (1896), Washington (1910), Califórnia (1911), Oregon, Arizona e Kansas (1912) e Nevada e Montana (1914).

Em 1917, foi eleita a primeira mulher congressista dos Estados Unidos em Montana, Jeanette Rankin. Finalmente, em 1919, o presidente Woodrow Wilson, do partido Democrata, anunciou pessoalmente seu apoio ao sufrágio feminino. Em 1920, a 19ª Emenda Constitucional dos Estados Unidos foi aprovada, dando às mulheres o direito de votar em nível nacional.

A radicalização do movimento sufragista britânico

As sufragistas britânicas conquistaram o voto para as mulheres nacionalmente em 1918.

No final do século XIX e início do século XX, o movimento sufragista britânico dividiu-se em duas tendências: uma moderada e outra radical, a favor da ação direta.

Millicent Garrett Fawcet (1847–1929) liderou as sufragistas moderadas que formaram a União Nacional das Sociedades de Sufrágio Feminino. Em 1914, essa associação tinha mais de 100 mil membros e concentrava seu trabalho na propaganda política, através de manifestações e campanhas de persuasão, sempre sob uma estratégia de ordem e legalidade.

A falta de resultados efetivos da estratégia moderada levou à criação de outra organização, a União Social e Política das Mulheres (WSPU), liderada por Emmeline Pankhurst. Suas integrantes eram conhecidas como “suffragettes”.

Além dos meios tradicionais de propaganda, como comícios e demonstrações, a WSPU recorreu a táticas violentas, como sabotagem, queima de lojas e estabelecimentos públicos e ataques a residências particulares de políticos e membros do parlamento de destaque.

Diante da crescente repressão do governo, as “suffragettes” reagiram com greves de fome na prisão, às quais as autoridades responderam com alimentação forçada. O Parlamento aprovou a lei conhecida como “Lei do Gato e do Rato”, segundo a qual as mulheres (os “ratos”) seriam libertadas pelas autoridades (o “gato”) quando sua condição física fosse preocupante. No entanto, uma vez recuperadas fisicamente, seriam detidas e presas novamente.

A virulência do protesto das sufragistas fez com que os partidos políticos tradicionais começassem a reconsiderar sua atitude em relação ao voto feminino.

A Primeira Guerra Mundial marcou uma pausa nas demandas sufragistas e, após o conflito, no qual as mulheres acumularam méritos como mão de obra que permitiu o funcionamento da economia, o sufrágio feminino finalmente teve de ser reconhecido.

Em 1918, uma nova lei eleitoral permitiu que as mulheres com mais de 30 anos de idade obtivessem o direito de votar. Dez anos depois, em 1928, uma nova lei, a “Equal Franchise Act”, significou que, finalmente, todas as mulheres maiores de idade obtiveram o tão sonhado direito ao voto.

A extensão da Primeira Guerra Mundial fez com que as mulheres entrassem nos campos de trabalho tradicionalmente reservados aos homens. Os governos em guerra incentivaram esse fato a fim de evitar o colapso industrial. A tabela a seguir mostra como a presença de mulheres no Reino Unido aumentou em diferentes campos de trabalho durante o período da guerra:  

Porcentagem de mulheres em relação aos homens empregados por setor
AnoIndústria %Transporte %Agricultura %Comércio %
1914262927
191835121453
19202741040

Cronologia do movimento sufragista

1791

  • Olympe de Gouges publica a Declaração dos Direitos da Mulher e da Cidadã.

1792

  • Mary Wollstonecraft publica a Vindication of Women's Rights (Reivindicação dos Direitos da Mulher).

1843

  • Flora Tristan publica A União Operária.

1848

  • Declaração de Seneca Falls (Nova York).

1869

  • Wyoming é o primeiro estado dos Estados Unidos a conceder o direito de voto às mulheres.

1869

  • John Stuart Mill publica A Sujeição das Mulheres.

1879

  • August Bebel publica A Mulher e o Socialismo.

1893

  • Nova Zelândia é o primeiro país a conceder o direito de voto às mulheres nacionalmente.

1897

  • Lydia Becker e Millicent Fawcet fundam a União Nacional de Sociedade de Sufrágio Feminino (NUWSS).

1903

  • Emmeline Pankhurst e suas colaboradoras deixam a NUWSS e formam a União Política e Social das Mulheres (WSPU).

1906

  • A Finlândia é o primeiro país europeu a conceder o sufrágio feminino nacionalmente.

1907

  • Sob a presidência de Clara Zetkin, reúne-se a 1ª Conferência Internacional de Mulheres Socialistas.

1913

  • O Parlamento britânico aprova a “Lei do Gato e do Rato”.

1917

  • Jeanette Rankin é a primeira mulher eleita para o Congresso dos Estados Unidos.

1918

  • O Parlamento britânico aprova uma lei eleitoral que concede o sufrágio a mulheres com mais de 30 anos de idade.

1920

  • A 19ª Emenda Constitucional dos Estados Unidos é aprovada, dando a todas as mulheres maiores de idade o direito de votar.

Referências

  • Alberdi, I. (2020). Historia del feminismo. En: Revista de Occidente, 466, 17-25.
  • Auffret, S. (2020). La gran historia del feminismo: de la Antigüedad hasta nuestros días. La Esfera de los Libros.
  • Castillo, G. P., & Torres, J. R. (2013). La I Guerra Mundial en la retaguardia: la mujer protagonista. Historia y Comunicación social, 18, 191-206.
  • Suari, G. R. A. (2015). La evolución del voto de la mujer en el mundo y sus implicaciones. Revista legislativa de estudios sociales y de opinión pública, 8(16), 147-163

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

KISS, Teresa. Movimento sufragista. Enciclopédia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/movimento-sufragista/. Acesso em: 24 maio, 2024.

Sobre o autor

Autor: Teresa Kiss

Professora de História do ensino médio e superior.

Traduzido por: Márcia Killmann

Licenciatura em letras (UNISINOS), Doutorado em Letras (Universidad Nacional del Sur)

Data da última edição: 30 março, 2024
Data de publicação: 27 outubro, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)