Mulheres na Revolução Francesa

Vamos explicar o papel que as mulheres desempenharam na Revolução Francesa. Além disso, quem se destacou e quais direitos elas exigiram.

A marcha sobre Versalhes em 1789 começou como uma manifestação de mulheres.

Qual foi o papel que as mulheres desempenharam na Revolução Francesa?

A Revolução Francesa foi um processo revolucionário que começou em 1789 com o objetivo de derrubar as estruturas políticas e sociais do Antigo Regime na França.

Embora a maioria de seus protagonistas políticos fossem homens, muitas mulheres de diferentes camadas sociais desempenharam um papel de destaque tanto nas mobilizações populares (como a marcha sobre Versalhes) quanto na organização de clubes e sociedades revolucionárias (como a Sociedade das Cidadãs Republicanas Revolucionárias).

A luta das mulheres na Revolução Francesa combinou objetivos políticos revolucionários com a demanda pelos direitos das mulheres. No entanto, durante a Revolução Francesa, as mulheres permaneceram em grande parte excluídas da atividade política, como evidenciado pela promulgação do sufrágio universal masculino em 1792. Mesmo assim, alguns direitos civis foram reconhecidos, como a igualdade de homens e mulheres no direito ao divórcio.

Entre as mulheres que se destacaram durante a Revolução Francesa estão Olympe de Gouges (autora da Declaração dos Direitos da Mulher e Cidadã), Pauline Léon, Claire Lacombe, Charlotte Corday e Théroigne de Méricourt.

Perguntas frequentes

Quem foram as mulheres que participaram da Revolução Francesa?

Muitas mulheres participaram do processo da Revolução Francesa. Entre elas estão: Olympe de Gouges, Pauline Léon, Claire Lacombe, Marie-Jeanne Roland, Germaine de Staël, Charlotte Corday, Théroigne de Méricourt e Etta Palm.

Quais foram as ações que as mulheres realizaram na Revolução Francesa?

Muitas mulheres participaram de manifestações contra a escassez de alimentos ou contra o Antigo Regime. Algumas mulheres com certos recursos colaboraram com a causa revolucionária e organizaram salões onde personalidades políticas se reuniam. Também escreviam discursos ou panfletos políticos, apresentavam reivindicações de igualdade de direitos à Assembleia Nacional e criavam sociedades de mulheres que contribuíam para uma ou outra facção revolucionária (embora em 1793 todas as sociedades de mulheres tenham sido fechadas pelo governo revolucionário).

Quais foram os direitos reivindicados pelas mulheres na Revolução Francesa?

Em geral, as mulheres que participaram da Revolução Francesa exigiam igualdade entre homens e mulheres em áreas como participação política, direito de voto e educação. Embora tenham conquistado alguns direitos civis, sua participação política permaneceu restrita.

Mulheres na marcha sobre Versalhes

Antes da Revolução Francesa, havia mulheres na Europa que, individualmente, faziam reivindicações para a igualdade das mulheres. Um exemplo é a ilustrada espanhola Josefa Amar, que escreveu livros como a Importância da instrução que se deve dar às mulheres (1784) e discursos como Discurso em defesa do talento das mulheres e de sua aptidão para o governo (1786) ou Discurso sobre a educação física e moral das mulheres (1790).

No entanto, foi somente com a Revolução Francesa que as vozes das mulheres começaram a se expressar coletivamente. Em outubro de 1789, quase três meses após a tomada da Bastilha, um grupo de mulheres em Paris se manifestou contra o alto preço do pão e a escassez de farinha.

Milhares de homens e mulheres parisienses se juntaram à manifestação e, visto que o rei Luís XVI havia realizado um banquete em seu palácio alguns dias antes, começaram a marchar até o Palácio de Versalhes para expressar sua indignação e exigir que o rei e a rainha se mudassem para Paris e abandonassem seus luxos.

Alguns manifestantes conseguiram entrar no palácio e houve violência até que o rei concordou em mudar sua família para o Palácio das Tulherias, em Paris.

As ideias de Condorcet sobre os direitos das mulheres

Entre os escritores franceses do Iluminismo que elaboraram o programa ideológico da Revolução Francesa estava Nicolas de Condorcet (1743-1794), que em sua obra Esboço de um Quadro Histórico dos Progressos do Espírito Humano (publicada postumamente em 1795) pediu o reconhecimento do papel social das mulheres.

Condorcet comparou o status social das mulheres de sua época ao dos escravos e era a favor da participação delas como cidadãs, como expressou em seu ensaio Sobre a Admissão do Direito de Cidadania às Mulheres (1790). Após o triunfo da Revolução de 1789, surgiu uma contradição óbvia: uma revolução que baseava sua justificativa na ideia universal da igualdade natural e política dos seres humanos (“liberdade, igualdade, fraternidade”), negava às mulheres (metade da população) o acesso aos direitos políticos, o que na realidade significava negar sua liberdade e sua igualdade perante os demais indivíduos.

“O hábito pode chegar a familiarizar os homens com a violação de seus direitos naturais, a ponto de não se encontrar ninguém entre aqueles que o tenham perdido que sequer pense em reivindicá-los, nem acredite que tenha sido objeto de uma injustiça. (...) Por exemplo, não violaram todos os princípios da igualdade de direitos ao privar, com tanta irreflexão, a metade do gênero humano do direito de participar da formação das leis, ou seja, excluindo as mulheres do direito de cidadania? Pode existir uma prova mais evidente do poder que cria o hábito mesmo entre homens eruditos, que de ver invocar o princípio da igualdade de direitos (...) e de esquecê-lo com relação a doze milhões de mulheres?”

Nicolas de Condorcet
Sobre a Admissão do Direito de Cidadania às Mulheres (1790)

Olympe de Gouges e a Declaração dos Direitos da Mulher

Olympe de Gouges reivindicava liberdade, igualdade e direitos políticos para as mulheres.

A dramaturga e ativista revolucionária Olympe de Gouges (1748–1793), cujo nome de nascimento era Marie Gouze, foi uma figura importante na luta pelos direitos das mulheres durante a Revolução Francesa.

Em 1791, publicou a Declaração dos Direitos da Mulher e Cidadã, que era uma cópia da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão adotada pela Assembleia Nacional em agosto de 1789, mas com modificações significativas nos termos usados.

Uma comparação entre os dois textos é esclarecedora:

“Os representantes do povo francês, constituídos em Assembleia Nacional, considerando que a ignorância, o esquecimento ou o desprezo dos direitos do homem são as únicas causas dos males públicos e da corrupção dos governos (...) reconhecem e declaram (...) os seguintes direitos do homem e do cidadão’.

Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, 1789

“As mães, as filhas e as irmãs, representantes da nação, pedem para ser constituídas em Assembleia Nacional. Considerando que a ignorância, o esquecimento ou o desprezo dos direitos das mulheres são as únicas causas das desgraças públicas e da corrupção dos governos, elas resolveram estabelecer em uma declaração solene os direitos naturais, inalienáveis e sagrados da mulher (...)”.

Olimpia de Gouges
Declaração dos Direitos da Mulher e Cidadã, 1791

Ao reinterpretar o grande documento programático da revolução, Olympe de Gouges denunciava o fato de que a revolução havia esquecido as mulheres em seu projeto igualitário e libertador. Afirmava que “a mulher nasce livre e deve permanecer igual ao homem em direitos” e que “a lei deve ser a expressão da vontade geral; todos as cidadãs e cidadãos devem contribuir, pessoalmente ou por meio de seus representantes, para sua formação”.

O programa de Olympe de Gouges era claro: liberdade, igualdade e direitos políticos, especialmente o direito de voto, para as mulheres. No entanto, a abordagem feminista não era compartilhada pela grande maioria dos homens que lideravam a revolução. Muitos acreditavam que as mulheres deveriam cuidar das tarefas domésticas e familiares.

Em 1793, durante o período do governo jacobino conhecido como “o Terror”, Olympe de Gouges foi acusada de defender os princípios políticos dos girondinos (oponentes dos jacobinos), presa e executada na guilhotina.

A Sociedade das Republicanas Revolucionárias

A facção enragés (uma das facções mais radicais da Revolução Francesa) incluía vários sans-culottes parisienses (setores urbanos inferiores, como artesãos e trabalhadores). Nesse grupo havia mulheres revolucionárias, como a atriz Claire Lacombe.

Em 1793, Lacombe, junto a Pauline Léon, criou a Sociedade das Republicanas Revolucionárias. Pauline Léon havia participado da tomada da Bastilha em 14 de julho de 1789 e apresentou um documento assinado por mais de trezentas mulheres à Assembleia Nacional em 1792, solicitando a formação de uma milícia armada feminina (um projeto que acabou sendo rejeitado).

A Sociedade das Republicanas Revolucionárias era formada por mulheres pertencentes às classes trabalhadoras e à pequena burguesia, que defendiam o direito das mulheres de participar da revolução e exigiam melhorias em suas condições de vida. Algumas usavam a cocarda tricolor ou o barrete frígio da França revolucionária.

No entanto, em outubro de 1793, a Convenção Nacional que governava a França fechou essa e todas as sociedades e clubes de mulheres que existiam na França, o que, junto à execução de Olympe de Gouges, simbolizou o fracasso das reivindicações feministas durante a Revolução Francesa.

Após a revolução, o Código Civil Napoleônico (1804), que incorporou os principais avanços sociais da revolução, negou às mulheres os direitos civis reconhecidos aos homens durante o período revolucionário (igualdade jurídica, direitos de propriedade) e impôs leis discriminatórias segundo as quais o lar foi definido como a esfera exclusiva da ocupação feminina.

Outras mulheres de destaque da Revolução Francesa

Marie-Jeanne Roland

Marie-Jeanne Roland participou da revolução ao lado dos girondinos.

Na França, os salões literários eram locais de encontro de personalidades políticas e literárias. Entre os anfitriões desses salões estavam mulheres, como Marie-Jeanne Roland, que apoiava a revolução, tinha afinidade com os girondinos (uma facção moderada) e escrevia artigos e discursos políticos.

O salão de Roland era o ponto de encontro de importantes líderes revolucionários. Marie-Jeanne Roland e seu marido, Jean-Marie Roland, opunham-se aos grupos mais radicais e denunciavam o extremismo jacobino. Em 1793, Marie-Jeanne Roland foi presa e acabou sendo executada na guilhotina.

Germaine de Staël

Outro salão literário em Paris foi o de Germaine de Staël, que tinha ideias esclarecidas e defendia a igualdade de educação para homens e mulheres.

Durante a Revolução Francesa, ela defendia uma posição moderada em favor da monarquia constitucional e foi forçada ao exílio na época do governo republicano da Convenção em 1793. Quando retornou à França, por meio de um escrito, defendeu Maria Antonieta, que estava sendo julgada, e durante o período napoleônico teve que se exilar novamente.

Sophie de Condorcet

O girondino Nicolas de Condorcet costumava participar do Círculo Social, um clube revolucionário fundado em 1790 que promovia o republicanismo.Entre 1790 e 1791, o Círculo Social promoveu os direitos das mulheres, com a participação de personalidades como Etta Palm.

Sophie de Condorcet, esposa de Nicolas de Condorcet, permitiu que o Círculo Social se reunisse em sua casa.

Charlotte Corday

Charlotte Corday assassinou o líder jacobino Jean-Paul Marat e foi executada.

Entre as mulheres que participaram da Revolução Francesa ao lado dos girondinos destacou-se Charlotte Corday. Além de participar de reuniões políticas, em julho de 1793 assassinou Jean-Paul Marat, um dos líderes jacobinos responsáveis pelo Período do Terror. No mesmo mês, os jacobinos a executaram na guilhotina.

Théroigne de Méricourt

Uma das mulheres que usaram uma cocarda tricolor da Revolução Francesa foi Anne-Josèphe Théroigne de Méricourt. Em 1789, enquanto as mulheres eram proibidas de participar das assembleias revolucionárias, Théroigne compareceu várias vezes às tribunas públicas.

Junto ao revolucionário Charles-Gilbert Romme, criou uma sociedade política que teve vida curta, juntou-se aos clubes dos Cordeliers e dos Jacobinos e foi difamada pela imprensa contrarrevolucionária. Em 1792, participou da invasão do Palácio das Tulherias e, em 1793, foi acusada de apoiar os girondinos e humilhada publicamente. Acabou sendo internada em um asilo psiquiátrico.

Etta Palm

Antes da criação da Sociedade das Mulheres Republicanas Revolucionárias em 1793, outra sociedade de mulheres havia sido criada em 1791, a Sociedade Patriótica e Beneficente das Amigas da Verdade. Essa sociedade foi fundada por Etta Palm, uma cortesã e espiã holandesa que se envolveu no processo revolucionário francês.

A sociedade estava relacionada ao Círculo Social frequentado por revolucionários como Condorcet, mas era reservada às mulheres e propunha reformas que visavam à igualdade entre homens e mulheres em questões civis, políticas e educacionais. Deixou de funcionar depois de 1792.

Mary Wollstonecraft

Mary Wollstonecraft foi uma escritora inglesa que defendeu a Revolução Francesa com seu panfleto Vindication of the Rights of Man (Reivindicação dos Direitos dos Homens), 1790. Posteriormente, em Reivindicação dos Direitos das Mulheres (1792), ela contestou a ideia de muitos políticos de que as mulheres deveriam ser educadas apenas para o trabalho doméstico e defendeu o direito a uma educação racional para as mulheres.

Referências

  • Britannica, Encyclopaedia (2023). French Revolution. Encyclopedia Britannica. https://www.britannica.com/ 
  • Cokely, C. L. (2018,). Declaration of the Rights of Woman and of the [Female] Citizen. Encyclopedia Britannica. https://www.britannica.com/
  • Kelly, L. (1989). Las mujeres de la Revolución francesa. Vergara.
  • Mousset, S. (2017). Women’s Rights and the French Revolution: A Biography of Olympe De Gouges. Routledge.
  • Sazbón, J. (2018). Cuatro mujeres en la Revolución francesa. Biblos.

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

GAYUBAS, Augusto. Mulheres na Revolução Francesa. Enciclopédia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/mulheres-na-revolucao-francesa/. Acesso em: 25 maio, 2024.

Sobre o autor

Autor: Augusto Gayubas

Doutor em História (Universidad de Buenos Aires)

Traduzido por: Márcia Killmann

Licenciatura em letras (UNISINOS), Doutorado em Letras (Universidad Nacional del Sur)

Data da última edição: 18 março, 2024
Data de publicação: 9 outubro, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)