Cardenismo

Vamos explicar o que foi o Cardenismo, seu contexto histórico e como foi a sua economia. Além disso, quais são as suas principais características e a reforma agrária.

cardenismo-lazaro-cardenas-del-rio
Lázaro Cárdenas foi presidente do México entre 1934 e 1940.

O que foi o Cardenismo?

Cardenismo é o nome dado ao período da história mexicana quando a República foi presidida pelo General Lázaro Cárdenas del Río (1895-1970), bem como a corrente ideológica identificada com os seis anos de seu governo (de 1934 a 1940). Alguns de seus detratores preferem o termo “cardenato”.

Lázaro Cárdenas tornou-se presidente como candidato do Partido Nacional Revolucionário (PNR), o antecessor do Partido da Revolução Mexicana (PRM) e do Partido Revolucionário Institucional (PRI). Sua plataforma eleitoral e governamental foi o Plano Sexenal, que estabelecia uma série de reformas baseadas na intervenção do Estado na economia.

O governo de Cárdenas era famoso por medidas como a distribuição de terras aos setores camponeses e a nacionalização da indústria petrolífera, bem como por acolher numerosos exilados espanhóis que fugiam da Guerra Civil.

Plano Sexenal

O Plano Sexenal foi a plataforma eleitoral e governamental do Partido Nacional Revolucionário, encabeçado por Lázaro Cárdenas. Propunha uma série de reformas sociais e econômicas que se distanciaram das políticas do Maximato (ou seja, o período entre 1928 e 1934 no qual três presidentes sucessivos governaram sob a influência de Plutarco Elías Calles, que era conhecido como “líder máximo da Revolução”).

O Plano de Sexenal propunha uma reivindicação de alguns dos princípios da Revolução Mexicana que haviam sido negligenciados nos últimos anos. Formulava um projeto para impulsionar o crescimento agrário, industrial e urbano do México durante um período de governo (um sexênio, ou seja, seis anos).

Para isso, sugeria uma reforma agrária, maior intervenção do Estado na economia, nacionalização das indústrias e da exploração do petróleo, políticas de crédito aos camponeses, apoio à reorganização sindical e a promoção da educação pública.

Contexto histórico do Cardenismo

No início do século XX, o México viveu um período particularmente turbulento. Em 1910, teve início um processo revolucionário, conhecido como Revolução Mexicana (1910-1920), que pôs fim ao regime ditatorial de Porfírio Díaz (o “Porfiriato”) e durou dez anos.

Esta década de insurreições e de guerra civil foi tão importante que mudou radicalmente a política e vários aspectos da economia e da sociedade mexicana. Alguns dos líderes revolucionários passaram a ocupar cargos governamentais, às vezes até mesmo a presidência, enquanto que outros tomaram armas contra os governos estabelecidos.

Em 1917, foi proclamada a Constituição Mexicana de 1917, que promoveu a expropriação e divisão de grandes propriedades e consagrou os direitos trabalhistas. Embora estes princípios procurassem satisfazer as demandas dos camponeses e trabalhadores, os conflitos políticos persistiam e as medidas implementadas estavam longe de resolver os problemas de distribuição de terras.

Entre 1928 e 1934, o México foi governado por três presidentes que agiram sob a influência de Plutarco Elías Calles, que fundou o Partido Nacional Revolucionário em 1929. Em 1933, o partido formulou o Plano Sexenal, que continha a proposta de recuperação de alguns dos princípios da Revolução Mexicana e se tornou a plataforma governante de Lázaro Cárdenas, que se tornou presidente em 1934.

Quem foi Lázaro Cárdenas del Río?

Lazaro Cárdenas - Cardenismo
Cárdenas se aposentou do cargo público, mas continuou a exercer influência política.

Lázaro Cárdenas del Río nasceu em Michoacán, México, em 21 de maio de 1895. Foi um militar e estadista que participou da Revolução Mexicana sob o comando de Martín Castrejón e Guillermo García Aragón. Mais tarde ele participou da Rebelião Agua Prieta que derrubou Venustiano Carranza em 1920, e alcançou o posto de general aos 25 anos de idade.

Ocupou vários cargos públicos, incluindo governador de Michoacán (1928-1932), Secretário do Interior sob a presidência de Pascual Ortiz Rubio (1931) e Secretário da Guerra e da Marinha sob a presidência de Abelardo L. Rodríguez (1933). Ele também foi eleito presidente do Partido Nacional Revolucionário (1930-1931). Como candidato desse partido, se tornou presidente da República em dezembro de 1934, cargo que ocupou até novembro de 1940.

Após seu mandato presidencial, foi Secretário de Defesa (1942-1945) e posteriormente se aposentou do serviço público, embora tenha continuado a exercer influência política por algum tempo. Instalou-se em uma modesta casa perto do lago de Pátzcuaro, em Michoacán. Neste lugar, dedicou o resto de sua vida ao trabalho social, educacional e agrário, até sua morte por câncer, em 19 de outubro de 1970.

Economia do Cardenismo

cardenismo ferrocarriles
Durante o Cardenismo, várias empresas estrangeiras foram nacionalizadas.

O Cardenismo foi caracterizado como um governo nacionalista que defendia a necessidade de um Estado forte, capaz de satisfazer as demandas populares que motivaram a luta armada durante o período revolucionário. Neste sentido, promoveu a intervenção do Estado na economia.

Durante o governo de Cárdenas, várias empresas estrangeiras foram nacionalizadas, especialmente as companhias petrolíferas e as ferroviárias. Além disso, a lei agrária foi modificada, as estradas foram ampliadas e o crédito para os setores produtivos foi aumentado. Isto levou a um aumento significativo dos gastos públicos.

Uma reorganização dos sindicatos também foi promovida através da criação da Confederação de Trabalhadores Mexicanos (CTM), o que implicou um maior controle governamental sobre a atividade sindical. No entanto, o nível de gastos do Estado e o boicote internacional devido à expropriação de petróleo causaram dificuldades econômicas que se tornaram notórias no final do mandato de Cárdenas.

Nacionalização do petróleo

Uma das medidas mais radicais do Cardenismo foi a nacionalização em 1938 da indústria petrolífera, que até então estava nas mãos de empresas privadas estrangeiras, especialmente americanas e britânicas.

Depois que as empresas petrolíferas se recusaram a aumentar os salários de seus trabalhadores, Cárdenas assinou o decreto de nacionalização sob a Constituição de 1917, que reconheceu a propriedade estatal dos recursos. Isto causou tensões internacionais, especialmente com a Grã-Bretanha, e vários países promoveram um boicote à economia mexicana: deixaram de comprar-lhes prata e exigiram uma compensação imediata para as empresas expropriadas.

A nacionalização criou a Petróleos Mexicanos (PEMEX), uma empresa estatal dedicada à produção, transporte, refino e comercialização de hidrocarbonetos que ainda hoje existe.

Apesar do descontentamento internacional, o advento da Segunda Guerra Mundial levou o governo dos EUA a manter uma relação de cooperação com o México. A intenção era preservar o acesso ao petróleo e impedir que setores opostos ao governo de Cárdenas que pareciam ter afinidades com o nazismo e com o fascismo ganhassem força no México .

Reforma agrária

Cardenismo - reforma agraria
O governo de Cárdenas distribuiu 18 milhões de hectares de terra aos camponeses.

A agricultura mexicana no início do século XX ainda carregava a marca da sociedade colonial. A terra era propriedade de grandes latifundiários e os camponeses eram explorados e sofriam com a pobreza.

Os camponeses durante a Revolução Mexicana reivindicavam uma mudança na distribuição de terras, que foi parcialmente atendida pela Constituição de 1917 e pelos governos constitucionais da década seguinte. Entretanto, as modificações introduzidas pelo governo de Lázaro Cárdenas implicaram uma distribuição de terras muito maior do que nos anos anteriores.

A distribuição de terras cultiváveis, algumas delas expropriadas de latifundiários estrangeiros, atingiu 18 milhões de hectares durante o Cardenismo, beneficiando aproximadamente um milhão de camponeses.

A terra distribuída foi organizada principalmente na forma de ejidos, ou seja, pequenas unidades produtivas que pertenciam a comunidades camponesas, mas que não podiam ser vendidas. Embora esses ejidos não fossem unidades economicamente relevantes até algum tempo depois, o padrão de vida da classe camponesa melhorou.

O Estado mexicano também tomou outras medidas:

  • Apoiou um movimento agrário conhecido como “O assalto às terras”, no norte da Baixa Califórnia, que procurou tomar as terras do latifúndio de uma empresa norte-americana.
  • Promoveu a criação da Confederação Nacional Camponesa, com o objetivo de organizar os camponeses sob a influência do Partido Nacional Revolucionário .
  • Criou o Banco Nacional de Crédito Ejidal, que concedia empréstimos a camponeses que haviam se beneficiado com a distribuição de terras.
  • Fundou escolas rurais que ofereciam às crianças e aos jovens os conhecimentos necessários para formar centros agrícolas produtivos.

Educação sob o Cardenismo

cardenismo educacion
Visavam uma educação laica, voltada para o setor agrário e para a indústria nacional.

O governo de Cárdenas implementou um modelo educacional laico, que procurava inculcar entre camponeses e operários a importância do trabalho e da produtividade para uma economia nacional.

Este novo modelo educacional, que foi chamado de “socialista”, promovia uma educação que era ao mesmo tempo técnica, científica e humanista. Seu foco era a defesa do proletariado e o papel do setor agrário e da indústria nacional como motores do crescimento econômico.

Como parte desta política educacional, o governo cardenista fundou escolas rurais, criou o Instituto Politécnico Nacional e distribuiu livros com abordagens alinhadas com sua ideologia política e social.

Legado do Cardenismo

cardenismo
O Cardenismo era um modelo que procurava satisfazer as exigências populares.

O Cardenismo foi caracterizado como um governo sustentado, em grande parte, pelas massas de trabalhadores e camponeses. A distribuição de terras durante o governo de Lázaro Cárdenas foi a maior da história do México, e sua política de nacionalização teve um impacto econômico importante, embora no final de seu mandato a economia estivesse em sérias dificuldades.

Um dos legados de Cárdenas foi a criação do Partido da Revolução Mexicana (PRM), o sucessor do Partido Nacional Revolucionário, que incluía militares, trabalhadores e camponeses. Este partido tornou-se mais tarde o atual Partido Revolucionário Institucional (PRI).

Entre as críticas que têm sido feitas ao Cardenismo está a diferença entre o modelo de nação autossuficiente, próspera e moderna que ele defendeu e a realidade do México no final de seu mandato, que foi atormentada pela inflação e outras dificuldades econômicas. Por outro lado, seu anticlericalismo e sua pregação socialista lhe renderam muitos detratores.

Partido Cardenista

cardenismo Cuauhtémoc-Cárdenas
O filho de Lázaro Cárdenas foi candidato presidencial do Partido Cardenista.

O Partido da Frente Cardenista de Reconstrução Nacional, ou simplesmente Partido Cardenista, foi um agrupamento político que existiu entre 1987 e 1997. Reivindicava a figura de Lázaro Cárdenas como seu autor intelectual.

Para as eleições de 1988, o partido se juntou à Frente Nacional Democrática e nomeou Cuauhtémoc Cárdenas Solórzano, filho do ex-presidente, como seu candidato a presidente. Ele foi derrotado pelo candidato do Partido Revolucionário Institucional (PRI), Carlos Salinas de Gortari.

Referências

  • Córdoba, A. (1974). La política de masas del cardenismo. Era.
  • Delgado de Cantú, G. M. (2015). Historia de México. Legado histórico y pasado reciente. Tercera edición. Pearson.
  • von Wobeser, G. (coord.) (2014). Historia de México. Fondo de Cultura Económica.
  • Gobierno de México (2020). El INEHRM conmemora el 50 aniversario luctuoso de Lázaro Cárdenas del Río con un foro. Gobierno de México. Comunicado.
  • "Lázaro Cárdenas" Alexander, R. J. (2022) em Encyclopedia Britannica.

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

GAYUBAS, Augusto. Cardenismo. Enciclopedia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/cardenismo/. Acesso em: 15 abril, 2024.

Sobre o autor

Autor: Augusto Gayubas

Doutor em História (Universidad de Buenos Aires)

Traduzido por: Márcia Killmann

Licenciatura em letras (UNISINOS), Doutorado em Letras (Universidad Nacional del Sur)

Data da última edição: 9 janeiro, 2024
Data de publicação: 29 junho, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)