Modernidade

Vamos explicar o que é a Modernidade e as mudanças produzidas a partir do século XV. Além disso, quais são as suas principais características.

A Modernidade priorizou a racionalidade e o pensamento científico.

O que é a Modernidade?

A Modernidade é um conjunto de processos sociais e intelectuais que surgiram na Europa a partir do século XV, no início do Renascimento, e marcaram o fim da Idade Média.

Junto com o individualismo, o método científico e as mudanças de pensamento (que priorizaram a racionalidade), ocorreram mudanças políticas que alteraram profundamente as instituições estatais, assim como a delimitação das fronteiras políticas e econômicas.

Embora as mudanças da Modernidade tenham ocorrido gradualmente, elas afetaram a vida social, o trabalho, o espaço habitado, as relações de poder, as experiências estéticas, etc.

Características da Modernidade

  • A Modernidade surgiu como um fenômeno social e intelectual na Europa Ocidental no século XV. Ela coincidiu com o início da Idade Moderna e posteriormente se espalhou para a maior parte do mundo.
  • Em termos intelectuais, a Modernidade significava o abandono da ortodoxia religiosa na forma como entendemos o universo e intervimos no mundo, e sua substituição pela razão, pela lógica e pelo método científico.
  • A ênfase no indivíduo crítico e racional imposta pela Modernidade foi relacionada no âmbito do pensamento e da arte com o abandono do teocentrismo em favor do antropocentrismo, manifestado no humanismo e no Renascimento. Os efeitos da Reforma Protestante também podem ter ajudado a sustentar esta ênfase sobre o indivíduo.
  • Em termos políticos, a Modernidade envolveu a formação de Estados-Nação e o desdobramento de ideologias políticas que promoveram a divisão de poderes, como o liberalismo.
  • A Modernidade foi associada à expansão transoceânica, inovações em comunicação e transporte, e o estabelecimento de uma economia global baseada no comércio e na dominação colonial. Este processo promoveu o desenvolvimento de uma sociedade industrial em cujas cidades as desigualdades sociais do capitalismo foram refletidas, especialmente a partir do século XIX.
  • Os fundamentos intelectuais da Modernidade entraram em discussão a partir de meados do século XX através do movimento conhecido como pós-modernismo.

Contexto histórico

O termo “modernidade” é aplicado a uma série de fenômenos que ocorreram na Europa Ocidental a partir do século XV e que depois se espalharam mundialmente. Seu surgimento coincide com o início da Idade Moderna, que alguns historiadores colocam na queda de Constantinopla para o Império Otomano em 1453 e outros na chegada de Cristóvão Colombo à América em 1492.

Em qualquer caso, algumas das características que definem a Modernidade têm antecedentes no final da Idade Média (como o humanismo) e outras se estendem à Idade Contemporânea (por exemplo, a ênfase na razão e no método científico). O pensamento moderno no Ocidente começou a ser questionado em meados do século XX por expoentes do chamado pós-modernismo.

Pensamento moderno

A razão e a lógica

A razão em oposição à religião é um dos eixos do pensamento moderno, eloquentemente expresso nas ideias do Século das Luzes. A partir da Era Moderna, a religião deixou de ser o único discurso para explicar o mundo, e a ciência foi estabelecida como um método para entender os fenômenos naturais e humanos.

O mito foi substituído pela lógica e isto teve um impacto não só na filosofia e na ciência, mas também na política e na economia, bem como na formulação de um ideal de progresso que durou até o século XX.

A subjetividade, a base da razão, tornou-se central para o pensamento moderno. A reflexão individual tornou possível a crítica e a autorrealização, e impulsionou a responsabilidade pessoal. Isto influenciou o surgimento do pensamento liberal e as novas formas de organização política que foram implementadas a partir do final do século XVIII (especialmente as democracias republicanas).

Ruptura com a tradição

A Modernidade foi caracterizada desde o início pelo desejo de uma ruptura com o anterior, incorporado à tradição. Na arte e no pensamento, procurou seus antecedentes, não no passado próximo (a Idade Média), mas no passado remoto (a Idade Antiga). Este reavivamento de aspectos da cultura greco-romana clássica costuma-se chamar de Renascimento, e sua dimensão mais evidente foi experimentada na arte.

Fora desta antiga referência, a Modernidade é muitas vezes caracterizada por uma atração por inovações e descobertas. O método científico é uma das expressões mais eloquentes desta tendência disruptiva, que prioriza o uso da observação, da lógica e da experimentação sobre o peso da autoridade e da tradição (por exemplo, contra a ortodoxia eclesiástica).

Reforma Protestante

Modernidad - Reforma protestante
A Reforma Protestante contribuiu para a concepção do indivíduo como um ser racional.

A Reforma Protestante foi um movimento religioso cristão iniciado na Alemanha no século XVI pelo teólogo Martinho Lutero e teve expoentes e variações em outros lugares da Europa. A Igreja Católica estava dividida pelas críticas que vários sacerdotes e pensadores faziam à instituição, especialmente em oposição à autoridade absoluta do Papa e à corrupção ligada à venda de indulgências.

Este movimento propôs um retorno ao cristianismo primitivo e postulava que a salvação dependia exclusivamente da fé e do arrependimento pessoal. Por esta razão, acredita-se ter contribuído para o processo de secularização impulsionado pelo humanismo e pelo método científico, característico da Modernidade, centrado no indivíduo como um ser crítico e racional.

Organização política

Os Estados-Nação

Desde o início da Idade Moderna, estruturas político-territoriais semelhantes às que existem hoje começaram a ser delimitadas na Europa. Um Estado-Nação tem:

  • Um território definido
  • Uma população constante (mesmo que haja fenômenos migratórios)
  • Uma burocracia
  • Um governo centralizado

O primeiro impulso para a configuração dos Estados modernos ocorreu na Europa como parte da decomposição do regime feudal, que foi dominante durante a Idade Média.

A ordem europeia, centrada nos Estados-Nação, derivou em grande parte da Paz de Vestefália, assinada em 1648, no final da Guerra dos Trinta Anos. Através deste tratado, vários governos europeus aceitaram os princípios de soberania territorial dos Estados. Posteriormente, a ideia de soberania nacional se consolidou como resultado do pensamento liberal e de eventos históricos, como a Revolução Francesa.

Divisão de poderes

Modernidad
A Reforma Protestante contribuiu para a concepção do indivíduo como um ser racional.

A forma de governo das monarquias feudais tinha um único governante que concentrava o poder em sua pessoa. O poder era legitimado pela descendência, pelo poder da guerra ou pela Igreja.

A Modernidade introduziu a divisão de poderes dentro do Estado, de acordo com os princípios políticos do Iluminismo e do Liberalismo. Atualmente, esta divisão ainda está em vigor na maioria das sociedades estatais e inclui:

  • O Poder Executivo. Projeta ou executa políticas e aplica leis.
  • O Poder Legislativo. Debate e aprovação de leis a serem implementadas pelo Executivo.
  • O Judiciário. Administra a justiça através da aplicação de leis e normas legais.

A burocracia

A administração dos Estados modernos tornou-se cada vez mais dependente de uma racionalidade apoiada por uma grande equipe de funcionários. Isto deu origem à chamada “burocracia”. Seus membros trabalham em órgãos públicos que são responsáveis pelo funcionamento diário do Estado. Em seus primórdios, a burocracia era geralmente formada por setores da burguesia.

A economia moderna

A conquista da América e a expansão colonial

A “descoberta” europeia e posterior conquista da América, cujas terras eram habitadas por populações autóctones, foram alguns dos disparadores da Modernidade, mas também alguns de seus sintomas: a viagem ao continente americano foi um resultado fortuito do cálculo científico de que a Terra era esférica (cujos antecedentes remontam à Antiguidade Clássica).

Além disso, foi motivada pela expansão comercial, uma necessidade de um modelo econômico que deu origem à globalização da economia e do capitalismo.

A chegada a um continente anteriormente desconhecido para os europeus permitiu-lhes explorar novos recursos e mão de obra (às vezes mão de obra escrava) e estabelecer relações coloniais. O eixo comercial atlântico e outras viagens transoceânicas de exploração contribuíram para a expansão não só das relações econômicas, mas também dos padrões culturais e políticos de vida.

As inovações em comunicação e transporte no período contemporâneo tardio, moderno e precoce, facilitaram a acumulação e circulação da riqueza. Isto beneficiou as burguesias industriais e comerciais das grandes potências europeias, o que então também estimulou o desenvolvimento econômico e o surgimento de novas formas de desigualdade social em outras regiões do mundo.

A sociedade industrial

Modernidad
Na Modernidade ocorreu o desenvolvimento de fábricas onde o trabalho era organizado.

A mudança de uma sociedade rural para uma sociedade industrial foi gradual, mas não menos decisiva. A Revolução Industrial (que começou no final do século XVIII e início do XIX) deu um impulso a este processo que mudou a economia mundial e o aspecto das cidades.

As características deste tipo de sociedade que surgiu com a Modernidade são:

  • O aumento da produção através da organização e divisão do trabalho.
  • O desenvolvimento de fábricas onde o trabalho era organizado.
  • A invenção e fabricação de máquinas que substituíram o trabalho manual. Este é um precedente das inovações tecnológicas destinadas a aumentar os lucros que ainda hoje estão em vigor, em que os desenvolvimentos científicos e tecnológicos são constantemente aplicados à produção.
  • O surgimento de um novo setor social, os assalariados, e o fortalecimento de uma burguesia industrial.

A sociedade industrial exigia uma concentração da população, uma vez que o trabalho era organizado em fábricas.

As cidades tornaram-se centros de produção, mas, simultaneamente, nos lugares de maior consumo de bens, serviços e energia. Estas cidades, por sua vez, dependiam da produção primária de alimentos que ocorria no campo.

As desigualdades sociais que se tornaram evidentes nas grandes cidades industriais do século XIX influenciaram o surgimento de movimentos políticos que questionavam os efeitos sociais do capitalismo (especialmente o Socialismo).

Referências

  • "Las cuatro partes del mundo. Historia de una mundialización" Fondo de Cultura Económica. Gruzinski, S. (2011).
  • "The Making of the West. Peoples and Cultures." Hunt, L., Martin, T. R., Rosenwein, B. H. & Smith, B. G. (2016). 5th edition. Bedford/St. Martin’s.
  • "Modernity" Encyclopedia Britannica. Snyder, S. L. (2016).

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

GAYUBAS, Augusto. Modernidade. Enciclopedia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/modernidade/. Acesso em: 24 abril, 2024.

Sobre o autor

Autor: Augusto Gayubas

Doutor em História (Universidad de Buenos Aires)

Traduzido por: Márcia Killmann

Licenciatura em letras (UNISINOS), Doutorado em Letras (Universidad Nacional del Sur)

Data da última edição: 18 março, 2024
Data de publicação: 27 junho, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)