Olmecas

Vamos explicar quem foram os olmecas e quais eram as suas características. Além disso, como era a sua religião, economia e mais.

Cabezas Olmecas
A civilização olmeca foi uma das primeiras civilizações com uma organização social estratificada.

Quem eram os olmecas?

Os olmecas foram a primeira civilização na Mesoamérica que habitou as terras baixas do Golfo do México, entre os atuais estados de Veracruz e Tabasco. Foram os ancestrais de outras culturas pré-colombianas, como os astecas, os toltecas e os maias. Estima-se que eles habitaram a região entre 1500 a.C. e 400 a.C.

O que significa "olmeca"? Ainda não se sabe o nome pelo qual eles mesmos se identificavam. A palavra “olmeca” é de origem asteca e significa “habitantes da região da borracha”, devido à abundância de seringueiras na região, das quais o olmecas extraíam o látex para fazer borracha.

Embora tenhamos poucas informações sobre o desenvolvimento da civilização olmeca, seus restos arqueológicos nos permitem afirmar que foi uma das primeiras sociedades com uma organização política complexa, com diferentes estratos econômicos e uma grande produção cultural. Sua grande influência chegou às civilizações americanas posteriores, e por esta razão é conhecida como a “cultura mãe da Mesoamérica”.

Algumas características dos olmecas

Olmecas
Os olmecas são considerados como a “cultura mãe” da Mesoamérica.

Os olmecas eram caracterizados por:

  • Ser considerados a “cultura mãe” da região mesoamericana.
  • Formar uma estrutura política centralizada dividida em diferentes estratos sociais.
  • Ser os primeiros americanos a construir edifícios cerimoniais.
  • Dominar a técnica de entalhe de pedra.
  • Realizar um ritual ou jogo de bola (feito de borracha sólida).
  • Desenvolver um calendário e um sistema de escrita, o precursor dos hieróglifos.
  • Desenvolver uma rede comercial em toda a região da Mesoamérica.

Localização geográfica da civilização olmeca

A civilização olmeca se desenvolveu na planície costeira do Golfo do México, nos territórios atuais de Veracruz e Tabasco. Era uma região de floresta tropical densa, quente e úmida, atravessada por numerosos rios e lagoas onde se localizavam assentamentos urbanos.

A economia olmeca

Olmecas - La Venta
La Venta era um centro utilizado para fins cerimoniais.

As principais atividades econômicas da civilização olmeca foram a agricultura, a caça, a pesca e o comércio. A produção agrícola estava centrada no milho, feijão e outras hortaliças, tais como a mandioca. Estes cultivos eram feitos em torno das pequenas aldeias onde vivia a maioria da população olmeca.

Além disso, eles construíram grandes centros urbanos (como San Lorenzo e La Venta) que utilizavam para fins cerimoniais e onde a elite realizava suas atividades. As construções e monumentos olmecas demonstram o nível avançado de complexidade e sofisticação da sua civilização.

De acordo com evidências arqueológicas, artefatos olmecas (feitos de rocha vulcânica e pedras semipreciosas como jade e obsidiana) foram encontrados em toda a Mesoamérica, indicando a existência de uma extensa rede de comércio.

Religião olmeca

Olmecas
A religião olmeca incluía oferendas e rituais dirigidos aos seus deuses.

A religião olmeca era politeísta. Os olmecas acreditavam na existência de diversos deuses, que se relacionavam com elementos da natureza, como o milho (que era a base de sua dieta), a chuva, os vulcões e o fogo. Eles também acreditavam na divindade de certos animais, tais como a onça-pintada, o crocodilo e a águia.

Acredita-se que as diversas linhagens de governantes simbolizavam seu poder através da construção de monólitos (monumentos com figuras de deuses entalhadas em pedra). Estas esculturas apresentavam divindades andróginas (figuras que tinham características masculinas e femininas), que se diferenciavam entre si por representarem certos elementos da natureza, como por exemplo:

  • A divindade do milho
  • O espírito da chuva
  • O monstro dos peixes
  • O dragão olmeca com sobrancelhas de fogo

As cerimônias religiosas dirigidas aos deuses, que incluíam oferendas e rituais, eram, provavelmente, conduzidas pela elite governante, os sacerdotes, e eram realizadas nos centros cerimoniais de La Venta e San Lorenzo.

Arte e contribuições olmecas

Olmecas
As esculturas estavam localizadas nos principais centros urbanos olmecas.

Através da arte, os olmecas manifestavam suas crenças e ordem social. Numerosas peças sobrevivem ainda hoje, o que permite aos historiadores compreender a religião e a organização política desta civilização.

A arte olmeca incluía uma grande variedade de materiais como jade, argila e basalto (pedra vulcânica), que eram entalhados para criar imagens da natureza e figuras de criaturas antropomórficas (semelhantes a humanos) com lábios grossos e cantos caídos, narizes chatos, olhos em forma de amêndoa e bochechas carnudas.

A contribuição mais significativa deixada pela cultura olmeca são as colossais cabeças entalhadas em rochas basálticas, pesando cerca de 20 toneladas. Estas esculturas datam de antes de 900 a.C. e, até agora, foram encontradas cerca de 17 figuras. Não há duas cabeças iguais: cada uma delas tem um cocar único, portanto acredita-se que representem indivíduos específicos.

Para fazer estas peças, os olmecas tiveram que deslocar as rochas basálticas das montanhas Tuxtlas de Veracruz para sua região (como fizeram esses traslados ainda é desconhecido), a mais de 80 quilômetros de distância. Estas esculturas foram distribuídas entre os principais centros urbanos olmecas, e acredita-se que elas representavam o poder das famílias dominantes.

A partir de alguns achados arqueológicos, acredita-se que os olmecas foram os primeiros americanos a desenvolver um sistema de escrita hieroglífica, datada de 900 a.C. No entanto, o conjunto de símbolos e glifos ainda não foi decifrado. Além disso, alguns historiadores acreditam que os olmecas foram os primeiros americanos a criar um calendário, assim como a utilizá-lo para a organização de cerimônias agrícolas e religiosas.

O desaparecimento dos olmecas

A população olmeca diminuiu drasticamente entre 400 e 350 a.C. Embora não haja evidências claras sobre as razões do seu desaparecimento, os arqueólogos acreditam que isso teve a ver com as severas mudanças ambientais que eles enfrentaram: as inundações, o desvio dos rios da região e a atividade do vulcão Xitle foram algumas das principais ameaças.

Acredita-se que estes fatores diminuíram a fertilidade da terra e esta situação forçou os olmecas a deslocar seus assentamentos, o que os levou a perder gradualmente força e poder.

Referências

  • “The Olmec” em Khan Academy.
  • “¿De dónde vienen los olmecas?” (video) em CuriosaMente.
  • “Olmec” em Encyclopaedia Britannica.
  • “Cultura olmeca” em Universidad Veracruzana.
  • López Austin, Alfredo; y López Luján, Leonardo (2001): El pasado indígena. México DF: El Colegio de México.
  • Duverger, Christian (1999): Mesoamérica, arte y antropología. País: CONACULTA-Landucci Editores.
  • Adams, Richard (1977): Prehistoric Mesoamerica. Boston: University of Oklahoma Press.

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

KISS, Teresa. Olmecas. Enciclopédia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/olmecas/. Acesso em: 7 junho, 2024.

Sobre o autor

Autor: Teresa Kiss

Professora de História do ensino médio e superior.

Traduzido por: Márcia Killmann

Licenciatura em letras (UNISINOS), Doutorado em Letras (Universidad Nacional del Sur)

Data da última edição: 15 janeiro, 2024
Data de publicação: 29 junho, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)