Etapas da Revolução Russa

Vamos explicar como foi o processo da Revolução Russa que durou entre 1917 e 1923. Além disso, seus principais acontecimentos e suas consequências.

Lenin e os revolucionários conseguiram vencer as forças czaristas e os estrangeiros.

O que foi a Revolução Russa?

A Revolução Russa foi o conjunto de acontecimentos históricos que levaram ao derrube do regime autoritário czarista do Império Russo e à criação da União Soviética (URSS). O processo revolucionário durou entre 1917 e 1923 e atravessou diferentes etapas. Seu resultado foi a implementação e o desenvolvimento de um modelo político e econômico comunista pela primeira vez na história.

Originalmente, tratou-se de uma rebelião organizada por diferentes setores da sociedade russa que estavam contra o regime czarista. No entanto, com o desenrolar dos acontecimentos, o Partido Operário Social-Democrata Russo (POSDR) começou ter o controle da revolução e, desta forma, conseguiu impor suas convicções sobre as do resto das facções revolucionárias.

A Revolução de Fevereiro

Em março de 1917 (fevereiro no antigo calendário juliano utilizado na Rússia nessa época), houve uma série de protestos espontâneos nas fábricas de Petrogrado (atual São Petersburgo) que resultaram em uma insurreição revolucionária.

A miséria e a falta de alimentos no rígido inverno russo desencadearam uma série de greves espontâneas nas fábricas de Petrogrado. Em 12 de março, as tropas enviadas para reprimir os protestos ficaram do lado dos grevistas. Em três dias, de 12 a 15 de março, três acontecimentos marcaram o fim do czarismo:

  • A Duma ou o Parlamento nomeou um governo provisório encarregado de convocar eleições para uma assembleia constituinte.
  • Em Petrogrado foi constituído o Soviete de Trabalhadores e Soldados controlado pelos partidos operários (mencheviques, bolcheviques e socialistas revolucionários).
  • O czar Nicolau II abdicou em favor de seu irmão Miguel, que rechaçou o trono. A dinastia Romanov chegou ao fim e se proclamou a República.

Durante os seis meses seguintes, a Rússia viveu uma situação de “duplo poder”: o governo provisório liberal burguês e os sovietes de operários e soldados competiram pelo poder. Estas duas instituições competiram para dominar uma situação caótica marcada pela guerra, pela crise econômica e pelo colapso das instituições políticas.

Por um lado, o Governo Provisório era controlado pelos liberais moderados, com o Partido Cadete como principal apoio. Este governo estabeleceu as liberdades políticas, mas decidiu esperar que uma assembleia constituinte abordasse as questões de maior importância.

Por outro lado, por toda a Rússia se formaram sovietes de operários que se constituíam como representantes do setor operário e dos setores mais revolucionários da população.

Os sovietes eram principalmente liderados pelos mencheviques e bolcheviques do POSDR (Partido Operário Social-Democrata Russo). Embora tivessem um grande apoio popular, os mencheviques renunciaram a tomar o Governo Provisório, porque acreditavam que a Rússia não estava preparada para começar uma revolução social radical.

Este sistema de poder dual funcionava de uma maneira contraditória e ineficaz. Enquanto o Governo Provisório proclamava a sua intenção de manter a Rússia na guerra contra os Impérios Centrais, os sovietes emitiam a sua primeira lei, Ordem Número 1, que afirmava que os soldados só tinham que obedecer a seus oficiais quando suas ordens coincidissem com as diretrizes dos sovietes.

A guerra continuou e os desastres e privações que sofria o povo russo foram minando a força das posições mais moderadas. Em meados de julho, os soldados começaram a desertar em massa. A frente russa desmoronou. Ao mesmo tempo, os camponeses ocupavam a terra dos latifundiários, os operários começavam a tomar o controle de algumas fábricas e, no meio do da confusão generalizada, as nacionalidades não russas (poloneses, lituanos, estônios e ucranianos) lutaram para se libertarem do domínio russo.

O Governo Provisório ficou nas mãos de Alexander Kerensky, um socialista revolucionário que manteve seu compromisso com a Entente na guerra.

Só os bolcheviques pareciam ter resposta à crise geral. Seu slogan era “Paz, terra e pão”. Uma minoria disciplinada e organizada conseguiu tomar a iniciativa enquanto as opções mais moderadas e os defensores do czarismo falhavam na sua busca pelo poder.

A Revolução de Outubro

Em outubro de 1917, os oficiais do exército apoiaram o golpe de Estado bolchevique.

Após muitas dúvidas entre os principais dirigentes bolcheviques, um deles chamado Vladimir Ilyich Ulianov (conhecido como Lenin) tomou a iniciativa. Seu partido controlava nesse momento o Soviete de Petrogrado e Trotsky, o outro grande líder bolchevique, que dirigia o denominado Comitê Militar Revolucionário, deu a ordem de atacar o poder da Guarda Vermelha, uma milícia de soldados revolucionários controlada pelo partido de Lenin.

No golpe de Estado de 7 de novembro, o Governo Provisório foi destituído e os seus membros fugiram ou foram detidos. Lenin assumiu a liderança do Conselho de Comissários do Povo, uma nova instituição criada para substituir o Governo Provisório.

O Congresso Soviético decidiu apoiar o golpe de Estado e aceitar o novo governo. Muitos mencheviques e socialistas revolucionários protestaram e se demitiram antes de aprovar um golpe de Estado ilegal.

Imediatamente, o novo governo aprovou dois decretos com os quais buscava o apoio das classes trabalhadoras:

  • Decreto da paz. Propunha-se a todos os contendentes uma imediata paz sem anexações e nem reparações. Em dezembro, o governo bolchevique assinou o Tratado de Brest Litovsk, que estabeleceu o armistício com a Alemanha.
  • Decreto da terra. Estabeleceu a desapropriação dos latifundiários e a partilha da terra entre os camponeses.

Lenin tentava afirmar seu poder. No entanto, não pode evitar que se realizassem as eleições para uma assembleia constituinte. No resultado, os bolcheviques perderam contra os mencheviques e socialistas revolucionários, e obtiveram apenas um quarto das bancas de representantes.

Em resposta, o governo dos Comissários do Povo dissolveu a assembleia em 5 de janeiro de 1919. Lenin legitimou seu governo como representante do poder dos sovietes, controlados pelos bolcheviques.

A partir daí, o governo dos Comissários do Povo foi estabelecendo diferentes medidas que lhe permitiram estabelecer um governo de partido único que, com o tempo, consolidou-se como uma ditadura.

A Guerra Civil (1919–1923)

Em 1918, o governo bolchevique assinou a saída da Primeira Guerra Mundial.

Imediatamente após chegar ao poder, o governo comunista teve que enfrentar um ataque militar generalizado. Três forças principais enfrentaram o governo de Moscou, a nova capital do país:

  • O Exército Branco, uma vasta coligação de todos os opositores do bolchevismo, na qual predominaram diversos generais czaristas.
  • As forças da Entente (britânicas, francesas, norte-americanas, japonesas), enviadas com a esperança de derrubar os comunistas e conseguir que a Rússia voltasse à luta contra os Impérios Centrais. Embora eles tenham enviado pequenos exércitos expedicionários, a intervenção estrangeira foi baseada na ajuda aos “generais brancos”.
  • As forças do recém-criado Estado polonês, que enfrentaram o novo Estado soviético na Guerra Russo-Polonesa (1918-1921).

O governo bolchevique teve que tomar medidas extraordinárias. Leon Trotsky se pôs à frente do Exército Vermelho, ao que conseguiu organizar com férrea disciplina. Além disso, foi fundada a Checa, uma polícia política bolchevique.

Enquanto na Rússia começava a Guerra Civil, a Primeira Guerra Mundial entrava em sua última fase. Para enfrentar o conflito interno, Lenin teve que se render aos Impérios Centrais. Em março de 1918, assinou a Paz de Brest-Litovsk que colocava fim à guerra em troca da perda de importantes territórios.

Após a Grande Guerra, as forças expedicionárias estrangeiras enviadas à Rússia regressaram aos seus países. A partir de então, o Exército Vermelho centrou todas as suas energias em derrotar um Exército Branco. Finalmente, em 1921, os comunistas puderam proclamar seu triunfo na Guerra Civil. No ano seguinte nasceu a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), novo Estado dirigido pelo Partido Comunista.

O comunismo de guerra

Entre 1918 e 1921, o governo teve que racionar os alimentos para combater a fome.

Durante a Guerra Civil, os bolcheviques aplicaram um novo modelo econômico que surgiu das necessidades bélicas e de suas próprias convicções ideológicas: o “comunismo de guerra”. Em meio à crise econômica, o objetivo do comunismo de guerra era garantir que houvesse um mínimo de produção agrícola e industrial que chegasse às empresas e aos consumidores urbanos. Tratava-se mais da sobrevivência do novo regime do que de uma estratégia econômica a longo prazo.

Na agricultura, foi estabelecida uma requisição de alimentos aos camponeses para abastecer o Exército Vermelho e as cidades. O setor industrial foi, na sua maior parte, nacionalizado e submetido a regulamentações rigorosas por parte de organismos estatais.

Como a inflação disparou (o nível de preços chegaria a ser 16800 vezes maior do que em 1914), o dinheiro perdeu valor e a economia se caracterizou pelo racionamento e pela troca.

No meio desta situação caótica, o novo regime introduziu uma série de importantes reformas sociais:

  • Alexandra Kollontai, Comissária do Povo para a Assistência Pública, promoveu a construção de “palácios para a proteção da maternidade e das crianças”. Além disso, impulsionou a criação da Zhenotdel, o primeiro organismo governamental para a situação feminina da história, que enviou delegados a todas as regiões da Rússia explicando a nova ordem social.
  • Entre 1918 e 1920, o governo de Lenin aprovou o casamento civil, legalizou o divórcio e aprovou a interrupção da gravidez.

Foi criada a Comissão Extraordinária de Erradicação do Analfabetismo, que iniciou uma das maiores campanhas de alfabetização da história (por volta de 1914, na Rússia, apenas metade das crianças entre 8 e 12 anos frequentavam a escola).

Continue com:

Referências

  • Carr, E. H. (1981). Octubre de 1917. En La revolución rusa. De Lenin a Stalin (1917-1929). Alianza Editorial. 
  • Fitzpatrick, S. (2005). Introducción, El Escenario y 1917: las revoluciones de Febrero y Octubre. En La revolución rusa. Siglo XXI Editores. 
  • Milosevich, M. (2017). Los grupos políticos de comienzo del siglo XX. En Breve historia de la revolución rusa. Galaxia Gutemberg.

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

KISS, Teresa. Etapas da Revolução Russa. Enciclopédia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/etapas-da-revolucao-russa/. Acesso em: 24 maio, 2024.

Sobre o autor

Autor: Teresa Kiss

Professora de História do ensino médio e superior.

Traduzido por: Cristina Zambra

Licenciada em Letras: Português e Literaturas da Língua Portuguesa (UNIJUÍ)

Data da última edição: 21 novembro, 2023
Data de publicação: 21 novembro, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)