Os irmãos Grimm

Vamos explicar quem eram os Irmãos Grimm, como eles compilavam suas histórias e sua importância para o surgimento do estudo do folclore.

Hermanos Grimm
Os Irmãos Grimm foram dois conhecidos folcloristas e linguistas alemães do século XIX.

Quem eram os Irmãos Grimm?

Os irmãos Jacob e Wilhelm Grimm foram dois importantes filólogos e estudiosos alemães do folclore, responsáveis pela compilação e publicação, no século XIX, de uma das mais conhecidas coleções de contos orais tradicionais europeus: Contos da Infância e do Lar (Kinder- und Hausmärchen), dos quais se originou a maioria dos contos de fadas modernos.

Essa antologia de cerca de 200 contos reunidos pelos Irmãos Grimm e publicada pela primeira vez em dois volumes, em 1812 e 1815, foi imensamente celebrada ao longo da história. De fato, foi traduzida para mais de 100 idiomas e adaptada inúmeras vezes para filmes e animações, principalmente pela popular empresa de animação americana fundada por Walt Disney (1901–1966).

Entretanto, esse volume não é a única contribuição dos Irmãos Grimm para a cultura ocidental: também criaram um método de compilação e análise de contos populares que foi fundamental para os estudos na área e também publicaram uma imensa quantidade de estudos linguísticos e literários. Por isso, são considerados os pais da filologia germânica.

Nascimento e formação dos Irmãos Grimm

Os irmãos Jacob e Wilhelm Grimm nasceram em Hanau, Hesse, em 4 de janeiro de 1785 e 24 de fevereiro de 1786, respectivamente. Foram os primeiros dos cinco descendentes do advogado Phillip Grimm e de sua esposa Dorothea. A pequena diferença de idade entre Jacob e Wilhelm lhes permitiu um relacionamento muito próximo e afetuoso que durou a vida inteira.

Foram criados em uma família burguesa, mas sua infância não foi isenta de dificuldades. Seu pai, um funcionário público na cidade de Hanau, foi transferido para Steinau, outra cidade da região. Lá, em 1796, Phillip morreu, deixando sua família em dificuldades financeiras.

Apesar disso, os irmãos Grimm provaram ser talentosos e com inclinação acadêmica. Seus estudos começaram nas escolas da cidade de Kassel, para onde se mudaram com a mãe, e continuaram na Universidade de Marburg, onde ambos ingressaram com a intenção de seguir os passos do pai e estudar direito.

Em Marburg, não só completaram seus estudos, mas também entraram em contato com o poeta e dramaturgo Clemens Brentano (1778–1842) e o jurista e historiador Friedrich Karl von Savigny (1779–1861). Com ambos aprenderam, respectivamente, uma paixão romântica pela cultura popular e um método de pesquisa textual que se mostraria fundamental em seu trabalho posterior com o folclore. No entanto, mais do que românticos, os Grimm sempre mantiveram uma mentalidade realista à frente de seu tempo.

Em 1805, antes de concluir seus estudos, Jacob teve a oportunidade de ir a Paris com Savigny e estudar vários manuscritos medievais. Isso lhe permitiu participar, junto com seu irmão, de um primeiro pedido de pesquisa e compilação de poesia popular, solicitado por Brentano em 1806. Essa experiência foi de grande valor profissional para ambos.

No mesmo ano, as tropas napoleônicas invadiram a Alemanha. Isso preparou o cenário para grandes mudanças políticas e culturais, que coincidiram com a morte da mãe dos Grimm, Dorothea, em 1808. Com apenas 23 anos de idade, o jovem Jacob tornou-se o guardião e provedor da família.

A colaboração dos Irmãos Grimm no projeto de Clemens Brentano e seu colega Achim von Arnim (1781–1831) permitiu que estes publicassem, entre 1806 e 1808, os três volumes de A Trompa Mágica do Jovem (Des Knaben Wunderhorn), uma compilação de canções e poemas folclóricos alemães. Essa antologia inspirou muitos compositores clássicos alemães (como Mendelssohn, Brahms, Schumann e Mahler) e foi uma importante precursora do trabalho dos Irmãos Grimm.

O início de uma vocação

Hermanos Grimm
Kinder- und Hausmärchen (1812) foi a primeira publicação dos Irmãos Grimm, que reunia 86 contos retirados da tradição folclórica alemã.

Os anos de domínio napoleônico na Alemanha trouxeram mudanças para a família Grimm. Inicialmente, em 1808, Jacob conseguiu emprego como bibliotecário particular de Jerônimo Bonaparte (1807–1813), rei da Vestfália e irmão do imperador francês, e no ano seguinte foi contratado como auditor do Conselho Imperial de Estado, cargo que ocupou até a derrota de Napoleão, em 1813.

Wilhelm, por outro lado, voltou para casa após seus estudos em 1808, sofrendo de asma e problemas cardíacos. Em decorrência disso, não conseguiu encontrar um emprego estável até 1814. Além disso, em 1809, foi submetido a uma série de tratamentos médicos para melhorar sua condição, o que o obrigou a se mudar temporariamente para a cidade alemã de Halle.

A Batalha de Leipzig, em 1813, marcou o início da retirada das forças francesas da Alemanha e o surgimento de uma nova ordem nacional e internacional. Jacob conseguiu um emprego na Secretaria da Legação, negociando a devolução de obras de arte saqueadas das províncias alemãs de Hesse e Prússia e, no ano seguinte, participou do Congresso de Viena (1814–1815). Enquanto isso, Wilhelm trabalhava na Biblioteca do Eleitorado de Hesse. Lá, seu irmão se juntou a ele em 1816.

O retorno à normalidade confirmou para os irmãos Grimm que seu interesse pelo direito era coisa do passado. A partir de então, seu trabalho se concentrou exclusivamente no mundo dos livros e da cultura. Incentivados por seus amigos Brentano e von Arnim, realizaram uma compilação de contos populares que, inicialmente, visava reunir contos não apenas da Alemanha, mas também da Espanha, Escandinávia, Grã-Bretanha, Finlândia, Holanda e até mesmo da Sérvia.

Para os Irmãos Grimm, esses contos representavam as verdadeiras histórias humanas e universais, capazes de expressar os valores profundos da cultura europeia. Mas, apesar disso, a aproximação dos Irmãos Grimm com esses contos se distanciou do olhar romântico embelezador e, em vez disso, comprometeu-se a dar-lhes uma forma definitiva sem alterar seus valores e sua essência popular. Sua abordagem foi, portanto, vista como uma aspiração “científica” ao folclore.

Contos da infância e do lar

Hermanos Grimm
Em sua busca por contos tradicionais, os Irmãos Grimm consultaram vários contadores e contadoras de histórias, inclusive a famosa Dorothea Viehmann (1755–1816).

A primeira edição dos Contos da Infância e do Lar dos Irmãos Grimm foi publicada em 1812 e continha 86 histórias oriundas da tradição alemã e europeia. Em 1815, publicaram o segundo volume, que acrescentou ao projeto 70 novas histórias provenientes de diferentes contadores e contadores de histórias alemães, especialmente Dorothea Viehmann (1755–1816), uma conhecida contadora de contos tradicionais, bem como de edições anteriores de Charles Perrault (1628–1703), Johann Karl August Musäus (1735–1787) e Benedikte Naubert (1752–1819).

Em 1816, os Irmãos Grimm se dedicaram a um novo projeto de contos e lendas estritamente alemães intitulado Lendas Alemãs (Deutsche Sagen), que foi concluído em 1818, mas não teve tanto sucesso. E, posteriormente, a uma segunda (1818) e terceira (1822) edições de seus Contos da Infância e do Lar (KHM), nas quais corrigiram e ampliaram o compêndio para um total de 170 contos.

Seguiram-se outras edições em 1837, 1840, 1843, 1843, 1850 e 1857 e, ao longo do caminho, fizeram acréscimos e exclusões para elevar o total para 210 contos de fadas. Todas as edições sempre foram ilustradas, inicialmente por Johann Philipp Groot e depois por Robert Leinweber.

A recepção das primeiras edições deKHM foi positiva, embora não tenham faltado críticas e comentários devido à natureza violenta das histórias (especialmente com relação à punição dos vilões) e também a certas insinuações sexuais consideradas inadequadas para crianças na época.

É por isso que, em sucessivas reedições e versões, os contos compilados pelos Irmãos Grimm foram alterados e suavizados para torná-los mais afinados com a sensibilidade contemporânea. Assim, por exemplo, em 1825, surgiu a Pequena edição (Kleine ausgabe), um terceiro compêndio de 50 contos de fadas dos Irmãos Grimm adaptados para o público infantil. Esse terceiro volume foi tão bem-sucedido que, entre o ano de sua publicação e 1858, houve dez edições sucessivas.

Os Sete de Göttingen

Hermanos Grimm
O Dicionário da Língua Alemã (Deutsches Wörterbuch) era um projeto inacabado no qual os Irmãos Grimm estavam trabalhando desde 1838. A primeira edição foi concluída em 1961.

Quando as oportunidades para os Irmãos Grimm chegaram ao fim em Kassel, eles decidiram se mudar para a cidade de Göttingen, parte do reino alemão de Hanover, onde encontraram emprego como bibliotecários e, mais tarde, como catedráticos. Muitas de suas maiores contribuições para a cultura e a língua alemã vêm desse período.

Esse é o caso do Dicionário da Língua Alemã (Deutsches Wörterbuch), no qual eles começaram a trabalhar em 1838 e publicaram seu primeiro volume em 1854. Esse é o primeiro e mais importante dicionário da língua alemã, cujos trinta e dois volumes foram concluídos somente em 1961, mais de um século após os irmãos Grimm terem iniciado o projeto.

Jacob também fez grandes contribuições para o mundo da filologia germânica, como sua Gramática Germânica (Deutsche Grammatik), o primeiro estudo conhecido sobre o desenvolvimento histórico das línguas germânicas. Produzido entre 1819 e 1837, esse ensaio formulou as leis da mudança fonética em diferentes idiomas (tanto para vogais quanto para consoantes) e lançou as bases para uma etimologia científica e para o que mais tarde ficou conhecido como Lei de Grimm.

Essas publicações foram de grande importância para o estudo linguístico das línguas germânicas, latinas e eslavas. Foram complementadas por traduções da gramática sérvia de Vuk Stefanović Karadžić (1787–1864), um estudioso e amigo de Jacob, e mais tarde por um estudo das antigas práticas, leis e crenças do povo germânico que Jacob publicou em 1828 com o título Antiqualhas do Direito Alemão (Deutsche Rechtsaltertümer).

Na linguística germânica, é conhecido como “Lei de Grimm” (ou Primeira mutação consonantal germânica) um fenômeno de transformação linguística que ocorreu na história das línguas germânica e armênia por volta do século I a.C. Esse fenômeno consistiu na transformação de certos fonemas herdados da língua indo-europeia (fonemas oclusivos surdos e sonoros), de modo que eles continuaram a ser articulados no mesmo ponto da boca, mas de uma forma totalmente diferente.

Wilhelm, por sua vez, dedicou-se ao estudo da tradição literária europeia durante seus anos em Göttingen. Publicou livros sobre os cantares de gesta dinamarqueses e as lendas heróicas alemãs e, em 1835, destacou-se sua Mitologia Germânica (Deutsche Mythologie), um estudo profundo e influente sobre o assunto.

Em 1825, Wilhelm se casou com Henrietta Dorothea Wild, uma jovem natural de Kassel, com quem teve quatro filhos: Jacob (nascido e falecido em 1826), Herman (1828-1901), Rudolf (1830-1889) e Auguste (1832-1919). Jacob, por outro lado, permaneceu solteiro, dedicando-se a suas viagens e trabalhos de campo pela França, Holanda, Bélgica, Suíça, Áustria, Itália, Dinamarca e Suécia.

Em 1837, no entanto, seus dias em Göttingen chegaram ao fim, quando o novo rei de Hanover, Ernest August I (1771-1851), tentou abolir ou reformar a constituição liberal existente. Isso gerou protestos do setor esclarecido da sociedade, especialmente dos professores universitários. Convocados pelo historiador e político Friedrich Christoph Dahlmann (1785–1860), os Irmãos Grimm se juntaram a outros quatro professores e assinaram uma carta de protesto endereçada ao rei, a quem também se recusaram a prestar juramento de fidelidade.

As consequências não demoraram a chegar: os signatários foram demitidos da universidade e três deles, incluindo Jacob, foram expulsos do reino de Hanover. Por essas ações, esse grupo de professores universitários ficou conhecido como os Sete de Göttingen.

A vida na Prússia e seus últimos dias

Hermanos Grimm
Os Irmãos Grimm passaram seus últimos anos em Berlim, no Reino da Prússia. É desse período o retrato de Elisabeth Jerichau-Baumann (1819–1881), de 1855.

Em 1837, os Grimm retornaram a Kassel e viveram lá por três anos, período em que receberam vários convites para ingressar nas universidades alemãs de Hamburgo, Marburgo, Weimar e Rostock, e até mesmo em outras instituições estrangeiras na França, Bélgica e Suíça. Suas ações em Göttingen lhes renderam respeito e reconhecimento na comunidade acadêmica.

Em 1840, finalmente, o rei da Prússia, Frederico Guilherme IV (1795–1861), convidou-os para a Academia Real de Ciências de Berlim. Lá, eles puderam se dedicar totalmente ao seu ambicioso projeto de dicionário, que incluiria todas as palavras da língua alemã desde a época de Martinho Lutero, com suas variantes históricas e explicações etimológicas. Logo também conseguiram um cargo na Universidade Humboldt.

Durante 20 anos, os Grimm viveram no reino alemão da Prússia. Lá, desenvolveram outros projetos importantes, como a História da Língua Alemã (Geschichte der deutschen Sprache), publicada por Jacob em 1848, e muitas outras publicações acadêmicas exclusivas (reunidas sob o título Kleinere schriften, Escritos menores). O renome deles no mundo acadêmico europeu era enorme, e muitas universidades se orgulhavam de tê-los como colaboradores.

Nessa mesma cidade, testemunharam as Revoluções de 1848 e Jacob foi membro do parlamento de Frankfurt. Em 1859, Wilhelm faleceu em 16 de dezembro e foi enterrado no antigo Cemitério de São Mateus, em Berlim. Seu irmão Jacob morreu em 20 de setembro de 1863. Depois de suas mortes, eles receberam várias honrarias e prêmios do povo alemão.

O legado dos Irmãos Grimm

O extenso trabalho dos Irmãos Grimm é um dos pilares acadêmicos do estudo da língua e da cultura alemãs, bem como do estudo científico do folclore. Seu método de coletar e analisar contos tradicionais foi imitado por outros estudiosos em outras regiões geográficas, e seu trabalho no dicionário do idioma alemão inspirou projetos semelhantes na Inglaterra e na França. Portanto, são considerados um dos principais estudiosos de sua época.

Seu trabalho mais amplamente reconhecido é o compêndio de contos de fadas tradicionais (KHM), muitos dos quais sobrevivem até hoje em versões mais ou menos fiéis ao original, traduzidas para mais de 100 idiomas. Também foram adaptados a vários formatos artísticos e de mídia e constituem uma parte importante da imaginação das crianças ocidentais contemporâneas, graças a reformulações populares como as da Walt Disney Pictures.

Alguns dos contos de fadas tradicionais mais conhecidos compilados pelos Irmãos Grimm são:

  • A Bela Adormecida (Dornröschen)
  • Branca de Neve (Schneewittchen)
  • Chapeuzinho Vermelho (Rotkäppchen)
  • Cinderela (Aschenputtel)
  • O Ganso de Ouro (Die goldene Gans)
  • João e Maria (Hansel and Gretel)
  • O lobo e os Sete Cabritinhos (The Wolf and the Seven Little Goats)
  • O Rei Sapo (Der Froschkönig)
  • O Pequeno Polegar (Thumb Thick)
  • Rapunzel (Rapunzel)
  • Rumpelstiltskin (Rumpelstiltskin)
  • O alfaiate valente (Das tapfere Schneiderlein)

Referências

  • Esteban, A. (2007). “Los hermanos Grimm: sus investigaciones en las bibliotecas alemanas”. Mi biblioteca, año 3, n° 9, pp. 116-119.
  • Denecke, L. (2023). “Grimm Brothers”. The Encyclopaedia Britannica. https://www.britannica.com/
  • Hernández, I. (2023). “Hermanos Grimm, los coleccionistas de cuentos”. National Geographic. https://historia.nationalgeographic.com.es/
  • Selfa Sastre, M. y Azevedo, F. (2015), “Siete cuentos inéditos traducidos al español de los Hermanos Grimm: ejemplo de relatos poco moralizantes”. G. Bazzocchi, P. Capanaga, R. Tonin (eds.), Perspectivas multifacéticas en el universo de la literatura infantil y juvenil. MediAzioni.

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

FARÍAS, Gilberto. Os irmãos Grimm. Enciclopedia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/os-irmaos-grimm/. Acesso em: 27 fevereiro, 2024.

Sobre o autor

Autor: Gilberto Farías

Licenciado em Letras (Universidad Central de Venezuela)

Traduzido por: Márcia Killmann

Licenciatura em letras (UNISINOS), Doutorado em Letras (Universidad Nacional del Sur)

Data da última edição: 21 fevereiro, 2024
Data de publicação: 6 dezembro, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)