Johannes Gutenberg

Vamos explicar quem foi Johannes Gutenberg, qual foi sua grande contribuição à humanidade e que mistérios não se puderam desvendar a respeito de sua vida.

Johannes Gutenberg
A invenção da tipografia móvel de Johannes Gutenberg em 1450 foi um marco na história da cultura.

Quem foi Johannes Gutenberg?

Johannes Gutenberg foi um inventor e impressor alemão a quem se atribui a criação, por volta de 1450, da primeira tipografia móvel da história. Este evento é considerado um marco na história da cultura, uma vez que permitiu a produção e circulação em massa de livros, que até então eram copiados manualmente.

O surgimento da imprensa levou à expansão do alfabetismo e da livre circulação das ideias no Ocidente, o que desencadeou uma verdadeira revolução da informação na época. Além disso, o primeiro livro impresso por Gutenberg foi uma edição de 42 linhas por página da Bíblia, cuja circulação foi importante no contexto da Reforma Protestante.

Apesar da importância histórica de sua invenção, considerada junto à conquista da América e à queda do Império Bizantino como um evento fundamental para o advento da Modernidade, não é muito o que se conhece sobre a vida de Johannes Gutenberg. Não se tem certeza a respeito de sua data de nascimento, tampouco informação de sua infância e nem de seu sepulcro.

Nascimento e juventude de Johannes Gutenberg

Johannes Gensfleisch nasceu na cidade de Mainz, atual Alemanha, na época parte do Sacro Império Romano-Germânico, entre 1390 e 1399. Era filho de Friedrich Gensfleisch, um ourives e comerciante alemão, e sua esposa Elsa Wirich, que faziam parte do patriciado local.

O pai de Gutenberg dirigia a casa da moeda de Mainz, por isso que o jovem Johannes estava desde cedo familiarizado com o manejo e a fundição dos metais preciosos e o processo de cunhagem de moedas. Foi tanto assim, que seus primeiros empregos foram como ourives para o bispado da cidade.

Em 1410, a família teve que fugir da cidade de Mainz, devido a um conflito político entre as guildas da cidade e as famílias patrícias, que assumiu um caráter violento quando as guildas tomaram o poder. A família mudou-se para Eltville am Rhein (no atual estado alemão de Hesse).

Quatro anos depois, o clima parecia propício para voltar a Mainz. O pai de Gutenberg pôde retomar seu ofício, embora não pudesse voltar a seus cargos no Estado. Mas ali, o jovem pode começar a estudar. Sua educação continuou na Universidade de Erfurt, onde estudou a partir de 1418. No ano seguinte, seu pai faleceu.

Embora seu sobrenome verdadeiro era “Gensfleisch”, que significava em alemão renano “carne de ganso”, em algum momento o jovem Johannes decidiu substituí-lo por “Gutenberg”, nome da linhagem paterna (“zum Gutenberg”). Não há uma explicação definitiva para esta mudança de nome. De fato, Johannes também usou o sobrenome “Eltville”, com o qual aparece inscrito nos registros de sua universidade.

As guildas medievais (do latim gremium, “refúgio”) eram poderosas associações de artesãos e de mercadores, organizadas de acordo com o tipo de ofício desempenhado. Eram educados no ofício, controlava-se o número de oficinas ativas e eram ajudados por seus integrantes. A pertença aos grêmios era obrigatória para desempenhar o ofício, e à medida que surgia deles uma nova classe média, o conflito com a aristocracia tradicional pelo controle dos recursos não se fez esperar.

O processo de Estrasburgo

Gutenberg retornou a Mainz em algum momento perto de 1420, para se encontrar com um panorama difícil: o conflito entre as guildas e os patrícios ganhava novo impulso, e a morte de seu pai tinha privado a família de sua figuração pública e sua entrada de dinheiro. A mãe tinha se mudado para uma casa mais modesta e os irmãos tinham saído de casa.

Apesar de não estar filiado ao grêmio, o jovem Gutenberg conseguiu trabalho na casa da moeda, graças às conexões de seu falecido pai. Mas o panorama não era muito promissor: as tensões políticas cresciam conforme a cidade se aproximava da bancarrota. Finalmente, um novo êxodo patrício ocorreu. Gutenberg deixou a cidade e se estabeleceu em Estrasburgo, na atual França. Lá viveu e trabalhou durante os próximos 20 anos.

Johannes Gutenberg
Gutenberg deu em Estrasburgo os primeiros passos na criação da imprensa moderna.

Os primeiros registros de Gutenberg em Estrasburgo datam de 1434 a 1444. Sabe-se que trabalhou como ourives e cortador de pedras preciosas, e que teve vários discípulos a seu cargo. Tudo isto foi possível graças à sua associação com outros três cidadãos locais ricos: Hans Riffe, Andreas Dritzehn e Andreas Heilmann.

Inicialmente, o acordo entre Gutenberg e os seus parceiros dizia respeito à produção de lentes e espelhos, ao corte de pedras preciosas e outras atividades similares. Mas logo se descobriu que Gutenberg dedicava seus maiores esforços a um projeto secreto: a tipografia de tipos móveis. Uma invenção que mudaria a história. Dessa forma, parece que os sócios de Gutenberg o entenderam, pois decidiram apoiá-lo e embarcar com ele na aventura.

Em 1438 os quatro assinaram um contrato para criar uma sociedade dedicada à criação da imprensa e estabelecer as regras segundo as quais ela seria regida. O acordo duraria cinco anos e, em caso de morte de um dos sócios, os seus herdeiros não poderiam fazer parte da empresa, mas deveriam ser compensados financeiramente.

Em dezembro desse mesmo ano, Andreas Dritzehn faleceu e as coisas complicaram-se. Os seus herdeiros não aceitaram as cláusulas do contrato e exigiram ser incluídos como sócios do projeto de Gutenberg, para isso, iniciaram uma ação contra ele. Este processo é conhecido como o “processo de Estrasburgo”.

O júri decidiu a favor de Gutenberg e dos seus outros sócios: o que foi pactado no contrato devia ser respeitado. Mas o projeto secreto de Gutenberg se tornou público: houve testemunhas da sua compra de material de impressão e dos seus contratos com carpinteiros para produzir as imprensas. Gutenberg, entretanto, continuou com o seu projeto.

A Bíblia de Gutenberg

Johannes Gutenberg
Da Bíblia de Gutenberg foram impressos 180 exemplares, dos quais menos de cinquenta sobrevivem.

Sabe-se que Gutenberg voltou a Mainz brevemente em 1448, em busca de financiamento para seu projeto. Conseguiu-o inicialmente da parte de um familiar e em 1450 da parte do jovem burguês e agiota Johann Fust (c. 1400–1466). O empréstimo inicial foi de 800 florins, para o qual Gutenberg colocou suas próprias ferramentas como garantia. Dois anos depois, seguiram-se outros 800 florins.

Com tal capital, Gutenberg pode terminar e aperfeiçoar sua invenção, e fundar a primeira imprensa da história, O trabalho dos livros (Das Werk der Bücher) em 1452. O próprio Gutenberg, seu sócio Fust e o genro deste, o calígrafo Peter Schöffer, fizeram parte do empreendimento.

Desta oficina surgiu em 1455 o primeiro livro feito com uma imprensa moderna: A Bíblia de 42 linhas, também conhecida como Bíblia de Mazarino ou, simplesmente, como a Bíblia de Gutenberg.

Tratava-se de um livro de 1282 páginas, de dois blocos de texto cada uma e 42 linhas cada bloco, escrito em latim e encadernado em, pelo menos, dois volumes. Foram produzidos apenas 180 exemplares: 45 utilizando pergaminho e 135 usando papel. Apesar de terem sido produzidos em série, cada exemplar era único, pois contou com a rubrica e a ilustração manual de um especialista.

A Bíblia de Gutenberg foi em anos posteriores um sucesso de vendas e estima-se que tenha produzido várias vezes a soma de dinheiro devido por Gutenberg: foi vendido a 30 florins cada. No entanto, o inventor não chegaria a desfrutar monetariamente disso.

A Bíblia de Gutenberg é o primeiro livro incontornável da história, ou seja, produzido em uma gráfica muito primitiva que se considera “no seu berço”, ou seja, na sua infância. Atualmente, apenas 21 exemplares completos (cerca de 49 sobreviventes) são mantidos e guardados em países como os Estados Unidos, Alemanha e Inglaterra.

No mesmo ano de 1452, levando em consideração que Gutenberg estava atrasando o pagamento do empréstimo, o seu sócio, Johannes Fust, exigiu que saudasse a sua dívida. Gutenberg não tinha como pagá-la, pois preferia se concentrar na perfeição e qualidade de suas obras, e não na rentabilidade da empresa. Então, Fust o levou a julgamento e, desta vez, Gutenberg perdeu o processo.

Desta forma, o controle da gráfica, a sua produção e seus dividendos passaram para as mãos de Fust em 1455, que durante os anos seguintes continuou a explorar a invenção de Gutenberg, com a ajuda de seu genro. O antigo agiota tornou-se, assim, um dos primeiros impressores da história.

Na verdade, o primeiro livro da história a usar o nome do seu impressor foi um saltério que Gutenberg tinha trabalhado arduamente na época, e que apareceu em 1457 em Mainz, com os nomes de Johann Fust e Peter Schöffer.

Os últimos anos de Gutenberg

Johannes Gutenberg
Gutenberg não colheu os frutos de sua invenção, mas seu nome passou à história como o inventor da imprensa moderna.

Desconhece-se o número exato de livros que Gutenberg conseguiu imprimir antes ou depois de perder o controle da sua gráfica. Suspeita-se que vários exemplares eclesiásticos, vários volumes da gramática latina Ars minor de Aelius Donatus, e outras edições da Bíblia de 36 linhas, tenham sido obra sua.

Desconhecem-se também as condições econômicas reais em que Gutenberg passou os seus últimos dias, dado que provinha de uma família abastada. A verdade é que não desfrutou do sucesso merecido por sua invenção. Em 1465, o arcebispo de Mainz, Adolfo II de Nassau, atribuiu-lhe uma renda vitalícia de grãos, vinho e têxteis para a sua manutenção, e isentou-o de pagar certos impostos.

Gutenberg morreu em Mainz, em 3 de fevereiro de 1468. Foi enterrado na Igreja Franciscana da cidade, mas seu túmulo se perdeu com o passar dos anos, especialmente depois dos incêndios que assolaram a cidade, em 1793. No entanto, o seu nome inspirou e continua a inspirar as gerações vindouras.

Hoje em dia, é homenageado em Salzburgo, Viena, Mainz e outras cidades europeias. Em sua cidade natal, por outro lado, foi erigido em 1900 o Museu Gutenberg, em homenagem a quem se conhece hoje como “O homem do milênio”. Ali repousam dois exemplares (incompletos) de sua famosa Bíblia de 42 linhas.

Além disso, seu nome foi outorgado a uma cratera lunar (entre as crateras de Colombo e Magalhães) e ao projeto de biblioteca digital de livros de domínio público iniciado por Michael Hart (Projeto Gutenberg).

Gutenberg realmente inventou a imprensa?

Seria impreciso afirmar que Gutenberg foi o inventor da tipografia, quando na realidade foi o inventor da tipografia moderna, ou seja, a imprensa de tipos móveis. A impressão, ou seja, a transferência de padrões de tinta para uma superfície de tecido ou de papel é uma técnica há muito tempo conhecida da humanidade, cujas origens remontam à Antiga China.

Naquela época, eram utilizados blocos de madeira esculpida sobre os quais se estendia o papel ou a tela, que depois se pressionava com um rolo para deixar uma marca visível de tinta. Assim foram “imprimidos” numerosos tratados taoistas e budistas, o qual teve um importante impacto na expansão da religião na Ásia.

Este método foi melhorado com o passar do tempo e assim surgiram diferentes sistemas de impressão por selos, remotamente similares aos da máquina de Gutenberg, entre os séculos XI e XIV. E embora não tenham sido empregados tão amplamente na Ásia, desempenharam um papel fundamental no surgimento da burocracia chinesa.

Entretanto, as complexidades da escrita chinesa fizeram o mecanismo trabalhoso e requereram a utilização de centenas de caracteres diferentes. É por isso que, em 1298, o inventor chinês Wang Zhen projetou um sistema de mesas redondas rotativas para permitir aos impressores ordenar as centenas de blocos de madeira necessários para produzir diferentes mensagens. Os blocos de caracteres eram ordenados por um esquema de rima e se empregava na sua fabricação a madeira, cerâmica ou argila.

Na Europa, pelo contrário, a impressão existia mais em termos de xilografia: estabeleceram-se padrões metálicos com desenhos e formas, que depois se pressionavam sobre papel ou tela para criar uma ilustração ou uma mensagem. Mas forjar estes moldes era um trabalho custoso e exigente, já que não podendo variar as formas ou a mensagem, tinham um único uso.

Johannes Gutenberg
A máquina de Gutenberg permitiu reproduzir textos mecanicamente de forma rápida, barata e eficaz.

Então, apareceu a máquina de Gutenberg e mudou radicalmente o panorama. Primeiro, porque ele usava blocos de metal com os caracteres do alfabeto (semelhantes aos chineses, mas muito menos em quantidade), de modo que poderiam ser organizados de forma conveniente para formar as palavras de uma página. E por outro lado, empregava os mecanismos existentes de imprensa para permitir a rápida e eficaz transferência da tinta ao papel ou ao pergaminho.

A grande invenção de Gutenberg, portanto, não foi conceber do nada uma técnica original, mas desenhar e construir o aparelho que a permitisse aplicar de uma maneira rápida, eficiente e econômica. Este aparelho é precisamente aquilo que hoje conhecemos como tipografia, ou seja, a imprensa moderna.

Graças a este aparelho, foi possível produzir e reproduzir textos mecanicamente, sem precisar de copistas trabalhando durante horas e sem ter que criar a partir do zero cada padrão para um desenho ou uma letra. Isso tirou o domínio da letra impressa da Igreja Católica, pois em uma oficina relativamente pequena era possível produzir livros rápida e livremente.

Desta forma, a imprensa de Gutenberg lançou as bases para um conjunto de mudanças culturais, sociais e políticas na Europa e no resto do mundo.

Referências

  • Flores, J. (2023). “Gutenberg, el inventor de la imprenta moderna”. National Geographic en español. https://historia.nationalgeographic.com.es/
  • García, I. (2021). “Johannes Gutenberg: pionero de la imprenta y la cultura”. Deutsche Welle en español. https://www.dw.com/
  • Lehmann-Haupt, H. (2023). “Johannes Gutenberg (German printer)”. The Encyclopaedia Britannica. https://www.britannica.com/
  • Minguzzi, S. (2012). “The printing revolution: Johannes Gutenberg”. Colorado State University.
  • Vander Hook, S. (2010). Johannes Gutenberg. Printing Press Innovator. ABDO Publishing Company.

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

FARÍAS, Gilberto. Johannes Gutenberg. Enciclopedia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/johannes-gutenberg/. Acesso em: 20 fevereiro, 2024.

Sobre o autor

Autor: Gilberto Farías

Licenciado em Letras (Universidad Central de Venezuela)

Traduzido por: Cristina Zambra

Licenciada em Letras: Português e Literaturas da Língua Portuguesa (UNIJUÍ)

Data da última edição: 6 dezembro, 2023
Data de publicação: 6 dezembro, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)