Sócrates

Vamos explicar quem foi Sócrates e por que revolucionou o conceito de filosofia. Além disso, suas características mais importantes e os principais ensinamentos.

socrates
Sócrates estimulava os seus ouvintes a realizar um exame de consciência.

Quem foi Sócrates?

Sócrates é um dos filósofos ocidentais mais importantes de toda a história da filosofia. Nasceu em Atenas, Grécia, no ano 470 a.C, e morreu no ano de 399 a.C. Por não haver escrito obras conhecidas, quase toda a informação que há sobre seu pensamento, vida e obra é por meio de seu discípulo mais famoso, Platão, que o transformou no principal interlocutor da maioria de suas obras. Aristófanes também o incluiu em suas obras, assim como Xenofonte nos seus diálogos. Antístenes, Aristipo e Esquines também foram seus discípulos.

Sócrates foi um excelente professor. Aos 40 anos já ensinava na via pública, em banquetes e na Ágora, que é como se chamavam as praças das pólis gregas. Seu ensino era gratuito e oral, e estimulava todos os ouvintes a analisar tudo aquilo que consideravam ser verdade e, em muitos casos, funcionava como um convite a realizar um exame de consciência.

Sócrates marcou um antes e um depois na filosofia. Deu início a um pensamento baseado no diálogo, a uma postura crítica e a conjecturar verdades comumente aceitas como evidentes.

É famoso, principalmente, por ser o precursor da ideia dos universais de Sócrates. Estes consistiam na definição de um conceito, na maioria dos casos, uma virtude moral, que marca uma forma de atuar na vida cotidiana.

A vida de Sócrates

Sócrates nasceu em Atenas, no ano 470 ou 469 a.C. De acordo com Platão, morreu executado em 399 a.C. Seus pais foram Sofronisco e Fenáreta do demo (do grego δῆμος, significa “população” no sentido administrativo) de Alópece.

Acredita-se que sua mãe foi parteira e seu pai exercia o ofício de pedreiro ou de escultor. Através dos diálogos platônicos, recebemos a informação de que Sócrates participou de, pelo menos, três batalhas da Guerra do Peloponeso, nas quais lutou ao lado de Laques e salvou a vida de Alcibíades, como este mesmo menciona em O Banquete.

Os diversos testemunhos sobre a sua vida descrevem-no como um homem casado, pai de três filhos e amigo de muitos jovens e pensadores da época. Platão narra os pontos de vista de Sócrates e suas preferências sobre diferentes concepções filosóficas e valores morais. A sua paixão pela utilidade dos ideais de beleza e de bondade opõe-se ao seu próprio aspecto físico, com pouca graça e, muitas vezes, objeto de piada, até mesmo de filósofos posteriores como Nietzsche.

Sócrates insistia em buscar definições para as diferentes virtudes e aconselhava as pessoas a cuidar da sua alma e da sua capacidade de raciocinar e adquirir conhecimento, antes de se preocupar com seu aspecto físico, o que às vezes resulta contraditório.

A visão de que a bondade e a beleza eram definidas pelo seu nível de utilidade mostra como era a forma de pensar do filósofo ateniense. Nos diálogos de Platão ou nas obras de Xenofonte, é descrito como alguém que podia confundir e depois guiar o pensamento das outras pessoas a novas posições, antes não consideradas. Para isso, lançava mão de perguntas, a maioria quase de senso comum. Seu intuito era a importância de medir as coisas pelo seu fim em si mesmo, e como algo funcional era mais bonito do que algo puramente estético.

Os seus anos de maturidade foram de participação política muito ativa. Além de ter servido no exército durante a guerra, fez parte de diversos debates e de decisões que envolviam a cidade de Atenas. Embora não ocupasse um cargo político oficialmente (algo de que se gabava), foi a sua participação na política que o levou à morte. Sócrates não estava de acordo com o sistema democrático, mas jamais foi contra as leis vigentes da cidade.

No fim da guerra do Peloponeso, em 404 a.C., um grupo de homens tomou o poder na cidade de Atenas e instaurou um regime oligárquico, conhecido como Tirania dos Trinta. Muitos deles eram amigos ou companheiros de Sócrates que não contavam, porém, com o seu apoio em relação à violência desta ação. Depois de terem tomado o poder, os Trinta deram ordem a Sócrates para prender Leão de Salamina, um homem rico e influente.

Outra vez, Sócrates que era contrário à violência como recurso político, opôs-se e foi para casa. Foi salvo deste ato de rebeldia graças à contrarrevolução que restaurou a democracia. Entretanto, os novos democratas sabiam que os membros dos Trinta (como Crítias, Alcibíades e seus companheiros) eram do círculo de Sócrates. Como não eram homens de violência, optaram por acusá-lo por escrito e levá-lo a julgamento. O principal acusador era Meleto, que junto a Ânito –um homem poderoso para a época– assinaram a carta. O texto o acusava de ter ofendido a religião do Estado e ter corrompido a moral da juventude.

Em vez de fugir da cidade ou propor um castigo diferente da morte, Sócrates defendeu-se, reivindicando assim o trabalho da sua vida. Foi condenado à morte e, não seguindo o conselho da maioria dos seus amigos, decidiu acatar a lei e morreu assassinado ao ser obrigado a beber a cicuta. Tanto a sua defesa como as suas últimas conversas foram narradas na Apologia de Sócrates e no Fédon, ambas obras dialógicas de Platão.

O legado de Sócrates

Sócrates - Platón
Os diálogos de Platão refletem todo o legado de Sócrates.

Uma das contribuições mais importantes de Sócrates é que, para ele, a filosofia deve ser um exercício de ajuda prática para a vida dos homens. A filosofia deve ensinar a viver. Isto implica compreender profundamente diferentes elementos filosóficos, como o bem e o mal, a virtude ou a piedade, e descobrir a sua utilidade quotidiana. Só assim o indivíduo pode chegar ao conhecimento.

Sócrates não escreveu seus ensinamentos. Acreditava que se o fizesse, suas ideias poderiam ser confundidas. Tudo o que é conhecido na atualidade, foi possível graças às anotações dos seus discípulos, principalmente, as de Platão. Na maioria dos diálogos de Platão, Sócrates é o personagem principal. Sócrates cumpre uma função secundária em somente duas obras de Platão que foram escritas durante a etapa da velhice. O mesmo ocorre com muitas das obras de Xenofonte e com as de Aristófanes.

Contudo, não ter deixado uma obra escrita faz do Sócrates histórico um personagem muito mais interessante, confuso e imprescindível para a história da filosofia. Sua atitude filosófica, tal como seus discípulos a mostram, definiu um precedente não só para a prática quotidiana da filosofia, o papel do professor ou a forma de chegar às perguntas, mas também para o objetivo que a filosofia em geral deve assumir.

O método socrático

Sócrates
O fim da maiêutica é chegar à verdade mediante o diálogo.

A maiêutica

Os escritos mais populares pelos quais o pensamento de Sócrates é conhecido são os diálogos de Platão. Estes consistem em uma série de perguntas e respostas entre o filósofo e os seus alunos. Este diálogo de perguntas e respostas é conhecido como o método socrático ou maiêutica que até hoje é utilizado.

Quando é chamado de “maiêutica”, é descrito como um processo semelhante ao do parto. A maiêutica é uma forma de ajudar o interlocutor a encontrar a verdade que já traz consigo. Assim, o método empregado procura chegar à verdade mediante o diálogo, perguntando uma e outra vez sobre o que foi dito.

O próprio Sócrates é quem compara o seu procedimento com “dar à luz”. O banquete conta como a sacerdotisa Diotima afirma que a alma de cada homem quer dar à luz e por isso a tarefa do filósofo é a de um parteiro que ajuda no nascimento do conhecimento ou logos.

Maiêutica, inclusive, significa “parteira” ou “obstetrícia”, profissão exercida pela mãe de Sócrates. Mesmo no Teeteto, Sócrates lembra o seu interlocutor que sua mãe era parteira e que ele cumpria a mesma função que ela, porém, em relação à alma dos homens, ajudando a dar à luz aos conhecimentos guardados em suas almas.

A estrutura dialógica do método

Estruturalmente, a maioria dos diálogos de Platão nos quais aparece Sócrates mantém a mesma forma de argumentação. Trata-se de uma série característica de passos baseados em perguntas e respostas, classificadas em duas grandes partes: a ironia socrática e a maiêutica como procedimento propriamente dito.

A primeira pode ser resumida em duas atitudes discursivas que Sócrates assume: a ironia socrática e a refutação. De fato, muitas vezes o método na sua totalidade é chamado de “ironia socrática”. Independentemente do nome, as atitudes que Sócrates representa são as seguintes:

  • A ironia. É a forma de fingir ignorância em relação a um conhecimento ou assunto. Diante de um interlocutor que se assume como o especialista na matéria a tratar, Sócrates age como se não soubesse em que consiste o tema a discutir e pergunta sobre isso ironicamente. Acredita-se que esta atitude seja uma forma de zombar de si mesmo, pois ele era considerado “o homem mais sábio de Atenas”.
  • A refutação. É a demonstração da contradição do pensamento da pessoa. Através da refutação, a própria ignorância da pessoa é destacada.

O que acontece em muitas das obras de Platão é que, na melhor das hipóteses, os interlocutores de Sócrates entram em aporia: rejeitaram as suas antigas opiniões, mas encontram-se num beco sem saída. Se num primeiro momento do diálogo o interlocutor acha que sabe, por exemplo, em que consiste a piedade, no final descobre que não era como pensava e, no entanto, continua sem saber o que é.

A ironia e a refutação acompanham a maiêutica. Uma vez que o interlocutor se libera de suas antigas crenças, o diálogo continua de maneira tal que, com a ajuda de Sócrates (como se fosse uma parteira), se dê à luz ou se descubra o conhecimento já acumulado na alma de quem é auxiliado, da mesma forma que é contado em O Banquete e no Teeteto.

“Só sei que nada sei”

Sócrates
Dizem que Xenofonte consultou o oráculo de Delfos para saber se havia alguém mais sábio que Sócrates.

Sócrates duvida de tudo, inclusive daqueles que eram considerados sábios na época. De acordo com a história, seu amigo, o sábio Xenofonte, foi até o oráculo de Delfos e perguntou se existia alguém mais sábio que Sócrates. A pitonisa do oráculo respondeu-lhe que “não havia ninguém mais sábio em toda Atenas”. Contudo, Sócrates duvidou do oráculo.

A diferença entre os sábios da época e Sócrates é que os sábios se acreditavam absolutos, com um conhecimento absoluto, enquanto Sócrates podia ver sua sabedoria mas também sua ignorância. Daí sua famosa frase “só sei que nada sei”. É importante esclarecer que esta frase é uma aproximação ao que ele alguma vez poderia ter dito. Ao observar os diálogos platônicos, é possível verificar que se trata de uma paráfrase de algumas das suas afirmações.

Por exemplo, na Apologia de Sócrates (de Platão) em meio a uma discussão, diz: “Aquele homem acredita que sabe alguma coisa quando não sabe [nada]. Enquanto eu, como não sei [nada], também estou certo de não saber [saber alguma coisa]”. Estritamente, Sócrates não afirma não saber, mas acredita reconhecer-se como ignorante, e é aí que radica, então, sua verdadeira sabedoria.

O conceito do bem e do mal

Para Sócrates, os vícios são expressões da ignorância. Por outro lado, toda virtude é sinal de conhecimento. O conhecimento é fundamental já que graças a ele é possível chegar à verdade e, para Sócrates, toda pessoa que tenha um conhecimento justo e medido atuará bem. Por outro lado, aqueles que agem mal é por ignorância e não por maldade. O ser humano é bom por natureza e somente agirá com maldade quando desconheça a verdade. Nisso consiste a verdadeira ignorância, é assim que Sócrates pensa e apresenta.

A palavra e a escrita

Sócrates
Sócrates ensinava por meio da oratória.

Sócrates dava todas as suas palestras ou aulas em locais públicos e o fazia de forma oral: para ele a discussão tinha mais força no terreno da oralidade.

Por outro lado, é importante considerar que, naquela época, quase a totalidade do povo ateniense não sabia ler, portanto para ele a oratória corresponde a um meio de comunicação fundamental para chegar ao conhecimento da verdade.

O conhecimento e a sabedoria

Sócrates
Para Sócrates, o conhecimento deve cumprir e auxiliar nas funções práticas.

Para Sócrates, o conhecimento não está limitado ao acúmulo do saber, mas o conhecimento é, em parte, aquilo que o sujeito traz consigo e que serve de base para ir somando novos conhecimentos. Por outro lado, para Sócrates, o conhecimento deve cumprir e ajudar em funções práticas. Caso contrário, é um conhecimento inerte.

Referências

  • Guthrie, W. (1988). Historia de la filosofía griega, vol. IV. Platón, el hombre y sus diálogos: primera época. Gredos.
  • Guthrie, W. (1988). Historia de la filosofía griega, vol. V. Platón, segunda época y la Academia. Gredos.
  • Guthrie, W. (1994). Historia de la filosofía griega, Vol III. Siglo V. Ilustración. Gredos.
  • Guthrie, W. (1953). Los filósofos griegos. De Tales a Aristóteles. FCE.

Como citar?

Citar a fonte original da qual extraímos as informações serve para dar crédito aos respectivos autores e evitar cometer plágio. Além disso, permite que os leitores acessem as fontes originais que foram utilizadas em um texto para verificar ou ampliar as informações, caso necessitem.

Para citar de forma adequada, recomendamos o uso das normas ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), que é uma entidade privada, sem fins lucrativos, usada pelas principais instituições acadêmicas e de pesquisa no Brasil para padronizar as produções técnicas.

ESPÍNOLA, Juan Pablo Segundo. Sócrates. Enciclopédia Humanidades, 2023. Disponível em: https://humanidades.com/br/socrates/. Acesso em: 9 julho, 2024.

Sobre o autor

Autor: Juan Pablo Segundo Espínola

Licenciatura em Filosofia (Universidad de Buenos Aires)

Traduzido por: Márcia Killmann

Licenciatura em letras (UNISINOS), Doutorado em Letras (Universidad Nacional del Sur)

Data da última edição: 30 março, 2024
Data de publicação: 28 junho, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)